Como usar o cartão presente marca própria como estratégia de fidelização?

Investir em novas práticas que gerem oportunidade de negócios e aumento de faturamento é o objetivo de 10 entre 10 empresas. Nesse contexto, surge o cartão presente marca própria, ou o cartão presente personalizado para o varejo, que é uma excelente estratégia de fidelização de clientes.

Então, se você busca novas alternativas para ajudá-lo a gerar mais resultados dentro da empresa, acompanhe nosso post de hoje e saiba como usar o cartão presente marca própria para alcançar seus objetivos!

Como investir nessa estratégia

Uma empresa que opta por modernizar suas estratégias através do cartão presente marca própria pode fazer isso de forma simples. Basta emitir o cartão e administrar os serviços por meio do setor de inteligência do estabelecimento.

No entanto, é importante lembrar que, com a atual situação econômica, as pessoas têm evitado assumir dívidas. Por isso, o cartão pré-pago é o melhor investimento a se fazer. Além de transmitir segurança ao cliente quanto a forma de pagamento, é seguro e rentável para a própria empresa.

Vantagens dos cartões pré-pagos

Por meio dos cartões pré-pagos é possível aumentar o ticket médio da loja e melhorar o mix de produtos sem investir em novos itens e aumentar o fluxo financeiro. Se o cliente não utilizar o cartão, o dinheiro terá ido para o varejo, independentemente da compra, é uma receita antecipada e não paga nem imposto sobre o cartão.

Além disso, o cliente também tem algumas vantagens que podem ser usadas como marketing, como, por exemplo, a questão de segurança. Em casos de perda ou furto do cartão, o varejo não perde nada, pois o “plástico” não tem valor até ser ativado no caixa. Ou seja, não há dúvidas de que apostar nesse recurso é um investimento seguro.

Mas se você ainda tem alguma dúvida, veja como fidelizar clientes usando o cartão de marca própria!

Táticas para fidelização de clientes

O cartão por si só já é uma excelente ferramenta de fidelização, pois o cliente que o adquire vai dar preferência àquele estabelecimento na hora de fazer suas compras. Porém, é preciso usar algumas táticas para promover a fidelização de maneira mais efetiva.

Um cliente que opta pelo cartão da loja, faz essa escolha pensando nos privilégios que terá. Por isso, é importante oferecer condições especiais aos que possuem o cartão.

Oferecer descontos ou créditos em compras, por exemplo, são algumas das formas de oferecer vantagens que chamam a atenção do comprador para utilizar o cartão próprio do seu estabelecimento.

Além disso, o cartão presente para o varejo também é ótimo para fidelização de clientes, principalmente em datas comemorativas, como agora nas festividades de fim de ano. Portanto, não deixe de utilizar essas táticas para obter melhores resultados nos negócios.

Agora que você já sabe como usar o cartão de marca própria como estratégia de fidelização e que esse investimento é o mais seguro, correto e rentável para os negócios, está na hora de você apostar nessa alternativa e seguir em direção a realização de seus objetivos. Aproveite e assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades que publicamos em nosso blog!

Entenda como o cartão pré-pago irá mudar o mindset do varejo!

O cartão presente pré-pago vem, pouco a pouco, dissolvendo percepções equivocadas a seu respeito e mostrando que podem ser uma ótima oportunidade para marcas que desejam se destacar no mercado.

Basta perceber como empresas de destaque vem passando a utilizá-lo como uma alternativa para garantir maiores e melhores vendas, como a Netflix, as lojas Marisa, Nextel e a rede de supermercados Pão de Açúcar.

Já falamos aqui no blog sobre algumas tendências do varejo mundial para ficar de olho. No artigo de hoje, vamos falar sobre algo um pouco mais específico, o mindset no varejo. Explicaremos esse conceito e como ele pode ser influenciado de forma positiva a partir do uso dos cartões presente pré-pagos no varejo, inclusive ajudando a fortalecer a presença de uma marca.

Quer saber como aproveitar essa nova tendência? Basta continuar a leitura!

O que é mindset?

Para podermos começar o artigo, é fundamental explicar o conceito de mindset. O termo, de origem inglesa, é a união das palavras mind (mente) e set (que aqui pode ser traduzido como formato). Ele representa, então, a maneira de uma pessoa pensar e suas opiniões, criadas a partir de experiências passadas.

Esse mindset é uma ferramenta valiosa para todos nós. Se uma pessoa já quase foi atropelada ao atravessar fora da faixa e com sinal vermelho, nossa mente vai se configurar — a partir dessa experiência — para considerar apenas as alternativas mais seguras para atravessar a rua, para evitar perigos futuros.

