Cartão de débito pré-pago é aceito em compras feitas pela internet?

Você sabia que 78% das compras online no Brasil são pagas com cartão? Então, fique atento às novas modalidades de cartão de débito e cartão de crédito que estão movimentando o e-commerce – os pré-pagos! Muitos clientes estão aderindo ao cartão de débito pré-pago e ao cartão de crédito pré-pago devido a algumas vantagens que apresentam em relação aos cartões convencionais e por serem plenamente aceitos nas lojas virtuais e também nas lojas físicas. Os cartões pré-pagos apresentam vantagens tanto para o cliente quanto para o lojista, saiba quais são elas neste post:

São aceitos em muitos estabelecimentos

As principais administradoras de cartões disponibilizam os cartões pré-pagos para uso pelos seus clientes, o que abre as portas físicas e virtuais do comércio em uma quantidade enorme de estabelecimentos, facilitando a experiência de compra do consumidor em lojas nacionais e internacionais.

Aquecem as vendas

Muitas empresas comerciais e de serviços estão disponibilizando cartões pré-pagos como opção de pagamento para a compra de produtos e serviços. Segundo a empresa de pesquisa Euromonitor, em 2014, os cartões pré-pagos movimentaram 100 bilhões de reais no comércio brasileiro.

Facilitam a oferta de presentes

Neste caso, o cliente adquire o cartão pré-pago no valor desejado e o entrega para a pessoa de seu interesse, que poderá escolher o presente mais adequado, utilizando o cartão pré-pago para concluir a transação de compra. Assim, não tem como o cliente errar na escolha do melhor presente — e a loja garante a antecipação de receitas.

Facilitam o controle do orçamento

Cada dia mais os brasileiros têm aprimorado as suas competências em gerenciar o orçamento familiar. Os cartões pré-pagos possibilitam disponibilizar a verba exata que pode ser gasta, assegurando que o limite de valor estabelecido não será ultrapassado. O usuário pode, também, utilizar o cartão pré-pago para dar a mesada de seus filhos e ensiná-los a gerenciar os recursos financeiros recebidos. Assim, o cliente não estoura seu orçamento, nem corre o risco de se endividar e ainda economiza, já que estes cartões não têm cobrança de taxa de anuidade.

Ampliam a segurança

Por não ter vínculo com a conta bancária da pessoa, um cartão de débito pré-pago proporciona maior segurança e tranquilidade ao seu usuário quando acontece um imprevisto e ele é perdido ou roubado.

Programa de fidelidade

Alguns cartões pré-pagos possibilitam o acúmulo de pontos e a troca por premiações à escolha do cliente, para gerar sua fidelização.

Alternativa para o cartão de crédito convencional

O cartão de crédito pré-pago é uma excelente alternativa para pessoas cuja renda não é suficiente para aprovação no cadastro das operadoras de cartões.

Como podemos perceber, esse tipo de cartão propiciam diferentes benefícios e, sim: o cartão de débito pré-pago e o cartão de crédito pré-pago são largamente aceitos em compras feitas pela internet — assim como, nas compras feitas nos estabelecimentos físicos comerciais e de serviços. Facilitam a vida dos clientes e das empresas com as quais se relacionam. Proporcionam segurança e economia aos seus usuários e geram antecipação de renda para as organizações.

Você já utilizou um cartão de débito pré-pago? Já pensou em disponibilizá-lo em seu empreendimento? Compartilhe com a gente a sua experiência no assunto!

Veja 5 alternativas para o varejo tradicional!

Ter um PDV (ponto de venda), um bom estoque e oferecer atendimento de qualidade já não são mais os requisitos básicos para manter um negócio no varejo tradicional. Nos últimos anos, devido ao avanço da tecnologia e às mudanças de comportamento do consumidor, os varejistas precisaram se inovar para suprir as novas necessidades do cliente.

Provavelmente, você já deve ter efetuado uma compra pela internet. Se não, com certeza, conhece alguém que já utilizou um e-commerce. Esse é só um dos exemplos de como o mercado mudou e continuará a evoluir nos próximos anos.

Acompanhar essas mudanças é saudável tanto para o seu negócio como para o varejo em geral, já que em um momento de crise, são necessárias várias alternativas para que o consumidor continue investindo na aquisição de novos produtos.

Deseja saber quais são as principais inovações do mercado? Nesse artigo, você vai conferir 5 alternativas para o varejo tradicional.

1 – Expanda para o e-commerce

Mesmo com a crise econômica, o e-commerce é uma área que só cresce a cada ano. De acordo com a ABCom (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), a expectativa é de que ocorra em 2016 um crescimento de 18% em relação à 2015, com um faturamento de R$ 56,8 bilhões. Se você ainda não tem uma loja virtual, investir nesse mercado sempre oferece boas expectativas de crescimento e lucro para o varejo.

