Como aumentar as vendas do varejo explorando o mercado B2B?

Em tempos nos quais não se pode perder oportunidades comerciais, é preciso estar atento a todo tipo de possibilidade de vendas.

Ainda assim, muitos gestores acabam deixando de lado o comércio focado nas relações entre empresas. O mercado B2B é uma ótima área para se conseguir melhorar o faturamento mensal e é por isso que ele não pode ser esquecido.

Para facilitar a entrada ou reaquecimento do seu B2B, selecionamos algumas boas práticas. Confira:

1. Prospectar novos clientes ativamente

Para vender mais, não há nenhuma fórmula mágica, mas é preciso ter esforço e dedicação. Por isso, não se pode ter uma postura passiva e comodista: é necessário ir atrás dos clientes. A prospecção é parte de todo esforço de vendas e deve ser feita com energia e estratégia.

Avalie que tipo de clientes você pode ter no B2B e identifique onde eles estão. Liste ambientes e grupos em que eles frequentam e organize-se para se fazer presente nestes locais.

2. Revitalizar as suas parcerias e contatos comerciais

Além de novos contatos, os antigos conhecidos também podem ser uma boa fonte de vendas. Como o relacionamento já existe, é possível que se tenha um pouco mais de abertura para a conversa.

Ainda que eles não efetuem negócios diretamente, reaquecer estes contatos comerciais pode acabar resultando em algumas indicações e boas chances de chegar em novas empresas com a chancela de quem já conhece o seu trabalho e/ou a sua empresa.

Assim, fica bem mais fácil abrir um diálogo sem uma postura muito resistente, como muitas vezes acontece com novos relacionamentos comerciais.

3. Trabalhar bem o catálogo de produtos ou serviços

Outro ponto importante é lembrar-se de revisar o catálogo de produtos e serviços oferecidos — não se pode permitir que oportunidades escapem pelos dedos.

Para garantir que isso não ocorra, você e sua equipe precisam estar bem atentos e focados em conseguir utilizar cada item ou linha de produtos ou serviços oferecidos pela sua empresa para potenciais clientes B2B.

Às vezes um tipo de catálogo funciona melhor em alguns clientes, mas, para agradar a outros, é necessário oferecer uma gama um pouco diferente. O fato é que conhecendo bem o que a sua empresa tem a oferecer, é possível abrir mais frentes de negociação do que ficar somente focando nos itens que são tidos como os campeões de vendas.

4. Oferecer cartões presente

Uma opção que deve ser muito bem explorada no mercado B2B são os cartões presentes. Também conhecidos como gift cards, este tipo de benefício tem vantagens para todos os envolvidos.

A sua empresa consegue aumentar o faturamento, sem o risco de inadimplência, incentivando ainda o cliente final a comprar um pouco mais. A empresa parceira pode oferecer o benefício a seus funcionários em datas comemorativas e até mesmo aos clientes, tendo uma maior flexibilidade quanto aos valores oferecidos.

Além disso, o cliente final (que receberá o cartão) poderá gastar os créditos com os produtos ou serviços que ele desejar. Nesse tipo de relação todos saem ganhando.

Como você pode perceber, o mercado B2B é uma ótima ideia a ser explorada por gestores e empresas que estejam buscando aumentar suas vendas e melhorar seus resultados.

A respeito desse mercado, como anda o seu negócio? Ele é está no seu foco de trabalho? Tem conseguidos bons resultados? Fale um pouco sobre o assunto abaixo nos comentários. Queremos saber como a sua empresa está explorando este nicho!

Gostou de saber mais sobre como aumentar as vendas do varejo explorando o mercado B2B? Se você quer mais novidades, venha nos seguir no Facebook e no LinkedIn!

Conheça 5 principais feiras do setor de varejo

Frequentar feiras de varejo é fundamental para os empresários que desejam aperfeiçoar seus negócios. Elas são excelentes locais para fazer networking, para conhecer outras companhias e aprender sobre inovações e transformações no mercado.

Com atrações como palestras e exposições, os eventos são muito relevantes, pois proporcionam debates sobre tecnologia e a relação dela com o varejo em diversos âmbitos.

Quais são as inovações, qual é o impacto para os varejistas e como se adequar ao novo modo de fazer comércio? Esses são assuntos quase sempre presentes nas feiras. Pensando nisso, separamos a seguir as 5 principais feiras do setor de varejo para você conhecer!

1. Feira Brasileira do Varejo

A FBV, Feira Brasileira do Varejo, teve sua primeira edição em 2013. Desde então possibilita a reunião de lojistas e fornecedores de várias áreas, como marketing, tecnologia, gestão, comunicação etc.

No evento, as palestras e exposições são voltadas para as lojas de varejo. A feira é organizada pelo Sindilojas Porto Alegre, cidade na qual também é realizada a FBV. Ela é uma ótima oportunidade para o empreendedor que deseja conhecer e firmar parcerias, se inteirar sobre o mercado e suas transformações.