Ele também vai ajudar a interpretar o que vai acontecendo à nossa volta: uma mente configurada para evitar o atropelamento na rua vai diretamente procurar por faixas de pedestres, esperar o sinal verde, olhar para os dois lados antes de atravessar e deixar de considerar espaços e momentos que impeçam a travessia sem segurança.

Influência do mindset no varejo

Só que você pode estar se perguntando qual a influência desse conceito para a sua empresa. A importância do mindset, para o mundo dos negócios, está justamente no poder que essa formatação da mente de um indivíduo — ou mesmo de todo um público — pode ter sobre a experiência junto a uma marca.

Por exemplo: considere uma pessoa deseja comprar um carro, depois de muito tempo juntando dinheiro. Na hora de escolher, antes mesmo de fazer a pesquisa para eleger marcas e modelos, ela quase que automaticamente acessa seu histórico relacionado a automóveis: problemas, opiniões de amigos e familiares, tudo aquilo que ouviu e marcou. E só a partir dessa base é que vai começar a buscar modelos e marcas possíveis para eleger seu companheiro de quatro rodas.

Na prática, o exemplo acima ilustra o poder do mindset no varejo: se uma empresa não consegue, efetivamente, estabelecer sua marca junto ao seu público-alvo e personas, ela nem chega a ser considerada. Ou seja, ele pode ter influência positiva (alvo de quem quer crescer) ou negativa sobre as suas chances de fechar negócios.

Só que se engana quem pensa que o mindset no varejo é um conceito apenas definido pelo seu público-alvo. Cada empresa e marca tem papel fundamental para construir e garantir percepções positivas por parte de seus possíveis consumidores.

É preciso ter sempre uma estratégia atualizada e forte, valendo-se das novidades que o mercado lança, para garantir que a configuração do pensamento das suas personas esteja sempre a seu favor. Como? Veremos uma ótima possibilidade a seguir:

A relação entre mindset e o cartão presente pré-pago

Falamos acima sobre o papel ativo de uma empresa para ajudar a estabelecer o mindset no varejo a favor da sua marca. E como o cartão presente pré-pago se encaixa nesse cenário? Os cartões pré-pagos representam um universo de possibilidades, entre as quais destacamos:

  • Aumento de visibilidade de marca – a marca que não é vista é facilmente esquecida, principalmente em um universo em que somos constantemente bombardeados por informações e propaganda nos universos real e digital;

  • Ampliação da oferta de produtos e/ou serviços – muitas empresas encontram dificuldades em criar oportunidades para atrair seus consumidores, às vezes pelo tamanho ou pelo tipo de negócio. Os cartões pré-pagos podem ajudar empresas a vender mais podendo ser oferecidos nos mais diversos estabelecimentos, entre mercados, lojas e drogarias;

  • Melhoria da experiência de compra – o público consumidor, em geral, não quer perder tempo para encontrar o que precisa, ou ter que fazer esforços para efetivar a compra. Os cartões pré-pagos permitem uma maior facilidade e comodidade na hora de satisfazer as vontades e necessidades do seu cliente.

Apenas a partir das possibilidades acima, já fica bem claro os benefícios do cartão pré-pago para revolucionar o mindset no varejo e ajudar uma empresa a se destacar e conquistar mais vendas.

E o melhor é que, por meio dessa possibilidade, todos os envolvidos saem ganhando: o público tem maior e mais fácil acesso ao que deseja, as empresas aumentam sua presença no mercado e os parceiros conseguem oferecer mais produtos.

Uma alternativa: cartão presente pré-pago com marca própria

E se estamos falando em revolução para ajudar a estabelecer e fortalecer uma marca, o investimento em cartão pré-pago com marca própria do varejo pode ser um valioso diferencial: quando um cliente usa o cartão da sua marca, há uma mudança de percepção sobre o que é e o que não é caro.

Como assim? É bem simples: ao mostrar a preocupação em estar presente de forma simples e rápida junto ao seu público, oferecendo uma solução prática, uma marca conquista mais valor para seus produtos e serviços, que acabam estando mais dispostos em comprar e se fidelizar. Isso, principalmente em tempos de incertezas econômicas, acaba sendo fundamental para garantir o sucesso.

E se você ficou interessado no poder que o cartão pré-pago tem no mindset no varejo, entre em contato com os nossos executivos e conheça mais. 

 

Sazonalidade de vendas: como aproveitar ainda mais?

Sombrinha, fantasia, ovo de chocolate, cobertor, panetone, churrasqueira e aparelho de ar-condicionado, o que existe em comum entre estes produtos? Tente adivinhar! Não faz a menor ideia? O que eles têm em comum é a sazonalidade de vendas! Todos eles têm picos de vendas em determinada época do ano e, no resto do ano, vendem pouco ou nada.

