9 dicas para aumentar as vendas no seu varejo!

Acreditamos que todo dono de loja tem como foco principal alcançar o sucesso. Por conta disso, o aumento das vendas no varejo acaba figurando no topo da lista de preocupações desse empreendedor.

No entanto, para não ter que lidar com esse tipo de problema, é preciso utilizar as estratégias certas, que garantam a boa saúde dos negócios, principalmente em médio e longo prazo.

Por essa razão, nosso post de hoje vai oferecer 9 dicas práticas para turbinar as vendas sem abrir mão da qualidade no funcionamento do seu estabelecimento. Quer conhecê-las? Vamos lá!

Como aumentar as vendas no varejo?

Para o leigo, a proposta parece simples: preço baixo = mais vendas. Só que o verdadeiro empreendedor sabe que não é bem assim que as coisas funcionam. É preciso estar atento a todo o universo que cerca o seu estabelecimento para, somente assim, poder oferecer não apenas um preço convidativo, mas também garantir a subsistência do negócio.

Nossas dicas para aumentar as vendas no varejo são bem práticas e objetivas, passando por diversos setores, para fazer com que tudo possa funcionar de forma satisfatória e em conjunto.

1. Otimizar a gestão do tempo

Vamos começar com um dos pensamentos mais populares dos seres humanos: querer que o dia tenha mais do que 24 horas. A grande questão é que o dia poderia ter 1200 horas e continuar “não dando tempo” de fazer tudo o que é necessário.

Para poder aproveitar o tempo da melhor maneira possível é preciso aprender a ser organizado, mapear e conhecer muito bem os processos que envolvem seu negócio — para, assim, encontrar e sanar os gargalos e problemas dentro da loja.

Ao fazer essa faxina interna e conseguir gerenciar melhor o seu tempo, você vai aprender a coordenar melhor as ações de cada membro da sua equipe, planejar os próximos passos e medir os resultados das ações, de modo a ser capaz de modificar o que não está dando certo.

2. Melhorar a captação de pedidos

Já considerou como funciona a jornada do cliente no seu negócio? Perceba como as pessoas se comportam e analise o que a sua loja pode fazer para ajudá-las a tomar decisões de compra de forma mais rápida e objetiva.

Isso pode significar uma equipe de vendas mais atenta ao visitante (voltaremos a esse tema daqui a pouco), um layout do espaço (virtual ou físico) mais claro, informações (preço, marca, pagamento) bem destacadas e caixas com sistema rápido.

3. Organizar a gestão financeira

Lá no início do post falamos que preço baixo não é garantia de sucesso. A verdade é que é imprescindível investir em boas soluções para uma gestão financeira eficaz. É necessário conhecer o perfil do seu cliente, os competidores diretos e indiretos, os fornecedores, a sazonalidade do negócio e os compromissos indispensáveis.

Estando ciente de todas essas questões, você estará pronto para criar uma estratégia que permita que seu estabelecimento consiga não apenas pagar as contas, mas dar o devido retorno de investimento.

4. Investir nos recursos humanos

Sua equipe é seu bem mais precioso — e saiba que ela pode ser uma ótima fonte para aumentar as vendas no varejo! Invista em transformá-los em profissionais cada vez melhores, seja por meio da valorização das suas capacidades ou da adoção de treinamentos motivacionais.

Mais do que fazer com que eles “vistam a camisa”, é preciso transformá-los em fãs e defensores do seu negócio.

5. Aplicar uma estratégia de merchandising

O merchandising é um conjunto de técnicas de exposição e ambientação utilizadas no ponto de venda para aumentar o desejo dos clientes pelos produtos, estimulando a venda.

Por meio dessa estratégia, as mercadorias ganham um destaque especial aos olhos do público, cujo cérebro passa a operar em modo inconsciente. Não à toa, a maior parte das compras que fazemos no dia a dia não são planejadas: acontecem por impulso.

Existem vários princípios de merchandising que você pode utilizar para destacar seus produtos no PDV, como:

  • crie vitrines atrativas e com poucas mercadorias em destaque. A apresentação de muitos produtos de uma vez acaba dissipando a atenção, de modo que o cliente vê tudo, mas não enxerga nada de maneira especial;

  • organize o layout da sua loja de maneira estratégica, para que o cliente circule o máximo possível e tenha contato com diversos tipos de mercadoria;

  • para comprar mais, o cliente precisa se sentir bem dentro do estabelecimento. Viabilize corredores amplos, ventilação, sinalização adequada de mercadorias e aromas diferenciados para garantir uma experiência de compra confortável e estimulante;

  • utilize displays, ilhas e outros recursos oferecidos pelos fornecedores para aumentar o interesse por produtos. Mas cuidado com excesso de informação: em merchandising, menos é sempre mais! Encontre o equilíbrio perfeito para conquistar a atenção do cliente com maestria!

6. Explorar possibilidades das redes sociais

As ferramentas de marketing digital não podem faltar na estratégia de divulgação das lojas de varejo: elas representam uma das formas mais assertivas de contato com o consumidor e o investimento pode ser otimizado conforme a disponibilidade de verba.

Uma boa forma de começar é criando perfis em redes sociais, como Facebook e Instagram. Estude o comportamento do seu cliente nos canais digitais e adeque o conteúdo publicado conforme suas preferências e necessidades.

Nesses canais, a divulgação de promoções com imagens de mercadorias pode ser muito útil para atrair clientes, mas cuidado para não fazer excesso de postagens com esse formato e intenção: o ideal é variar o conteúdo, publicando também frases de impacto, vídeos com tutoriais de uso dos seus produtos e outras dicas relacionadas à sua área de atuação.

7. Adotar a cultura do up selling e do cross selling

Você já ouviu falar nesses termos? São técnicas de venda que sugerem ao cliente levar sempre algo a mais do que o planejado, como se eles estivesse sendo beneficiado com essa ação.

No caso do up selling, são oferecidos recursos adicionais ao produto central. Em lanchonetes de fast food, por exemplo, essa estratégia é muito comum: os atendentes sempre sugerem ingredientes adicionais por um preço promocional.

Já no cross selling, o vendedor indica mercadorias complementares, técnica muito eficiente no varejo de roupas, por exemplo. Com o discurso certo, é possível vender looks completos, não somente peças individuais.

Para fazer bom uso dessas técnicas, é importante que o vendedor aprenda a investigar as preferências do cliente de forma sutil, bem como mapear e roteirizar todas as oportunidades com potencial de venda adicional.

8. Diversificar canais de venda

A sobrevivência das lojas de varejo na era digital depende da diversificação dos canais de venda. Que tal investir em e-commerce e dedicar-se aos seus clientes no universo mobile (smartphones e tablets), com a elaboração de aplicativos que ajudem a fechar cada vez mais negócios?

