O que é a jornada do cliente e como é feita?

Você já ouviu falar em jornada do cliente? Essa é uma das ferramentas utilizadas para oferecer ao consumidor uma experiência única com a sua marca, conduzindo-o em estágios de relacionamento até a consumação da compra do seu produto ou serviço.

Atualmente, empresas de diferentes setores utilizam a jornada do cliente para chegar até seus consumidores, oferecer o que precisam e, consequentemente, fidelizá-los.

Quer saber como aplicar a jornada do cliente na sua empresa? Veja agora como ela é feita!

O que é a jornada do cliente?

A jornada do cliente é uma das estratégias do marketing digital que acompanha os consumidores em seu percurso de decisões até a realização da compra.

A jornada inclui o primeiro contato entre consumidor e empresa, decisão de compra e relações pós-venda. Por meio dessas etapas é possível ver o que seu consumidor busca, quando e como.

A importância de definir personas

Para aplicar a jornada do cliente é fundamental definir uma persona — as personas são personagens criados com base no perfil de um cliente ideal.

Para construir a persona você deve elencar dados como idade, trabalho, escolaridade, interesses, dificuldades, preocupações e intenções de compra.

A partir dessa persona é que serão estabelecidas as estratégias que vão conduzi-la pelas etapas da jornada, que você vai conhecer agora.

Estágio de consciência

Esse é o estágio em que o seu cliente identifica que tem um problema e que, portanto, procura por uma solução para resolvê-lo. O cliente chega nesse estágio por meio de um impulso interno ou externo, ou seja, por perceber sozinho que tem uma dificuldade ou por entrar em contato com algum conteúdo que evidencie esse problema ou oportunidade.

Estágio de consideração

O cliente já consegue ter clareza sobre seu problema ou necessidade. Por isso, ele já está em busca das soluções mais específicas para a questão. Aqui, o cliente vai atrás de informações, compara possibilidades e avalia a melhor saída para a sua demanda.

Estágio de decisão

No estágio final da jornada do cliente, ele vai avaliar suas possibilidades e tomar a decisão pela compra do produto/serviço. Aqui, é importante mostrar o diferencial da sua empresa por meio de histórias e cases de sucesso.

Como aplicar a jornada do cliente?

Para compreender os movimentos do cliente e levá-lo por essas etapas, além de definir bem as personas, é preciso estar atento aos pontos de contato.

Esses pontos são obtidos por meio do estudo do comportamento do seu cliente. Seja na navegação pela web ou nos hábitos de compra. Por meio dos pontos de contato você vai conseguir definir as estratégias para colocar sua marca no lugar certo e no momento certo em contato com o cliente.

Uma vez identificados os movimentos e comportamentos de navegação do seu cliente em potencial, você precisa pensar em quais canais utilizar para estabelecer a relação entre sua empresa e o cliente. Esses canais podem ser o Facebook, site, blog, YouTube etc.

A partir disso, oferecer um conteúdo original e relevante, que venha conduzir essa persona pela sua jornada até a efetivação da compra do seu produto ou serviço.

Para oferecer o conteúdo certo é preciso identificar em qual estágio da jornada (consciência, consideração ou decisão) está o seu cliente. Veja abaixo como utilizar estratégias para cada um desses estágios.

Consciência: aprendizado ou descoberta

Como foi dito, essa é uma etapa muito inicial, na qual o consumidor ainda está descobrindo sobre o seu problema. Por isso, nessa fase, não é indicado um contato direto do time de vendas com o cliente, pois isso pode causar um efeito contrário ao esperado.

Além disso, os conteúdos produzidos não devem conter propagandas, pelo mesmo motivo citado acima. O cliente ainda não conhece sua empresa, então, o que você precisa fazer aqui é atraí-lo. Ofereça informações a respeito dos problemas que estão sendo identificados, de modo a educar este consumidor.

Consideração: reconhecimento do problema

Como nessa fase o consumidor já conhece o problema a ser resolvido, ou até já identificou uma oportunidade, o melhor a fazer é mostrar como ele pode resolver determinadas questões.

Chegou a hora de educá-lo e ensiná-lo, tirar suas dúvidas por meio de conteúdo e apresentar soluções. O time de vendas já pode ajudar na educação do prospect, preparando-o para uma futura compra.

Decisão de compra

Quando o cliente decide por comprar a solução para suas necessidades, chega o momento de apresentar com clareza as vantagens de seu produto.

Se esse prospect chegou até o seu time de vendas nessa fase da jornada, é porque ele tem real interesse em adquirir seu produto. Essa é a hora de usar todas as informações sobre a sua oferta e o que faz ela ser tão especial.

A tecnologia na nova jornada do consumidor

Agora que você já sabe que a jornada do cliente é todo o processo que a pessoa passa antes de tomar a decisão e adquirir um produto ou serviço, vamos falar de como esse processo está funcionando na atualidade.

Hoje, não basta entender um conceito formado, é preciso saber como ele se adapta à realidade do mercado e como será moldado pelas tendências no futuro. Por isso, vamos falar sobre como o ambiente tecnológico e conectado está impactando no processo de decisão de compra do cliente.

Em um passado recente, haviam canais de comunicação separados: TV, rádio, jornais etc. Agora com a internet e dispositivos móveis, o que vemos é uma conectividade, interferência e influência entre os canais.

O consumidor consegue assistir TV do celular, pesquisar sobre um serviço em seu tablet enquanto escuta uma propaganda no rádio, comparar preços de um eletrodoméstico enquanto está na loja física. Tudo está conectado, não há mais barreiras entre o online e o offline.

O que muda na jornada é que um anúncio na televisão pode levar o consumidor a pesquisar sobre a marca na internet, para depois finalizar a compra em loja física, por exemplo. Ou seja, não há um único caminho para seguir nessa jornada, é preciso elaborar estratégias de comunicação que utilizem canais integrados.

Para chamar a atenção do prospect é necessário encontrá-lo e criar uma experiência boa em toda sua jornada de compra. Para isso, existe o método AIDA (Atenção, Interesse, Desejo e Ação), que pode ser aplicado durante as etapas da jornada do consumidor.

Um estudo detalhado da persona e da jornada é o que vai garantir uma experiência única e agradável para seu cliente, fazendo com que ele se torne fiel e que sua marca ganhe visibilidade.

Gostou de aprender um pouco mais sobre a jornada do cliente? Conte para a gente se você já aplicou ou pretende aplicar essa estratégia no seu negócio!

 Gostou de saber mais sobre o que é a jornada do cliente e como é feita? Se você quer mais novidades, venha nos seguir no Facebook e no LinkedIn!

Sazonalidade de vendas: como aproveitar ainda mais?

Sombrinha, fantasia, ovo de chocolate, cobertor, panetone, churrasqueira e aparelho de ar-condicionado, o que existe em comum entre estes produtos? Tente adivinhar! Não faz a menor ideia? O que eles têm em comum é a sazonalidade de vendas! Todos eles têm picos de vendas em determinada época do ano e, no resto do ano, vendem pouco ou nada.

Por que isso acontece? Porque o mercado é cíclico, ou seja, existem hábitos de consumo relacionados aos ciclos do ano, como estações e datas comemorativas. Fique atento para as dicas que daremos para que a sua empresa aproveite as sazonalidades para faturar mais. Confira:

Blinde o seu mix de produtos

Estude os hábitos de consumo do seu cliente ao longo do ano e escolha um mix de produtos que contenha itens adequados para cada ciclo, além de tornar possível ter uma média de vendas estável o ano todo. Por exemplo:

Em um restaurante é possível servir alimentos específicos para cada época do ano. No verão, saladas e sucos refrescantes, na quaresma, bacalhau, no inverno, fondue e caldos quentes.

