Marketing nas redes sociais: 4 motivos para investir

Mais que qualquer um, os empresários sabem o quanto é importante estar atentos a novas possibilidade de fazer negócio. Nem sempre é possível investir rios de dinheiro, mas é possível contornar a falta de recursos sabendo usar o marketing a favor da sua marca. E um caminho barato e fácil para isso é o marketing nas redes sociais. Elas estão presentes nos computadores, tablets e celulares de praticamente todas as pessoas e, se usadas da forma correta, podem se converter – e muito – em vendas.

A seguir, aprenda 4 dicas de como usar o marketing nas redes sociais para sair da crise e vender mais.

1 – Conheça seu público

Saber quem compra na sua loja ou consome seus serviços é fundamental para atingir o público de forma assertiva. Mapeie o perfil do seu cliente e identifique, antes de mais nada, em que redes sociais ele está presente, que tipo de conteúdo gosta mais, etc.

Com uma pesquisa detalhada de sua jornada, você consegue atingi-lo no momento que ele mais estiver inclinado a consumir, seja por meio de um anúncio no Facebook, um post no Twitter ou um vídeo rápido no Snapchat.

2 – Personalize seu conteúdo

Ao investir no marketing nas redes sociais é importante ter em mente que o público só terá interesse no conteúdo da sua empresa nesses meios se ele for interessante, original e que tenha a ver com o cliente.

Por isso é tão importante ter feito o mapeamento, assim você consegue customizar seus posts para que tenham a cara da sua marca e, principalmente, a cara do seu cliente. Uma ideia, por exemplo, é fazer posts patrocinados no Facebook apenas para clientes com o nome “Felipe” e incluir na mensagem, uma chamada personalizada do tipo: “Oi Felipe, já pensou em adquirir o produto X?”. Com certeza você chamará a atenção desse grupo específico!

3 – Crie ofertas tentadoras

Em tempos de crise, seu cliente valorizará o produto que tiver o melhor custo-benefício. Assim, as redes sociais são um ótimo espaço para você divulgar as melhores ofertas da sua empresa. Cupons de desconto, especial do dia, concurso cultural — tudo vale para chamar a atenção do cliente e atraí-lo para o consumo.

Um exemplo de quem vem usando essa estratégia é a lanchonete de fast food McDonald’s. Por meio de sua página no Facebook, a marca distribui todo mês uma série de cupons de desconto, aumentando as vendas não só dos produtos nos cupons como também de acompanhamentos que os clientes acabam comprando também.

4 – Dê atenção ao cliente

Como o próprio nome já indica, as redes sociais são canais criados para as pessoas se comunicarem. Então, se você inserir sua empresa nesse universo, não deixe de interagir com seus clientes. Não adianta fazer vários posts se você não responde comentários e mensagens que o público te manda.

Aproveite o espaço para dar feedback pra eles e também receber retorno sobre suas estratégias. As redes sociais são um ótimo ambiente para receber críticas, elogios e sugestões do seu público, mensurando sua reputação, onde você pode melhorar, etc.

Deu pra entender o quanto de potencial está escondido no marketing nas redes sociais, né? Invista nessa modalidade e veja os resultados em pouco tempo e, o melhor, gastando quase nada. Nas redes sociais, mais vale o tempo que você se dedica criando os posts e interagindo com seu público do que o dinheiro gasto em anúncios.

E sua empresa? Já está nas redes sociais? Que tipo de estratégia você usa nesse meio? Comenta pra gente trocar ideias sobre o assunto!

9 dicas para distribuir cupons de desconto para o público jovem

O uso de cupons de desconto representa uma ótima alternativa para potencializar as vendas e promover a fidelização de clientes. Para distribuí-los de forma eficiente aos jovens, é importante conhecer algumas particularidades desse público e, assim, saber a melhor maneira de interagir com ele.

Uma pesquisa sobre o comportamento de compra do jovem brasileiro aponta que 62% é financeiramente independente e 58% usa cartão de crédito. Cerca de 43% das pessoas entre 18 a 25 anos buscam informação nas redes sociais. Em média, elas passam de seis horas conectadas por dia.