9. Aposte em cartões pré-pago

Outra possibilidade que vem ganhando espaço é a solução dos cartões pré-pagos. Além de poder ser adotada por qualquer tipo de varejo, eles são uma ótima forma de aumentar o ticket médio de venda, já que muitas pessoas acabam gastando mais do que o valor carregado. Vale a pena conhecer e apostar nessa possibilidade o quanto antes!

O indicado é que você se dedique a encontrar sempre soluções que ajudem a captar e reter a clientela, fazendo com que a sua marca se destaque e seja sempre a primeira opção na hora de fechar negócio!

Gostou das nossas dicas para aumentar as vendas no varejo e tem outras boas ideias que já ajudaram seu negócio? Deixe um comentário e conte pra nós. Você também pode ajudar outros vendedores a crescerem ainda mais!

Como aumentar as vendas do varejo explorando o mercado B2B?

Em tempos nos quais não se pode perder oportunidades comerciais, é preciso estar atento a todo tipo de possibilidade de vendas.

Ainda assim, muitos gestores acabam deixando de lado o comércio focado nas relações entre empresas. O mercado B2B é uma ótima área para se conseguir melhorar o faturamento mensal e é por isso que ele não pode ser esquecido.

Para facilitar a entrada ou reaquecimento do seu B2B, selecionamos algumas boas práticas. Confira:

1. Prospectar novos clientes ativamente

Para vender mais, não há nenhuma fórmula mágica, mas é preciso ter esforço e dedicação. Por isso, não se pode ter uma postura passiva e comodista: é necessário ir atrás dos clientes. A prospecção é parte de todo esforço de vendas e deve ser feita com energia e estratégia.

Avalie que tipo de clientes você pode ter no B2B e identifique onde eles estão. Liste ambientes e grupos em que eles frequentam e organize-se para se fazer presente nestes locais.

2. Revitalizar as suas parcerias e contatos comerciais

Além de novos contatos, os antigos conhecidos também podem ser uma boa fonte de vendas. Como o relacionamento já existe, é possível que se tenha um pouco mais de abertura para a conversa.

Ainda que eles não efetuem negócios diretamente, reaquecer estes contatos comerciais pode acabar resultando em algumas indicações e boas chances de chegar em novas empresas com a chancela de quem já conhece o seu trabalho e/ou a sua empresa.

Assim, fica bem mais fácil abrir um diálogo sem uma postura muito resistente, como muitas vezes acontece com novos relacionamentos comerciais.

3. Trabalhar bem o catálogo de produtos ou serviços

Outro ponto importante é lembrar-se de revisar o catálogo de produtos e serviços oferecidos — não se pode permitir que oportunidades escapem pelos dedos.

Para garantir que isso não ocorra, você e sua equipe precisam estar bem atentos e focados em conseguir utilizar cada item ou linha de produtos ou serviços oferecidos pela sua empresa para potenciais clientes B2B.

Às vezes um tipo de catálogo funciona melhor em alguns clientes, mas, para agradar a outros, é necessário oferecer uma gama um pouco diferente. O fato é que conhecendo bem o que a sua empresa tem a oferecer, é possível abrir mais frentes de negociação do que ficar somente focando nos itens que são tidos como os campeões de vendas.

4. Oferecer cartões presente

Uma opção que deve ser muito bem explorada no mercado B2B são os cartões presentes. Também conhecidos como gift cards, este tipo de benefício tem vantagens para todos os envolvidos.

A sua empresa consegue aumentar o faturamento, sem o risco de inadimplência, incentivando ainda o cliente final a comprar um pouco mais. A empresa parceira pode oferecer o benefício a seus funcionários em datas comemorativas e até mesmo aos clientes, tendo uma maior flexibilidade quanto aos valores oferecidos.

Além disso, o cliente final (que receberá o cartão) poderá gastar os créditos com os produtos ou serviços que ele desejar. Nesse tipo de relação todos saem ganhando.

Como você pode perceber, o mercado B2B é uma ótima ideia a ser explorada por gestores e empresas que estejam buscando aumentar suas vendas e melhorar seus resultados.

A respeito desse mercado, como anda o seu negócio? Ele é está no seu foco de trabalho? Tem conseguidos bons resultados? Fale um pouco sobre o assunto abaixo nos comentários. Queremos saber como a sua empresa está explorando este nicho!

Gostou de saber mais sobre como aumentar as vendas do varejo explorando o mercado B2B? Se você quer mais novidades, venha nos seguir no Facebook e no LinkedIn!

4 dicas de inovação no varejo para geração de novos negócios

Diante de um mercado cada vez mais dinâmico e de consumidores cada vez mais exigentes, uma questão imperativa tem sido cotidianamente enfrentada pelos gestores envolvidos no comércio: como (e de que forma) é mais adequado e viável investir em inovação no varejo?

Se você ainda tem dúvidas acerca da importância de incorporar novas técnicas e metodologias ao seu ponto de venda, não deixe de ler o conteúdo até o final. Neste post, você entenderá a relevância das inovações varejistas e receberá dicas valiosas para torná-las reais e rentáveis no seu negócio. Preparado? Vamos lá!

Por que é importante apostar em inovação no varejo?

O varejo é um segmento altamente competitivo. Ao se voltar completamente ao consumidor final, atendendo-o de modo contínuo e direto, as empresas do segmento precisam estar sempre atentas às alterações que afetam os desejos, as necessidades e as preferências de consumo de seu público-alvo, captando tendências e esforçando-se para torná-las disponíveis em seus produtos e serviços.

Neste âmbito, a inovação desempenha um papel essencial: a agilidade na incorporação de novas técnicas e tecnologias é determinante para endossar o crescimento e a prosperidade das organizações varejistas.

Somente ao agir proativamente, atendendo com consistência aos mutáveis anseios de consumo, é possível criar e fortalecer uma posição de vanguarda. E não se engane: por mais que você acredite na fidelidade do seu cliente, jamais negligencie a missão de satisfazê-lo — e conte com as inovações para mantê-lo leal à sua marca e ao seu produto!

Quais são as possibilidades para inovar no varejo?

Agora que você já está entendeu a importância de perseguir a inovação no contexto da sua loja, chegou a hora de conhecer algumas dicas estratégicas que favorecem a competitividade e a perenidade do negócio:

1. Automatizar processos

A vitalidade do mercado de consumo não tolera a inércia — e empresas que se acomodam geralmente acabam por enfrentar sérios (e, por vezes, até mesmo fatais) problemas administrativos — e requer a agilidade operacional.

Para simplificar, padronizar e conferir alta performance às rotinas do negócio, a automação de processos é essencial à boa gestão. Entre os benefícios dessa manobra tecnológica, despontam a segurança das informações, a eficiência operacional e credibilidade das transações.

2. Investir na experiência do consumidor

O ponto de venda deve encantar o cliente. Para que isso seja possível, porém, o gestor precisa ter a convicção de que zelar pela aparência da loja e oferecer um atendimento de excelência são condições essenciais à positiva recorrência de compra.