Já uma empresa que vende ar-condicionado deve oferecer serviços de manutenção para todos os clientes, já que os filtros do aparelho precisam ser trocados periodicamente. Trabalhar também com aparelho climatizador de ar, que pode ser vendido o ano todo. E, ainda, credenciar a empresa como instaladora dos aparelhos.

Renove o seu mix de produtos

Acompanhe os lançamentos de produtos em feiras, eventos setoriais, centros comerciais e grandes atacadistas para diversificar e renovar o seu mix de produtos. Dessa forma, você consegue quebrar a monotonia para os seus clientes fiéis e atrair novos.

Crie promoções

Aproveite as datas comemorativas para realizar promoções específicas, como, por exemplo:

  • Em um restaurante: promover jantares especiais nos dias das mães, dos namorados, dos pais, natal e ano novo, aproveitando o ciclo de acontecimentos.

  • Em uma loja de cosméticos: fazer ofertas especiais nas datas comemorativas e criar kits de produtos para presente, que permitem vender mais do que se deixar os produtos dispersos para escolha do cliente.

Ambiente a sua loja adequadamente

Faça a decoração da sua loja com motivos relacionados aos eventos sazonais: equilibre as cores, os enfeites e as luzes para destacar os produtos no ambiente interno e nas vitrines.

Faça reservas

Nos momentos de pico de vendas, reserve uma parcela dos lucros, pelo menos 30%, para garantir as despesas operacionais dos períodos de baixa.

Amplie os meios de pagamento

Aceite cartões pré-pagos, vale presente e todas as bandeiras de cartão de crédito, assim, você destrava as vendas que podem estar sendo represadas por causa da limitação dos meios de pagamento.

A sazonalidade de vendas não precisa ser um problema. Ela pode ser convertida em oportunidades desde que sua empresa saiba adequar e diversificar o mix de produtos, agregar novos serviços, realizar promoções, tornar a loja atrativa em todas as épocas do ano e fazer reservas financeiras para superar baixas das vendas.

Agora que você já aprendeu sobre a sazonalidade de vendas, leia também: Como aproveitar a crise econômica para vender mais?

O que o serviço de pós-venda tem a ver com a fidelização do cliente?

Uma venda não se trata apenas de pessoas adquirindo o produto ou serviço da sua empresa. Isso não resume o processo e nem finaliza o trabalho em relação aos compradores. Até porque sua organização deseja que os clientes retornem e comprem novamente — mas isso apenas ocorrerá se o público ficar satisfeito com produto e varejo.

Para que essa satisfação ocorra e tenha como consequência a fidelização, é necessário que seu negócio invista no serviço de pós-venda — para acompanhar os clientes também depois de suas conversões em venda e fazê-los consumirem novamente.

Veja, neste post, como essa atividade age na retenção de compradores e qual é sua relação com esse resultado.

Acompanhamento da satisfação

Clientes satisfeitos tendem a retornar. Seguindo essa realidade, a tendência é que continuem adquirindo constantemente ou sempre que necessitarem do seu produto ou serviço.

Mas não há como saber que existe a satisfação se os compradores são esquecidos após os fechamentos de negócios — dessa forma, manter o relacionamento é essencial. Além de atestar a satisfação, os clientes sentirão estar próximos da sua marca e que ela preocupa-se com eles e não quer apenas o dinheiro.

Acompanhamento da insatisfação

A atividade acima pode também revelar a insatisfação dos consumidores em relação a empresa ou mercadorias. Nesse caso, mantendo o contato, é possível ter uma segunda chance pelo fato da percepção por parte deles de que o varejo preocupa-se com a experiência do cliente.

Ainda que não se consiga trazê-los de volta para o seu negócio, não se deixa uma má impressão da organização e pode ser possível evitar um marketing negativo. Sabemos que recomendações negativas têm grande poder prejudicar a imagem das marcas e de afastar as pessoas.

Serviço de pós-venda ativo

A maneira mais indicada de se verificar a satisfação dos clientes e de garantir a fidelização deles, é interagindo com eles e não esperando que eles entrem em contato com o seu negócio.

Analise todos os dados referentes aos clientes, como histórico de pesquisa em seu site ou compras realizadas — eles darão embasamento na hora em que você tiver que entrar em contato com eles novamente. Estratégias como envio de e-mail marketing, oferecendo produtos semelhantes ao que ele costuma comprar também são eficazes.

Serviço de pós-venda receptivo

Em geral, essas ferramentas são os telefones de Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) e e-mails. Mas várias outras forma de contato também podem ser oferecidas, como chat no site e redes sociais — tendo em mente que este último é cada vez mais usado por consumidores.

No pós-venda receptivo é de extrema importância a agilidade em dar um retorno à mensagem deixada pelo cliente. Assim você mantém a satisfação dele e evita que ele desista de fechar negócio com você.

SMS como ferramenta ativa

Pode haver quem diga que receber SMS é desagradável, ainda mais de empresas. E na maioria das vezes é verdade. Porém, quando já se tem relação com uma marca — principalmente da qual já se comprou antes — a recepção não é negativa. Além desse aspecto, é uma forma barata e rápida de acompanhamento de clientes em massa e abre ao público mais uma forma de comunicação com o empreendimento. Mesmo com todos os pontos positivos, deve-se tomar cuidado para não ser algo incômodo para quem recebe a mensagem.

Trabalhar corretamente o relacionamento com os consumidores é essencial para maximizar resultados e vender mais. Aliás, reter um cliente custa cerca de cinco vezes menos do que atrair um novo, conforme afirma o ícone do marketing Philip Kotler. Mas como conquistar novos consumidores é sempre uma questão de prática, nada melhor do que unir as duas ações em prol de alcançar melhorias em seus resultados.

Sua empresa investe no serviço de pós-venda? Já pensou no SMS para ter abrangência e eficiência nesse processo? Divida suas experiências nos comentários!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn. 

 

Como mensurar a fidelização de clientes no varejo?

É inegável que estratégias que buscam a fidelização de clientes sejam essenciais para o sucesso de um negócio. Consumidores fiéis compram mais, fazem propaganda gratuita e diminuem o custo de aquisição de clientes. E estas são apenas algumas das vantagens que se pode identificar nesta estratégia.

Então, como mensurar a fidelização de clientes em negócios em que a maior parte das etapas dr compra é feita por cada um deles? Esta é a realidade de lojas com autoatendimento e de varejo que atuam em larga escala.

Continue lendo para descobrir esta resposta e também dissecar o conceito de fidelização de clientes que revolucionará sua visão sobre a experiência de compra dos seus consumidores.

Razões que tornam um cliente fiel à loja

Para mensurar a fidelização de um cliente, é preciso primeiro saber o motivo da preferência dele por determinada loja ou produto.

Clientes podem ser fiéis a uma loja por sua localização, especialidade em determinado produto ou porque ela proporciona uma experiência de compra prazerosa e completa.

Para as razões estruturais ligadas fundamentalmente aos 4 Ps do marketing, pesquisas de satisfação podem ajudar a mapear as características que fidelizam o cliente.

Mas para as outras razões de ordem emocional, a análise precisa ser feita com outro viés. Uma boa solução seria a pergunta decisiva, proposta por Frederick Reichheld no livro “The Ultimate Question”, pois com ela seria possível quantificar o sentimento de satisfação do cliente.

A pergunta decisiva e o Net Promoter Score

“Em uma escala de 0 a 10, quão disposto você se sente em recomendar nossa loja para seus amigos?”.

Aplicar um questionário eletrônico com esta simples pergunta ao final de uma venda permite que a empresa classifique o nível de fidelização dos clientes em uma escala, o Net Promoter Score.

Os clientes que dão nota entre 0 e 6 são considerados desertores, aqueles que informam nota 7 ou 8 são classificados como passivamente satisfeitos e, por último, aqueles que dão notas 9 ou 10 são considerados promotores.