2. VTEX Day

VTEX Day, organizada pela empresa VTEX, é um evento de varejo voltado para vendas multicanal. Ou seja, são as lojas que tem mais de um canal para se comunicar com o consumidor. Por exemplo, uma loja física que também disponibiliza produtos para os clientes por meio de e-commerce, redes sociais e marketplaces.

A VTEX é uma plataforma que dá aos comerciantes a possibilidade de cadastrar os seus produtos na internet, agregar formas de pagamentos, entre outros serviços. Então, os lojistas só precisam se preocupar com a venda.

O evento, realizado pela instituição, tem exposições e palestras sobre inúmeros temas, como gestão e apresentação de cases nacionais e internacionais.

3. Franchising fair

Esta feira é destinada para empresários, empreendedores e pessoas que desejam abrir um negócio franqueado. Ela tem palestras sobre oportunidades de negócio e como escolher a franquia certa, por exemplo.

Os expositores do evento são dos mais variados setores, como estudantil, alimentício, cosméticos etc. 

4. LATAM Retail Show

O Latam Retail Show reúne, na cidade de São Paulo, e-commerces, shopping centers, varejos e franquias de toda a América Latina. O evento surgiu da junção do Fórum de Varejo da América Latina, Retail Real Estate, Redesign, Digitailing e Fórum Internacional de Franquias. Todos esses eram organizados pelo Grupo GS& que decidiu uni-los e fazer um só megaevento.

Empresas de vários setores podem participar, seja do ramo alimentício, de vestuário ou turismo, por exemplo. O show tem diversas palestras que discutem variados temas, como marketing, inovação nas tendências de consumo, business com propósitos e valores etc.

5. National Retail Federation

A principal diferença deste evento para os outros da lista é que ele é realizado em Nova York, nos EUA. Sendo assim, ele pode antecipar o que vai se tornar tendência e influenciar os negócios de varejo no Brasil.

Lá são discutidos também como as marcas estão se reinventando na era digital. A feira ainda é interessante, pois apresenta as últimas tecnologias para os varejistas.

O empresário que decide participar da National Retail Federation poderá se encontrar com outros empreendedores de praticamente qualquer lugar do mundo. O evento pode provocar o surgimento de várias ideias para todos!

Essas são algumas das principais feiras de varejo que reúnem empresários e empreendedores do mundo todo e de diversos setores. Nelas é possível ter ideias, expor seu negócio, debater as mudanças e inovações no mercado.

Sendo assim, participar de feiras de varejo é essencial para quem deseja expandir e melhorar sua empresa. Portanto, o empresário deve escolher bem qual é a certa para seus objetivos!

E você, está pronto para frequentar algum desses eventos? Compartilhe este post com seus amigos nas redes sociais e ajude-os a ficar por dentro desses eventos!

Gostou de saber mais sobre as principais feiras de Varejo? Se você quer mais novidades, venha nos seguir no Facebook e no LinkedIn!

Qual o papel das áreas de apoio na melhoria de resultado empresariais?

A sua empresa dá a devida atenção às áreas de apoio? Gerir um negócio é como manter a saúde do corpo: por menor que seja a função de um departamento, tratá-lo com a importância devida significa manter toda a operação funcionando de forma otimizada, segura e eficiente.

Mas por que esses departamentos precisam de tanta atenção? Nós te respondemos explicando como áreas de apoio contribuem para o crescimento da empresa e a busca por melhores resultados:

O que são áreas de apoio?

As áreas de apoio dentro de uma empresa são todos os setores e departamentos que não agem diretamente no desenvolvimento do serviço ou produto oferecido como modelo de negócio, mas que suportam essa operação, dando a base corporativa para que todos os processos funcionem da melhor forma possível.

Como as áreas de apoio contribuem para o crescimento empresarial?

É comum ver gerentes e diretores tratarem esses departamentos como secundários dentro da empresa, para em longo prazo terem que lidar com problemas de gestão, pouca otimização de processos e desperdício de recursos.

A verdade é que as áreas administrativas de uma empresa correspondem a um coração batendo para manter todo o organismo funcionando, principalmente o cérebro da empresa.

A maior característica de um negócio com bom desempenho em suas atividades-fim é gerir os departamentos de apoio como estratégicos em momentos pontuais e incluir a contribuição deles no planejamento de mercado.

Esses são setores cruciais para o crescimento, pois sustentam a estrutura em que o negócio se desenvolve e cria o ambiente certo para identificar e aproveitar novas oportunidades de mercado.

São quesitos vitais para a saúde financeira e operacional da empresa, como recursos humanos, relacionamento com o cliente, infraestrutura tecnológica e gestão de processos.

Quais são as principais áreas de apoio?

Para que você entenda melhor a importância dos setores administrativos no funcionamento adequado da empresa e consiga torná-la mais competitiva, veja as principais áreas de apoio e como elas contribuem para melhoria de resultados:

Jurídico

Área mais tradicional nesta lista, o setor jurídico analisa contratos de fornecimento e prestação de serviços, garante a legalidade da gestão financeira e evita desperdício de dinheiro no futuro com multas e juros de cláusulas mal negociadas.