Para proporcionar a melhor experiência de consumo e maximizar as chances de fidelização, é interessante que todos os detalhes do ponto de venda atendam às particularidades do público-alvo — do layout das lojas às formas de pagamento disponíveis.

Se os produtos têm apelo aos jovens, por exemplo, convém apostar em uma loja mais descontraída e oferecer atendimento prático e vastamente multicanal — a julgar pela forte vertente tecnológica dessa geração.

3. Oferecer um cartão presente de marca própria

Os cartões presente de marca própria representam uma inovação no comércio varejista e atendem, de modo direto e eficaz, a uma demanda de consumo cada vez mais evidente: a flexibilização das formas de pagamento.

Ao disponibilizar a modalidade, a loja ganha em competitividade e potencializa seus lucros, uma vez que vai ao encontro das preferências do cliente e pode planejar ações promocionais mais específicas e segmentadas.

4. Apostar no big data

O big data é a grande aposta para viabilizar a alavancagem de negócios. Aos varejistas, a realidade não é diferente: os gestores estão cada vez mais engajados no desafio de utilizar a tecnologia de dados para conquistar e manter seus clientes.

Com o recurso de armazenagem de informações, essa inovação no varejo permite identificar tendências de consumo, tabular sazonalidades e conhecer preferências, por exemplo. A partir disso, é possível valer-se dos dados para formular campanhas e aumentar as vendas.

E aí, gostou das dicas? Que tal receber outras como essa e fica informado sobre como sempre melhorar o desempenho do varejo? Então é só seguir a epay no Facebook e no Linkedin!

Gostou do conteúdo e deseja ampliar seus conhecimentos no tema? Então assine nossa newsletter e fique sempre pode dentro das novidades!

8 motivos para oferecer cartões presente em lojas online

Já falamos aqui no blog sobre algumas das vantagens de oferecer cartões de presente no varejo, mas você sabia que eles também são uma ótima opção para as lojas online? Muitas são as grandes lojas virtuais, como a Amazon, que oferecem essa opção e recebem muita aceitação dos consumidores.

É possível oferecer os cartões de presente de marca própria, o que traz inúmeras vantagens. Confira abaixo 8 motivos para investir nessa forma de pagamento no seu e-commerce!

1. Qualquer loja virtual pode oferecer

Não importa se você começou o e-commerce agora ou já trabalha com o site há algum tempo, os cartões de presente são uma boa alternativa para os dois casos. Essa é uma estratégia de marketing que pode ser utilizada tanto para fortalecer a sua imagem no mercado como para apresentar a marca aos consumidores.

E esse método só tende a crescer, pois como a aceitação por parte dos consumidores é grande, várias lojas já estão disponibilizando essa opção para os seus clientes.

Por essa razão, você não pode deixar passar essa oportunidade de conquistar mais clientes, diminuindo as chances de perdê-los para os seus concorrentes.

2. Oferece praticidade ao consumidor

Com certeza, todo mundo tem um amigo ou familiar que possui uma rotina muito atarefada e não tem tempo de ir até uma loja física trocar um cartão presente. Essa é a opção ideal para aqueles que desejam oferecer, além de uma lembrança, a praticidade para recebê-la no conforto de casa.

Tanto para quem vai presentear quanto para quem vai receber o presente, o cartão é uma ótima opção. Isso porque, muitas vezes, o consumidor não sabe exatamente o que a outra pessoa gosta e, com o cartão presente, ele oferece, ao seu amigo ou parente, a oportunidade de escolher o que ele quer.

3. Aumenta o valor do ticket

Quando a pessoa tem a possibilidade de usar o cartão presente em um varejo virtual, a vontade de aproveitar a economia e adquirir um outro produto é praticamente irresistível. Com a facilidade do e-commerce, em que é possível visualizar vários itens em questão de segundos, é fácil encher o carrinho com vários produtos.

Com isso o valor do ticket médio aumenta, pois o consumidor ficará a vontade para escolher o que desejar.

4. Estimula as compras nas datas sazonais

Algumas datas sazonais, como o Dia das Mães, Natal e Black Friday são ótimas oportunidades para as lojas virtuais personalizarem os cartões presentes e realizarem ótimas campanhas de marketing. Também é possível usar a criatividade e criar cartões de datas não tão exploradas, como o dia do amigo ou dia da tia, por exemplo.

Outro período muito importante, que tem bastante procura de cartões de presentes, são as festas de final de ano. Normalmente, como é de costume da maioria da população, são realizados os amigos secretos, uma brincadeira saudável realizada entre familiares e amigos.

Nela, cada pessoa fica responsável por presentear outra, no dia da revelação do amigo secreto. Neste momento os cartões presentes tornar-se uma ótima opção, pois quem receberá o cartão ficará muito feliz porque vai conseguir escolher o que quer.

5. Deixa o consumidor mais seguro

Você sabia que um a cada três brasileiros têm medo de realizar compras pela internet? Mesmo com a popularização do e-commerce, muitas pessoas ainda sentem-se inseguras em inserir seus dados bancários no momento do pagamento.

Com um cartão presente, o consumidor pode fazer sua compra tranquilamente, sem se preocupar com algum tipo de fraude. Um presente ideal para aquele amigo que sempre quis aproveitar a facilidade do e-commerce, mas preferiu não arriscar.

6. É fácil integrá-los nas estratégias de marketing

Os cartões de presentes podem ser integrados facilmente nas estratégias de marketing. Você pode estruturar as suas campanhas em todos os canais de comunicação. Seja por meio das redes sociais, e-mail marketing ou links patrocinados.

Essas campanhas oferecem um retorno positivo, pois ao realizá-las você segmenta o seu público, fazendo com que as promoções cheguem naqueles consumidores que realmente têm interesse no seu produto.

7. É viável elaborar estratégias de follow-up

Ao unir as estratégias de follow-up com os cartões de presente, você estará incentivando a recorrência de compras na sua loja virtual.

Isso porque, na maioria dos casos, pode acontecer do consumidor não estar precisando de nada para ele, então ele aproveita a oportunidade para comprar algo para outra pessoa.

Com isso, você consegue manter um bom relacionamento com o seu cliente, tornando-se a principal preferência dele, na hora de realizar qualquer outra aquisição.

8. Aumenta a fidelização de clientes

Quando alguém recebe um cartão de presente, você está dando a oportunidade para que esse consumidor conheça seus produtos e queira ser um cliente da sua loja online.

Para o consumidor que presenteia, você estará oferecendo comodidade. Ele não precisa se preocupar se a pessoa que receberá o presente vai gostar dele ou não, pois ela terá a conveniência de escolher o que desejar.

Com isso, você acaba ganhando a fidelização nos dois casos: com o cliente que já comprou de você, e gostou da comodidade oferecida, e com o cliente que conheceu e aprovou seu produto.