Um alto volume de clientes passivamente satisfeitos pode sugerir que a fidelização deles esteja relacionada às razões estruturais, seja o preço ou localidade privilegiada. Já os promotores podem ser relacionados às duas principais razões e, por isso, quanto maior o volume deles, melhor será o índice de retenção de clientes.

Estratégias comerciais para fidelização de clientes

Diversas estratégias de vendas estão ligadas à fidelização de clientes e sempre remetem às razões pelas quais eles estão comprometidos com a loja.

Por isso, a importância de conhecer o perfil dos consumidores e criar estratégias que atendam às suas necessidades.

Upselling e Cross selling

Oferecer versões melhoradas ou outros produtos que complementem a experiência do cliente com o produto é uma forma de gerar novas vendas, ao mesmo tempo em que conquista a simpatia do cliente.

Quando corretamente realizadas, as vendas de Upselling e cross selling demonstram o caráter consultivo da venda, onde a loja deseja que o cliente seja plenamente atendido pelo seu produto.

Atendimento ao cliente com excelência

Outra estratégia para fidelização de clientes é o investimento em treinamentos, processos e informações que possam melhorar o atendimento ao cliente.

Usando softwares de gestão de clientes e outras ferramentas inovadoras é possível personalizar o atendimento e encantar o cliente com a antecipação de suas necessidades.

Marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo tem grandes retornos de fidelização dos consumidores, pois foca seus esforços em educar o cliente sobre determinado produto ou serviço.

Seu funil de vendas conduz o cliente da atração, consideração e entendimento da necessidade para a derradeira concretização da venda. Ele, dessa forma, confiará muito mais na empresa por sua autoridade no assunto e também respeito ao tempo de decisão.

Eficiência dos clubes de benefícios

Também considerados como estratégias comerciais que fidelizam a clientela de um varejo, os clubes de benefícios e vantagens merecem um capítulo à parte.

Sua estratégia é ainda mais completa, pois além de incentivar a preferência pelo consumo na loja, também permite diversificar e ofertar outros produtos que o cliente não consumia antes.

Para criar um modelo de benefícios com foco na fidelização de clientes, cupons promocionais e cartões presentes são excelentes ferramentas. Quer saber mais sobre eles e suas funcionalidades inovadoras? Então, curta a página da epay no Facebook!

Como criar programa de fidelidade a partir de cartão de marca própria?

Em um cenário de baixa na economia, encontrar um diferencial competitivo que atraia a atenção dos consumidores é essencial para manter as vendas. Uma forma de conquistar os clientes é por meio de um programa de fidelidade.

Por sinal, existem diversos tipos disponíveis no mercado, e entre aqueles que têm destacado-se está o cartão de marca própria.

Além dos cartões em papel, atualmente a empresa pode alcançar mais profissionalismo com cartões digitais de crédito próprios do varejo, mediados por operadoras especializadas.

Qual a importância de um programa de fidelidade?

O desenvolvimento de programas de fidelidade tem impacto direto nas vendas realizadas e no ticket médio das compras, sendo uma alternativa para melhorar os resultados, oferecendo contrapartidas vantajosas aos clientes.

De acordo com uma pesquisa, 58% dos consumidores que participam de programas de fidelidade retornam à loja ao menos uma vez por mês. Com o cartão próprio da marca, os clientes gastam 55% a mais do que aqueles que não estão nos programas de fidelidade.

Um aumento de 5% na fidelização de clientes, por exemplo, proporciona um crescimento de 25% no lucro por cliente, de acordo com outro estudo.

O programa de fidelidade também é valorizado pelos consumidores. Para 83% deles esse tipo de prática fortalece o relacionamento com a empresa em longo prazo.

Além das pesquisas que indicam vantagens para o negócio, o marketing de relacionamento também gera benefícios em relação à estabilidade da empresa, mais relevância da marca no mercado, melhora da relação com os clientes e contribui para atrair novos clientes, com mais oportunidades de vendas.

Como planejar um programa de fidelização com cartão de marca própria?

Para alcançar as vantagens proporcionadas pela fidelização de clientes, entretanto, a empresa precisa desenvolver um programa de fidelização e realizar as pesquisas necessárias para que ele tenha adesão junto ao público.

Uma série de cuidados devem ser tomados para garantir a estabilidade do programa de fidelidade, especialmente no caso de cartão de marca própria que oferece crédito ao consumidor.

Perfil do cliente

Inicialmente a empresa deve conduzir pesquisas de mercado para identificar o perfil dos clientes. Essa prática permitirá definir desde a linguagem que será usada, até o design do cartão.

Devem ser analisados os dados demográficos, faixa de renda, ticket médio e demais informações que deem consistência ao programa.

Operacionalização

A empresa precisa definir qual a opção mais vantajosa de operacionalização do cartão digital da marca. É possível que opte-se pela apresentação do cartão ou pela possibilidade de efetuar pagamentos por ele.

Neste caso, indica-se que o varejista faça uma parceria com instituições financeiras especializadas, no chamado co-branded. Assim o cartão terá uma bandeira tradicional, podendo ser usado em outros estabelecimentos. Tal opção pode enfraquecer o objetivo do programa de fidelidade, sendo necessário analisar as preferências do público e objetivo do varejo.

Também é possível fazer a administração interna do serviço, o private label. Nesse modelo, o cartão só poderá ser usado na própria loja, seja para a realização de pagamentos, descontos ou melhores opções de pagamento.

As operadoras de cartão de marca própria exigem alguns requisitos da empresa, sendo necessário atentar-se a essas questões antes de definir qual será a operacionalização do cartão.

Treinamento

A etapa de treinamento é, muitas vezes, negligenciada pelas empresas, o que pode dificultar a consolidação do programa. O treinamento deve envolver todos os profissionais, que devem conhecer as etapas para participação do programa, funcionamento, vantagens, pré-requisitos, entre outras.

No caso dos colaboradores que atuam no atendimento ao público, como vendedores e caixas, e também no serviço de pós-venda, esse treinamento é ainda mais essencial, pois serão esses os profissionais a mostrar ao cliente as vantagens da fidelização.

Planejamento

O cartão fidelidade oferece diversos benefícios para as empresas, mas a adoção dessa solução deve ser analisada estrategicamente. Entre os aspectos que devem ser avaliados estão as vantagens proporcionadas aos clientes, de forma que a empresa não tenha prejuízos pelas contrapartidas oferecidas.

Também é necessário pensar o programa de fidelidade enquanto uma estratégia de marketing de relacionamento de longo prazo, ou seja, ele deve ter continuidade, não sendo alterado ou cancelado sem aviso aos clientes participantes.

Quais as vantagens dessa opção?

O cartão de marca própria gera algumas facilidades operacionais que o torna mais prático que outros programas de fidelidade. Entre os benefícios estão:

Estímulo a compras maiores

A opção incentiva que os clientes façam compras maiores e com mais frequência, uma vez que disponibiliza crédito e oferece diversas opções de pagamento, como o parcelamento.

Essa possibilidade permite que os consumidores comprem mais e aumentem o ticket médio, fazendo com que seja possível lucrar mais com cada cliente.

Oferecer descontos

Além do crédito, oferecer descontos especiais para clientes que estão no programa de fidelidade faz com que mais consumidores identifiquem vantagens em participar desse tipo de solução.

Os descontos podem ser cumulativos ou ter mercadorias com preços mais vantajosos para quem optar por pagar com o cartão da empresa.

Priorização do cliente

O cliente, ao pesquisar um produto, vai priorizar que a compra seja realizada na loja na qual já possui cadastro e vantagens decorrentes do programa de fidelidade, que podem refletir em melhores opções de pagamento, menor preço, acúmulo de pontos, entre outros.

Essa preferência do cliente é importante para que a loja mantenha-se competitiva e com um relacionamento ativo.

