7 tendências do varejo para o empreendedor ficar de olho

O mercado brasileiro, afetado pela crise econômica, ainda tenta encontrar formas (e forças) para inovar, aumentar sua eficiência e atender às expectativas dos consumidores. Para começar a buscar esses objetivos, é importante estar antenado às tendências do varejo, sendo que boa parte delas já se concretizaram. Elas apontam mudanças nos meios de promover uma oferta, de relacionar-se com o público e de analisar comportamento de consumo.

Com base nisso, preparamos uma lista com as 7 principais tendências do varejo para 2016. Se você quer ficar bem informado e encontrar modos para movimentar mais o seu negócio, então, continue acompanhando!

1 – Crescimento do e-commerce

O comércio eletrônico vai na contramão do momento vivido pelo varejo tradicional — por conta disso, grandes empresas perceberam essa tendência e começam a aumentar seus investimentos na web. Essa é uma mudança necessária muito em função da concentração de mercado que começava a se construir na internet.

Players como B2W Digital (Americanas.com, Submarino.com.br, Shoptime.com.br) e Cnova (Casasbahia.com.br, Pontofrio.com.br, Extra.com.br) representam mais de 40% do comércio eletrônico, segundo dados da SBVC (Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo).

A E-bit também aponta um cenário positivo no e-commerce. Em seu último relatório semestral, verificou-se que em 2015 houve um aumento de 3% de novos consumidores únicos (total de 39,1 milhões) e, em relação ao faturamento e ticket médio, a expectativa de crescimento é de 8% em 2016.

2 – Presença no mobile

A questão da adaptação do mercado ao mobile é tendência e realidade ao mesmo tempo. Isso acontece porque mesmo que os smartphones já façam parte do processo de compra pelos consumidores, ainda são aparelhos submetidos às constantes inovações tecnológicas.

Se há alguns anos muito se falava sobre a necessidade de criação de sites mobile ou responsivos, agora a tendência são os pagamentos feitos diretamente pelos dispositivos móveis. Grandes empresas já lançaram suas plataformas, como a Samsung Pay e a Apple Pay. Esse é um exemplo claro de acompanhar esse perfil de consumidores que compram cada vez mais pelo celular.

Além de sites adaptados e pagamentos mobile, vale ressaltar a necessidade de olhar com mais atenção para outras estratégias. Entre elas podemos destacar: desenvolvimento de aplicativos, ações de marketing envolvendo geolocalização e tecnologias de reconhecimento de smartphones dos clientes no PDV.

3 – Investimento em omnichannel

Omnichannel não é somente uma questão de integração tecnológica, é de cultura empresarial. A ideia é padronizar processos, inteligência, comunicação e relacionamento com o cliente em todos os canais de atendimento da empresa.

Não se trata mais de loja física, virtual e mobile, mas sim a união de todos esses canais. Essa é a visão que o consumidor precisa ver e vivenciar, afinal, a expectativa dele é, por exemplo, poder comprar no e-commerce e resgatar na loja, bem como ter um atendimento qualificado nos dois ambientes. A finalidade é fazer com que o cliente perceba que há uma unidade que represente a mesma marca que ele interage.

4 – Maior uso do Big Data

Big data não se trata apenas de armazenagem de grandes e importantes dados, mas sim de gerenciá-los para gerar resultados. É uma ferramenta de inteligência a serviço de gestores e diretores para ter insights para a empresa, tendo como base o comportamento dos seus leads e clientes.

Todas as interações digitais produzem dados, seja um cadastro no site, o histórico de compras ou a localização do cliente registrada no GPS. São informações passíveis de monitoramento e devem ser usadas como base de conhecimento das necessidades e preferências dos consumidores.

Portanto, se você é um varejista que se preocupa em entregar uma experiência memorável aos seus clientes, comece a considerar os benefícios que o Big Data pode proporcionar. Sua aplicação é muito útil para dar mais precisão às ações de marketing e aprimorar oatendimento.