Isso significa um potencial enorme de oportunidades para a sua empresa. Pensando nisso, nós preparamos este post para ajudar você a vender mais. Acompanhe:

Vantagens de oferecer cupons de desconto

Incentiva as compras

O desconto exerce uma influência positiva na decisão de compra do consumidor — e isso vale tanto para os clientes já existentes como para quem está comprando pela primeira vez.

Deixa o cliente satisfeito

Todo consumidor adora ganhar desconto ou qualquer tipo de vantagem na compra. Isso é motivo de satisfação, afinal, ele está levando um produto para casa e, ao mesmo tempo, economizando o seu salário.

Ajuda a divulgar uma oferta

Os cupons ajudam a impulsionar uma oferta na internet, pois os usuários compartilham o anunciado com amigos e familiares para que todos aproveitem o desconto. Essa ação ajuda a impulsionar os resultados da sua campanha de forma orgânica, natural.

Favorece o aumento do ticket médio

Quando o cliente ganha um cupom de desconto, ele fica mais propenso a comprar outros produtos que não levaria normalmente. Isso contribui para o aumento do ticket médio, ou seja, a estimativa do valor que cada cliente gasta na sua loja.

Agora que você já conhece as vantagens de oferecer cupons de desconto, confira essas dicas para distribuí-los para o público jovem:

1 – Use a criatividade

Com base nas informações que você tem sobre o seu público, crie novas oportunidades de vendas além das que você conhece. Por exemplo, se o gasto médio dos seus clientes é de 250,00 por cada compra, crie um cupom de 15% de desconto para aquisições acima de R$ 300,00.  

Outra ideia é oferecer um desconto extra programado para a próxima compra: uma ótima forma de fazer com que um cliente novo volte a comprar e permaneça fiel à empresa. É importante dizer que, para isso acontecer, vai depender também da qualidade do seu atendimento.

2 – Recompense os fãs da sua página no Facebook

Por meio da página da sua empresa no Facebook, é possível oferecer cupons de descontos personalizados. Você pode fazer isso de forma bem abrangente, ou seja, para todo o público jovem, ou ainda segmentar a distribuição para os clientes mais frequentes.

Para que a sua campanha possa ter um alcance maior, a dica é impulsionar alguns posts sobre a oferta com ajuda dos anúncios pagos no Facebook Ads. Lembre-se de que é importante usar imagens bem atrativas para chamar a atenção do usuário nas redes sociais.

3 – Utilize o Twitter para divulgar os cupons de desconto

O Twitter também é uma rede muito popular entre essa geração que busca informação na internet. Aproveite para retuitar cupons para seus seguidores. Replique os comentários sempre que for possível, pois eles ajudam a comunicar a oferta para outras pessoas.

Também é interessante usar as hashtags para incentivar os usuários a marcar a promoção nos diálogos: os jovens adoram interagir desse jeito. Essa interação favorece ainda mais a publicidade da empresa.

4 – Explore o poder de persuasão dos cupons de desconto

Você pode configurar o site da empresa para mostrar um banner com a informação de um determinado desconto sempre que o consumidor escolher os produtos e, por alguma distração, não concluir a compra. Assim, ele será motivado a voltar para a página. Se não for possível fazer isso no próprio site, programe o envio de e-mail automático.

5 – Faça distribuição por intermédio de parceiros

Muitas empresas conseguem bons resultados no fornecimento de descontos especiais para parceiros. Estes, por sua vez, distribuem os cupons entre outros parceiros e clientes. Nesse caso, é interessante criar códigos diferentes dos cupons tradicionais, para ter condições de avaliar os resultados posteriormente.

Mapeie as empresas que, assim como a sua, trabalhem com o público jovem. Proponha a parceria com aquelas que vendem um produto distinto do seu, para que a concorrência não seja um obstáculo.  