Criação de um banco de dados

O programa de fidelidade permite que diversas informações dos clientes sejam coletadas e armazenadas, criando um banco de dados mais completo e que viabiliza a personalização das ofertas.

As informações contidas no banco de dados devem ser usadas para melhorar o relacionamento com o cliente, selecionando um mix de recomendações mais relevante, assim como identificando o perfil do público para aprimorar a linguagem utilizada e estratégias de marketing empregadas.

A opção por um programa de fidelidade no varejo tem a agregar tanto à empresa quanto aos consumidores, devendo-se atentar ao formato da ação, de forma que ela torne-se mais relevante ao cliente, atendendo demandas específicas dele.

Como você pode perceber, o alinhamento entre marketing e estratégias de vendas é essencial para o sucesso da implementação do programa de fidelidade, principalmente do cartão de marca própria.

Quer saber mais sobre como criar um programa de fidelidade com cartão próprio? Entre em contato conosco que podemos esclarecer dúvidas e disponibilizar mais informações que deem segurança a essa decisão!

Vendendo experiência: conheça o marketing da experiência do cliente

Vender produtos é uma atividade comum no varejo. O que não faltam são opções de produtos e serviços. Mas se diversas lojas vendem as mesmas coisas, como se destacar no mercado? A resposta está na experiência do cliente.

Hoje, mais do que nunca, se você for apenas mais um no mercado, está abrindo espaço para a concorrência. O básico não é o suficiente, é preciso se destacar dos demais. Por isso é importante que você venda experiência.

Quer saber como funciona esse processo e conferir algumas dicas? Continue lendo o artigo de hoje.

O processo de venda de experiência

A venda de experiência envolve todos os detalhes do comércio, coisas que vão muito além do produto. Em uma loja física, por exemplo, a experiência do cliente vai desde o momento que ele avistou sua empresa até o pós-venda.

Ao entrar em uma loja, o cliente observa o design, música ambiente, clima, atendimento, entre outros fatores. Mesmo que ele não o faça de forma consciente, todos esses detalhes contam pontos.

Veja alguns exemplos

Um exemplo de rede varejista que foca na experiência dos clientes é a Decathlon. Essa rede de artigos esportivos permite que os clientes usufruam dos produtos em seus estabelecimentos, como jogar tênis de mesa. Você não precisa nem efetuar a compra, se quiser ir lá apenas para jogar uma partida, não há problema algum.

Para muitos, essa atitude era impensável, pois o produto vai se desgastando. Porém, a marca acabou conquistando a simpatia de muitos consumidores por proporcionar essa experiência.

O gamification também é uma excelente forma para melhorar a experiência do cliente. Nessa estratégia, a empresa promove uma ação para interagir com seu público. Geralmente, são criadas tarefas para os consumidores cumprirem e ganharem recompensas. Essas ações costumam gerar bastante engajamento.

Facilitar a vida dos clientes é outra boa prática que as empresas devem adotar. Os cartões pré-pagos de jogos, por exemplo, possibilitam que o gamer possa efetuar as compras sem muita burocracia. Como muitos desses jogadores são menores de idade, o benefício se torna maior.

Sem contar os downloads. Esse é um dos grandes feitos que a digitalização proporcionou. O que antes só era possível por meio de lojas físicas ou correios, agora está a um clique de distância.

Dicas para melhorar a experiência do cliente

Invista no atendimento

Apesar de parecer óbvia, essa é uma lição que não é adotada por parte das empresas. Um mau atendimento é a pior experiência que você pode dar ao cliente. Se ele sair insatisfeito, muito provavelmente, nunca mais voltará. Portanto, capacite sua equipe para que isso não ocorra.

Faça pesquisas de satisfação

Os feedbacks dos clientes são importantes para o crescimento da empresa. Além de saber o que precisa ser melhorado, as críticas podem gerar um insight. Essas pesquisas podem ser feitas tanto nas lojas físicas quanto nos sites e redes sociais. O importante é sempre estar monitorando seu público para conhecê-lo melhor.

Se reinvente

Sempre é bom pegar referências dos concorrentes ou empresas de outros setores. Porém, você deve ir mais adiante e oferecer um diferencial. Coloque personalidade em sua empresa, crie experiências que nenhuma outra ainda criou. Para isso, você deve sair da zona de conforto.

Portanto, para o seu negócio ganhar mais destaque e ficar à frente dos concorrentes, invista em vender experiência. Descontos são legais, mas funciona como uma estratégia de curto prazo. Quando você melhora a experiência do cliente, pode estar ganhando fãs para a sua marca.

Quer ajudar mais pessoas a conhecer a importância de vender experiência? Compartilhe este artigo em nas redes sociais!

Como medir a satisfação do cliente no mercado varejista?

Satisfação do cliente: uma expressão que aparece em 10 a cada 10 livros de gestão e de marketing. Tanta importância não é à toa. Afinal, sai muito mais barato manter um consumidor satisfeito em sua loja do que ir ao mercado, entrar na concorrência acirrada e tentar conquistar um novo cliente para o negócio.

Apesar de manter o cliente satisfeito ser mais barato, não significa que é algo simples de ser colocado em prática. Pelo contrário. A empresa precisa de muito trabalho e dedicação para ser bem avaliada por seus consumidores.

Uma dica importante para os gerentes de marketing varejistas é saber medir a satisfação dos clientes ao longo de toda a experiência de compra. Você sabe como fazer isso?

Neste post, vamos falar sobre o assunto e explicar quais as principais formas de mensurar se o cliente está ou não está gostando do seu estabelecimento. Boa leitura:

Realize pesquisas de satisfação do cliente

A maneira mais rápida e direta de saber se o cliente está satisfeito com a sua empresa é perguntando isso a ele. Há várias maneiras de colocar essa estratégia em prática. Podem ser elaborados questionários em pesquisas quantitativas ou qualitativas, por exemplo.

Os questionários também são aplicados de diferentes maneiras. Uma opção são os eletrônicos. Nesse caso, você envia as perguntas por e-mail ou via aplicativo. Existem muitas ferramentas gratuitas que ajudam você nessa missão.

Uma alternativa é fazer as perguntas pessoalmente, dentro da própria loja. Além disso, a boa e velha caixinha de sugestões continua em alta. Muitos consumidores gostam de deixar ali suas opiniões.

Monitore o engajamento online

Hoje em dia, a reputação no mundo virtual é tão importante como a do “mundo real”. Portanto, para manter-se a par do que está acontecendo nas redes sociais, faça um monitoramento constante.

Fique de olho no que estão falando sobre a loja no Facebook, Instagram, Twitter e outras redes. Você pode medir a satisfação a partir do número de curtidas, compartilhamentos, mensagens enviadas e comentários na página da empresa ou em posts relacionados ao tema.

Acompanhe o grau de fidelização

Cliente satisfeito sempre retorna à loja. Diante dessa realidade, é importante que você meça a taxa de retorno do cliente. Ele está visitando frequentemente a loja ou apenas de vez em quando?

Para isso, há algumas estratégias interessantes. Uma delas é oferecer o cartão fidelidade ou de marca própria. Toda vez que for ao caixa, o cliente vai passar o cartão e ficará registrado que ele fez uma nova compra.

Com os dados em mãos, você saberá se os consumidores são recorrentes e satisfeitos com o estabelecimento.

Crie uma ouvidoria

As ouvidorias tornaram-se departamentos essenciais para os varejistas que querem garantir a satisfação dos clientes. Em linhas gerais, o ouvidor atende clientes que tentaram resolver algum problema por outros canais, mas não conseguiram.

É uma bela oportunidade para conhecer melhor o seu cliente e saber os motivos da insatisfação. A experiência de uma única pessoa pode ajudar você a melhorar o atendimento da loja toda.

Além disso, a frequência com que os clientes chegam até a ouvidoria diz muito sobre a satisfação. Se muitos clientes chegarem até o setor, é porque a insatisfação está em alta.