2 – Invista no Omnichannel

O conceito do Omnichanel é simples: integrar todos os canais de venda de uma loja, para que o consumidor tenha uma experiência única com a marca.

Imagine a seguinte situação: uma mulher está no metrô e vê uma sandália em uma propaganda. Ela logo pega o celular para verificar o preço no e-commerce da marca e decide comprar. Como está na rua, resolve dar uma passada no shopping e ir até a loja física. Chegando lá, encontra a sandália exatamente com o mesmo preço e realiza a compra. Essa cliente utilizou dois canais de venda, mas ela nem percebeu, pois transitou entre os dois com muita facilidade. Percebe como o Omnichanel é importante? Para colocá-lo em prática, é necessário muito planejamento e a ajuda de sistemas capazes de integrar informações dos canais de venda e atendimento.

3 – Esteja presente no Mobile

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2014, entre 2013 e 2014, cerca de 80,4% dos domicílios brasileiros acessaram a internet pelo smartphone ou outros dispositivos móveis. E, pela primeira vez na história, a navegação mobile ultrapassou a utilização de PCs. Este dado mostra que oferecer ao consumidor esta opção pode gerar uma fatia considerável de vendas. Além de um m-commerce, é importante que sua marca esteja presente também nas redes sociais, sempre atenta às novidades e interagindo com o consumidor de maneira efetiva.

4 – Disponibilize Cartões Pré-pagos

As pessoas gostam de praticidade, e nada mais prático do que utilizar cartões pré-pagos para adquirir produtos, serviços ou até mesmo presentear alguém — por sinal, esta solução funciona muito bem no varejo tradicional. Imagine uma pessoa que precisa comprar um presente em uma loja, mas tem dúvidas sobre o que comprar – uma situação muito comum, não é mesmo? Ao visualizar um cartão pré-pago disponível, com certeza essa passa a ser uma opção muito válida. Outra situação é utilizá-lo para presentear a equipe de trabalho. Além disso, serviços como Netflix também já oferecem essa opção como forma de pagamento, o que torna o uso de cartões pré-pagos cada vez mais comum.

5 – Utilize o Marketing Sensorial

Com o Marketing Sensorial (nós já falamos sobre ele aqui no blog), que funciona por meio do estímulo do 5 sentidos (olfato, paladar, tato, visão e audição), você pode oferecer ao consumidor uma experiência única de compra. Trilhas sonoras, aromas agradáveis, degustação e uma bela decoração são alguns exemplos de como o Marketing Sensorial pode ser aplicado na sua loja.

Mesmo com um consumidor cada vez mais conectado à internet, o varejo tradicional ainda pode oferecer muitos diferenciais, já que contar com um canal de venda físico ainda é essencial para a maioria das pessoas.

Gostou do artigo? Assine a nossa newsletter e receba mais conteúdos sobre as tendências do varejo!

As infinitas possibilidades do cartão pré-pago

De entretenimento a transporte, hoje o consumidor tem à disposição grande variedade de serviços, sem depender de monopólios. A TV aberta deu lugar à assinatura a cabo, que por sua vez já enfrenta a concorrência de serviços de streaming de filmes e séries pela internet. Enquanto os táxis e ônibus dividem os passageiros com aplicativos de transporte de carros privados. Na música, artistas e gravadoras se renderam também ao serviço de streaming, em uma inteligente – e recente – reviravolta da indústria fonográfica. E o que falar dos games, que além dos consoles, dominaram os computadores e os smartphones.

Cartão Pré-Pago

Mas o que tudo isso tem a ver com cartão pré-pago? Tudo! O consumo desses diferentes formatos de conteúdo e serviço se dá por pagamentos de assinaturas eletrônicas ou cartões de crédito cadastrados dentro de aplicativos (in-app) e de websites.

Mas nem todo mundo pode usar cartão de crédito, por questão de confiança ou por não poder comprometer o limite.

Da mesma forma, nem todo mundo tem paciência de emitir boleto e fazer um pagamento por essa modalidade, pela falta de acesso ao internet banking ou por preguiça mesmo.

Praticidade

Nesse cenário em que a praticidade fala mais alto, o cartão pré-pago é a melhor solução para acesso a todas essas modalidades de serviços.

Vendidos em caixas de diversas lojas e supermercados, os cartões ficam à disposição dos consumidores interessados. Basta passar junto com a compra que o valor do cartão será ativado.

Depois, é só raspar e digitar o código na área de “pagamentos” do serviço escolhido. Seja um Netflix, Uber, Xbox, Riot, League Of Legends… Simples assim.

Não há novo serviço ou conteúdo que possa surgir, que o pré-pago não poderá se adaptar e se tornar opção para o consumo. Quantos pais por exemplo, não preferem controlar melhor os gastos dos filhos com games e afins? Com cartão pré-pago isso fica evidente. Do ponto de vista do usuário é mais controle e mais poder – afinal, em muitos casos de cartões, é ele quem decide o valor que irá colocar.