Os cartões de presente devem ser considerados como uma ótima opção para todas as ocasiões, e as lojas virtuais podem aproveitar esse recurso para aumentar a conversão e fortalecer a sua marca. Pesquise os melhores tipos para o seu e-commerce e comece o quanto antes a oferecer essa opção aos seus consumidores.

Gostou do artigo? Então, que tal aderir essa opção de cartões de presente na sua loja virtual? Entre em contato com a epay e conheça os nossos serviços e soluções pré-pagas!

8 tendências no varejo offline que você precisa implantar

O varejo é um setor da economia que está sempre mudando e atualizando-se para atender de forma mais completa e eficaz os consumidores. As tendências no varejo surgem como boa oportunidade para algumas empresas despontarem, tornando-se mais competitivas e relevantes para os clientes.

Ao analisar as tendências no varejo é importante verificar quais delas são mais interessantes e aplicáveis ao cenário do negócio. Entretanto, manter o espírito de inovação é sempre fundamental para diferenciar-se.

Quais as principais tendências no varejo offline?

Identificamos 8 tendências no varejo offline que podem ser inseridas em segmentos diversos. Confira!

1. Experiência do consumidor

Proporcionar uma experiência ao consumidor que seja positiva, mas também diferenciada do que propõe outras marcas, é o primeiro passo para alcançar a fidelização de clientes e aumentar o ticket médio das compras.

Compreender quais as demandas do consumidor quando ele procura pela empresa permite atendê-lo mais prontamente e com maior eficiência. Para isso, realizar pesquisas de satisfação com clientes proporciona informações valiosas para a companhia.

A expressão no-friction, que significa sem atrito, resume um pouco como deve ser a experiência do consumidor ao entrar em contato com a loja, ou seja, o mais fluída possível.

2. Campanhas de marketing

Ainda que o varejo tenha um foco no offline e não conte com uma loja virtual, por exemplo, investir em campanhas de marketing tanto offline como online é essencial para impactar um público mais amplo e assim tornar-se referência para mais consumidores.

O mais adequado é que, ao identificar o público-alvo do negócio, seja possível determinar quais as fontes de pesquisa e informação mais usadas. Assim, o varejo pode investir em campanhas mais alinhadas com as preferências do público, independentemente da plataforma escolhida.

Uma forma de tornar-se relevante para os clientes é manter experiências offline interessantes, ao mesmo tempo em que avança nas práticas digitais de atração e relacionamento com o cliente, por exemplo, por meio das redes sociais e de um site bem desenvolvido.

3. Intervenções tecnológicas

Quando utilizada corretamente, a tecnologia proporciona diversas experiências inovadoras para o cliente, tornando a relação com a loja mais completa.

Um exemplo de intervenção tecnológica que se tornou referência é a disponibilização de tablets, no ambiente físico da loja, para que o cliente possa:

  • realizar pesquisas no estoque da loja;

  • conferir preços e ofertas;

  • acessar um mapa da loja que indique a localização de produtos;

  • cadastrar-se na newsletter da empresa para receber ofertas.

Essas são algumas das ações possíveis apenas com esse tipo de intervenção. Outra tecnologia que pode ser implantada são os Beacons, que enviam mensagens diretas para o smartphone do cliente de acordo com a localização dele.

4. Soluções pré-pagas

As soluções pré-pagas também podem ser implantadas no varejo com o objetivo de melhorar a experiência do cliente e aumentar as vendas.

Um exemplo de solução pré-paga que pode ser oferecida é o cartão presente. Com ele o cliente que deseja presentear outra pessoa, mas não sabe o que escolher, pode optar por um cartão.

Funciona assim: o cliente vai até a loja e adquire créditos que são registrados em um cartão presente customizado, no valor de R$ 50, por exemplo. Quando ele presentear outra alguém com o cartão, basta o presenteado ir até a loja, realizar as compras que deseja e usar o cartão com os créditos pré-pagos.

O cartão presente de marca própria torna a rede varejista mais interessante para o cliente, oferecendo uma opção diferenciada de consumo e atendendo a uma necessidade específica dele.

5. Customização

Um recurso que se torna mais comum entre redes de varejo e já demonstrou um alto potencial de conquistar os clientes, proporcionando uma experiência diferenciada, é a customização de soluções.

Por exemplo, um cartão fidelidade com o qual o cliente recebe vantagens personalizadas pelas compras que realiza.

Outro exemplo é a oferta personalizada, como as encontradas em algumas redes de farmácia. A partir do histórico de compras, o cliente recebe ofertas com base nos produtos que já adquiriu, aumentando a relevância para ele e as chances de aumentar o ticket médio da compra.

6. Cartão de marca própria

O cartão de marca própria é outra tendência no varejo gerando vantagens como aumento das vendas, fidelização de clientes e aumento do ticket médio das compras.

Muito semelhante ao cartão de crédito regular, o cartão de marca própria permite oferecer crédito ao cliente com baixa burocracia e mais agilmente. Entre as vantagens para o consumidor está o crédito adicional e mais parcelas para realizar os pagamentos.

Além dos benefícios relacionados com a compra diretamente, algumas empresas oferecem descontos para compras com o cartão da loja, possibilidade de participar de programas de capitalização e seguros.

Qualquer empresa de varejo pode ter um cartão de marca própria, alcançando resultados positivos para a marca, ao mesmo tempo em que gera benefícios para os clientes.

7. Curadoria

A curadoria, no varejo, seria uma customização da experiência do cliente a partir de uma cuidadosa seleção de itens que seriam mais relevantes para o perfil de consumidores da loja.

Um exemplo de curadoria é a criação de um showroom no qual o cliente pode experimentar determinados produtos, interagindo com a marca de forma a tornar o processo de decisão de compra diferenciado.

Outro exemplo é realizar alguns serviços no espaço interno da loja utilizando os produtos, como um espaço para beleza no departamento de moda, um espaço para petiscos em um departamento de venda de eletrodomésticos, entre outros.

8. Parcerias de negócios

Também é tendência no varejo a parceria com empresas que possam complementar os produtos e serviços oferecidos aos clientes.

Para campanhas de marketing mais eficazes, por exemplo, existem agências especializadas que terceirizam os serviços. Assim, a empresa pode beneficiar-se da parceria.

Também é possível ter parceiros de outros setores, como moda, para realizar um desfile interno. As parcerias de negócios são uma tendência, pois permite que ambas as empresas foquem nos próprios segmentos, sem perder as vantagens de conhecer soluções que melhorem a experiência do cliente e implantar soluções conjuntas.

Outro exemplo é apostar em uma empresa especializada no desenvolvimento de cartões de marca própria, sendo uma parceria relevante para o varejo que deseja implantar a solução, uma vez que a empresa já tem o know-how da área.