TI

O setor de TI é, entre os que listamos, o que vem tomando mais espaço na operação empresarial como um departamento estratégico. Sua função inicial é garantir que o sistema e a estrutura tecnológica funcionem de maneira adequada para atender de forma satisfatória à demanda produtiva da empresa.

É desse departamento também que surgem as novas ferramentas e processos que poderão se tornar no futuro uma vantagem competitiva no mercado.

Compliance

O setor de compliance ainda não está presente em todas as empresas, mas se torna cada vez mais importante como apoio ao desenvolvimento empresarial.

Essa área é responsável por garantir que funcionários e departamentos operem em conformidade com normas de órgãos reguladores e os próprios protocolos internos da empresa.

Quanto mais ajustados forem os processos produtivos, mais fácil fica para a empresa elaborar novas estratégias e se adaptar a um mercado que muda com muita frequência.

Business intelligence

A área de BI é responsável por coletar, organizar e compartilhar informações vitais para avaliar o desempenho e a saúde financeira de uma empresa. Assim como a TI, esse é um departamento de apoio com uma grande veia estratégica.

Afinal, é de um BI eficiente que surgem as oportunidades para transformar o negócio e ganhar novos mercados.

Atendimento ao cliente

O atendimento ao cliente também é muito importante estrategicamente, não apenas para garantir a satisfação do público e resolver problemas de relacionamento.

O contato direto com seu cliente é uma fonte de informações muito valiosa sobre o desempenho do seu produto ou serviço, pontos fortes, fracos e como aprimorá-los para conquistar novos clientes.

A melhoria de resultados empresariais nunca pode ser responsabilidade apenas de quem trabalha diretamente no negócio. As áreas de apoio são a base que qualquer empresa precisa para conseguir crescer de forma sustentável e exponencial.

Gostou de saber mais sobre as áreas de apoio? Se você quer mais novidades sobre como crescer no meio corporativo, venha nos seguir no Facebook e no LinkedIn!

3 estratégias de sucesso para branding no varejo

Os comerciantes e empreendedores estão sempre em busca de novas maneiras para ganhar destaque no seu segmento e garantir bons lucros no final do mês, independentemente do setor no qual estão inseridos. Dentro desse contexto, conhecer as principais estratégias de sucesso para branding no varejo é muito importante.

Esse conceito está começando a ganhar cada vez mais espaço no Brasil e se mostra como um verdadeiro diferencial, que reforça a presença de uma empresa ou marca no imaginário dos seus clientes e amplia consideravelmente as suas chances de sucesso.

Confira o conteúdo a seguir e aprenda um pouco mais sobre esse tema:

O que é branding?

Primeiramente, é muito importante entender o conceito de branding. Em linhas gerais, esse termo é utilizado para definir algumas atitudes estratégicas que uma empresa ou marca adota com o intuito principal de ampliar a identificação do público em geral com a organização, os seus produtos e os seus serviços.

A ideia é conseguir uma posição exclusiva no seu segmento e, com isso, aumentar o fluxo de pessoas no ponto de venda, o número de negociações, os níveis de engajamento e, consequentemente, os resultados no final do mês. Quanto mais bem-feito for o branding, melhor é a forma como o empreendimento é visto pelo mundo.

Dicas de branding no varejo

1. Conheça o seu público-alvo

A primeira dica para conseguir um bom branding no varejo é conhecer o seu público-alvo, afinal, é para essas pessoas que você precisa destinar, prioritariamente, os seus esforços e as suas ações. É imprescindível compreender quais são as motivações, as expectativas e as demandas das pessoas que consomem os seus produtos e serviços.

Para isso, é importante utilizar a base de dados ou os cadastros dos compradores antigos. Caso isso não seja viável ou tenha o desejo de fazer uma abordagem mais completa, invista na realização de pesquisas e disponibilize esporadicamente formulários de satisfação no próprio ponto de venda.

2. Ofereça brindes com a marca

Outra forma de fazer um bom branding no varejo é oferecendo brindes que sejam relacionados com a sua empresa. É uma maneira de fazer naturalmente que os clientes tenham a sensação de ter uma “vantagem” ao comprar com você e, assim, acharem que seu empreendimento está proporcionando uma experiência melhor.

Lembre-se apenas de que o logotipo e os seus contatos devem estar impressos e visíveis em todos os produtos. Caso você queira fugir do lugar-comum, também é possível instituir um programa de fidelidade ou um cartão da marca. São ações modernas e em consonância com o que os consumidores esperam hoje em dia.

3. Invista em marketing digital

Por fim, não dá para fazer um bom branding no varejo se você não conhecer o poder das redes sociais. O uso da tecnologia é essencial nos dias de hoje e essas estratégias podem ser imprescindíveis para que o seu empreendimento tenha o sucesso que você espera no setor no qual ele está inserido.