Ou seja, se você é serviço ou conteúdo, pense na possibilidade do pagamento pré-pago para seus clientes! Se você é lojista, ofereça os plásticos no caixa para eles e agregue mais uma vertical em seu negócio, que só trará ganhos.

Como aumentar a produtividade de minha equipe?

O rendimento dos funcionários e colaboradores no dia a dia é uma preocupação de todos aqueles que estão envolvidos com a tomada de decisões e os resultados na área de vendas — por conta disso, encontrar as estratégias certas para aumentar a produtividade é fundamental.

Em nosso post de hoje, vamos mostrar o que deve ser feito para aumentar a produtividade da equipe de vendas. Confira!

Por que é importante estabelecer rotinas produtivas e metas claras

A busca de parâmetros mais robustos começa com a definição dos objetivos que se deseja alcançar. Sem metas realistas e adequadas ao contexto de mercado em que a empresa atua, nenhuma equipe pode dedicar-se à tarefa de vender mais e melhor. Cada integrante precisa, primeiramente, assimilar aquilo que está sendo pedido.

O passo seguinte é estabelecer práticas diárias e contínuas que possam estimular a ação dos vendedores, o que constitui a chamada “rotina produtiva”: comportamentos de trabalho saudáveis, focados no aprimoramento da performance, no respeito à cultura organizacional e na busca de crescimento pessoal.

Para tanto, as equipes precisam ter as ferramentas certas à disposição. Cabe aos gestores fornecer todos os meios necessários para a melhora dos resultados, como infraestrutura física e equipamentos, recursos eficientes de comunicação e interação, bem como quaisquersoluções (físicas ou virtuais) capazes de contribuir para a realização das demandas.

Alternativas que contribuem para o aumento da produtividade

Inclusão de ferramentas mobile

Essa talvez seja a principal medida a tomar. Processos de interação online são insubstituíveis, e nenhuma equipe pode realmente melhorar sem ajuda da tecnologia para corrigir falhas, acompanhar resultados, compartilhar informações e manter os integrantes atualizados sobre o andamento das metas traçadas.

Feedback contínuo e produtivo

Não espere até que os índices alcançados sejam negativos para tomar algum tipo de atitude. Reaja imediatamente, diga o que não deu certo, aponte os desvios e peça a colaboração de todos. Ao mesmo tempo, seja um bom interlocutor: saiba ouvir queixas e pontos de vista diferentes para, então, argumentar.

Oportunidades de treinamento

Ofereça condições para que as pessoas se desenvolvam. Estimule o aprendizado por meio da leitura, busque vídeos e palestras que estão disponíveis gratuitamente na web e promova exibições coletivas na empresa. Discuta o conteúdo com a equipe e procure saber se é possível aplicar alguns dos conceitos apresentados. O caminho mais rápido para melhorar o desempenho é o conhecimento, em qualquer situação.

Programas de recompensa

Ainda não surgiu um mecanismo de motivação tão eficiente quanto a remuneração variável mediante o desempenho. A melhor alternativa para fazer esta recompensa, são os cartão pré-pagos, que podem ser de conteúdos específicos como Google, Netflix ou experiências, um cartão como Acesso ou Zuum onde você coloca um valor pré-determinado e o premiado gasta onde quiser ou de uma loja ou supermercado.

Quando um vendedor compreende que seu nível de aplicação e determinação pode impactar diretamente nos ganhos, a chance de manter-se focado às metas aumenta consideravelmente. Por outro lado, lembre-se que não adianta estabelecer as mesmas metas para pessoas diferentes. É preciso adequar as expectativas à capacidade e ao perfil de cada um, aliando objetivos coletivos a outros que premiem o esforço individual.

Entenda a burocracia como um entrave

Aumentar a produtividade exige que os gestores estejam dispostos a abrir mão do controle excessivo. Empresas demasiadamente centralizadoras impedem, sistematicamente, a obtenção de resultados mais expressivos, simplesmente por que não deixam o trabalho fluir.

Elimine relatórios, a não ser que sejam realmente úteis; decrete o fim das reuniões protocolares e mantenha apenas as imprescindíveis, nas quais haja troca de experiências e oportunidades de aprendizado para todos; dê autonomia para que as pessoas talentosas assumam seus papéis; e, finalmente, aprenda a delegar tarefas, desde que os escolhidos entendam a prerrogativa da responsabilidade.

E então, o que achou do texto? Deixe um comentário e compartilhe sua experiência sobre como aumentar a produtividade da equipe de vendas!