Por que isso acontece? Porque o mercado é cíclico, ou seja, existem hábitos de consumo relacionados aos ciclos do ano, como estações e datas comemorativas. Fique atento para as dicas que daremos para que a sua empresa aproveite as sazonalidades para faturar mais. Confira:

Blinde o seu mix de produtos

Estude os hábitos de consumo do seu cliente ao longo do ano e escolha um mix de produtos que contenha itens adequados para cada ciclo, além de tornar possível ter uma média de vendas estável o ano todo. Por exemplo:

Em um restaurante é possível servir alimentos específicos para cada época do ano. No verão, saladas e sucos refrescantes, na quaresma, bacalhau, no inverno, fondue e caldos quentes.

Já uma empresa que vende ar-condicionado deve oferecer serviços de manutenção para todos os clientes, já que os filtros do aparelho precisam ser trocados periodicamente. Trabalhar também com aparelho climatizador de ar, que pode ser vendido o ano todo. E, ainda, credenciar a empresa como instaladora dos aparelhos.

Renove o seu mix de produtos

Acompanhe os lançamentos de produtos em feiras, eventos setoriais, centros comerciais e grandes atacadistas para diversificar e renovar o seu mix de produtos. Dessa forma, você consegue quebrar a monotonia para os seus clientes fiéis e atrair novos.

Crie promoções

Aproveite as datas comemorativas para realizar promoções específicas, como, por exemplo:

  • Em um restaurante: promover jantares especiais nos dias das mães, dos namorados, dos pais, natal e ano novo, aproveitando o ciclo de acontecimentos.

  • Em uma loja de cosméticos: fazer ofertas especiais nas datas comemorativas e criar kits de produtos para presente, que permitem vender mais do que se deixar os produtos dispersos para escolha do cliente.

Ambiente a sua loja adequadamente

Faça a decoração da sua loja com motivos relacionados aos eventos sazonais: equilibre as cores, os enfeites e as luzes para destacar os produtos no ambiente interno e nas vitrines.

Faça reservas

Nos momentos de pico de vendas, reserve uma parcela dos lucros, pelo menos 30%, para garantir as despesas operacionais dos períodos de baixa.

Amplie os meios de pagamento

Aceite cartões pré-pagos, vale presente e todas as bandeiras de cartão de crédito, assim, você destrava as vendas que podem estar sendo represadas por causa da limitação dos meios de pagamento.

A sazonalidade de vendas não precisa ser um problema. Ela pode ser convertida em oportunidades desde que sua empresa saiba adequar e diversificar o mix de produtos, agregar novos serviços, realizar promoções, tornar a loja atrativa em todas as épocas do ano e fazer reservas financeiras para superar baixas das vendas.

Agora que você já aprendeu sobre a sazonalidade de vendas, leia também: Como aproveitar a crise econômica para vender mais?

Gestão de vendas e business intelligence: qual a relação entre eles?

O business intelligence (BI) vem sendo um grande aliado de cada vez mais negócios rumo ao crescimento. Principalmente por meio do tratamento de dados — coleta, análise, organização e exposição de informações — de várias fontes.

Por conta disso, a gestão de vendas de um empreendimento pode se beneficiar dessa geração de resultados e oportunidades. Com a plataforma, os processos da área podem ser mais exatos, devido aos gráficos e dashboards que o BI proporciona — inclusive com previsões e monitoramento de dados em tempo real.

Neste post, acompanhe a relação entre o business intelligence e a gestão de vendas e saiba quais são as respostas que podem ser encontradas para o seu negócio.

Business intelligence e sua função

A utilização de diagnósticos e indicadores gerenciais precisos são boas práticas para somarem no planejamento estratégico.

Com a lapidação de toda a carga de informações que a plataforma extrai, pontos a serem aperfeiçoados, imperceptíveis sem a ferramenta, são revelados. Além disso, o BI — com dados também externos à empresa, como de consumidores e mercado de atuação — fornece análises preditivas, o que também é muito importante para o plano de ações.

BI na gestão de vendas

Além das possibilidades e dos resultados que já citamos, gestores de vendas podem melhorar processos de rotina e prever ações necessárias ao andamento sustentável e correto das atribuições do departamento. Dentre eles, podemos citar:

Controle do estoque

Além do trabalho com informações passadas, o business intelligence também monitora dados em tempo real. Com esse acompanhamento e com a posse do histórico de saídas, a solução pode prever quando será necessário repor estoque, agilizando a decisão, adiantando procedimentos e mantendo-o sempre controlado.