Marcar presença digital, portanto, é puramente indispensável. Tenha perfis da sua empresa nas principais mídias do gênero, como Facebook, Instagram e Twitter. Eles podem ser excelentes espaços para você divulgar os seus produtos ou serviços. Um blog ou um canal no YouTube também podem ser de grande valia.

E agora, pronto para fazer um bom branding no varejo? Quer contar com a ajuda de quem realmente entende do negócio? Então entre em contato com a gente e saiba como podemos ajudá-lo a aprimorar o seu negócio!

Gostou do post sobre como integrar sistemas no varejo? Então aproveite para nos seguir nas redes sociais (Facebook e LinkedIn) e acompanhar diversos outros textos como este!

Afinal, vale mais a pena ter franquia ou negócio próprio?

A busca por um bom investimento deve ser sempre precedida de uma boa pesquisa de mercado, levantamento e estudo de todas as possibilidades.

É neste momento que muito gestor acaba se deparando com uma pergunta extremamente comum e importante: devo investir em uma franquia ou negócio próprio?

Para você que anda pensando sobre este assunto, separamos alguns pontos prós e contras de cada uma das opções e que são importantes conhecer para que se possa decidir estrategicamente qual a melhor alternativa. Confira:

Franquia

Modelo de negócio que já vem bem formatado por uma marca franqueadora. Já contar com certa representatividade no mercado e também um grau de sucesso relevante.

Vantagens

Uma das maiores vantagens de uma franquia é que ela já está bem consolidada no mercado — ou seja, possibilidade de apostar em uma marca forte e que não precisa correr tantos riscos. Além disso, ela já desenvolveu melhor a experiência do cliente, o que facilita as vendas.

Para o empreendedor, todos os caminhos já foram traçados. Existem regras, manuais de instrução para tudo e todo o know-how está disponível. Os riscos já foram mapeados e variados aspectos acabam ficando mais sob controle.

Além disso, há um bom suporte dos franqueadores explicando o que deve ser feito para tocar o negócio.

Desvantagens

Para entender melhor se o ideal para você é apostar em uma franquia ou negócio próprio, é importante, também, levar em consideração as desvantagens. A franquia é um modelo mais engessado e não dá muitas oportunidades do gestor inovar ou buscar trabalhar itens fora do escopo padronizado da marca.

Há também uma lista de alguns custos extras, como verbas obrigatórias de marketing, taxas, royalties e coisas do tipo que podem corroer a lucratividade.

Basicamente, tudo funciona como uma esteira de trabalho, em que não se acaba podendo ter grandes ganhos e nem experimentar novas opções.

Negócio próprio

É qualquer tipo de alternativa de empreendimento que basicamente visa o lucro, sem nenhuma limitação ou orientação. Neste caso, a palavra de ordem é explorar o mercado e aprender com os próprios erros.

Vantagens

Com uma marca própria o empreendedor tem a liberdade para fazer o que achar mais adequado. Desenvolver a criatividade, testar o mercado e poder explorar qualquer área da cidade também fazem parte deste pacote.

Com um custo inicial geralmente menor, é possível também começar aos poucos e ir analisando o que dá resultado e o que não dá.

Outro ponto que deve ser destaco é que a rentabilidade pode ser bem maior do que as franquias, porque o empreendedor independente não tem nenhum tipo de amarra, compromisso ou limitação contratual.

Desvantagens

O outro lado da liberdade de uma empresa independente é que há todo um mercado ainda por ser conquistado. Isso implica em mais gastos com publicidade e marketing, já que ninguém conhece a marca, e também um tempo maior para atingir a maturidade do negócio.

Alguns riscos que não estavam mapeados poderão aparecer de surpresa e atrapalhar os planos anteriores. Também há que se cuidar com a concorrência, já estabelecida e com um potencial maior.

Por último, é importante frisar que não há ninguém para se apoiar nas horas difíceis e sem um guia para resolver os problemas que vão aparecendo, como ter que fazer a correta precificação dos produtos.

Afinal, qual a melhor opção? Franquia ou negócio próprio

Como é possível imaginar, não existe uma opção certa ou errada. Tudo vai depender das suas condições e, principalmente, do perfil de trabalho.

Se a sua veia do empreendedorismo e da criatividade fala mais alto, a tendência é pelo desenvolvimento do próprio negócio. Já se a busca é por um modelo mais estruturado e previsível de empreitada, o caminho está mais voltado para a franquia.

Provavelmente, neste ponto, você já deve ter refletido melhor se vai escolher uma franquia ou negócio próprio para investir, não é mesmo?

Se você gostou deste conteúdo e quer continuar aprimorando seus conhecimentos a respeito da gestão de negócios e ter acesso a boas dicas que andam circulando no mercado, assine a nossa newsletter e mantenha-se sempre informado!