Conheça 4 vantagens do cartão pré-pago corporativo

Para uma empresa, todos os serviços que visam otimizar o manuseio de dinheiro são importantes, especialmente devido às quantias altas que estão envolvidas nas atividades empresariais. Um destes serviços é o cartão pré-pago corporativo, que oferece maiores controle e praticidade sobre a distribuição de verbas para certos fins. Neste artigo, vamos apresentar 4 diferentes situações em que o cartão pré-pago corporativo pode ser utilizado e as vantagens que representa em cada situação. Confira!

1 – Para viagens internacionais

O cartão pré-pago corporativo pode ser utilizado para o pagamento de despesas variadas durante uma viagem internacional dos executivos. Nesta situação, ele oferece a vantagem de um controle maior sobre a taxa de câmbio, pois permite que sejam comprados dólares (ou outra moeda) previamente, para abastecer o cartão. Assim, a empresa pode realizar esta compra no momento em que a taxa estiver mais favorável.

É uma opção bem mais segura, do ponto de vista financeiro, do que o uso do cartão de crédito corporativo, no qual a taxa de câmbio é determinada no momento do fechamento da fatura, podendo se tornar uma surpresa desagradável. Também é uma opção mais prática do que a compra de dólares em espécie, que pode dificultar o controle preciso dos gastos realizados na viagem.

2 – Para premiação de funcionários

Alguns tipos de cartão pré-pago corporativo oferecem teto de saldo mais baixo, até R$1.500, com possibilidade de uma única recarga. Estes cartões são ideais para a premiação de funcionários durante alguma campanha de incentivo por desempenho.

A vantagem de utilizar o cartão, nesta situação, é com certeza a praticidade. O funcionário pode facilmente fazer compras nas lojas onde preferir, dentro da rede de aceitação, até que o saldo se esgote — sem necessidade de visitas ao banco. Além disso, este tipo específico de cartão pré-pago corporativo não permite saque, ou seja, assim como acontece com os cartões de vale refeição ou vale alimentação, o funcionário não pode trocar o benefício recebido por dinheiro.

3 – Para reembolso de clientes

Quando a empresa trabalha com clientes do tipo pessoa física, e é preciso fazer um reembolso, nem sempre o depósito em conta bancária é viável — em alguns casos, o cliente não tem conta bancária, por exemplo. Ou talvez o cliente não encontre um produto para troca naquele momento. Nessas situações, o cartão pré-pago recarregável é a solução ideal.

Com esta opção, o estorno é agilizado, o que aumenta a satisfação do cliente, e não é preciso aguardar uma transação bancária. Para completar, o cliente pode levar o cartão para casa e usar seu estorno para uma nova compra a qualquer momento. Se o cartão for limitado para uso na sua rede de lojas, ainda é uma garantia de que o cliente voltará, e você terá mais uma chance de fazer negócios — diferentemente do que acontece no caso do reembolso em dinheiro.

4 – Para gastos cotidianos

Existe uma modalidade recarregável de cartão pré-pago corporativo que suporta saldo de até R$20 mil — com ele sua empresa pode fazer transações e saques. Ele é ideal para aqueles pequenos gastos: um suprimento de escritório que precisa ser comprado com urgência, um coffee break de última hora, um frete para o dia seguinte.

Usando este cartão, você elimina a necessidade de manter um caixa em dinheiro dentro da empresa — algo que, atualmente, não é considerado seguro. Além disso, em termos estratégicos, você consegue provisionar um valor mensal para estes pequenos gastos cotidianos, evitando que eles saiam do controle. Servindo como uma forma de controle financeiro adicional.

Sua empresa já utiliza o cartão pré-pago corporativo? Você descobriu alguma outra vantagem ou situação em que ele pode ser utilizado, além das que constam em nossa lista? Deixe sua contribuição nos comentários deste post!

O poder do display de cartões pré-pagos: muito mais do que o impulso da compra

Todo fornecedor de varejo sabe que o display é a vitrine mais importante para expor o seu produto, e o varejo por sua vez sabe a importância de ter os produtos certos nestes espaços. 

Pensando nisto, quando se tem a oportunidade de usar uma das vitrines mais caras de um supermercado, que é o espaço diante do caixa, é preciso aproveitar ao máximo.

Por que o espaço do caixa é tão importante? 

Uma das vantagens do caixa é claro, é o tempo de permanência dos clientes parados no mesmo local.

Enquanto estão aguardando na fila, ou caso não haja fila, enquanto estão depositando os produtos na esteira e aguardando para pagar, eles ficam diante de uma série de opções de compras.

Mesmo não sendo itens que estavam em sua lista ou de sua principal necessidade, são itens que ocasionam a compra por impulso.

Os displays de cartões pré-pagos de conteúdo, como Netflix, Xbox, Ongame, Riot, League of Legends, entre outros que proporcionam ao consumidor a opção de adquirir créditos para esses serviços ou jogos, pagando os cartões no caixa, ficam justamente na entrada dos caixas. Ou seja, não é só a vitrine para a compra do cartão em si: é muito mais do que isso, é uma vitrine de exposição da marca.