5 – Foco em experiência de consumo

Experiência de consumo tem tudo a ver com expectativas, impressões e satisfação de um cliente com uma marca. Envolve todos os pontos de contato do consumidor com a empresa, como atendimento, navegação no site, acompanhamento de pedido, presença na loja física, etc. Seus objetivos são atender às exigências do público e fortalecer a imagem da marca. Tal área é tão importante que em muitas organizações já possuem seus próprios setores ou estratégias, denominadas de CX (Customer experience).

Atualmente, o que dita uma experiência de consumo memorável é a personalização. Trata-se de proporcionar uma experiência individual, customizada aos interesses de cada consumidor. Com o Big Data, por exemplo, isso se torna mais simples, pois é possível estudar os clientes, entender o que precisam e, assim, entregar um serviço de modo mais assertivo.

Outras práticas de aprimoramento da experiência de consumo são: desenvolver um site com navegação intuitiva, ter agilidade no atendimento, fazer o cliente se sentir confortável na loja e tudo que proporcionar satisfação ao consumidor enquanto ele se relaciona com a sua empresa, não importa se for fisicamente, pelo desktop ou via mobile.

6 – Exploração de nichos de mercado

Neste tópico, vamos dividir essa questão em dois segmentos: nichos geográficos e nichos de interesse.

Nichos geográficos

Tem relação com a expansão territorial das marcas. As empresas, em especial os grandes varejistas, começam a atuar nos mercados mais locais, como em periferias, comunidades, bairros, distritos e cidades menores. A ideia é facilitar o acesso, por parte do público, a determinados produtos e serviços, antes presentes apenas nos grandes centros.

Não é só uma forma de descentralizar seus negócios, mas sim de aproximar-se de consumidores que enfrentam dificuldades para locomover-se pelas metrópoles. Contudo, não basta apenas criar uma filial, é importante se comunicar e entender o papel que uma média/grande empresa exerce na comunidade na qual se instala. Criar esse envolvimento local é aconselhável para garantir uma boa relação com aquele grupo de pessoas.

Nichos de interesse

Já essa segmentação tem a ver com as ofertas e demandas mais customizadas. Também é uma forma de descentralização, só que nesse caso de produtos. Por exemplo, em vez de oferecer uma maior quantidade e pouca variedade de produtos, é feito o inverso: abre-se um leque maior de ofertas em uma menor quantidade.

O que se busca com essa prática é atender uma demanda mais individualizada e heterogênea. O que se vê atualmente é uma grande variedade de estilos de vida, comportamentos e atitudes — isso, consequentemente, leva a desejos de compra diversos.

7- Uso de soluções pré-pagas

Uma tendência entre os consumidores brasileiros em 2016 é fazer compras mais planejadas. O poder aquisitivo diminuiu e, com isso, as pessoas buscam formas de ter mais o controle dos seus gastos. Uma das soluções mais interessantes nesse cenário são as modalidades de pagamento pré-pago, como cartões presentes e pré-pagos recarregáveis da loja, por exemplo.

Esse modelo de troca/pagamento é uma boa alternativa porque gera previsibilidade e flexibilidade tanto para o consumidor quanto para a empresa. Para o cliente é relevante porque ele sabe o quanto tem para gastar, elimina os riscos de endividamento e não fica preso a contratos e mensalidades, tornando a compra mais racional. Para as empresas é importante porque você passa a receber adiantadamente e ainda pode gerar mais receitas com o saldo não utilizado pelo público.

O primeiro passo para aumentar as vendas no seu varejo foi dado: entender como as tendências listadas interferem no comportamento de empresas e clientes. Elas envolvem um mix de mudanças tecnológicas, estruturais e, especialmente, culturais. O desafio agora é analisar o seu atual modelo de negócios, reavaliar processos e estratégias e definir quais dessas orientações devem ser aplicadas.

Quais dessas tendências do varejo você acredita que mais fará a diferença no mercado? Qual delas você já adota? Compartilhe sua opinião e participe nos comentários!

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.