O que é o cartão vale presente e como ele pode ajudar a vender mais?

Apesar da popularidade no varejo dos Estados Unidos, o cartão vale presente ainda está conquistando o seu espaço no Brasil. Pra quem não o conhece, ele se mostrar uma excelente forma de presentear alguém sem que, com isso, seja preciso se preocupar se a pessoa vai gostar ou não do item escolhido.

Em nosso post de hoje, vamos explicar o que é o vale presente e por que ele pode ser uma alternativa bastante interessante e lucrativa para o seu negócio. Confira:

O que é o cartão vale presente?

O vale presente é um cartão (digital ou físico) que funciona, basicamente, de forma pré-paga, ou seja, o cliente estipula um valor para carregá-lo – muitas vezes as lojas já estabelecem as faixas de preço disponíveis – e quem o recebe pode utilizá-lo em uma próxima compra.

Tipos de vale presente

O lojista pode disponibilizar em seu empreendimento diferentes tipos de vale presente. Entre as possibilidades, estão:

  • Compra de uma só marca (serviços ou produtos);

  • Compra em apenas uma loja (física ou virtual);

  • Compra na rede de lojas de uma mesma marca;

  • Compra em várias lojas de um grupo preestabelecido;

  • Compra online e/ou em lojas físicas;

  • Parceria com instituições de crédito ou débito (Visa, Master, American Express) para uso em qualquer loja que aceite a bandeira.

É importante notar que o vale presente também pode ser do tipo recarregável. Essa é uma facilidade que permite que novos valores sejam adicionados nele no futuro, sem que, com isso, seja preciso gerar um novo cartão.

Como utilizar o cartão vale presente em sua loja?

Após escolher o tipo de vale presente ideal para adotar em seu estabelecimento, coloque em prática algumas estratégias de marketing — de nada adianta ter este item em sua loja se o consumidor não o conhece ou nem imagina que você o vende.

Faça propaganda do vale presente

Para que as pessoas possam adquirir este produto em seu estabelecimento, é preciso que elas saibam da existência dele — elas devem ser apresentadas às facilidades e possibilidades dele. Crie ações promocionais em seus canais digitais (redes sociais, e-mail marketing, blog) e físicos (flyers, banners, folders) — treine também a sua equipe para que possam incluí-lo nos discursos de venda.

Além disso, quando uma pessoa adquire este tipo de item para presentear alguém, consequentemente mais pessoas conhecerão o seu negócio, pois o presentado terá que ir até a sua loja física ou virtual para trocar o valor recebido no cartão — podendo, até mesmo, se interessar por mais coisas que você oferece.

Prepare ações exclusivas

Que tal criar pacotes de produtos e serviços que só podem ser adquiridos com o vale presente? Esta é uma excelente estratégia para influenciar o uso dele e de levar em consideração a necessidade de giro do estoque da sua loja.

O vale presente pode, sim, ser uma ótima alternativa para quem está buscando uma nova forma de atrair uma base diversificada de clientes. E, ao mesmo tempo, oferecer a eles uma experiência de compra diferente e prática — caso essa experiência se mostre bem-sucedida, você contribuirá para a fidelização deles.

Portanto, que tal aproveitar o seu calendário de ações para investir nessa possibilidade? E se tiver alguma dúvida ou comentário sobre o tema, compartilhe com a gente. Queremos saber a sua opinião!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn. 

4 razões para oferecer cartão presente no varejo

Algo que recentemente começou a fazer parte da realidade do varejo são os diferentes tipos de vale presente e de cupom promocional ofertados. Considerados como uma forma prática de presentear, esse tipo de vale traz vantagens que vão além daquelas experimentadas pelos clientes. O próprio varejo em geral pode se beneficiar – e muito – ao oferecer esse tipo de vale, com resultados que vão aparecer diretamente na gestão financeira do negócio.

Quer saber como isso é possível? Confira a seguir 4 razões para oferecer vale presente em seu empreendimento!

1 – Expande o ticket médio

Um dos motivos para disponibilizar esse tipo de vale é que ele é capaz de aumentar o ticket médio no varejo. Isso se deve pelo fato de que dificilmente o vale presente tem o valor idêntico ao da maioria dos produtos na loja. Com isso, se o cliente gostar de algo mais barato, é bem provável que ele escolha outro item e ultrapasse um pouco o valor do vale para inteirar o que tem disponível para compra.

Do mesmo modo, oferecer o vale presente é uma forma de criar um ambiente propício para que o cliente conheça outros itens que são vendidos em sua loja e que podem ter um valor superior ao do vale presente — se o vale presente era de R$ 50 e o cliente gostou de um item de R$ 70, ele só paga R$ 20, e o varejo experimenta um aumento do ticket médio.

2 – Aumenta o fluxo de pessoas

Oferecer vale presente também ajuda a aumentar o fluxo de pessoas dentro das lojas. Pode acontecer de alguém receber um vale de uma loja que não conhecia ou na qual não entraria em condições normais, mas ao visitá-la para usar o seu vale pode acabar se surpreendendo de maneira positiva.

Como resultado, há um aumento no número de pessoas que visitam o negócio, já que elas precisam ir até lá para trocar o vale. No geral, isso aumenta também a exposição da marca em si e gera mais oportunidades de negócio.