Recarga de celular como premiação de incentivo nas empresas

epay Brasil e Valoriza Soluções fecham parceria para esse formato de prêmio

Motivar equipes por meio de premiações em dinheiro e diversos tipos de bônus é uma prática comum nas empresas brasileiras. A partir de março de 2017, a empresa especializada nesses tipos de soluções, a Valoriza Soluções Empresariais, fechou parceria com a epay Brasil, líder global em recargas de celular e viabilização de cartões pré-pagos para oferecer recarga de celular como formato de premiação.

A recarga pode ser realizada por meio do app GiftNow, ou seja, tudo de maneira fácil e prática para o ganhador do prêmio. “A tecnologia em recarga de celular oferecida pela epay Brasil permite a oferta de recarga pelos mais variados meios”, explica Rogério Lima, diretor de marketing da epay Brasil. “Nossa tecnologia de recarga já está presente em supermercados, lojas e equipamentos eletrônicos independentes como o Cata-Moeda. Agora, com a Valoriza Soluções, viabilizamos a recarga como prêmio de incentivo para as empresas atendidas pela Valoriza”, explica.

O Brasil vive uma nova realidade pós-crise econômica, segundo a Teleco, 7 em cada 10 linhas de celular no país são pré-pagas. Dessa maneira, a recarga de celulares pré-pagos continua tendo demanda no país, tornando a premiação corporativa um atrativo para as empresas que trabalham campanhas de incentivo.

Sobre a epay Brasil

A epay é líder mundial em soluções pré-pagas. Empresa do grupo EuronetWorldwide, com ações na Nasdaq, está presente em mais de 30 países. Especialista em produtos tais como: cartões presente, cartões para jogos online, assinaturas e créditos para conteúdos digitais, a epay Brasil tem como objetivo conectar marcas a consumidores por meio da tecnologia pré-paga, sem a necessidade de bancos e bandeiras de cartões de crédito. Google Play é uma das marcas que chega ao consumidor final por meio das soluções disponibilizadas pela empresa. www.epaybrasil.com.br.

Sobre a Valoriza Soluções

Com expertise de mais de 12 anos no mercado de incentivo, a Valoriza Soluções é uma agencia de incentivo 360°, com objetivo de oferecer ao mercado, o maior numero de soluções para sua campanha de incentivo, premiação de funcionários, campanhas de vendas, incentivo de vendas, em um só lugar! Além de Trabalhar com a mais completa linha de cartões pré-pagos Mastercard e VISA, Programa de Pontos, Gifts Cards e é claro as recargas de celulares que é unanimidades entre os premiados. www.valorizasolucoes.com.br .

Vale presente como incentivo: uma oportunidade de parceria

Todo fim de ano costuma acontecer a mesma coisa: grande parte dos colaboradores de inúmeras empresas fica de olho na participação nos lucros e resultados, sem falar no pagamento do 13º salário.

No entanto, além desses benefícios, muitas corporações estão encontrando no vale presente de incentivo uma excelente oportunidade para motivar os funcionários — e eles não precisam ser utilizados apenas neste período do ano.

Os ganhos atingem todos os setores da empresa, pois o reflexo na melhoria da produtividade é bem visível após o incremento de um benefício como esse.

Para ajudá-lo a entender melhor como funciona esse tipo de parceria, as utilizações e o fechamento de contratos, vamos esmiuçar muito bem o assunto neste post. Interessado? Então, continue lendo!

O que é o vale presente de incentivo?

Trata-se de um cartão pré-pago em que as empresas podem depositar valores mensais e referentes às compras em lojas de eletrodomésticos, eletroeletrônicos, grandes varejistas, enfim, as possibilidades são muitas.

Podem ser oferecidos nas festas de fim de ano, sorteados ou até mesmo direcionados para quem bateu as metas preestabelecidas.

Também é uma ótima oportunidade para redes de hipermercados ou de outros ramos de atuação firmarem parcerias com as empresas, podendo, inclusive, destinar descontos por meio do número de adesões.

Dessa maneira, a sua organização poderia inserir, por exemplo, créditos de R$ 1.000 em sorteios para compras no fim de ano em uma rede varejista, colaborando imensamente para que as festas dos colaboradores premiados sejam inesquecíveis.

Valores menores podem ser inseridos na distribuição geral, como vale-compras no valor de R$ 50 ou R$ 100. Entretanto, busque ser o mais justo possível na distribuição dos créditos.

A opção também contribui para movimentar a economia, pois muita gente pode gastar mais do que o valor disponibilizado no vale presente de incentivo, pagando a diferença.

No entanto, é preciso uma boa negociação entre o setor de Recursos Humanos com outras empresas na hora de fechar o negócio, como veremos a seguir.

Como o cartão pode motivar o colaborador?

Primeiramente, o vale presente de incentivo pode ser personalizado, com temas e estampas relacionadas à campanha, como Natal, aniversário da empresa, enfim, de acordo com o momento especial.

Isso estreita o relacionamento entre os profissionais e a corporação, aumentando o bem-estar e também a motivação ao longo das tarefas diárias.