Cruze as informações coletadas

Todas as estratégias citadas acima não devem ser avaliadas isoladamente. É importante que o gerente de marketing reúna e mensure todos os dados coletados para cruzar as informações. Assim, ele poderá identificar eventuais discrepâncias ou pontos em comum em todas elas.

Cruzar os dados vai gerar conclusões consolidadas para uma tomada de decisão mais assertiva e eficiente.

Medir a satisfação do cliente é fundamental para o sucesso do negócio. Com essas métricas, você saberá se está no caminho certo e quais os eventuais problemas que estão ocorrendo na loja.

Gostou deste artigo? Então, assine a nossa newsletter para receber mais novidades sobre o assunto!

Estratégia 2018: Cartão Fidelidade Marca Própria

Uma das formas mais simples de manter clientes fiéis a um negócio é investindo em um programa de fidelidade.

Essa abordagem, utilizada por vários empreendimentos, busca atrair consumidores para um comércio e, ao mesmo tempo, desenvolver um conjunto de vantagens que incentivem a criação de um longo vínculo com o estabelecimento.

Dessa forma, o público-alvo de uma empresa passa a ter mais engajamento e receptividade com as ações de marketing planejadas.

Em um cenário econômico em que a busca por clientes tornou-se acirrada, os investimentos em ações de fidelidade são cruciais. Assim, empresas conseguem manter-se lucrativas em médio e longo prazo sem grandes dificuldades. Nesse sentido, o cartão fidelidade com marca própria pode ser visto como uma abordagem eficiente e de alto retorno.

Quer saber mais? Então, leia o nosso texto de hoje e saiba como a sua empresa pode manter-se como uma marca que possui consumidores engajados e fiéis! Confira:

Como ações para a retenção de clientes podem impactar no seu resultado financeiro

O investimento em marketing faz parte das estratégias de qualquer negócio. Ele torna a divulgação de novos serviços e produtos mais abrangentes, melhora a imagem do empreendimento e mantém consumidores mais engajados. Ele pode incluir ações de panfletagem, comerciais e até mesmo campanhas nas redes sociais.

Além dessas opções, o gasto com ações de fidelização pode ser considerado uma opção com alto custo-benefício. Ao criar vínculos com o seu público-alvo, o negócio consegue incentivar com mais eficácia compras futuras.

Ao mesmo tempo, clientes sentirão mais motivados a divulgar espontaneamente as ações do negócio para outras pessoas, aumentando o alcance de campanhas de vendas.

Vale destacar, também, o crescente acesso à informação em meios digitais e os efeitos da expansão da internet. Hoje, graças ao e-commerce, as pessoas não precisam mais contar apenas com empreendimentos que estão localizados próximo a sua residência.

E nesse cenário, em que o número de opções de consumo é alto, competir por novos clientes passou a ter um custo muito maior. Em alguns casos, conseguir captar um novo consumidor pode ter um custo até 7 vezes superior ao de manter um cliente fiel a uma marca.

Diante da expansão dos meios de comunicação, como o Facebook e o Twitter, o investimento em publicidade passou a ter um impacto maior no orçamento do empreendimento. Fazer propaganda tornou-se custoso e, em muitos casos, pode não gerar o retorno desejado.

Nesse cenário, é crucial garantir que a perda de clientes em determinado período seja baixa, criando um aumento de gasto médio em longo prazo.

Para que um negócio prospere, não basta mais ter um bom produto, serviço ou atendimento. Os fatores que influenciam no lucro de um empreendimento são outros e incluem, entre outras coisas, o estímulo para que clientes se mantenham fidelizados a um estabelecimento e sempre retornem a ele em busca de novas mercadorias e serviços.

Ao desenvolver políticas de retenção, a empresa passa a ter um fluxo de criação de receitas contínuo.

Quais são os fatores considerar ao criar uma estratégia de fidelização de clientes?

O desenvolvimento de um programa de fidelização de consumidores é uma forma simples de manter clientes engajados em longo prazo com as ações de um negócio. As medidas tomadas terão um impacto direto nos lucros do empreendimento, influenciando a divulgação espontânea do negócio e a forma como novos consumidores são atraídos.

As medidas implementadas devem envolver uma série de processos, uma vez que elas se relacionam com outras estratégias do negócio. O serviço de pós-vendas, por exemplo,possui uma grande influência na forma como consumidores enxergam uma empresa e como eles irão avaliar a capacidade do empreendimento atender às necessidades de seu público-alvo, caso algo de errado ocorra.

Diante disso, os responsáveis pelo programa de fidelidade devem garantir que ele atue da melhor forma possível.

Outro fator a ser levado em consideração é o público-alvo do negócio. O conhecimento sobre os clientes da empresa auxilia na criação de uma linguagem que tenha um maior impacto nas receitas do negócio. Além disso, a recepção às estratégias adotadas tende a ser mais positiva.

As recompensas escolhidas também devem estar alinhadas com o perfil do negócio e do seu público-alvo. É preciso entender profundamente os gostos de cada pessoa, quais são os seus tipos de produtos preferidos e o que pode ter um impacto maior na criação de um vínculo entre pessoas.

Produtos de terceiros (como capinhas, pen drives e canetas) também podem ser adotados junto com a parceria com outras empresas. Essas são formas simples e econômicas de tornar o programa de fidelidade mais atraente e com maior impacto no vínculo entre a empresa e o consumidor.

A importância do cartão fidelidade para os negócios

O cartão fidelidade com marca própria é a principal peça para a criação de uma campanha de fidelização de clientes em longo prazo. Ele auxilia na identificação de consumidores, torna a experiência de uso dos serviços da empresa mais agradável e o acompanhamento dos hábitos de cada pessoa mais preciso.

Mas, antes de implementar um cartão marca própria, é primordial entender como ele funciona. A seguir, vamos fornecer alguns detalhes importantes, como as diferentes formas de sua operação e os pré-requisitos para a adoção dessa estratégia de vendas.

Também vamos detalhar melhor as vantagens que o varejista conquista ao optar por esse recurso e dicas de como alavancar o negócio, potencializando as oportunidades oferecidas pelo cartão fidelidade marca própria. Acompanhe!

O que é um cartão fidelidade marca própria?

O cartão de fidelização é um recurso físico que vai estabelecer a relação entre a empresa e o cliente, gerando identificação com a marca. É como uma carteirinha de um clube que a pessoa precisa apresentar para entrar e usufruir de um espaço privado.

Ele pode ser feito em papel, onde são colados selos que comprovem a venda feita, no qual o cliente conquista um prêmio ao alcançar um número de compras. Mas, em plena era digital, esse tipo de recurso é minimizar os potenciais ganhos com a estratégia de fidelização.

Queremos aqui dar um passo adiante e mostrar uma alternativa capaz de gerar melhores resultados no varejo: o cartão digital.

Como ele funciona?

O sistema é parecido com o do cartão de crédito, com uma diferença: quem estabelece as regras do pagamento é o varejista! Em outras palavras, essa ferramenta permite expandir o número de parcelas, estabelecer regras de descontos e ainda somar pontos a cada venda realizada.

O empreendimento pode optar por apenas computar pontos ou dar acesso a descontos com a apresentação do cartão ou efetuar o pagamento por ele. Nesse último modelo, o varejista pode optar por administrar o serviço (private label) ou fazer parceria com instituições financeiras (co-branded).

A que é feita apenas pela empresa limita as compras ao varejo que a emitiu. Já a co-branded acrescenta ao cartão uma bandeira tradicional, o que o habilita a comprar em outras lojas, como um cartão de crédito, o que por um lado pode chamar a atenção do comprador, mas, por outro, enfraquecer o vínculo desejado. A opção vai depender da estratégia de marketing a ser adotada.