Entre em contato com a epay Brasil e saiba mais dessa e de outras tendências no varejo que podem ser implantadas no seu negócio!

Como conseguir antecipação de receita no varejo?

Com a instabilidade econômica observada nos últimos anos no Brasil, o setor varejista teve que inovar para manter a competitividade no segmento, tornando a antecipação de receita uma estratégia para melhorar o capital disponível.

A antecipação de recebíveis consiste em tornar duplicatas de venda a prazo, como parcelas no cartão de crédito, em capital para saldar dívidas ou realizar investimentos.

Normalmente, ao falar de antecipação, o varejista pensa diretamente nas operadoras de cartão de crédito. Essa estratégia não deve ser esquecida, mas outras oportunidades podem ser exploradas.

O cartão presente, por exemplo, é uma tática interna da loja e que, além de representar uma nova opção para o cliente, também é uma forma de antecipar receitas no varejo. A seguir conheça melhor algumas opções.

Negociação com operadoras de cartão de crédito

Quando o varejista está buscando por opções de antecipação de receitas, um dos primeiros recursos a serem analisados é a negociação com as operadoras de cartão de crédito. O benefício é que ele está utilizando um recurso da própria loja, entretanto, deve ser avaliado se essa ação não prejudicará o fluxo de caixa da empresa futuramente.

No caso da negociação com as operadoras, uma taxa será cobrada para antecipar os valores. Normalmente, a proporção é menor do que em outras linhas de crédito, entretanto, se a taxa estiver mais alta, compensa que o varejista busque por empréstimos, pois a antecipação deixa de ser a opção mais vantajosa.

De acordo com o volume de vendas e a previsão de vendas futuras, o varejista tem um melhor poder de barganha para negociar com a operadora de cartão de crédito.

Outra estratégia de negociação é firmar exclusividade com uma operadora, opção vantajosa para ela. Nesse caso, o varejista deve analisar a estabilidade do serviço disponível e ter outra operadora de backup.

Soluções pré-pagas no estabelecimento

A antecipação de receitas também pode ser obtida por meio de soluções internas adotadas no estabelecimento comercial, como as pré-pagas. A seguir vamos abordar três estratégias que, quando implantadas corretamente, oferecem uma série de vantagens ao varejista.

Cartão presente

O cartão presente de marca própria é uma estratégia eficaz e segura para antecipar as receitas. Com ele um cliente da loja que pretende presentear alguém, em vez de comprar um produto, adquire um cartão com determinada quantidade de créditos, por exemplo, R$ 50.

O pagamento do valor referente ao cartão presente é realizado no caixa, como ocorre com mercadorias, entretanto, a escolha do produto só vai ocorrer posteriormente, quando o presenteado for até o estabelecimento e trocar o cartão presente por um produto.

A estratégia, simples de ser adotada, oferece uma opção a mais para os clientes, garantindo variedade na escolha de presentes.

No caso do cartão presente de marca própria, o design do cartão também é personalizado, sendo um diferencial a marca que atua com essa opção.

Recarga de celular

A recarga de celular também é uma opção pré-paga que pode ser disponibilizada no estabelecimento. A demanda por locais que realizam recarga de celular é expressiva, sendo um diferencial importante de ser oferecido em pontos comerciais.

Uma vantagem proporcionada por esse serviço é que o cliente, ao entrar no estabelecimento para realizar a recarga de celular, pode se interessar por outros produtos, aumentando o ticket médio da compra.

Algumas empresas que disponibilizam serviços de recarga de celular ainda oferecem vantagens para o varejista que adota a opção, como a premiação corporativa.

Cartão pré-pago

O varejista ainda pode operar com o cartão pré-pago, sendo uma estratégia prática e eficaz de antecipação de receitas. Com a solução é possível disponibilizar crédito para consumidores que não possuem crédito bancário, por exemplo, atendendo uma demanda do cliente ao mesmo tempo em que aumenta as vendas da loja.

Com o cartão pré-pago o cliente adiciona determinado valor em créditos no cartão, podendo, futuramente, usá-los para efetuar as compras. Entre os benefícios gerados pela opção pode-se destacar:

  • oferecer uma opção de crédito para consumidores que não possuem conta em banco;

  • aumentar a segurança do cliente que não precisa andar com dinheiro vivo;

  • auxiliar consumidores que desejam um controle financeiro mais rígido;

  • facilitar a aquisição dessa opção de pagamento, uma vez que não exige comprovante de renda e outros documentos.

O lojista, assim, beneficia-se ao gerar novas opções de pagamento para o cliente e também por tratar-se de uma alternativa que antecipa a receita, pois o valor adicionado ao cartão pré-pago será consumido posteriormente.   

Cartão de marca própria

O cartão de marca própria é uma solução muito procurada por profissionais do setor do varejo que desejam diferenciar-se da concorrência, ao mesmo tempo em que garante melhorias nas vendas.

O cartão pode ser tanto pré-pago quanto pós-pago, sendo interessante que o lojista disponibilize as duas opções para os consumidores. No caso dos cartões pré-pagos, como explicado, um dos benefícios será a antecipação de recebíveis.

Uma das principais vantagens de disponibilizar esse tipo de forma de pagamento está relacionada com a fidelização de clientes. Ao avaliar em qual loja a compra é mais vantajosa, os consumidores tendem a optar por locais nos quais já fizeram boas compras e oferecer o cartão próprio ajuda no processo de decisão de compra do cliente.

Também é possível associar vantagens ao uso do cartão de marca própria. Por exemplo, acúmulo de pontos em cada compra para obter um crédito futuro, descontos especiais, melhores formas de pagamento, parcelamento em mais vezes etc.

Adotar o cartão próprio, seja pré-pago ou não, como um tipo de programa de fidelidade gera aumento nas vendas e impacta diretamente os resultados do varejo.

Quando optar pela antecipação de receita no varejo?

A antecipação de receita no varejo tem como vantagem que o lojista pode transformar o que seria um crédito futuro em capital de giro atual, investindo em melhorias ou proporcionando mais estabilidade financeira para um momento economicamente ruim.

Entretanto, ao trabalhar com soluções de antecipação de recebíveis é necessário avaliar se tal ação não vai prejudicar o caixa futuro da loja, melhorando as condições atuais, mas com danos posteriores.

No geral, as opções para antecipar receita, como cartão pré-pago, cartão-presente e cartão de marca própria são seguras ao varejista, oferecendo baixos riscos de instabilidades de caixa.

Quer saber mais como adotar essas estratégias de antecipação de receitas no seu comércio, varejo ou loja? Entre em contato com a nossa equipe e saiba mais sobre as soluções que podemos oferecer a você!

Como criar programa de fidelidade a partir de cartão de marca própria?

Em um cenário de baixa na economia, encontrar um diferencial competitivo que atraia a atenção dos consumidores é essencial para manter as vendas. Uma forma de conquistar os clientes é por meio de um programa de fidelidade.