Agora imagine o cartão presente marca própria da sua rede exposto junto com todas estas marcas… 

Mesmo que o consumidor resista à curiosidade de testar um desses cartões, ou resista ao impulso de comprar um que esteja precisando, ele está exposto às marcas, penduradas organizadamente em displays exatamente à altura dos seus olhos.

E isto gera gatilhos mentais que faz com que o cliente lembre da sua marca ou das marcas expostas em momentos propícios, como por exemplo na hora de presentear. 

O poder inconsciente da exposição à marca já foi provado e comprovado ao longo da história do marketing e da publicidade. Portanto, mesmo que o espaço do caixa seja condicional para a venda dos cartões, não se deve jamais menosprezar essa grande vantagem.

Mas lembre-se que é essencial manter os displays sempre limpos, organizados e recheados de cartões, cada um em seu respectivo gancho – e nunca misturados – são condições ideais para que toda essa exposição compense muito além da ativação do cartão.

 

Como usar o cartão presente marca própria como estratégia de fidelização?

Investir em novas práticas que gerem oportunidade de negócios e aumento de faturamento é o objetivo de 10 entre 10 empresas. Nesse contexto, surge o cartão presente marca própria, ou o cartão presente personalizado para o varejo, que é uma excelente estratégia de fidelização de clientes.

Então, se você busca novas alternativas para ajudá-lo a gerar mais resultados dentro da empresa, acompanhe nosso post de hoje e saiba como usar o cartão presente marca própria para alcançar seus objetivos!

Como investir nessa estratégia

Uma empresa que opta por modernizar suas estratégias através do cartão presente marca própria pode fazer isso de forma simples. Basta emitir o cartão e administrar os serviços por meio do setor de inteligência do estabelecimento.

No entanto, é importante lembrar que, com a atual situação econômica, as pessoas têm evitado assumir dívidas. Por isso, o cartão pré-pago é o melhor investimento a se fazer. Além de transmitir segurança ao cliente quanto a forma de pagamento, é seguro e rentável para a própria empresa.

Vantagens dos cartões pré-pagos

Por meio dos cartões pré-pagos é possível aumentar o ticket médio da loja e melhorar o mix de produtos sem investir em novos itens e aumentar o fluxo financeiro. Se o cliente não utilizar o cartão, o dinheiro terá ido para o varejo, independentemente da compra, é uma receita antecipada e não paga nem imposto sobre o cartão.

Além disso, o cliente também tem algumas vantagens que podem ser usadas como marketing, como, por exemplo, a questão de segurança. Em casos de perda ou furto do cartão, o varejo não perde nada, pois o “plástico” não tem valor até ser ativado no caixa. Ou seja, não há dúvidas de que apostar nesse recurso é um investimento seguro.

Mas se você ainda tem alguma dúvida, veja como fidelizar clientes usando o cartão de marca própria!

Táticas para fidelização de clientes

O cartão por si só já é uma excelente ferramenta de fidelização, pois o cliente que o adquire vai dar preferência àquele estabelecimento na hora de fazer suas compras. Porém, é preciso usar algumas táticas para promover a fidelização de maneira mais efetiva.

Um cliente que opta pelo cartão da loja, faz essa escolha pensando nos privilégios que terá. Por isso, é importante oferecer condições especiais aos que possuem o cartão.

Oferecer descontos ou créditos em compras, por exemplo, são algumas das formas de oferecer vantagens que chamam a atenção do comprador para utilizar o cartão próprio do seu estabelecimento.

Além disso, o cartão presente para o varejo também é ótimo para fidelização de clientes, principalmente em datas comemorativas, como agora nas festividades de fim de ano. Portanto, não deixe de utilizar essas táticas para obter melhores resultados nos negócios.

Agora que você já sabe como usar o cartão de marca própria como estratégia de fidelização e que esse investimento é o mais seguro, correto e rentável para os negócios, está na hora de você apostar nessa alternativa e seguir em direção a realização de seus objetivos. Aproveite e assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades que publicamos em nosso blog!

Entenda como o cartão pré-pago irá mudar o mindset do varejo!

O cartão presente pré-pago vem, pouco a pouco, dissolvendo percepções equivocadas a seu respeito e mostrando que podem ser uma ótima oportunidade para marcas que desejam se destacar no mercado.

Basta perceber como empresas de destaque vem passando a utilizá-lo como uma alternativa para garantir maiores e melhores vendas, como a Netflix, as lojas Marisa, Nextel e a rede de supermercados Pão de Açúcar.