Análise da equipe de vendas

Para esse quesito, temos o encaixe perfeito dos dashboards, pois vendedores têm metas a serem alcançadas. E o BI permite que todos os números relativos ao trabalho da equipe sejam acompanhados em tempo real por painéis de controle. Essa funcionalidade junto aos gráficos podem revelar correções necessárias sobre equipe e à atuação dela.

Acompanhamento da experiência do cliente

Os dados de vendas e pós-venda colhidos e filtrados pela solução têm potencial para revelar porque a carteira de clientes ou o número de consumidores cresceu, estancou ou diminuiu.

Assim, o responsável pode avaliar melhorias e investimentos a serem feitos em atendimento, agilidade de conclusão de transações, reação a objeções de compra e demais formas de melhorar a experiência do comprador.

Previsão de tendências de mercado e consumo

Os responsáveis pela gestão de vendas devem direcionar a equipe de acordo com os quesitos que acabamos de abordar.

E fazer isso tendo um suporte, que o auxilia no acompanhamento de fatores externos, torna sua atuação mais precisa e eficiente — existe a agilidade do preparo embasado disponibilizado pelo BI.

Tendo em mente dificuldades geradas por fatores alheios em curto e longo prazos, que fazem necessário aperfeiçoamento na gestão de vendas, evita-se perda de fatia de mercado ou ineficiência em operações. E, por outro lado, em um cenário favorável ao negócio, o profissional pode mudar o planejamento também, porém visando maximizar o futuro impacto benéfico constatado.

Com a aplicação da ferramenta no setor, os benefícios estendem-se até mesmo ao setor de marketing. Já que com percepções vindas diretamente do departamento que lida com os clientes e seus perfis, mudanças podem ser feitas na estratégia para que ela atinja o público-alvo de maneira mais assertiva, de modo a gerar mais oportunidades de negócios.

Agora que você sabe como o business intelligence é potente na otimização da gestão de vendas, veja três dicas para vender mais analisando dados!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn

A importância da segmentação de público-alvo no varejo

A segmentação de público-alvo no varejo permite que você faça ações de marketing completamente direcionadas, promovendo um amplo alcance da marca e captando mais leads.

Hoje em dia, há muita concorrência entre as empresas, principalmente na área de varejo, por isso a necessidade de rever quem é o seu público-alvo e como atingi-lo de forma efetiva, a fim de se sobressair em relação aos concorrentes e melhorar as vendas!

Qual a importância da segmentação de público-alvo?

As campanhas de marketing precisam ser direcionadas para chamar atenção do público e fazer com que ele fique interessado no que você está propondo e oferecendo.

No varejo, é comum ter muitas opções de produtos e serviços. Entretanto, se quiser vender mais e ter sucesso, é preciso que você conheça o perfil dos seus consumidores, em relação à idade, renda, região, interesses e preferências. Quando você sabe o perfil de compra, pode produzir conteúdo conforme essas expectativas.

Por isso, também a necessidade de rever o seu nicho e verificar se vale a pena ou não aumentar suas possibilidades. Para cada nicho diferenciado, mais pesquisas deverão ser feitas para definir o público. Com a segmentação, é mais fácil alcançar as metas e objetivos de uma empresa.

Quer uma sugestão simples e rápida que pode levar você a fidelizar clientes com segmentação? Então, conquiste-os com cartões presentes e perceba os resultados!

Como realizar a segmentação de público-alvo?

Invista em pesquisa

O que pode lhe ajudar nessa empreitada é pesquisar muito! Isso quer dizer que você deve estar onde seus clientes estão. Nas mídias sociais, nos blogs, seja onde for. Dessa forma, você acaba conhecendo melhor quem são os seus potenciais consumidores.

Não só isso, mas essa pesquisa também pode ser feita de forma qualitativa, realizando questionários online ou em campo. O que muitas empresas de varejo fazem é analisar a concorrência e verificar quais ações de marketing criam para atrair o público-alvo.

Com as pesquisas, você terá em mãos os dados para complementar suas campanhas e direcionar seus produtos e serviços a um público que está interessado.

Não confunda gosto do gestor com o do cliente

Quando se está segmentando, é possível que o gestor tenda a realizar campanhas e fazer pedidos conforme o seu gosto e suas preferências. Além de ser um “tiro no pé”, você não está respeitando o perfil do cliente.

Claro que, às vezes, os gostos são parecidos, mas você deve sempre se colocar no lugar do consumidor: como pode ser conquistado? O que espera de você? Como você chegará a cada lead?

Lembre-se de que nem sempre o que você acha bom será bom também para o cliente!

Defina os canais de comunicação

É muito importante que você defina os canais de comunicação. Como a sua empresa de varejo é de um tamanho médio para grande, é vital que se estabeleça uma presença digital forte no ambiente online, que seja ativo nas redes sociais e crie campanhas de marketing segmentadas.