Por sinal, existem diversos tipos disponíveis no mercado, e entre aqueles que têm destacado-se está o cartão de marca própria.

Além dos cartões em papel, atualmente a empresa pode alcançar mais profissionalismo com cartões digitais de crédito próprios do varejo, mediados por operadoras especializadas.

Qual a importância de um programa de fidelidade?

O desenvolvimento de programas de fidelidade tem impacto direto nas vendas realizadas e no ticket médio das compras, sendo uma alternativa para melhorar os resultados, oferecendo contrapartidas vantajosas aos clientes.

De acordo com uma pesquisa, 58% dos consumidores que participam de programas de fidelidade retornam à loja ao menos uma vez por mês. Com o cartão próprio da marca, os clientes gastam 55% a mais do que aqueles que não estão nos programas de fidelidade.

Um aumento de 5% na fidelização de clientes, por exemplo, proporciona um crescimento de 25% no lucro por cliente, de acordo com outro estudo.

O programa de fidelidade também é valorizado pelos consumidores. Para 83% deles esse tipo de prática fortalece o relacionamento com a empresa em longo prazo.

Além das pesquisas que indicam vantagens para o negócio, o marketing de relacionamento também gera benefícios em relação à estabilidade da empresa, mais relevância da marca no mercado, melhora da relação com os clientes e contribui para atrair novos clientes, com mais oportunidades de vendas.

Como planejar um programa de fidelização com cartão de marca própria?

Para alcançar as vantagens proporcionadas pela fidelização de clientes, entretanto, a empresa precisa desenvolver um programa de fidelização e realizar as pesquisas necessárias para que ele tenha adesão junto ao público.

Uma série de cuidados devem ser tomados para garantir a estabilidade do programa de fidelidade, especialmente no caso de cartão de marca própria que oferece crédito ao consumidor.

Perfil do cliente

Inicialmente a empresa deve conduzir pesquisas de mercado para identificar o perfil dos clientes. Essa prática permitirá definir desde a linguagem que será usada, até o design do cartão.

Devem ser analisados os dados demográficos, faixa de renda, ticket médio e demais informações que deem consistência ao programa.

Operacionalização

A empresa precisa definir qual a opção mais vantajosa de operacionalização do cartão digital da marca. É possível que opte-se pela apresentação do cartão ou pela possibilidade de efetuar pagamentos por ele.

Neste caso, indica-se que o varejista faça uma parceria com instituições financeiras especializadas, no chamado co-branded. Assim o cartão terá uma bandeira tradicional, podendo ser usado em outros estabelecimentos. Tal opção pode enfraquecer o objetivo do programa de fidelidade, sendo necessário analisar as preferências do público e objetivo do varejo.

Também é possível fazer a administração interna do serviço, o private label. Nesse modelo, o cartão só poderá ser usado na própria loja, seja para a realização de pagamentos, descontos ou melhores opções de pagamento.

As operadoras de cartão de marca própria exigem alguns requisitos da empresa, sendo necessário atentar-se a essas questões antes de definir qual será a operacionalização do cartão.

Treinamento

A etapa de treinamento é, muitas vezes, negligenciada pelas empresas, o que pode dificultar a consolidação do programa. O treinamento deve envolver todos os profissionais, que devem conhecer as etapas para participação do programa, funcionamento, vantagens, pré-requisitos, entre outras.

No caso dos colaboradores que atuam no atendimento ao público, como vendedores e caixas, e também no serviço de pós-venda, esse treinamento é ainda mais essencial, pois serão esses os profissionais a mostrar ao cliente as vantagens da fidelização.

Planejamento

O cartão fidelidade oferece diversos benefícios para as empresas, mas a adoção dessa solução deve ser analisada estrategicamente. Entre os aspectos que devem ser avaliados estão as vantagens proporcionadas aos clientes, de forma que a empresa não tenha prejuízos pelas contrapartidas oferecidas.

Também é necessário pensar o programa de fidelidade enquanto uma estratégia de marketing de relacionamento de longo prazo, ou seja, ele deve ter continuidade, não sendo alterado ou cancelado sem aviso aos clientes participantes.

Quais as vantagens dessa opção?

O cartão de marca própria gera algumas facilidades operacionais que o torna mais prático que outros programas de fidelidade. Entre os benefícios estão:

Estímulo a compras maiores

A opção incentiva que os clientes façam compras maiores e com mais frequência, uma vez que disponibiliza crédito e oferece diversas opções de pagamento, como o parcelamento.

Essa possibilidade permite que os consumidores comprem mais e aumentem o ticket médio, fazendo com que seja possível lucrar mais com cada cliente.

Oferecer descontos

Além do crédito, oferecer descontos especiais para clientes que estão no programa de fidelidade faz com que mais consumidores identifiquem vantagens em participar desse tipo de solução.

Os descontos podem ser cumulativos ou ter mercadorias com preços mais vantajosos para quem optar por pagar com o cartão da empresa.

Priorização do cliente

O cliente, ao pesquisar um produto, vai priorizar que a compra seja realizada na loja na qual já possui cadastro e vantagens decorrentes do programa de fidelidade, que podem refletir em melhores opções de pagamento, menor preço, acúmulo de pontos, entre outros.

Essa preferência do cliente é importante para que a loja mantenha-se competitiva e com um relacionamento ativo.

Criação de um banco de dados

O programa de fidelidade permite que diversas informações dos clientes sejam coletadas e armazenadas, criando um banco de dados mais completo e que viabiliza a personalização das ofertas.

As informações contidas no banco de dados devem ser usadas para melhorar o relacionamento com o cliente, selecionando um mix de recomendações mais relevante, assim como identificando o perfil do público para aprimorar a linguagem utilizada e estratégias de marketing empregadas.

A opção por um programa de fidelidade no varejo tem a agregar tanto à empresa quanto aos consumidores, devendo-se atentar ao formato da ação, de forma que ela torne-se mais relevante ao cliente, atendendo demandas específicas dele.

Como você pode perceber, o alinhamento entre marketing e estratégias de vendas é essencial para o sucesso da implementação do programa de fidelidade, principalmente do cartão de marca própria.

Quer saber mais sobre como criar um programa de fidelidade com cartão próprio? Entre em contato conosco que podemos esclarecer dúvidas e disponibilizar mais informações que deem segurança a essa decisão!

Damyller lança Cartão Presente operado pela epay Brasil

Marca de jeanswear terá cartão presente


A epay Brasil, empresa do grupo Euronet, presente em mais de 30 países e maior operadora de cartões pré-pagos do mundo, fechou contrato com a grife catarinense  Damyller, com mais de 120 lojas e canais multimarcas em todo o país para a viabilização do cartão presente da marca.

O cartão presente da Damyller chega ao mercado com a proposta de facilitar a vida daqueles que querem presentear de forma prática, mas sem perder o bom gosto.  Além disso, o presenteado terá a liberdade de escolher o que mais lhe agradar dentro de uma imensa gama de opções.