Já falamos aqui no blog sobre algumas tendências do varejo mundial para ficar de olho. No artigo de hoje, vamos falar sobre algo um pouco mais específico, o mindset no varejo. Explicaremos esse conceito e como ele pode ser influenciado de forma positiva a partir do uso dos cartões presente pré-pagos no varejo, inclusive ajudando a fortalecer a presença de uma marca.

Quer saber como aproveitar essa nova tendência? Basta continuar a leitura!

O que é mindset?

Para podermos começar o artigo, é fundamental explicar o conceito de mindset. O termo, de origem inglesa, é a união das palavras mind (mente) e set (que aqui pode ser traduzido como formato). Ele representa, então, a maneira de uma pessoa pensar e suas opiniões, criadas a partir de experiências passadas.

Esse mindset é uma ferramenta valiosa para todos nós. Se uma pessoa já quase foi atropelada ao atravessar fora da faixa e com sinal vermelho, nossa mente vai se configurar — a partir dessa experiência — para considerar apenas as alternativas mais seguras para atravessar a rua, para evitar perigos futuros.

Ele também vai ajudar a interpretar o que vai acontecendo à nossa volta: uma mente configurada para evitar o atropelamento na rua vai diretamente procurar por faixas de pedestres, esperar o sinal verde, olhar para os dois lados antes de atravessar e deixar de considerar espaços e momentos que impeçam a travessia sem segurança.

Influência do mindset no varejo

Só que você pode estar se perguntando qual a influência desse conceito para a sua empresa. A importância do mindset, para o mundo dos negócios, está justamente no poder que essa formatação da mente de um indivíduo — ou mesmo de todo um público — pode ter sobre a experiência junto a uma marca.

Por exemplo: considere uma pessoa deseja comprar um carro, depois de muito tempo juntando dinheiro. Na hora de escolher, antes mesmo de fazer a pesquisa para eleger marcas e modelos, ela quase que automaticamente acessa seu histórico relacionado a automóveis: problemas, opiniões de amigos e familiares, tudo aquilo que ouviu e marcou. E só a partir dessa base é que vai começar a buscar modelos e marcas possíveis para eleger seu companheiro de quatro rodas.

Na prática, o exemplo acima ilustra o poder do mindset no varejo: se uma empresa não consegue, efetivamente, estabelecer sua marca junto ao seu público-alvo e personas, ela nem chega a ser considerada. Ou seja, ele pode ter influência positiva (alvo de quem quer crescer) ou negativa sobre as suas chances de fechar negócios.

Só que se engana quem pensa que o mindset no varejo é um conceito apenas definido pelo seu público-alvo. Cada empresa e marca tem papel fundamental para construir e garantir percepções positivas por parte de seus possíveis consumidores.

É preciso ter sempre uma estratégia atualizada e forte, valendo-se das novidades que o mercado lança, para garantir que a configuração do pensamento das suas personas esteja sempre a seu favor. Como? Veremos uma ótima possibilidade a seguir:

A relação entre mindset e o cartão presente pré-pago

Falamos acima sobre o papel ativo de uma empresa para ajudar a estabelecer o mindset no varejo a favor da sua marca. E como o cartão presente pré-pago se encaixa nesse cenário? Os cartões pré-pagos representam um universo de possibilidades, entre as quais destacamos:

  • Aumento de visibilidade de marca – a marca que não é vista é facilmente esquecida, principalmente em um universo em que somos constantemente bombardeados por informações e propaganda nos universos real e digital;

  • Ampliação da oferta de produtos e/ou serviços – muitas empresas encontram dificuldades em criar oportunidades para atrair seus consumidores, às vezes pelo tamanho ou pelo tipo de negócio. Os cartões pré-pagos podem ajudar empresas a vender mais podendo ser oferecidos nos mais diversos estabelecimentos, entre mercados, lojas e drogarias;

  • Melhoria da experiência de compra – o público consumidor, em geral, não quer perder tempo para encontrar o que precisa, ou ter que fazer esforços para efetivar a compra. Os cartões pré-pagos permitem uma maior facilidade e comodidade na hora de satisfazer as vontades e necessidades do seu cliente.

Apenas a partir das possibilidades acima, já fica bem claro os benefícios do cartão pré-pago para revolucionar o mindset no varejo e ajudar uma empresa a se destacar e conquistar mais vendas.

E o melhor é que, por meio dessa possibilidade, todos os envolvidos saem ganhando: o público tem maior e mais fácil acesso ao que deseja, as empresas aumentam sua presença no mercado e os parceiros conseguem oferecer mais produtos.

Uma alternativa: cartão presente pré-pago com marca própria

E se estamos falando em revolução para ajudar a estabelecer e fortalecer uma marca, o investimento em cartão pré-pago com marca própria do varejo pode ser um valioso diferencial: quando um cliente usa o cartão da sua marca, há uma mudança de percepção sobre o que é e o que não é caro.