O e-mail marketing é uma das estratégias que mais funciona para guiar o cliente conforme a sua jornada e saber melhor as suas preferências. Aliás, é essencial que você preste atenção nos feedbacks dos clientes para aprimorar suas campanhas e direcioná-las mais eficientemente.

Então, se você gostou do nosso post sobre segmentação de clientes e quer saber mais sobre o assunto, siga a gente no Facebook e LinkedIn!

5 presentes criativos para vender mais no varejo

Apostar em presentes criativos para vender mais é uma estratégias que sempre proporciona vantagem competitiva perante a concorrência. As datas comemorativas no Brasil sempre se mostram como uma excelente oportunidade para o varejo, mas a pergunta é: no que exatamente investir para sair na frente? 

Fizemos uma lista com diversas opções criativas que vão ajudar o seu negócio a aumentar as conversões. Vamos a elas?

A importância dos presentes criativos para o varejo

Já se foi o tempo dos presentes clichês e sem personalidade. É preciso aprender a investir em novos formatos, presentes criativos que ajudem a sua loja a ser lembrada pela clientela, não apenas hoje, mas também no futuro. Dentre as possibilidades que você pode oferecer, podemos citar:

1 – Vale presente da loja

Às vezes as pessoas ficam com um enorme dúvida do que deveriam comprar para presentear um ente querido ou um amigo. Portanto, que tal oferecer a elas uma opção que os libertem da necessidade de escolher? Um vale presente pode ser a solução para a sua clientela e, além disso, a oportunidade para trazer novas pessoas para o seu estabelecimento.

2 – Vale presente de empresas parceiras

Dependendo da sua área de atuação, você pode trabalhar com empresas e marcas parceiras (ou pode estabelecer parcerias). Que tal aproveitar para aumentar as vendas oferecendo vale presentes dessas marcas? Garantimos que muitas pessoas vão achar maravilhoso ganhar créditos para o Netflix ou Google Play!

3 – Kits de presentes

Já reparou como alguns clientes não se decidem sobre o que levar por achar “uma caneca muito pouco e um puff demais”? Ajude o seu cliente a escolher a melhor compra a partir de kits de presentes criativos, já embrulhados e combinados. Não só ele vai gostar da sua iniciativa, como vai indicar sua loja como a solução na hora de comprar presentes.

4 – Presentes temáticos

Você não só pode como deve aproveitar as datas comemorativas para vender e lucrar ainda mais! Descubra quais os tipos de presentes criativos sua loja pode adquirir para vender no Natal, Páscoa, dia das crianças, dia dos professores, dia das mães, dos pais — as datas são muitas! Não vai faltar oportunidade! Pode ser algo pequeno, comprado por impulso no caixa ou uma linha que faça sua loja se tornar o verdadeiro espírito da data. O importante é ser atraente e ser condizente com a época do ano.

5 – Venda de experiências

Já pensou em não vender produtos, mas sim experiências? Seja para aquelas pessoas mais difíceis de agradar ou para surpreender, as experiências costumam ser mais valiosas que qualquer produto ou serviço.

Pode ser uma viagem de balão, voo de parapente ou um final de semana em um hotel fazenda. O fato é que a partir do momento em que o cliente percebe que embarcará em uma aventura, a tendência é que ele se apaixone pela ideia.

Adote a estratégia de venda casada

Sabe quando você está em um site comprando determinado produto e ele te sugere itens que também poderia gostar? Traga esta metodologia para o seu empreendimento! Sugira serviços ou produtos que podem ser adicionados às compras do seu cliente. Essa é uma ótima forma de oferecer outros presentes criativos e crescer as vendas! Treine sua equipe para ter sempre na ponta da língua aquele toque especial para fazer daquele presente algo ainda melhor.

Essas são algumas ideias de presentes criativos voltados para o varejo em que você pode investir para poder se destacar. E para vender mais e melhor, que tal conhecer algumas soluções para rentabilizar o seu negócio e gerar mais oportunidades de vendas?

Venda de cartões pré-pagos: 4 razões para apostar nessa estratégia

É uma característica do empreendedorismo a busca incessante por alternativas inovadoras, capazes de fidelizar clientes, turbinar e potencializar os resultados. Investir na estratégia de venda cartões pré-pagos é uma ótima iniciativa para o varejista aumentar as vendas. 

Conheça 4 razões para começar a apostar nessa estratégia agora mesmo:

1 – Qualquer empresa pode implantar o sistema de cartões pré-pagos

Não existe restrição para adotar o sistema de cartões pré-pagos. Qualquer segmento varejista pode investir: supermercados, farmácias, livrarias, lojas de game, etc. Uma ótima ideia é disponibilizá-los em uma prateleira de fácil acesso para o cliente se servir sozinho – ele mesmo escolhe o valor do crédito para abastecer os cartões, que são ativados no caixa da empresa.