6 – Envie cupons de desconto por e-mail

O jovem utiliza o celular para checar as redes sociais, assim como acessar a caixa postal frequentemente. Por isso, a ideia de enviar cupons por e-mail é uma estratégia eficiente para comunicar essa informação. Ao abrir a mensagem, o usuário pode optar por clicar na oferta e ser direcionado para o site.

7 – Fique atento aos resultados

Os cupons de desconto são ótimos recursos para rastrear e avaliar os resultados das suas campanhas. Basta usar um código diferente para cada canal: Facebook, YouTube, ou qualquer outra mídia social.

Dessa forma, é possível saber exatamente o valor gerado pelas vendas: a maior vantagem do marketing digital é poder mensurar todo tipo de estratégia. Se for necessário, consulte um especialista em marketing para ajudar você nesse processo.

8 – Crie alternativas para diversificar a distribuição

Se a sua venda está baixa em determinado horário ou dia, crie um cupom exclusivo para esses momentos. Faça com que o consumidor perceba as vantagens de comprar na sua empresa e minimize a sazonalidade nas vendas. Use a sua criatividade, pois o desconto é um jeito de reverter o problema.

9 – Invista em campanhas de publicidade

Encontre um embaixador da sua loja com o qual o seu público se identifique. Crie campanhas publicitárias em torno das promoções e eventos para distribuição de cupons de descontos. Isso vai movimentar muito as vendas e aumentar o engajamento com a marca.

Como você viu, conhecimento e criatividade são quesitos necessários para distribuir cupons de desconto para o público jovem e alcançar os objetivos.

Gostou? Nossa Plataforma de Fidelidade pode te ajudar a aumentar a visibilidade da sua marca e potencializar as vendas. Entre em contato com a gente e tire as suas dúvidas!

Aprenda a identificar gargalos de produção no varejo para aumentar as vendas!

O termo “gargalos de produção” começou a ser utilizado a partir dos anos 80 do século 20, no contexto da cadeia industrial — o objetivo era definir situações em que um problema, ou mesmo uma combinação deles, resultava em atrasos, paralisações nas linhas de montagem, perdas de material, dificuldades de armazenagem ou logística e todo tipo de prejuízo para as organizações.

Hoje, o conceito de gargalo também é amplamente vinculado à realidade das pequenas e médias empresas, incluindo aquelas que atuam no varejo, e com a mesma função: a ideia é descrever os entraves que um determinado empreendedor enfrenta no dia a dia e que representam riscos à operação ou ao negócio, como um todo.

Alguns gargalos são tão graves que podem vir a comprometer a existência da empresa em pouco tempo, se não forem solucionados. Eles vão desde a escassez de mão de obra preparada para atender ao crescimento das vendas, passando pela gestão ineficiente de recursos (sejam eles financeiros ou humanos) até a falta de conhecimento específico sobre a concorrência.

A seguir, vamos saber quais são e como ocorrem os principais gargalos na perspectiva do varejo, a fim de que você possa buscar as melhores alternativas de ação. Confira!

Exemplos mais comuns de gargalos de produção do varejo

Falhas na gestão

As deficiências na condução diária do negócio ainda são o grande calcanhar de Aquiles para o varejo. Se o gestor não consegue comprar bem, por exemplo, haverá uma série de desdobramentos que vão impactar nos resultados: desequilíbrio no estoque, com excesso ou falta de itens importantes; gastos incompatíveis com o perfil financeiro da empresa; redução da margem de lucro ou aumento do preço final para os clientes.

Do mesmo modo, uma gestão equivocada dos recursos humanos da empresa poderá trazer uma série de empecilhos, como insatisfação generalizada entre os funcionários, sabotagem interna, colaboradores inseguros e pouco comprometidos, aumento da rotatividade de pessoal, dentre outros.

Problemas de capacitação / custo da mão de obra

Sem colaboradores devidamente capacitados para atender ao cliente, o futuro de qualquer negócio é incerto. Ainda mais no ambiente do varejo, em que o contato direto com as pessoas determina boa parte da imagem da empresa, ou seja: clientes insatisfeitos costumam ser a pior propaganda possível — e uma das mais eficazes, para desespero de muitos lojistas que descobrem, tardiamente, atitudes antiéticas, descabidas ou simplesmente mal educadas por parte de um funcionário despreparado.