Como assim? É bem simples: ao mostrar a preocupação em estar presente de forma simples e rápida junto ao seu público, oferecendo uma solução prática, uma marca conquista mais valor para seus produtos e serviços, que acabam estando mais dispostos em comprar e se fidelizar. Isso, principalmente em tempos de incertezas econômicas, acaba sendo fundamental para garantir o sucesso.

E se você ficou interessado no poder que o cartão pré-pago tem no mindset no varejo, entre em contato com os nossos executivos e conheça mais. 

 

5 estratégias de venda que funcionam no PDV

Por mais que a internet pareça onipresente nos dias de hoje,  nada substitui uma boa estratégia de venda no PDV (ponto de venda). Tanto que, segundo a Nielsen, em pesquisa realizada em 2015, 70% da clientela vai até a loja na hora de fechar negócio.

E é por isso que o investimento em estratégias de venda é tão importante para que o seu negócio possa conquistar – e manter – o sucesso.

Para ajudá-lo nessa jornada, separamos no post de hoje 5 estratégias de venda que mais funcionam. Leia, estude, anote e – é lógico – não deixe de testá-las em seu estabelecimento!

1 – Investir no layout

Não basta ter um PDV e produtos — é preciso investir em como esses produtos estarão dispostos no espaço. O layout é parte essencial na hora de fazer com que o cliente entre na loja e se sinta tentado a olhar as suas mercadorias.

Além disso, você deve levar em consideração as regras básicas de circulação (largura de corredores, altura de estantes e araras, localização do caixa), bem como na facilitação do acesso do cliente aos produtos. Isso tudo sem esquecer de transformar o PDV em um ambiente harmonioso, que traduza o universo da sua marca.

2 – Conhecer o público-alvo

Essa estratégia de venda não funciona apenas na hora de elaborar o seu plano de negócios. Na verdade, é preciso sempre estar atento ao seu público, para saber quais as tendências, comportamentos, desejos e necessidades. Dessa forma, você sempre oferecerá no seu PDV itens que despertam o interesse, culminando no aumento das vendas, além de contribuir para a fidelização da clientela.

3 – Criar diferentes promoções

Seja por meio de descontos, kits, liquidações ou brindes, o fato é que a clientela costuma reagir muito bem às promoções — é exatamente por isso que elas costumam ser ótimas estratégias de venda para o PDV.

No entanto, para que essa seja uma estratégia assertiva, você deve entender como cada uma das modalidades funcionam e também planejar o seu calendário. Evite o erro de empreendedores que acabam se deixando levar pelo sucesso pontual de uma determinada promoção e tendem a repeti-la até o esgotamento. Cada segmento e período do ano pedem ações estratégicas diferentes!

4 – Apostar no marketing sensorial

Embora seja uma estratégia de venda relativamente nova, o marketing sensorial está conquistando cada vez mais adeptos. Ao incentivar e aguçar os 5 sentidos do seu cliente (tato, audição, paladar, olfato e visão), você será capaz de proporcionar diferentes experiências e sensações a ele. Exemplos clássicos são o “cheiro de carro novo”, a taça de champanhe oferecida nas lojas de vestido de noiva e até mesmo o ambiente romântico (luz de velas, música, estofamentos de veludo) de um restaurante.

5 – Focar no atendimento

Agora, de nada adianta fazer uso das mais elaboradas estratégias de venda se o atendimento estiver aquém das expectativas. Por isso, busque formas de treinar e avaliar constantemente a equipe do seu PDV, para que eles possam, não sejam apenas grandes vendedores, mas verdadeiros representantes dos ideais da sua marca e as figuras que ajudarão os clientes a achar as melhores soluções para as suas questões.

Agora que você já foi apresentado a ótimas estratégias de venda para o seu PDV, aproveite para planejar o uso delas e conquistar ainda mais sucesso. E se tiver alguma dúvida ou sugestão, use a área de comentários para falar conosco. Estamos sempre interessados no que você tem a dizer!

Cartões pré-pagos: suas vantagens e como oferecê-los no e-commerce

Depois de amargar por anos o impacto negativo da oferta do frete-grátis, o e-commerce brasileiro mostra taxas de melhoria na redução dessa prática, que já esteve presente em mais de 50% das vendas online no Brasil e ainda representa 39% de tudo o que é comercializado.

Embora traga vendas e gere boca-a-boca, o frete grátis pode corroer a lucratividade do negócio. Estudos mostram que o brasileiro ainda é “mal-acostumado”, apresentando um índice de 90% de consumidores que afirmam já ter desistido de uma compra por causa do valor do frete.

Na esteira dos desafios da entrega de mercadorias nas vendas online, ainda fazem companhia ao ofensor “frete-grátis” companheiros inseparáveis e igualmente indesejáveis, como dimensões continentais do país, demora na entrega, logística-reversa e o não menos desanimador, roubo de carga.