Ao destinar esse benefício ao trabalhador, é importante o setor de RH passar todas as informações, como a rede de aceitação, o valor dos créditos, direitos e deveres de cada funcionário, com o objetivo de manter a transparência em todo o processo. Fora isso, é importante uma negociação afiada com as empresas parceiras para evitar transtornos.

Quais os benefícios para o colaborador?

Neste tópico, vamos relacionar alguns benefícios que o vale presente de incentivo proporciona para a equipe. Os mais evidentes são de ordem financeira, o que na verdade nunca é um benefício em si, afinal, o dinheiro é apenas um meio de conseguir algo que represente um valor significativo, o que constitui o primeiro item de nossa lista.

Liberdade de escolha

Temos diferentes avaliações sobre o que é importante e tem valor real. Para alguns, pode ser uma viagem, para outros, é passar mais tempo com os filhos, e assim por diante.

A maioria das alternativas de benefício concedidas pelas empresas é condicionada, ou seja, não pode ser escolhida de acordo com a preferência do colaborador. Por mais que muitas delas possam ter sido negociadas e algumas sejam realmente atrativas, com o vale presente é diferente.

Em outras palavras, quando o próprio beneficiário escolhe o que mais o agrada, o preço que foi pago é inferior ao que ele recebe, pois valoriza aquele bem. Já quando não tem essa opção, o ganho pode ser insignificante, mesmo que o preço tenha sido alto.

Segurança

Como a transação não envolve dinheiro, existe uma segurança a mais para o usuário. Devido ao aumento dos índices de violência, muitos colaboradores tendem a valorizar essa possibilidade.

Importante mencionar que, embora o benefício direto seja para o trabalhador, a empresa também deve se preocupar com esse fator, principalmente nos casos em que tem responsabilidade legal sobre isso.

Melhoria da produtividade

Esse pode parecer um benefício direto e exclusivo para a empresa, mas é extremamente importante para o colaborador, ainda que não seja claro para a maioria de nós.

A produtividade é a maior garantia de estabilidade no setor privado. O colaborador que produz mais tem mais valor para a empresa e gera mais recursos para o seu caixa, que são essenciais para garantir a saúde financeira da organização e, consequentemente, os benefícios concedidos.

Melhoria do bem-estar e da qualidade de vida

Esses são dois benefícios especiais para a maioria das pessoas nos dias de hoje. Muitos mudam de cidade e de emprego em função deles.

Em alguma medida todos os benefícios contribuem para ambos, uma vez que permitem usufruir mais conforto, saúde ou outro ganho que o prêmio ofereça.

Mas no caso dos vale presente alguns dos benefícios acima ajudam a contribuir ainda mais, principalmente o da liberdade de escolha, pois ninguém pode decidir melhor pelas próprias necessidades do que a própria pessoa.

Da mesma forma, o aumento da segurança e a melhora da produtividade também contribuem para o bem-estar de qualquer ser humano.

Ganho social

Muitos brasileiros ainda não têm acesso a uma conta bancária. Os motivos para isso normalmente estão relacionados ao crédito, em função do patamar de renda ou dívidas. Além disso, muitos brasileiro estão fazendo a opção por não utilizar os bancos, ao menos os tradicionais, esse fenômeno é chamado de desbancarização.

Quais dicas o RH deve seguir na parceria?

Uma boa orientação é buscar empresas idôneas, com vários anos no mercado e que tenham unidades próximas das residências dos funcionários ou qualidade garantida nas compras online.

Analise bem o contrato, busque descontos e, principalmente, peça uma visita pessoal para os consultores da empresa de cartões para esclarecerem todas as dúvidas dos colaboradores.

Investigue na internet a rede que sua empresa pretende fechar negócio para observar se há alguma denúncia de irregularidades ou problemas com o serviço prestado — busque informações em fontes seguras.

Se possível, entre em contato com o Banco Central, responsável pela regulação, supervisão e autorização das empresas de cartões de presente para saber se está tudo dentro da legislação.

Veja ainda se há um serviço de atendimento ao consumidor para auxiliar os funcionários, caso ocorram possíveis queixas. No mais, é presentear os trabalhadores, contribuindo para melhorar as avaliações internas em relação à empresa.

Agora que você ficou por dentro do vale presente de incentivo, que tal assinar a nossa newsletter? Receba boas informações em seu e-mail e fique atualizado!

epay Brasil lança cartão marca própria da Ri Happy

A epay Brasil e a Ri Happy (líder no varejo de brinquedos do Brasil) fecharam uma parceria comercial para a produção, distribuição e processamento de cartões presente em todas as lojas da rede. O cartão presente da Ri Happy, carinhosamente conhecido como “Happy Vale”, já está disponível para venda nas lojas físicas juntamente com outros cartões pré-pagos de conteúdos diversos distribuídos pela epay no Brasil.

A epay Brasil, empresa do grupo Euronet, presente em mais de 30 países e líder na tecnologia de cartões pré-pagos, fechou mais um contrato que amplia a área de atuação da empresa, desta vez chegando ao mercado de brinquedos. Através desta parceria, a epay viabilizou a produção, distribuição e processamento dos cartões presente da rede de lojas Ri Happy.