2 – Os cartões pré-pagos agregam valor e praticidade ao consumidor

Imagine um cartão que não necessita de conta bancária — não é à toa que esse mercado está em plena ascensão. O usuário pode utilizar os cartões pré-pagos para controlar os gastos pessoais e as finanças da família. Dá até para controlar a mesada dos filhos e saber exatamente como eles estão utilizando o dinheiro.

 

3 – É possível criar cartões pré-pagos como vale presentes

Quem nunca se atrapalhou ao escolher um artigo para dar de presente? Ao adquirir um cartão pré-pago como vale-presente, o consumidor tem a certeza de que não vai fazer feio na hora de agradar alguém, até porque quem vai escolher o produto é o próprio presenteado. Essa prática também evita dúvidas e questionamentos, como não conseguir agradar o gosto da pessoa ou fazer com que ela retorne na loja para trocar o produto.

É possível personalizar também de acordo com as campanhas de marketing da empresa, como no mês das mães, Natal, Páscoa, etc. O layout temático é um atrativo a mais que vai levar mais pessoas para a sua loja.

Outra vantagem do vale presente é atrair novos clientes, pois a pessoa que foi presenteada pode gostar da sua loja e se tornar um cliente.

4 – O consumidor acaba gastando mais que o valor do cartão

Pense bem: se muitas pessoas têm cartões pré-pagos para gastar na sua empresa, é sinal de que o movimento na sua loja vai aumentar. Sempre que o consumidor precisa comprar um produto, ele visualiza todos os outros, e uma coisa leva à outra. Por isso, é muito comum um usuário gastar mais do que o valor disponibilizado no cartão.

Investir na estratégia de cartões pré-pagos vai fazer você pensar: por que não inventaram isso antes? Uma tecnologia simples, capaz de atrair, fidelizar, engajar e ainda conquistar novos clientes.

Gostou das dicas? Como você gostaria de personalizar os cartões pré-pagos nas campanhas de marketing da sua empresa? Deixe um comentário!

Como mensurar a fidelização de clientes no varejo?

É inegável que estratégias que buscam a fidelização de clientes sejam essenciais para o sucesso de um negócio. Consumidores fiéis compram mais, fazem propaganda gratuita e diminuem o custo de aquisição de clientes. E estas são apenas algumas das vantagens que se pode identificar nesta estratégia.

Então, como mensurar a fidelização de clientes em negócios em que a maior parte das etapas dr compra é feita por cada um deles? Esta é a realidade de lojas com autoatendimento e de varejo que atuam em larga escala.

Continue lendo para descobrir esta resposta e também dissecar o conceito de fidelização de clientes que revolucionará sua visão sobre a experiência de compra dos seus consumidores.

Razões que tornam um cliente fiel à loja

Para mensurar a fidelização de um cliente, é preciso primeiro saber o motivo da preferência dele por determinada loja ou produto.

Clientes podem ser fiéis a uma loja por sua localização, especialidade em determinado produto ou porque ela proporciona uma experiência de compra prazerosa e completa.

Para as razões estruturais ligadas fundamentalmente aos 4 Ps do marketing, pesquisas de satisfação podem ajudar a mapear as características que fidelizam o cliente.

Mas para as outras razões de ordem emocional, a análise precisa ser feita com outro viés. Uma boa solução seria a pergunta decisiva, proposta por Frederick Reichheld no livro “The Ultimate Question”, pois com ela seria possível quantificar o sentimento de satisfação do cliente.

A pergunta decisiva e o Net Promoter Score

“Em uma escala de 0 a 10, quão disposto você se sente em recomendar nossa loja para seus amigos?”.

Aplicar um questionário eletrônico com esta simples pergunta ao final de uma venda permite que a empresa classifique o nível de fidelização dos clientes em uma escala, o Net Promoter Score.

Os clientes que dão nota entre 0 e 6 são considerados desertores, aqueles que informam nota 7 ou 8 são classificados como passivamente satisfeitos e, por último, aqueles que dão notas 9 ou 10 são considerados promotores.

Um alto volume de clientes passivamente satisfeitos pode sugerir que a fidelização deles esteja relacionada às razões estruturais, seja o preço ou localidade privilegiada. Já os promotores podem ser relacionados às duas principais razões e, por isso, quanto maior o volume deles, melhor será o índice de retenção de clientes.

Estratégias comerciais para fidelização de clientes

Diversas estratégias de vendas estão ligadas à fidelização de clientes e sempre remetem às razões pelas quais eles estão comprometidos com a loja.