Contudo, enquanto o setor varejista vive o conflito entre aumento de volumes e custos da absorção do frete, um novo segmento vem crescendo em vendas e atratividade, sem a carga dos riscos e perdas da entrega física.

A venda de serviços através de cartões pré-pagos de conteúdo, já bastante relevante no brick and mortar, vem ocupando seu espaço cada vez mais sólido junto ao consumidor do e-commerce: Google Play, Netflix, Xbox e Uber são alguns dos exemplos globais de sucesso de conteúdos comercializados por códigos pré-pagos procurados por milhões de consumidores online diariamente em todo o mundo.

Adquiridos, pagos e em sua maioria utilizados no próprio ambiente digital, os conteúdos de serviços, música, filmes e entretenimento trazem vendas, público e fidelização para as lojas online, deixando para trás no horizonte da operação qualquer traço de atividade logística.

Para oferecer e comercializar com sucesso essa categoria, algumas (simples) medidas devem ser seguidas. Recomendo aqui cinco práticas que, se bem aplicadas, geram atratividade a um público cada vez mais crescente e fiel, sem demandar entrega de produtos.

Crie a Categoria 

Muitas redes varejistas com as quais converso diariamente enfrentam a dificuldade de ampliar sua fronteira de categorias além de produtos tradicionais. No entanto, já é grande o leque de serviços procurados pelos consumidores online, tais como assinaturas de jogos, filmes e softwares, créditos para transporte urbano, viagens, seguros pessoais ou garantia estendida. Para tornar sua loja relevante para esse público, é importante ter as categorias de serviço claramente indexadas na busca do site, como “jogos” ou “entretenimento”, por exemplo.

Quem compra, também compra? 

Serviço não é “tudo igual”. Dentro desse universo, cada qual tem seu público e áreas de interesse. Nem sempre quem consome jogos terá interesse em transporte urbano ou, ainda, quem busca meios de pagamento pode não se interessar por sistemas operacionais ou educação. Para bem aproveitar as oportunidades é necessário um gerenciamento de categoria elementar, aproveitando especialmente as vendas cruzadas que os serviços permitem, inclusive ofertados com produtos tradicionais: na sua loja ou departamento de informática ou eletroeletrônicos agregue o serviço de venda de software para download e destaque as facilidades da compra em conjunto.

Alguns pequenos espinhos no jardim

Atrair um público diferenciado e fiel e ainda vender com a vantagem da entrega imediata. Parecem flores para a rotina de qualquer varejo online, mas alguns pequenos espinhos podem surgir. Para evitá-los, é importante montar uma árvore de decisão dentro da loja e vislumbrar que cada categoria de serviços possui um modelo próprio, com cadeias de valor diferenciadas em margens, prazos de pagamento, impostos, termos e condições de resgate. É importante assimilar cada modelo e buscar parceiros com credibilidade e experiência em atuar com a diversidade, especialmente se você é um marketplace.

Para descer redondo

Como qualquer formato novo, a venda de serviços na loja online precisa ser compreendida e absorvida pela estrutura. Para implantar o novo modelo sem dor, o primeiro passo é colocar a equipe para conhecer os principais fornecedores do mercado, entendendo o fluxo transacional e operacional dos diversos serviços. Depois, reúna seu time de desenvolvimento comercial e marketing e monte sua estratégia de vendas e SEO para gerar maior performance. Teste os principais serviços e sua aderência ao público de sua loja, assim como a visibilidade das categorias.

A loja toda de presente

Além dos conteúdos de grandes marcas nacionais e internacionais, o pincode pode emular a marca de sua loja e transformá-la em um amplo “vale-presente” digital. Crie seu Cartão Presente Digital de marca-própria e estimule o consumidor a “dar a sua loja” de presente.

Ofereça o e-gift como mais uma opção de pagamento, que pode ter a mercadoria retirada na loja física, via Click & Collect ou ainda com a tradicional entrega física de produto.

Afinal de contas, é difícil resistir ao incremento que o bom e velho “frete grátis” traz para as vendas, mesmo sabendo que este crescimento vem acompanhado das grandes emoções dos processos logísticos no Brasil.


Rogério Lima é um executivo sênior com uma carreira profissional consistente e sólida experiência nas áreas de vendas e marketing, adquirida em mercados distintos através do desenvolvimento de negócios B2B e B2C junto aos principais varejistas do Brasil. Atuou em empresas como Natura, Nestlé, DPA, Warner Bros, Universal Pictures e Euronet wordwide/epay. É formado em Propaganda e Marketing pela Universidade Paulista, com MBA em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios pela FGV-SP. Ao longo de sua carreira diversificada teve a oportunidade de conhecer diferentes culturas e ambientes organizacionais, incluindo projetos no Chile, e participação em conferências e workshops na Inglaterra, EUA, Alemanha, França, Suíça, Espanha e México.

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn.