Pré-pagos aceleram crescimento de app’s de serviços P2P

Negócios baseados em compartilhamento, como apps de entrega, alimentação e serviços de mobilidade usam cartões pré-pagos para tornar a cadeia de remuneração mais segura e eficiente.

Com o boom das plataformas de serviços como Uber e 99 foi dado início a uma corrida de negócios realizados por pessoas comuns que prestam serviços diretamente a outras pessoas que precisam desses serviços. Esses aplicativos, mas conhecidos como plataformas P2P (peer-to-peer), geraram a “economia do compartilhamento” e crescem de forma orgânica, pela integração simples entre quem usa e quem presta o serviço.

A “mágica”, no entanto, acontece mesmo é na hora de pagar: é só chamar o encanador pelo Helpie, ele vem, faz o serviço e vai embora. Tudo debitado automaticamente no cartão de crédito de quem pediu o serviço, sem cheque ou ter que sair correndo para sacar o dinheiro no caixa eletrônico.

Mas e do lado do encanador? Qual é a “mágica” para quem vai receber pelo serviço prestado? Até pouco tempo atrás, essa era uma das principais dores de cabeça de empresas como a 99, que tendo mais de 300.000 motoristas em sua rede, precisava fazer transferências bancárias manualmente em um complexo e, por que não dizer, arriscado processo financeiro.

Quem não tinha conta em banco recebia por meio de cheque ou ordem de pagamento, o que obrigava o motorista a ir até um banco sacar o dinheiro.

Hoje contudo, essa realidade é bem diferente. Inspirados nos modelos de vale-alimentação e vale-transporte, as empresas dos mais diversos “apps” estão adotando cartões pré-pagos para remunerar os prestadores de serviço. A solução é simples: cada prestador tem um cartão pré-pago recarregável, e assim que o serviço é realizado e o sistema aponta que o cliente pagou, a empresa que administra o aplicativo faz uma carga automática do valor diretamente no o cartão pré-pago de quem prestou o serviço.

Como resultado, apenas em 2017 esses cartões receberam um total de 175 bilhões de reais, de acordo com a consultoria Boanerges, especializada em varejo financeiro.

Bancarização

Num país em que cerca de 60 milhões de adultos não tem conta em banco e que, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, quase 40% dos pagamentos são feitos em dinheiro vivo, o uso do cartão pré-pago para remunerar funcionários ou prestadores de serviço é um recurso que pode alavancar os mais diversos tipos de negócio.

Outro fator importante, é que a emissão desses cartões não necessita da interferência dos bancos. Em 2013, o Banco Central autorizou empresas não-bancárias a emitir cartões pré-pagos. Esse fator não só simplifica, como barateia as operações, permitindo que operadoras de cartões pré-pagos emitam cartões de forma rápida e com as características específicas de cada empresa contratante.

Para quem tem um negócio, seja varejo ou prestação de serviços   e não quer ficar de fora da onda dos aplicativos, o cartão pré-pago pode ser meio caminho andado na hora de remunerar seus prestadores de serviço.


foto: freepik

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.