O cartão presente leva o nome “Happy Vale” e está disponível para os clientes nos valores de R$50,00 e R$100,00, podendo ser utilizado como meio de pagamento na rede varejista de brinquedos (exceto site e franquias). Uma ótima oportunidade para clientes presentearem a criança sem chance de errar: os pequenos poderão ir à loja, juntamente com o responsável portando o cartão presente, e escolher o brinquedo que desejam.

Para a epay é uma ótima oportunidade de aumentar a sua capilaridade num canal tão importante como o de “Brinquedos”. Os cartões pré-pagos estão cada vez mais disseminados em vários tipos de varejo. Atualmente redes de Supermercados, Lojas de eletrodomésticos, Livrarias, Drogarias e Moda, entre outros setores, já aderiram à solução trazida pela epay.

Conteúdo de terceiros

Com a Ri Happy, o contrato vai além dos cartões pré-pagos “Happy Vale”. A epay vai disponibilizar também outros cartões pré-pagos de conteúdos diferentes como Google Play,  Xbox Live, League of Legends, LevelUp, entre outros. Por se tratar de um serviço adicional ao cliente com alto valor agregado, os cartões pré-pagos trarão maior fluxo de clientes e rentabilidade à Ri Happy.


Sobre a epay

A epay é líder mundial em soluções pré-pagas. Empresa do grupo Euronet Worldwide, com ações na Nasdaq, está presente em mais de 30 países.

Especialista em produtos tais como: cartões presente, cartões para jogos online, assinaturas e créditos para conteúdos digitais, a epay Brasil tem como objetivo conectar marcas a consumidores por meio da tecnologia pré-paga, sem a necessidade de bancos e bandeiras de cartões de crédito. Google Play, League of Legends e Xbox Live são algumas das marcas que chegam ao consumidor final por meio das soluções pré-pagas disponibilizadas pela empresa. www.epaybrasil.com.br

Sobre o grupo Ri Happy

A Ri Happy, maior rede varejista de brinquedos do país, presente no mercado desde 1988, tem como preocupação ser mais do que uma rede de comércio e sim uma prestadora de serviços na área de lazer e entretenimento infantil. Em 2012, The Carlyle Group, gestor global de investimentos alternativos, adquiriu a Ri Happy Brinquedos e a PBKIDS e desde 2014 detém 100% de participação. O grupo Ri Happy / PBKIDS, líder no mercado de brinquedos, possui mais de 250 unidades espalhadas pelo Brasil empregando mais de 4.000 funcionários . Em  2013,  o grupo iniciou as atividades da marca Ri Happy Baby,unidade especializada da rede Ri Happy com produtos voltados para o público entre zero a três anos de idade, buscando ser a maior loja especializada em itens para bebês do Brasil . Os sites da empresa são: www.rihappy.com.br , www.pbkids.com.br e www.rihappybaby.com.br

 

5 dicas para aumentar a rentabilidade da sua empresa

Conseguir melhores resultados de vendas é uma meta praticamente diária para qualquer empresa de varejo. Todo vendedor, gestor e o próprio dono se esforçam para aumentar a rentabilidade da loja a cada período, expandindo o negócio.

Claro que não é uma tarefa tão fácil. Sempre parece que a sua base de clientes atinge um ponto de saturação, quando não é mais possível melhorar o ticket médio da empresa.

Porém, isso costuma acontecer apenas porque a gestão ainda não se adaptou ao seu crescimento. Quando a empresa passa de uma loja menor a uma rede, por exemplo, é necessário pensar em jeitos mais eficientes de atrair o público e melhorar as vendas.

Para ajudar a aumentar a rentabilidade do seu estabelecimento, trouxemos aqui 5 dicas simples para o seu negócio. Confira:

1- Acompanhe o fluxo de caixa

Entenda por “fluxo de caixa” todo o caminho que o dinheiro faz, desde que entra na empresa até seu destino. Número de vendas, quanto foi adquirido em cada negociação, qual porcentagem cobre os custos, o que é reinvestido, quanto foi o lucro, etc.  

Isso tudo e a previsão do valor disponível na conta nos próximos períodos deve constar no fluxo de caixa. Sem um acompanhamento detalhado, não é possível saber se o orçamento está subindo ou caminhando para o negativo.

2- Ofereça ofertas e programas de fidelidade

Uma forma que muitas empresas têm de aumentar a rentabilidade é facilitar o processo de compra. E a melhor forma de fazer isso é reduzir o custo final para o cliente. É nisso que consistem tanto as ofertas temporárias quanto os programas de fidelidade.

A diferença é que, em uma promoção, o cliente tem o benefício imediatamente, atraindo novos clientes. Em um programa de fidelidade, ele recebe algo melhor após algum tempo colaborando com a sua empresa, aumentando as chances de fidelização. Os dois são bons meios para melhorar a sua lucratividade, desde que sejam bem implementados.