Para a marca, o cartão presente é aumento do mix de produtos, sinônimo de maior rentabilidade e uma poderosa ferramenta de fidelização. Segundo Rogério Lima, diretor de marketing da epay, 80% dos consumidores que entram na loja com o cartão pré-pago em mãos, gastam mais do que têm de crédito.

Sobre a epay

A epay é líder mundial em soluções pré-pagas. Empresa do grupo EuronetWorldwide, com ações na Nasdaq, está presente em mais de 30 países.

Especialista em produtos tais como: cartões presente, cartões para jogos online, assinaturas e créditos para conteúdos digitais, a epay Brasil tem como objetivo conectar marcas a consumidores por meio da tecnologia pré-paga, sem a necessidade de bancos e bandeiras de cartões de crédito. Google Play é uma das marcas que chega ao consumidor final por meio das soluções disponibilizadas pela empresa. www.epaybrasil.com.br

 

Cartão Marca Própria: quando ter e para quem?

A tendência de desbancarização do brasileiro é ao mesmo tempo um desafio e uma oportunidade para os varejistas. E é dessa oportunidade financeira que surge a opção do cartão marca própria.

Você com certeza já viu todo tipo de cartões desses por aí, mas já parou para pensar se essa é uma boa saída para a sua empresa faturar mais? Nós te explicamos tudo o que você precisa saber!

O que são os cartões marca própria?

A mudança no padrão de consumo do brasileiro e na forma como ele lida com o crédito e instituições financeiras abriram caminho no varejo para opções de faturamento alternativas, além do dinheiro e do cartão de crédito bancário.

A marca cartão própria é uma solução para oferecer aos seus consumidores uma opção de crédito e facilidade de pagamento, além de garantir para a empresa um controle maior das vendas, fidelização e aumento do tíquete médio de venda.

Existem várias modalidades de cartões com marca própria. Alguns varejos, principalmente grandes cadeias, preferem usar o private label, um cartão de crédito personalizado que funciona como em uma instituição financeira.

Mas a maioria das empresas escolhe investir nos cartões pré-pagos ou no cartão vale presente que, além de oferecerem comodidade ao cliente, são incentivos para compras recorrentes e transformam o ponto de venda em mais uma frente de divulgação.

Como eles vêm sendo utilizados no mercado?

O cartão vale presente é uma solução de varejo já bem conhecida para estimular as vendas principalmente nas datas comemorativas.

Com o recente movimento de desbancarização do consumidor, eles estão ganhando força como uma opção complementar de pagamento e uma nova forma de relação entre cliente e varejo.

Com isso, o cartão vale presente está sendo usado como solução pré-paga em cartões físicos ou cartões digitais, que aumentam a comodidade para o consumidor.

Qual tipo de empresa deve adquirir uma marca de cartão?

Não existe muita restrição para um varejo que deseja contratar a solução do cartão próprio. Basta que exista um objetivo bem definido e uma estratégia bem traçada para aproveitar ao máximo a solução.

O cartão marca própria também é uma boa saída para empresas que desejam conhecer melhor o seu público e adequar seus esforços de marketing e vendas.

Com total controle da forma como esses créditos são gastos, é possível entender melhor padrões de uso, poder financeiro e se adequar aos hábitos de compra do seu consumidor.

Portanto, que tipo de empresa deve adquirir um cartão próprio? Muito provavelmente a sua. A questão não é tanto sobre o tipo de varejo ou a forma de negócio, mas o momento certo para tomar essa decisão.

Quando é o momento certo de investir em uma marca de cartão própria?

Se você começou a pensar na ideia de adotar esse tipo de solução em sua empresa, deve estar se perguntando, então, se esta é a hora certa.

Não existe uma resposta precisa para essa pergunta. O que existem são alguns sinais que podem ajudá-lo a entender o momento da sua empresa e avaliar a viabilidade do cartão próprio.

Nós listamos algumas situações que você precisa prestar atenção:

Quando você precisa aumentar o volume de vendas sem grandes reformulações

O cartão marca própria é, antes de tudo, uma motivadora de vendas. É um crédito faturado para a empresa e uma razão para que o consumidor volte mais vezes.

Ou seja, o varejo está garantindo uma receita antecipada e ainda criando um vínculo entre ele e seu consumidor. Junto com programas de atração e fidelização que falaremos mais abaixo, essa é uma plataforma muito eficiente para aumentar as vendas.

Quando for integrada a uma campanha de atração

Não é raro que os varejos usem o cartão de marca própria como um elemento em suas campanhas de atração. Geralmente isso se dá por meio de vantagens que estimulam o cliente a fazer a primeira compra.

Essa vantagem pode ser um desconto inicial ou um brinde para o consumidor novato. É possível criar campanhas do tipo tanto em private labels como em cartões pré-pagos digitais (ou os convencionais, caso integrados com um sistema de cadastro).

O importante é que esse primeiro contato seja tão atraente e prático que converta o cliente ao mesmo tempo para a venda e para a fidelização. Lembre-se, além de presentear com os vales, as pessoas costumam dar dicas de compra umas às outras o tempo todo.

O cartão presente marca própria pode se tornar um instrumento de campanha boca a boca, bom o suficiente para que o cliente sinta vontade de divulgar por conta própria como ele está levando vantagem em suas compras.

Quando o objetivo é fidelizar o consumidor

A grande vantagem do cartão marca própria é a possibilidade de reter um cliente de uma forma muito mais efetiva do que a maioria dos programas de fidelização.

Isso acontece porque o consumidor que adquire um cartão pré-pago está convertido automaticamente. Ele vai voltar. Saber trabalhar com essa relação pode alavancar o faturamento, já que a comodidade do uso do cartão fará com que o cliente compre sempre no mesmo lugar.

Quando o objetivo é conhecer melhor o consumidor

Este ponto é mais claro em cartões private label pós-pagos, mas são também uma oportunidade nos pré-pagos para coletar dados financeiros e hábitos de compra.

Você pode usar as informações de uso do próprio cartão aliadas a campanhas de fidelização e pesquisas de hábitos de compra para traçar um perfil bastante preciso do seu público-alvo.

No futuro, você terá uma boa base de dados também sobre frequência de compras, preferência de uso de crédito e hábitos de pagamento dos clientes fidelizados.

Aumentar vendas, atrair, conhecer e fidelizar. A marca de cartão própria é uma solução incrível para quem busca alavancar o faturamento, uma que não está mais restrita às grandes cadeias do varejo e com volumes absurdos de venda.

Quem sabe a sua empresa não seja beneficiada com essa solução? Pense bem nos itens que descrevemos, analise com atenção as opções no mercado e tome essa decisão agora!

E se você gostou dessa dica, assine a nossa newsletter. Você receberá diretamente no seu e-mail muitos outros artigos para ajudar a sua empresa a crescer e faturar mais!

