História do varejo online no Brasil e sua evolução

Conseguir detectar tendências de mercado com antecedência é muito importante para fazer os ajustes necessários na empresa de maneira a aproveitar ao máximo as oportunidades. Para melhorar a visão crítica e apurar a eficácia, um bom caminho é buscar o entendimento dos fatos que levaram o mercado a chegar aonde está hoje.

Dessa forma, conhecer a história do varejo online no Brasil pode fazer que todo o contexto fique mais fácil de ser assimilado. Além disso, esse conhecimento ajuda a enxergar melhor o que ainda está por vir, pelo menos no curto prazo.

Sobre essa jornada, alguns pontos marcantes podem ser ressaltados. Conheça mais sobre eles a seguir. Boa leitura!

O surgimento dos primeiros computadores e da Internet

Embora muita gente não saiba, a Internet foi um advento fomentado pela guerra. Em especial a Guerra Fria. Concebida de forma bastante rudimentar e muito diferente do que é hoje, ela já foi comparada à descoberta do fogo em termos de importância e influência sobre a vida humana. 

Ainda que com acesso muito restrito e pouco intuitivo, o início da conectividade como é conhecida atualmente se deu há meio século: foi na década de 60 que seu embrião começou a ser formatado. Um fato que ajudou a catalisar o processo de popularização da rede foi o desenvolvimento dos primeiros computadores pessoais — que aconteceu nos anos 1970. 

A Internet no Brasil

Em 1989, o cientista Tim Berners-Lee — que trabalhava no maior laboratório de física de partículas do mundo, o CERN — criou a World Wide Web, que é a base da estrutura utilizada até hoje, e desenvolveu o HyperText Transfer Protocol (HTTP). Usando o protocolo, a Netscape criou o primeiro navegador comercial, que ajudou bastante na popularização da Internet.

Embora a rede seja utilizada no Brasil desde 1988, foi apenas em 1995 que houve a regulamentação que possibilitou a adesão das massas. Naquele ano, o Grupo Pão de Açúcar (GPA) foi um dos pioneiros a conseguir utilizá-la de forma prática no comércio online.

Com provedores de pequeno porte, navegação pouco prática, conexões discadas (via pulso telefônico e modem), o brasileiro começou a descobrir o que era a Internet e o que ela poderia proporcionar. Vale destacar a presença da AOL (que distribuía discadores gratuitos), no mercado desde 1985, e também a chegada do Google, em 1998.

A bolha das pontocom

Em meio a uma grande euforia e a investimentos que deixaram muitos analistas perplexos perante a então recente popularização da tecnologia, entre 1995 e 2000 ocorreu uma corrida para a digitalização de empresas e marcas.

Ao fim desse período, mais precisamente em março de 2000, houve o que ficou conhecido com o estouro da bolha das dotcom. Embora a maior parte das companhias digitais que passaram por isso seja estrangeira, investidores nacionais e de todas as partes do globo se assustaram.

O ano seguinte foi marcado por fusões, compras de empresas, redução de verbas e até falências. Com isso, o mercado aprendeu a ter os pés no chão: o profissionalismo adquirido nesse cenário permitiu que, desde 2005, a história do varejo online no Brasil tenha conseguido um crescimento bastante expressivo, chegando a picos de até 40% anuais.

As melhores do e-commerce

Todo ano, o prêmio Ebit avalia as melhores empresas de e-commerce no país. Desde sua criação em 2000 — e com cada vez mais representatividade no mundo do comércio online —, ele é hoje uma referência importante de mercado.

Com mais de 22 mil lojas avaliadas, considerando tanto os aspectos técnicos em cada fase de compra online como as avaliações de consumidores, o prêmio é dividido em categorias e disputado por organizações de todos os tipos.

O social commerce

De olho no futuro e na vanguarda do e-commerce, o Magazine Luiza, ainda em 2010, quando muita gente sequer sabia utilizar as redes as sociais, se destacou por uma iniciativa bem interessante: o social commerce. O interessado criava uma loja virtual com os produtos que quisesse e poderia ganhar comissões de venda comercializando-os. 

Outro ponto de destaque foram os terminais de vendas desenvolvidos pela marca ainda em 1992. Essa iniciativa foi fundamental para o desenvolvimento das lojas virtuais que vieram a ser criadas depois.

O m-commerce

A partir de 2011 o e-commerce passou a se desenvolver em plataformas móveis. Com a popularização de tablets (que futuramente vieram a diminuir seu ritmo e foco de venda) e smartphones, as pessoas passaram a acessar a Internet nesses dispositivos.

Com mais confiança no varejo online e com aparelhos que conseguiam oferecer uma navegabilidade mais confortável, as compras online ganharam também o mercado de dispositivos móveis — e passaram a ser chamadas de m-commerce.

A crise brasileira

2015 foi um ano bastante desafiador para muitos mercados no Brasil, inclusive o e-commerce. Com números crescentes de desemprego, inflação em alta e credibilidade abalada, o mercado esfriou.