O problema é que no Brasil os custos de mão de obra são altíssimos, chegando a praticamente inviabilizar uma série de atividades comerciais. Além disso, mesmo que o empreendedor esteja disposto a pagar, existe a questão da qualidade: programas de treinamento são raros ou ineficazes, resultando em funcionários pouco ou nada identificados com a cultura e a missão da empresa.

Tecnologia / inserção nas redes sociais

Muitos varejistas ainda não perceberam que não estar nas redes sociais, em alguns casos, equivale a não existir. Acontece que o descompasso entre um negócio “desconectado” e os hábitos de compra dos clientes pode ser desastroso. Neste caso, o gargalo se traduz em uma completa falta de alinhamento da empresa com a sociedade contemporânea.

Perdas interligadas

É comum que a gestão inadequada de um departamento seja “contagiosa”, refletindo diretamente em outros setores. Aqui, o gargalo de produção é um problema localizado, mas que traz consequências globais: se uma área da empresa não consegue entregar suas demandas no prazo, várias outras poderão sofrer atrasos, comprometendo seriamente a imagem e os resultados finais.

Atendimento precário ao cliente

Não há mais tolerância para este gargalo no mundo atual, embora ainda seja algo muito comum. As pessoas estão mais exigentes e bem informadas, de forma geral, o que as deixa com pouca disposição para lidar com um atendimento ruim. Ao menor sinal de insatisfação, clientes que puderem, certamente vão migrar para a concorrência, em busca de serviços que julguem ser melhores.

Estratégias para contornar os problemas mais recorrentes.

Lidar com gargalos de produção no varejo exige que o empreendedor faça uma profunda reflexão sobre seu negócio e esteja disposto a reavaliar suas práticas, como gestor. Muitas vezes, o simples fato de mudar a abordagem – abandonando a postura reativa e abraçando medidas preventivas – torna possível realizar mudanças verdadeiramente benéficas no dia a dia da organização. Atente para as seguintes sugestões e tente imaginá-las no contexto da sua empresa ou do local em que você trabalha.

Identifique o problema

Sem alvo definido, todos os esforços e recursos empregados serão inúteis. O primeiro e mais importante passo para sanar um gargalo, portanto, é analisar a fundo todos os aspectos do negócio, de forma realista e prática.

Saiba quem é seu cliente e o que ele realmente quer

Pesquisas de satisfação podem ser ferramentas muito úteis no contexto das empresas de varejo. Procure entender o que os clientes buscam quando entram na loja; esteja disposto a testar soluções e sugestões, investigue a verdadeira persona dos clientes e tente traduzir suas reais necessidades. Às vezes, pequenas alterações na postura dos funcionários podem aumentar consideravelmente os índices de satisfação e retorno.

Invista em treinamento

Esse ponto é inegociável. Ofereça as condições para que seus colaboradores evoluam, desenvolvam habilidades e estejam, de fato, à altura dos objetivos do negócio, a fim de que a empresa não esteja sujeita à estagnação.

Incorporar funcionários despreparados é um erro grave e de proporções desconhecidas: um péssimo atendimento pode deixar um cliente apenas irritado, sem maiores consequências, ou então disposto a ir às redes sociais para compartilhar toda a sua indignação, chegando a abalar a reputação da sua empresa.

Procure agregar valor ao negócio

No momento não é possível oferecer preços mais acessíveis ou cortar custos? Que tal pensar em alternativas para encantar o cliente, como um pós-atendimento que demonstre atenção e cuidado? Lembre-se: frequentemente, o que define a escolha de um consumidor não é o produto, que é similar a outros em muitos aspectos, e sim a qualidade da experiência de compra. Talvez a solução para um importante gargalo de produção esteja, portanto, na criatividade, e não no departamento financeiro!

Agora que você aprendeu a identificar gargalos na produção do seu varejo, entenda como o marketing sensorial pode ajudar nas suas vendas!