Vale presente como incentivo: uma oportunidade de parceria

Todo fim de ano costuma acontecer a mesma coisa: grande parte dos colaboradores de inúmeras empresas fica de olho na participação nos lucros e resultados, sem falar no pagamento do 13º salário.

No entanto, além desses benefícios, muitas corporações estão encontrando no vale presente de incentivo uma excelente oportunidade para motivar os funcionários — e eles não precisam ser utilizados apenas neste período do ano.

Os ganhos atingem todos os setores da empresa, pois o reflexo na melhoria da produtividade é bem visível após o incremento de um benefício como esse.

Para ajudá-lo a entender melhor como funciona esse tipo de parceria, as utilizações e o fechamento de contratos, vamos esmiuçar muito bem o assunto neste post. Interessado? Então, continue lendo!

O que é o vale presente de incentivo?

Trata-se de um cartão pré-pago em que as empresas podem depositar valores mensais e referentes às compras em lojas de eletrodomésticos, eletroeletrônicos, grandes varejistas, enfim, as possibilidades são muitas.

Podem ser oferecidos nas festas de fim de ano, sorteados ou até mesmo direcionados para quem bateu as metas preestabelecidas.

Também é uma ótima oportunidade para redes de hipermercados ou de outros ramos de atuação firmarem parcerias com as empresas, podendo, inclusive, destinar descontos por meio do número de adesões.

Dessa maneira, a sua organização poderia inserir, por exemplo, créditos de R$ 1.000 em sorteios para compras no fim de ano em uma rede varejista, colaborando imensamente para que as festas dos colaboradores premiados sejam inesquecíveis.

Valores menores podem ser inseridos na distribuição geral, como vale-compras no valor de R$ 50 ou R$ 100. Entretanto, busque ser o mais justo possível na distribuição dos créditos.

A opção também contribui para movimentar a economia, pois muita gente pode gastar mais do que o valor disponibilizado no vale presente de incentivo, pagando a diferença.

No entanto, é preciso uma boa negociação entre o setor de Recursos Humanos com outras empresas na hora de fechar o negócio, como veremos a seguir.

Como o cartão pode motivar o colaborador?

Primeiramente, o vale presente de incentivo pode ser personalizado, com temas e estampas relacionadas à campanha, como Natal, aniversário da empresa, enfim, de acordo com o momento especial.

Isso estreita o relacionamento entre os profissionais e a corporação, aumentando o bem-estar e também a motivação ao longo das tarefas diárias.

Ao destinar esse benefício ao trabalhador, é importante o setor de RH passar todas as informações, como a rede de aceitação, o valor dos créditos, direitos e deveres de cada funcionário, com o objetivo de manter a transparência em todo o processo. Fora isso, é importante uma negociação afiada com as empresas parceiras para evitar transtornos.

Quais os benefícios para o colaborador?

Neste tópico, vamos relacionar alguns benefícios que o vale presente de incentivo proporciona para a equipe. Os mais evidentes são de ordem financeira, o que na verdade nunca é um benefício em si, afinal, o dinheiro é apenas um meio de conseguir algo que represente um valor significativo, o que constitui o primeiro item de nossa lista.

Liberdade de escolha

Temos diferentes avaliações sobre o que é importante e tem valor real. Para alguns, pode ser uma viagem, para outros, é passar mais tempo com os filhos, e assim por diante.

A maioria das alternativas de benefício concedidas pelas empresas é condicionada, ou seja, não pode ser escolhida de acordo com a preferência do colaborador. Por mais que muitas delas possam ter sido negociadas e algumas sejam realmente atrativas, com o vale presente é diferente.

Em outras palavras, quando o próprio beneficiário escolhe o que mais o agrada, o preço que foi pago é inferior ao que ele recebe, pois valoriza aquele bem. Já quando não tem essa opção, o ganho pode ser insignificante, mesmo que o preço tenha sido alto.

Segurança

Como a transação não envolve dinheiro, existe uma segurança a mais para o usuário. Devido ao aumento dos índices de violência, muitos colaboradores tendem a valorizar essa possibilidade.

Importante mencionar que, embora o benefício direto seja para o trabalhador, a empresa também deve se preocupar com esse fator, principalmente nos casos em que tem responsabilidade legal sobre isso.

Melhoria da produtividade

Esse pode parecer um benefício direto e exclusivo para a empresa, mas é extremamente importante para o colaborador, ainda que não seja claro para a maioria de nós.

A produtividade é a maior garantia de estabilidade no setor privado. O colaborador que produz mais tem mais valor para a empresa e gera mais recursos para o seu caixa, que são essenciais para garantir a saúde financeira da organização e, consequentemente, os benefícios concedidos.

Melhoria do bem-estar e da qualidade de vida

Esses são dois benefícios especiais para a maioria das pessoas nos dias de hoje. Muitos mudam de cidade e de emprego em função deles.

Em alguma medida todos os benefícios contribuem para ambos, uma vez que permitem usufruir mais conforto, saúde ou outro ganho que o prêmio ofereça.

Mas no caso dos vale presente alguns dos benefícios acima ajudam a contribuir ainda mais, principalmente o da liberdade de escolha, pois ninguém pode decidir melhor pelas próprias necessidades do que a própria pessoa.

Da mesma forma, o aumento da segurança e a melhora da produtividade também contribuem para o bem-estar de qualquer ser humano.

Ganho social

Muitos brasileiros ainda não têm acesso a uma conta bancária. Os motivos para isso normalmente estão relacionados ao crédito, em função do patamar de renda ou dívidas. Além disso, muitos brasileiro estão fazendo a opção por não utilizar os bancos, ao menos os tradicionais, esse fenômeno é chamado de desbancarização.

Quais dicas o RH deve seguir na parceria?

Uma boa orientação é buscar empresas idôneas, com vários anos no mercado e que tenham unidades próximas das residências dos funcionários ou qualidade garantida nas compras online.

Analise bem o contrato, busque descontos e, principalmente, peça uma visita pessoal para os consultores da empresa de cartões para esclarecerem todas as dúvidas dos colaboradores.

Investigue na internet a rede que sua empresa pretende fechar negócio para observar se há alguma denúncia de irregularidades ou problemas com o serviço prestado — busque informações em fontes seguras.

Se possível, entre em contato com o Banco Central, responsável pela regulação, supervisão e autorização das empresas de cartões de presente para saber se está tudo dentro da legislação.

Veja ainda se há um serviço de atendimento ao consumidor para auxiliar os funcionários, caso ocorram possíveis queixas. No mais, é presentear os trabalhadores, contribuindo para melhorar as avaliações internas em relação à empresa.

Agora que você ficou por dentro do vale presente de incentivo, que tal assinar a nossa newsletter? Receba boas informações em seu e-mail e fique atualizado!