Por isso, a importância de conhecer o perfil dos consumidores e criar estratégias que atendam às suas necessidades.

Upselling e Cross selling

Oferecer versões melhoradas ou outros produtos que complementem a experiência do cliente com o produto é uma forma de gerar novas vendas, ao mesmo tempo em que conquista a simpatia do cliente.

Quando corretamente realizadas, as vendas de Upselling e cross selling demonstram o caráter consultivo da venda, onde a loja deseja que o cliente seja plenamente atendido pelo seu produto.

Atendimento ao cliente com excelência

Outra estratégia para fidelização de clientes é o investimento em treinamentos, processos e informações que possam melhorar o atendimento ao cliente.

Usando softwares de gestão de clientes e outras ferramentas inovadoras é possível personalizar o atendimento e encantar o cliente com a antecipação de suas necessidades.

Marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo tem grandes retornos de fidelização dos consumidores, pois foca seus esforços em educar o cliente sobre determinado produto ou serviço.

Seu funil de vendas conduz o cliente da atração, consideração e entendimento da necessidade para a derradeira concretização da venda. Ele, dessa forma, confiará muito mais na empresa por sua autoridade no assunto e também respeito ao tempo de decisão.

Eficiência dos clubes de benefícios

Também considerados como estratégias comerciais que fidelizam a clientela de um varejo, os clubes de benefícios e vantagens merecem um capítulo à parte.

Sua estratégia é ainda mais completa, pois além de incentivar a preferência pelo consumo na loja, também permite diversificar e ofertar outros produtos que o cliente não consumia antes.

Para criar um modelo de benefícios com foco na fidelização de clientes, cupons promocionais e cartões presentes são excelentes ferramentas. Quer saber mais sobre eles e suas funcionalidades inovadoras? Então, curta a página da epay no Facebook!

O marketing sensorial vai melhorar suas vendas!

Para quem busca soluções inovadoras para atrair clientes e gerar mais vendas, o marketing sensorial pode cair muito bem. Essa estratégia consiste em explorar os cinco sentidos: visão, audição, tato, olfato e paladar para oferecer uma experiência memorável e diferenciada aos consumidores. É um conceito que abrange técnicas que vão além do marketing tradicional — normalmente focado em conquistar o público pelos olhos e ouvidos.

O foco do marketing sensorial são os pontos de venda, onde o contato entre marca e cliente é mais próximo, além da possibilidade de se trabalhar com todos os sentidos. Aliás, vale destacar que em média 70% das decisões de compra são tomadas no PDV, segundo pesquisa da Nielsen. Logo, oferecer uma experiência marcante para impulsionar as chances de venda é um caminho para os gestores que querem conquistar o consumidor por fatores além de preço, promoção, conveniência, etc.

Continue acompanhando e veja como o marketing sensorial pode ser o ponto de partida para a construção de uma marca forte, que atraia, encante e fidelize mais clientes.

A importância do marketing sensorial

Esse tipo de marketing, quando bem aplicado, é muito eficaz para gerar diferenciação e reforçar o posicionamento da marca no mercado. Isso acontece porque para o consumidor é mais fácil lembrar de uma empresa ou loja que o marcou pelo cheiro, pelo gosto de uma comida, pela música e iluminação ambiente — são sentidos que não costumam ser aguçados de maneira diferente, pois os clientes estão acostumados a um padrão visual e comportamental de compra.

Outro detalhe é o entendimento da influência do espaço físico sobre a decisão de compra dos consumidores. Por exemplo, quando uma mulher entra em uma loja de roupas para adquirir uma blusa, ela sente tudo que o ambiente proporciona. Logo, uma das ideias do marketing sensorial é aproveitar este espaço criar mais valor à compra dessa cliente. Mas como isso ocorre? Entenda no próximo tópico.

A aplicação do marketing sensorial

Como um dos princípios básicos dessa estratégia é diferenciar a marca, o passo inicial é viabilizar a transmissão de valores da empresa para os clientes e otimizar o ponto de venda. Nesse ponto, vale explorar a criatividade e a estrutura para criar uma iluminação personalizada, uma ambientação que varie de acordo com a proposta da marca, inserir móveis para acomodar os clientes, colocar perfumes em lojas, corredores ou produtos ordenados de maneira estratégica, e muitas outras possibilidades para mexer com as percepções do público.

A segunda etapa é analisar os concorrentes e verificar se eles usam alguma estratégia de marketing sensorial. No caso de pizzarias, por exemplo, pouco adiantaria expor no salão o cheiro das pizzas saindo do forno se a maioria dos outros estabelecimentos já utilizam essa fórmula. Você até atingiria o objetivo de aumentar as chances de venda por aguçar um sentido, mas dificilmente sua marca estaria gravada na mente dos consumidores, a não ser que o aroma fosse muito diferente dos demais.