Nessa época, o varejo em geral encolheu 4,3% e atingiu seu pior resultado desde 2001 quando começou a série histórica medida pela Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Ainda assim, foi nesse ano que o setor de livrarias e papelarias conseguiu aumentar suas vendas em 14,7% mesmo reduzindo o número de lojas em 2,8%.

Os dias atuais

Nos dias de hoje há uma perenidade nos negócios online. Os últimos dois anos foram marcados pela entrada de um novo público consumidor que vem dando mais fôlego ao e-commerce: os idosos. A terceira idade está perdendo preconceitos, se modernizando e injetando mais dinheiro em compras realizadas pela Internet.

Os desafios agora são atingir melhores patamares de business intelligence, ter cadeias de suprimentos mais alinhadas e encontrar soluções que consigam fidelizar clientes desde o ponto de venda (PDV) até a loja virtual.

A história do varejo online no Brasil reserva sempre surpresas e novidades a cada período. Novas tecnologias e a mudança constante do comportamento do consumidor exigem atenção e investimentos em inovação e criatividade.

Agora que você já conhece um pouco mais sobre o assunto, compartilhe este conteúdo com seus amigos e colegas em suas redes sociais. Assim, eles também podem perceber melhor o contexto comercial em que vivemos atualmente.

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn

Gestão de vendas e business intelligence: qual a relação entre eles?

O business intelligence (BI) vem sendo um grande aliado de cada vez mais negócios rumo ao crescimento. Principalmente por meio do tratamento de dados — coleta, análise, organização e exposição de informações — de várias fontes.

Por conta disso, a gestão de vendas de um empreendimento pode se beneficiar dessa geração de resultados e oportunidades. Com a plataforma, os processos da área podem ser mais exatos, devido aos gráficos e dashboards que o BI proporciona — inclusive com previsões e monitoramento de dados em tempo real.

Neste post, acompanhe a relação entre o business intelligence e a gestão de vendas e saiba quais são as respostas que podem ser encontradas para o seu negócio.

Business intelligence e sua função

A utilização de diagnósticos e indicadores gerenciais precisos são boas práticas para somarem no planejamento estratégico.

Com a lapidação de toda a carga de informações que a plataforma extrai, pontos a serem aperfeiçoados, imperceptíveis sem a ferramenta, são revelados. Além disso, o BI — com dados também externos à empresa, como de consumidores e mercado de atuação — fornece análises preditivas, o que também é muito importante para o plano de ações.

BI na gestão de vendas

Além das possibilidades e dos resultados que já citamos, gestores de vendas podem melhorar processos de rotina e prever ações necessárias ao andamento sustentável e correto das atribuições do departamento. Dentre eles, podemos citar:

Controle do estoque

Além do trabalho com informações passadas, o business intelligence também monitora dados em tempo real. Com esse acompanhamento e com a posse do histórico de saídas, a solução pode prever quando será necessário repor estoque, agilizando a decisão, adiantando procedimentos e mantendo-o sempre controlado.

Análise da equipe de vendas

Para esse quesito, temos o encaixe perfeito dos dashboards, pois vendedores têm metas a serem alcançadas. E o BI permite que todos os números relativos ao trabalho da equipe sejam acompanhados em tempo real por painéis de controle. Essa funcionalidade junto aos gráficos podem revelar correções necessárias sobre equipe e à atuação dela.

Acompanhamento da experiência do cliente

Os dados de vendas e pós-venda colhidos e filtrados pela solução têm potencial para revelar porque a carteira de clientes ou o número de consumidores cresceu, estancou ou diminuiu.

Assim, o responsável pode avaliar melhorias e investimentos a serem feitos em atendimento, agilidade de conclusão de transações, reação a objeções de compra e demais formas de melhorar a experiência do comprador.

Previsão de tendências de mercado e consumo

Os responsáveis pela gestão de vendas devem direcionar a equipe de acordo com os quesitos que acabamos de abordar.

E fazer isso tendo um suporte, que o auxilia no acompanhamento de fatores externos, torna sua atuação mais precisa e eficiente — existe a agilidade do preparo embasado disponibilizado pelo BI.

Tendo em mente dificuldades geradas por fatores alheios em curto e longo prazos, que fazem necessário aperfeiçoamento na gestão de vendas, evita-se perda de fatia de mercado ou ineficiência em operações. E, por outro lado, em um cenário favorável ao negócio, o profissional pode mudar o planejamento também, porém visando maximizar o futuro impacto benéfico constatado.

Com a aplicação da ferramenta no setor, os benefícios estendem-se até mesmo ao setor de marketing. Já que com percepções vindas diretamente do departamento que lida com os clientes e seus perfis, mudanças podem ser feitas na estratégia para que ela atinja o público-alvo de maneira mais assertiva, de modo a gerar mais oportunidades de negócios.

Agora que você sabe como o business intelligence é potente na otimização da gestão de vendas, veja três dicas para vender mais analisando dados!