É importante também ficar atento a alguns requisitos que as operadoras de cartões de fidelização de marca própria exigem para que sua empresa possa oferecer esse serviço:

  • ausência de pendências jurídicas no cadastro da Junta Comercial do estado onde a empresa é sediada;

  • possuir a documentação do empreendimento em dia, com fluxo de caixa que comprove a saúde financeira da empresa e a liquidez. Em outras palavras, as operadoras verificam a capacidade do varejo se autofinanciar;

  • garantias de possuir espaço físico que dê condições ao cliente de adquirir o cartão fidelidade.

Quais as vantagens do cartão fidelidade?

Pode, em princípio, parecer um trabalho a mais, mas estabelecer um cartão fidelidade de marca própria dá a possibilidade ao seu negócio de alcançar volume de vendas.

A lógica é simples: para adquirir um produto de pequeno valor, não há necessidade de uma comprovação de crédito significativa, o que atrai a população de baixa renda, que muitas vezes nem possui conta bancária.

Os números da Associação Brasileira de Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) comprovam o sucesso dessa estratégia. Segundo um levantamento feito pela instituição, cartões de marca própria devem movimentar R$239 bilhões em 2022.

Essa projeção de faturamento se deve a uma série de vantagens diretamente atreladas ao cartão fidelidade que, se bem utilizadas, podem ajudar a alavancar as vendas. Separamos 5 benefícios, confira!

Gera um banco de dados do cliente

O número de identificação de um cliente pode ser vinculado a um banco de dados corporativo. A empresa conseguirá criar um histórico de vendas relacionado a um consumidor e, com isso, identificar padrões de consumo e produtos que possam ter um impacto maior no dia a dia de cada pessoa.

Se o cadastro for bem-feito, com identificação de gênero, idade e contatos do cliente, é possível traçar um melhor perfil e, a partir dele, definir o mix de promoções a ser oferecido, o tipo de linguagem indicada e ainda direcionar ofertas personalizadas por meio de e-mail marketing.

Simplifica a recuperação de benefícios

Voltemos àquela opção de papel repleta de adesivos. Você já deve ter sido apresentado a ela na hora do almoço, e também já deve ter ficado frustrado ao retornar ao restaurante e notado que o cartão ficou em outra bolsa ou na carteira.

O cartão de fidelidade digital torna a recuperação de benefícios mais simples e direta. Basta que ele seja apresentado ao vendedor ou caixa para que seja possível recuperar dados do consumidor, o seu histórico de vendas e os prêmios aos quais ele tem direito.

Para modalidades mais simples, como concessão de descontos, basta o número do CPF do cliente. Consequentemente, erros serão evitados e o processo de fidelização de consumidores será mais eficaz.

Expande as opções de consumo do cliente

A identificação do cartão fidelidade também é multimeios, de tal forma que o cliente se beneficiará das vantagens oferecidas nas compras realizadas, tanto em meios offline como em sites e aplicativos de vendas.

Essa possibilidade expande os hábitos de compra do consumidor, uma vez que apresenta diferentes oportunidades (e facilidades) que talvez ele ainda não tenha experimentado com a sua marca.

Faz com que seus clientes gastem mais

Imagine a seguinte situação: o consumidor X precisa comprar uma calça jeans para usar no trabalho. Mas, ao chegar na loja (ou acessar o site) do varejista Y, ele é surpreendido com uma promoção incrível para quem possui cartão fidelidade na qual ele pode comprar três calças pelo preço de duas!

Ele não precisa de três peças de roupa, mas vai começar a imaginar possibilidades – presentear alguém, experimentar um modelo diferente do que está habituado, ou simplesmente se deixar levar pela economia oferecida. Facilitar a compra por impulso é uma das grandes vantagens do cartão fidelidade.

Atrai novos compradores

Como já dissemos, o cartão fidelidade é uma opção muito atrativa para uma parcela significativa da população. Trabalham na informalidade, não conseguem comprovar uma renda mínima e, por esse motivo, não têm acesso ao sistema bancário ou a cartões de crédito.

Essa fatia do mercado quer (e precisa) consumir bens e serviços, mas muitas vezes encontra dificuldade para adquirir determinados produtos por só ter a possibilidade de pagar à vista.

Com o cartão de marca própria, esse perfil de consumidor conquista capacidade de compra, podendo parcelar, pagar a prazo e obter descontos.

É claro que alguns cuidados na hora de estabelecer uma linha de crédito, são necessários! Especialmente para os que optaram pelo modelo private label, é preciso treinar a equipe para fazer um cadastro bem-feito, checando as informações fornecidas pelo consumidor.

Outra medida importante que o varejista precisa tomar é avaliar, junto ao seu RH, a formação de uma equipe para trabalhar com crédito e cobrança, no caso do private label, além de contar com o apoio de uma empresa especializada para ajudá-lo sistematizar os padrões a serem oferecidos.

Agora que as vantagens de se oferecer um cartão fidelidade ficaram bem claras, você precisa ter em mente como ele pode ser uma ferramenta que vá realmente trazer resultado e não cair em erros comuns praticados pelo varejo. Veja a seguir!

Como alavancar as vendas com o cartão fidelidade?

O uso de cartões para auxiliar na fidelização do cliente não é nenhuma novidade. Eles já eram usados por grandes lojas de departamento, como a Mesbla e o Mappin desde os anos 1970. O que também não é novo é o receio que o varejista brasileiro possui em abraçar inovações nas formas de consumir.

Um exemplo que comprova esse comportamento é o fiasco em forma de promoções promovidas durante a Black Friday. Um carrossel de descontos irreais somado a exploração excessiva do apelo que chega a transformar todos os dias de novembro em sextas-feiras.

Para implantar um sistema de cartão fidelidade marca própria é preciso ter conhecimento, visão de marketing e estratégia. A seguir, apresentamos 4 dicas que vão transformar esse benefício oferecido ao cliente em um grande aliado do varejista.

Desenvolva ações de marketing para o cartão fidelidade

Algumas empresas chegam a adotar o cartão fidelidade, mas não sabem ao certo o que fazer com ele. Daí orientam abordagens desconexas dos vendedores, ou pior, escondem o cartão atrás do balcão e só vão se lembrar da possibilidade quando algum consumidor mais antenado pergunta por ele.

Ao adotar um cartão fidelidade marca própria, é preciso pensar em uma estratégia de marketing que o torne conhecido do público-alvo! Um bom exemplo é o Clube Extra. Além de possuir um sistema de cadastro online, a rede de supermercados também disponibiliza uma explicação detalhada e atrativa em seu site.

Nas lojas físicas, por todo lado, estão marcadores de preços diferenciados para os “sócios” fidelizados.

Assim, o cartão fidelidade deixa de representar uma corrida com obstáculos para entrar na loja, repleta de vendedores persuasivos a ponto de intimidar o freguês. Ele passa a ser um objeto de desejo para quem quer ter acesso a melhores descontos e benefícios.

Ofereça vantagens atrativas ao consumidor

Outro erro muito comum é não estabelecer benefícios que despertem o interesse do cliente. Oferecer descontos reduzidos ou prêmios inalcançáveis acabam por enfraquecer o relacionamento com o consumidor, que passa a olhar a marca com desconfiança.

É o que acontece, por exemplo, com algumas empresas que entram no mundo das compras coletivas: oferecem produtos e serviços de segunda linha, limitam seus bônus a determinados dias e locais e perdem a grande chance de encantar um novo cliente.

Com o cartão fidelidade marca própria não é diferente! É preciso oferecer vantagens que realmente valham a pena. É claro que é importante encontrar um equilíbrio nesse processo que vá beneficiar ambas as partes.

Procure oferecer um mix de ofertas que reúna descontos por volume de compra, parcelamento e/ou prazo de pagamento estendido e benefícios por tempo de fidelidade.

