O marketing sensorial vai melhorar suas vendas!

Para quem busca soluções inovadoras para atrair clientes e gerar mais vendas, o marketing sensorial pode cair muito bem. Essa estratégia consiste em explorar os cinco sentidos: visão, audição, tato, olfato e paladar para oferecer uma experiência memorável e diferenciada aos consumidores. É um conceito que abrange técnicas que vão além do marketing tradicional — normalmente focado em conquistar o público pelos olhos e ouvidos.

O foco do marketing sensorial são os pontos de venda, onde o contato entre marca e cliente é mais próximo, além da possibilidade de se trabalhar com todos os sentidos. Aliás, vale destacar que em média 70% das decisões de compra são tomadas no PDV, segundo pesquisa da Nielsen. Logo, oferecer uma experiência marcante para impulsionar as chances de venda é um caminho para os gestores que querem conquistar o consumidor por fatores além de preço, promoção, conveniência, etc.

Continue acompanhando e veja como o marketing sensorial pode ser o ponto de partida para a construção de uma marca forte, que atraia, encante e fidelize mais clientes.

A importância do marketing sensorial

Esse tipo de marketing, quando bem aplicado, é muito eficaz para gerar diferenciação e reforçar o posicionamento da marca no mercado. Isso acontece porque para o consumidor é mais fácil lembrar de uma empresa ou loja que o marcou pelo cheiro, pelo gosto de uma comida, pela música e iluminação ambiente — são sentidos que não costumam ser aguçados de maneira diferente, pois os clientes estão acostumados a um padrão visual e comportamental de compra.

Outro detalhe é o entendimento da influência do espaço físico sobre a decisão de compra dos consumidores. Por exemplo, quando uma mulher entra em uma loja de roupas para adquirir uma blusa, ela sente tudo que o ambiente proporciona. Logo, uma das ideias do marketing sensorial é aproveitar este espaço criar mais valor à compra dessa cliente. Mas como isso ocorre? Entenda no próximo tópico.

A aplicação do marketing sensorial

Como um dos princípios básicos dessa estratégia é diferenciar a marca, o passo inicial é viabilizar a transmissão de valores da empresa para os clientes e otimizar o ponto de venda. Nesse ponto, vale explorar a criatividade e a estrutura para criar uma iluminação personalizada, uma ambientação que varie de acordo com a proposta da marca, inserir móveis para acomodar os clientes, colocar perfumes em lojas, corredores ou produtos ordenados de maneira estratégica, e muitas outras possibilidades para mexer com as percepções do público.

A segunda etapa é analisar os concorrentes e verificar se eles usam alguma estratégia de marketing sensorial. No caso de pizzarias, por exemplo, pouco adiantaria expor no salão o cheiro das pizzas saindo do forno se a maioria dos outros estabelecimentos já utilizam essa fórmula. Você até atingiria o objetivo de aumentar as chances de venda por aguçar um sentido, mas dificilmente sua marca estaria gravada na mente dos consumidores, a não ser que o aroma fosse muito diferente dos demais.

O exemplo da Dunkin’ Donuts

Esse case bem-sucedido foi aplicado na Coreia do Sul. O objetivo da empresa era aumentar o consumo de café nas lojas da empresa na capital Seoul, mercado altamente concorrido, com nomes de peso, como Starbucks. A ação visou estimular a audição e o olfato, e consistiu na aplicação de aromatizadores em ônibus que tinham sistema de rádio. Nos transportes públicos, toda vez que o anúncio da Dunkin’ Donuts tocava, o dispensador disparava um leve aroma de café que conectava o público à marca.

Esse experimento sensorial impactou 350.000 pessoas, aumentou as visitas nas lojas em frente de pontos de ônibus em 16% e as vendas cresceram 29% — veja o vídeo do case.

Para ter sucesso com o marketing sensorial é imprescindível estudar as motivações e as necessidades reais de compra do seu público, além de monitorar as ações da concorrência. A partir dessa análise será possível criar ambientes ou situações que estimulem a lembrança da marca, quando fora do PDV, ou que levem até a conversão e encantamento, quando dentro do ponto de venda.

Percebe como o marketing sensorial valoriza o consumidor como ser humano e reforça os laços de envolvimento dele com as marcas que praticam esse marketing? Vamos continuar esse debate nos comentários. Participe e deixe suas impressões!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.