3- Reduza custos desnecessários

Se você não puder vender mais para aumentar a rentabilidade da sua loja, tente ganhar pelo outro lado: gaste menos. Ao diminuir o custo de manutenção do estabelecimento ou da aquisição do estoque, a margem de lucro consequentemente também aumenta.

Além disso, essa mesma atitude pode servir para baratear o produto para o consumidor final. Isso pode ser exatamente o que você precisa para colocar sua mercadoria a um preço mais competitivo no mercado.

4- Use um software de gestão

Um desafio para aumentar a rentabilidade de qualquer empresa é a quantidade de informação necessária. Recibos, impostos, pagamentos: tudo é muito mais do que uma única pessoa pode coordenar com qualidade.  

Por isso, é importante ter um sistema de gestão que auxilie na captação e organização desses dados. Além de facilitar o trabalho de administração, ele também melhora a disponibilização dessas informações para todos os gestores, dando mais autonomia às equipes.

5- Capacite seus funcionários

Por fim, uma equipe de vendas e de gestão bem preparada é a melhor forma de melhorar a renda de uma loja. Os atendentes são a linha de frente na hora de lidar com os clientes, enquanto os gestores são os responsáveis por melhor administrar o tempo e os recursos disponíveis.  

Capacitá-los para que tenham mais autonomia e desempenho é fundamental para melhorar o rendimento e trazer sucesso para todos os envolvidos, fornecendo mais valor aos clientes.

Gostou de nossas dicas para aumentar a rentabilidade das suas lojas? Quer continuar recebendo nossas novidades em primeira mão? Então, curta nossa página no Facebook e fique sempre por dentro de dicas e novidades!

4 passos para expandir seus negócios com sucesso

“Expandir o negócio”. Certamente, esse é um item que deve estar presente na maioria dos checklists dos empreendedores nacionais. Superada a fase inicial, onde é necessário recuperar o investimento inicial e manter uma margem de lucratividade relativamente estável, a maioria dos gestores planeja alçar novos voos para o empreendimento.

Poucos, no entanto, sabem exatamente qual deve ser o caminho a ser percorrido para garantir uma expansão segura e consistente.

Por isso, no post de hoje, resolvemos trazer os 4 passos que podem ser dados para expandir negócios com sucesso. Confira cada uma das possibilidades logo a seguir!

1. Aposte no modelo de franquias

O modelo do franchising é bastante utilizado por muitas empresas. Para funcionar, no entanto, é preciso que a empresa já tenha uma marca consolidada no mercado — isso significa que o público-alvo tem que conhecê-la profundamente.

Mais importante que isso: para abrir franquias, tenha a certeza de que os processos internos do negócio já estejam bem alinhados.

Antes de apostar no modelo de franquias, leve em consideração que a marca deve representar um padrão de qualidade. É justamente por isso que a empresa precisa ter processos claros, que possam facilmente ser replicados pelos franqueados.

2. Diversifique os canais de vendas

As franquias podem ser uma boa ideia, mas não existe uma fórmula quando o assunto é expandir negócios. Nossa próxima dica, portanto, é bem diferente da anterior. Outra forma para trabalhar a expansão é diversificar os canais de vendas.

Além das lojas físicas, por exemplo, contar com um site ou um atendimento via redes sociais pode ser um excelente negócio para estimular o aumento da procura.

Claro, se você apostar nesse modelo, é importante ter em mente que é imprescindível a empresa ter a estrutura necessária para realizar um atendimento de qualidade.

Além de contar com bons atendentes, garanta que a logística de entregas da empresa seja impecável e, se possível, busque explorar novas formas de pagamento.

3. Abra outras unidades

A abertura de novas unidades é, sem dúvidas, um modelo que requer bastante investimento por parte do gestor.

Essa é uma opção para expansão que ocorre quando o gestor percebe que existe uma oportunidade em outra cidade ou estado. Você terá que contratar uma equipe completamente nova, realizar treinamentos, além de apostar pesado no marketing de inauguração.

Sim, apesar de a sua empresa já estar estabelecida, a abertura de novas unidades pode ser como abrir uma nova empresa, principalmente se a sua marca ainda não é reconhecida na nova região.

Por isso, analise esta possibilidade com cautela e avalie, por exemplo, se nesta nova região os clientes terão o mesmo perfil que os seus atuais.

4. Aumente o mix de produtos ou serviços

Por fim, outra dica para expandir negócios é aumentar o mix de produtos e serviços. Para isso, o empresário precisa avaliar internamente quais são os itens mais vendidos para, então, tomar a decisão de desenvolver ou adquirir novos produtos, que podem ser complementares, por exemplo.

Essa é uma forma de aumentar o ticket médio e, consequentemente, expandir a sua empresa no futuro. Para isso, é claro, você deve investir em um trabalho de pesquisa de mercado, para conferir quais são as novidades e o que a sua empresa pode oferecer de novo.

Gostou das nossas dicas de hoje? Então, assine a nossa newsletter e fique por dentro de muito mais novidades!