O exemplo da Dunkin’ Donuts

Esse case bem-sucedido foi aplicado na Coreia do Sul. O objetivo da empresa era aumentar o consumo de café nas lojas da empresa na capital Seoul, mercado altamente concorrido, com nomes de peso, como Starbucks. A ação visou estimular a audição e o olfato, e consistiu na aplicação de aromatizadores em ônibus que tinham sistema de rádio. Nos transportes públicos, toda vez que o anúncio da Dunkin’ Donuts tocava, o dispensador disparava um leve aroma de café que conectava o público à marca.

Esse experimento sensorial impactou 350.000 pessoas, aumentou as visitas nas lojas em frente de pontos de ônibus em 16% e as vendas cresceram 29% — veja o vídeo do case.

Para ter sucesso com o marketing sensorial é imprescindível estudar as motivações e as necessidades reais de compra do seu público, além de monitorar as ações da concorrência. A partir dessa análise será possível criar ambientes ou situações que estimulem a lembrança da marca, quando fora do PDV, ou que levem até a conversão e encantamento, quando dentro do ponto de venda.

Percebe como o marketing sensorial valoriza o consumidor como ser humano e reforça os laços de envolvimento dele com as marcas que praticam esse marketing? Vamos continuar esse debate nos comentários. Participe e deixe suas impressões!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn

Cartão Presente: uma ótima oportunidade para o varejo infantil

Presentear definitivamente é uma arte. Nosso artista, no caso aquele que presta a homenagem, precisa adentrar no espírito do homenageado, compreender todas as suas sutilezas, para só então escolher o presente certo. Agora, e quando falamos do espírito de uma criança? Para piorar a situação, uma criança do século XXI? Bom, nesse caso, o cenário é bem diferente.

Descobrir as preferências de uma criança envolve um esforço hercúleo que, na maioria dos casos, é completamente frustrado. Desenhos, jogos, super-heróis. Não dá pra saber o que se passa na cabeça dos pequenos. O quadro do artista, nesse caso, vira um verdadeiro quebra-cabeça que deve ser resolvido pelo engenheiro mais preparado. Mas, calma, há solução.

Certamente, o cartão presente é uma excelente oportunidade para quem atua no varejo infantil, afinal, os pais não conseguem mais acompanhar as preferências das crianças e preferem escolher apenas o fornecedor, não o presente.

Nesse post, você vai conhecer alguns dos principais motivos para investir nesse tipo de estratégia. Confira logo a seguir!

Garanta a versatilidade

O cliente que frequenta a loja tem a oportunidade de levar apenas uma lembrancinha ou um grande presente por meio do cartão presente, assim, você pode gerar um leque de possibilidades de negócios muito maior — o que certamente será revertido em mais vendas.

Em outras palavras, é possível conquistar o consumidor em qualquer tipo de data comemorativa ou ocasião, pois ele poderá presentear com o valor que bem entender, sem precisar perder tempo com o processo de escolha, o que, no caso das crianças, é bem difícil. Além disso, o cartão presente é um excelente item para gerar compras por impulso, àquelas feitas de última hora.

Aprimore seus hot spots

Toda loja possui os seus hot spots, ou bom em português, lugares quentes. São pontos no interior do ponto de venda onde o impulso para o consumo é maior, seja pela disposição dos produtos ou pela conveniência do momento. Um desses hot spots é o caixa, local destinado normalmente aos itens de menor valor, que geram as compras por impulso.

Certamente, o cartão-presente é um excelente produto para ser deixado próximo ao caixa, justamente pela versatilidade que expomos logo acima. No último momento, ainda sem saber ao certo o que procura, o cliente pode levar esse tipo de presente para algum parente, por exemplo.

Faça um convite para novas vendas

O cartão presente também pode ser encarado como um verdadeiro convite para novas vendas no varejo. Por exemplo, a criança recebe o cartão vale presente e precisa dos pais para efetuar a troca pelo produto que desejar. Ao chegar na loja, certamente se encantará com outros produtos, o que pode ser um verdadeiro impulso para novas compras.

Sem dúvidas, essa pode ser uma excelente maneira para aumentar o ticket médio do seu negócio, o que pode ser benéfico tanto para a empresa, quanto para os vendedores que desejam melhorar as suas comissões. O cartão presente, portanto, é uma solução crucial para melhorar os resultados do varejo infantil.

Gostou das nossas dicas para o varejo infantil? Gostou da ideia do cartão-presente? Então, acesse agora mesmo o nosso site e conheça as nossas soluções!