Evite prazos distantes para a conquista do benefício

Sistemas tradicionais de fidelização costumam pedir que o cliente retorne à loja 8, 10 ou até 12 vezes para ter acesso ao benefício. Para o varejista isso parece pouco, mas para o freguês, dependendo do produto oferecido, isso pode ser uma eternidade! O resultado é o desinteresse pela marca.

Para evitar esse tipo de deslize de estratégia, é importante conhecer bem o produto oferecido e o consumidor potencial. Procurar enxergar com os seus olhos, pensar em suas motivações para chegar a um benefício que seja irresistível, que seja capaz de impulsioná-lo a comprar mais ou esperar pelo prazo estipulado.

Obviamente não é possível oferecer um grande prêmio em um curto espaço de tempo! Uma solução para esse dilema é implementar um sistema de pontos que possam ser trocados por produtos em curto, médio e longo prazo.

Aproveite o cadastro para falar com seus clientes

Uma grande arma que listamos entre as vantagens em adotar o cartão fidelidade marca própria é o cadastro de clientes. Se ele for bem-feito, pode se transformar em uma arma poderosa de vendas. Para isso, é muito importante que todos os campos sejam preenchidos, especialmente os de contato.

Como dissemos, e vamos reforçar aqui, cruzando dados de informações de consumo, é possível detectar nichos de atuação e oferecer produtos direcionados por meio de e-mail marketing. Apesar de ser o sistema de comunicação digital mais antigo, segundo pesquisas, 20% das pessoas que recebem ofertas por e-mail costumam acessá-las.

Procure também conversar com o seu cliente! Incentivá-lo a avaliar produtos, conhecer mais de perto sua experiência de compra, verificar se o pós-venda tem atendido suas expectativas.

Separe seus clientes por nichos e faça contato telefônico com alguns representantes de cada segmento para um bate-papo sincero. Os resultados podem ser surpreendentes!

Além de descobrir informações que talvez tenham passado despercebidas, seu cliente se sentirá mais importante por ser ouvido e você pode garimpar mais embaixadores para sua marca. Quando as relações são personalizadas são ainda mais valorizadas pelo consumidor

Cartão fidelidade marca própria X tempos de crise

O poder de compra do consumidor brasileiro foi reduzido com a crise. Por isso é muito importante saber ser estratégico e se valer dos melhores recursos de venda para não perder o cliente.

Nesse cenário, o cartão fidelidade marca própria pode se apresentar para o consumidor como uma possibilidade de economia na aquisição de produtos e serviços.

Apesar dos tempos difíceis, pesquisas recentes atestam que o cliente que possui um cartão marca própria gastam até 55% mais que os que utilizam outras formas de pagamento. Isso acontece porque eles estão 33% mais presentes que os não fidelizados.

A matemática aqui é simples: mais compradores presentes representam mais vendas. Cuidar dos clientes atuais, buscando formas de estreitar o relacionamento por meio de recursos de fidelização pode ser uma forma de enfrentar a crise sem grandes perdas.

Como as informações que compartilhamos aqui, é possível estabelecer uma estratégia de sucesso que garanta um fluxo de vendas saudável e resultados palpáveis em curto, médio e longo prazo.

Seu negócio será mais competitivo e mais atrativo, com a possibilidade de conhecer melhor seu cliente, estabelecendo com ele um relacionamento duradouro que pode convertê-lo em um agente divulgador de sua marca.

Gostou do nosso texto e já está pensando em criar o seu próprio programa de fidelização de consumidores? Então, entre em contato com um de nossos especialistas e conheça mais sobre o tema!

5 dicas para aumentar a rentabilidade da sua empresa

Conseguir melhores resultados de vendas é uma meta praticamente diária para qualquer empresa de varejo. Todo vendedor, gestor e o próprio dono se esforçam para aumentar a rentabilidade da loja a cada período, expandindo o negócio.

Claro que não é uma tarefa tão fácil. Sempre parece que a sua base de clientes atinge um ponto de saturação, quando não é mais possível melhorar o ticket médio da empresa.

Porém, isso costuma acontecer apenas porque a gestão ainda não se adaptou ao seu crescimento. Quando a empresa passa de uma loja menor a uma rede, por exemplo, é necessário pensar em jeitos mais eficientes de atrair o público e melhorar as vendas.

Para ajudar a aumentar a rentabilidade do seu estabelecimento, trouxemos aqui 5 dicas simples para o seu negócio. Confira:

1- Acompanhe o fluxo de caixa

Entenda por “fluxo de caixa” todo o caminho que o dinheiro faz, desde que entra na empresa até seu destino. Número de vendas, quanto foi adquirido em cada negociação, qual porcentagem cobre os custos, o que é reinvestido, quanto foi o lucro, etc.  

Isso tudo e a previsão do valor disponível na conta nos próximos períodos deve constar no fluxo de caixa. Sem um acompanhamento detalhado, não é possível saber se o orçamento está subindo ou caminhando para o negativo.

2- Ofereça ofertas e programas de fidelidade

Uma forma que muitas empresas têm de aumentar a rentabilidade é facilitar o processo de compra. E a melhor forma de fazer isso é reduzir o custo final para o cliente. É nisso que consistem tanto as ofertas temporárias quanto os programas de fidelidade.

A diferença é que, em uma promoção, o cliente tem o benefício imediatamente, atraindo novos clientes. Em um programa de fidelidade, ele recebe algo melhor após algum tempo colaborando com a sua empresa, aumentando as chances de fidelização. Os dois são bons meios para melhorar a sua lucratividade, desde que sejam bem implementados.

3- Reduza custos desnecessários

Se você não puder vender mais para aumentar a rentabilidade da sua loja, tente ganhar pelo outro lado: gaste menos. Ao diminuir o custo de manutenção do estabelecimento ou da aquisição do estoque, a margem de lucro consequentemente também aumenta.

Além disso, essa mesma atitude pode servir para baratear o produto para o consumidor final. Isso pode ser exatamente o que você precisa para colocar sua mercadoria a um preço mais competitivo no mercado.

4- Use um software de gestão

Um desafio para aumentar a rentabilidade de qualquer empresa é a quantidade de informação necessária. Recibos, impostos, pagamentos: tudo é muito mais do que uma única pessoa pode coordenar com qualidade.  

Por isso, é importante ter um sistema de gestão que auxilie na captação e organização desses dados. Além de facilitar o trabalho de administração, ele também melhora a disponibilização dessas informações para todos os gestores, dando mais autonomia às equipes.

5- Capacite seus funcionários

Por fim, uma equipe de vendas e de gestão bem preparada é a melhor forma de melhorar a renda de uma loja. Os atendentes são a linha de frente na hora de lidar com os clientes, enquanto os gestores são os responsáveis por melhor administrar o tempo e os recursos disponíveis.  

Capacitá-los para que tenham mais autonomia e desempenho é fundamental para melhorar o rendimento e trazer sucesso para todos os envolvidos, fornecendo mais valor aos clientes.

Gostou de nossas dicas para aumentar a rentabilidade das suas lojas? Quer continuar recebendo nossas novidades em primeira mão? Então, curta nossa página no Facebook e fique sempre por dentro de dicas e novidades!

Fidelização de clientes: saiba se sua estratégia funciona

Você já deve imaginar que as estratégias de fidelização de clientes são tão importantes quanto as de atração. Afinal de contas, a retenção dos seus atuais compradores pode abrir caminho para a entrada de novos consumidores e para a diminuição no custo por vendas.

Como o contexto para as recompras é diferente, é natural que as estratégias e, principalmente, as formas de avaliação dos resultados sejam distintas das táticas de captação de clientes.

Por essa razão, vamos nos aprofundar um pouco mais nas ações de fidelização e como elas podem ser monitoradas. Veremos, também, a importância da mensuração dessas estratégias e como isso ajuda a melhorar as relações e as vendas com os atuais clientes. Acompanhe!

Conheça as principais estratégias de fidelização de clientes

Para incentivar os consumidores a voltarem a comprar em uma loja, normalmente são colocados em práticas os programas de fidelidade. Entretanto, existem diferentes maneiras de executar essas estratégias, que não se limitam apenas a incentivarem o consumidor a trocar novas aquisições por pontos, descontos, recompensas ou participações em clubes de benefícios, por exemplo.

A seguir, você verá 4 boas práticas para fidelizar seus clientes. Confira:

Cartões de marca própria

Essa é uma estratégia muito utilizada por grandes supermercados e lojas departamento, como o Carrefour, Extra, Riachuelo e Leader. Entretanto, apenas oferecer crédito pode não ser interessante para os clientes, que precisam enxergar mais vantagens na aquisição de um cartão de marca própria loja.

Entre esses benefícios, estão os descontos, redução ou eliminação dos juros em parcelas maiores e a possibilidade de adquirir um cartão pré-pago. Essa última tática, aliás, é uma alternativa interessante durante períodos de crise econômica, já que os consumidores planejam e seguram mais os seus gastos. Logo, eles terão mais controle sobre suas compras, podendo recarregar quando acharem melhor.

Para sua loja, algumas das vantagens de oferecer cartões pré-pagos estão no fluxo adiantado de caixa e na possibilidade ganhar com o saldo residual (o que não for gasto pelos clientes).

Cartões Vale Presente de Terceiros

O modelo é parecido com os cartões pré-pagos, só que a diferença está no direcionamento dos gastos. Um cartão vale presente pode ser para uma marca, produto ou serviço de parceiros que são comercializados em sua rede de lojas. Por exemplo, cartões personalizados do Google para o cliente gastar no Google Play Store ou da Xbox Live para gastar com jogos e filmes.

Os atuais clientes da sua empresa podem ser presenteados ou receber esses cartões como brindes em determinadas compras.

Upselling e Cross-selling

Essas duas estratégias são mais comuns no pós-venda varejista. As duas procuram fazer o cliente gastar mais do que planeja, só que de duas formas diferentes.

A primeira, o upselling, consiste em aumentar o valor gasto por um cliente para ele ampliar sua experiência com o mesmo produto ou serviço. No varejo, essa prática pode ser combinada com os cartões pré-pagos, quando, por exemplo, o cliente é incentivado a recarregar um valor maior de créditos antecipados.

A segunda, o cross-selling, trata-se da oferta de produtos ou serviços diretamente relacionados às compras anteriores dos clientes. Por exemplo, se um cliente compra uma Smart TV, é interessante oferecer promoções de home theaters, suportes para colocar a televisão na parede e o que mais contribuir com a experiência de consumo da TV.

Marketing de conteúdo

A fidelização de clientes pode até buscar a recompra, mas ela não acontece apenas promovendo ofertas o tempo todo. Conteúdos interessantes e personalizados para quem já é cliente é uma ótima forma de agregar mais valor à sua relação com o público. Os compradores se sentirão mais valorizados e, dependendo da relevância das dicas, poderão até usar melhor seus produtos.

Além disso, o bom conteúdo, podendo ser enviado por e-mail, ajuda a reforçar a autoridade da sua marca. Assim, seus clientes criam ainda mais confiança na sua loja e passam a ter mais motivos para comprar novamente nela, bem como indicá-la para outras pessoas.

Saiba como monitorar seus resultados

Para você ter uma visão mais completa em relação à produtividade dos seus programas de fidelidade, selecionamos 4 maneiras de mensurar os resultados. Veja:

Mensure o NPS

O NPS é a sigla para Net Promoter Score. Ela é uma métrica que mede a lealdade e a satisfação dos clientes com sua loja por meio de uma pergunta simples: “Em uma escala que varia entre 0 e 10, o quanto você indicaria nossa empresa/loja para seus amigos e familiares?”.

Os resultados dessa pesquisa costumam ser bem aproveitados porque dificilmente uma pessoa indicaria algo que não a agradou para alguém de que ela goste.

As escalas de pontuação do NPS são divididas em três categorias de clientes:

  • Promotores: pessoas que deram nota 9 ou 10, adoraram a experiência em sua loja e estão dispostas a promovê-las para amigos e conhecidos;

  • Neutros: clientes que pontuaram entre 7 e 8, compraram em sua loja, mas ainda não estão convencidas a comprarem novamente. Eles ainda estão bem suscetíveis a mudarem para os concorrentes caso eles ofereçam mais vantagens;

  • Detratores: esses compradores deram notas de 0 a 6 e estão insatisfeitos com a experiência na sua loja. São os mais perigosos, pois tendem a falar mal da sua empresa para os outros.

Meça sua taxa de recompra

Esse cálculo aqui é o mais simples e também o mais importante, afinal, é o objetivo principal das estratégias de fidelização. Existem duas fórmulas que podem ser aplicadas. A primeira é a seguinte:

Total de clientes / Número de clientes compraram novamente em um período x 100

Essa conta considera todo o seu universo de clientes, independentemente de quantos eles se tornaram parte de sua cartela.

A segunda fórmula é um pouco mais específica e considera os clientes que compraram e que recompraram em tempos específicos. Veja:

Clientes que compraram em um período / Número de clientes compraram novamente em um período seguinte x 100

Por exemplo, se 1.000 clientes compraram no primeiro semestre e, desse grupo, 300 fizeram novas aquisições em sua loja no segundo semestre, então sua taxa de recompra com os clientes de um semestre é de 30%.

Calcule o seu custo de aquisição de clientes

Como uma das metas de uma estratégia de fidelização é fazer os atuais clientes indicarem sua loja espontaneamente, nada mais apropriado do que medir o seu custo de aquisição.

A princípio, espera-se que, com o tempo, os gastos para atrair novos compradores reduzam. Isso se torna possível porque os seus clientes, indiretamente, passam a fazer parte de sua força de promoção e vendas.

Para fazer esse cálculo, basta dividir o dinheiro investido em campanhas de fidelização e em captação de clientes pelo número de novos compradores em um determinado período. O ideal é fazer essa conta mensal ou, no máximo, trimestralmente.

Analise a taxa de cadastro em seus programas de fidelidade

Se você optar por programas que envolvem troca de pontos ou a aquisição de cartões pré-pagos, por exemplo, é importante analisar a participação do público. Afinal, essas estratégias exigem o cadastro dos seus clientes, ou seja, fazem eles saírem do lugar e serem mais ativos.

Para fazer esse cálculo, você deve dividir o total de clientes em sua base, ou os que converteram recentemente, pelo número de compradores que confirmaram suas participações nos programas.

Torne o seu pós-venda mais assertivo e otimizado

A análise do funcionamento das estratégias de fidelização trará um diagnóstico mais realista sobre o comportamento dos clientes após comprarem em suas lojas.

Ao detectar, por exemplo, que o seu custo de aquisição de clientes se estagnou com o tempo, é porque suas ações não estimularam seus atuais compradores para recomendar seus produtos e serviços.

Esse cenário permitirá um melhor direcionamento dos seus esforços. Sua equipe passará a se dedicar no uso do seu banco de dados para a criação de estratégias mais engajadoras e assertivas, que incentivem as indicações por parte de seus clientes.

Em suma, para saber se suas ações de fidelização de clientes funcionam ou não, você deve se apegar às suas métricas de desempenho. Esses indicadores fornecem informações estratégicas sobre como e os porquês de os consumidores continuarem se relacionando com sua empresa, assim como o percentual daqueles transformaram essa lealdade em novos negócios.

Para ficar mais por dentro sobre as dicas para fidelização de clientes e outras boas práticas para o varejo, assine a nossa newsletter e receba nossos conteúdos diretamente em seu e-mail!