3 – Eleva as vendas

Juntos, o aumento do fluxo de pessoas e do ticket médio possuem como resultado um aumento geral das vendas, tanto em quantidade quanto em valor. Isso porque, como já falamos, as pessoas que vão no estabelecimento para trocar o vale podem acabar se interessando por outro item.

Com a sensação de que o produto vai sair muito mais barato graças ao vale, as pessoas tendem também a realizar compras por impulso — aquelas em que normalmente são mais caras ou então mais benéficas para o varejo, exigindo menos esforço para o convencimento do cliente.

4 – Contribui para a fidelização dos clientes

Se o atendimento estiver bem preparado para receber o fluxo de pessoas com vales, é bem possível que a fidelização seja extremamente favorecida. Com uma boa experiência de compra nesse primeiro momento, grandes são as chances de que o cliente retorne para outras compras. Como consequência, é mais fácil melhorar o ticket médio e o life time value (o quanto você gasta tentando atrair um cliente para o seu negócio), proporcionando resultados melhores.

Diante de tantos benefícios, você ainda tem alguma dúvida sobre o quão benéfico pode ser oferecer vale presente no varejo?

Visite o site da epay Brasil e conheça as diferentes para rentabilizar o seu negócio e para gerar novas oportunidades de vendas.

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn. 

Vale presente como incentivo: uma oportunidade de parceria

Todo fim de ano costuma acontecer a mesma coisa: grande parte dos colaboradores de inúmeras empresas fica de olho na participação nos lucros e resultados, sem falar no pagamento do 13º salário.

No entanto, além desses benefícios, muitas corporações estão encontrando no vale presente de incentivo uma excelente oportunidade para motivar os funcionários — e eles não precisam ser utilizados apenas neste período do ano.

Os ganhos atingem todos os setores da empresa, pois o reflexo na melhoria da produtividade é bem visível após o incremento de um benefício como esse.

Para ajudá-lo a entender melhor como funciona esse tipo de parceria, as utilizações e o fechamento de contratos, vamos esmiuçar muito bem o assunto neste post. Interessado? Então, continue lendo!

O que é o vale presente de incentivo?

Trata-se de um cartão pré-pago em que as empresas podem depositar valores mensais e referentes às compras em lojas de eletrodomésticos, eletroeletrônicos, grandes varejistas, enfim, as possibilidades são muitas.

Podem ser oferecidos nas festas de fim de ano, sorteados ou até mesmo direcionados para quem bateu as metas preestabelecidas.

Também é uma ótima oportunidade para redes de hipermercados ou de outros ramos de atuação firmarem parcerias com as empresas, podendo, inclusive, destinar descontos por meio do número de adesões.

Dessa maneira, a sua organização poderia inserir, por exemplo, créditos de R$ 1.000 em sorteios para compras no fim de ano em uma rede varejista, colaborando imensamente para que as festas dos colaboradores premiados sejam inesquecíveis.

Valores menores podem ser inseridos na distribuição geral, como vale-compras no valor de R$ 50 ou R$ 100. Entretanto, busque ser o mais justo possível na distribuição dos créditos.

A opção também contribui para movimentar a economia, pois muita gente pode gastar mais do que o valor disponibilizado no vale presente de incentivo, pagando a diferença.

No entanto, é preciso uma boa negociação entre o setor de Recursos Humanos com outras empresas na hora de fechar o negócio, como veremos a seguir.

Como o cartão pode motivar o colaborador?

Primeiramente, o vale presente de incentivo pode ser personalizado, com temas e estampas relacionadas à campanha, como Natal, aniversário da empresa, enfim, de acordo com o momento especial.

Isso estreita o relacionamento entre os profissionais e a corporação, aumentando o bem-estar e também a motivação ao longo das tarefas diárias.

Ao destinar esse benefício ao trabalhador, é importante o setor de RH passar todas as informações, como a rede de aceitação, o valor dos créditos, direitos e deveres de cada funcionário, com o objetivo de manter a transparência em todo o processo. Fora isso, é importante uma negociação afiada com as empresas parceiras para evitar transtornos.

Quais os benefícios para o colaborador?

Neste tópico, vamos relacionar alguns benefícios que o vale presente de incentivo proporciona para a equipe. Os mais evidentes são de ordem financeira, o que na verdade nunca é um benefício em si, afinal, o dinheiro é apenas um meio de conseguir algo que represente um valor significativo, o que constitui o primeiro item de nossa lista.

Liberdade de escolha

Temos diferentes avaliações sobre o que é importante e tem valor real. Para alguns, pode ser uma viagem, para outros, é passar mais tempo com os filhos, e assim por diante.

A maioria das alternativas de benefício concedidas pelas empresas é condicionada, ou seja, não pode ser escolhida de acordo com a preferência do colaborador. Por mais que muitas delas possam ter sido negociadas e algumas sejam realmente atrativas, com o vale presente é diferente.

Em outras palavras, quando o próprio beneficiário escolhe o que mais o agrada, o preço que foi pago é inferior ao que ele recebe, pois valoriza aquele bem. Já quando não tem essa opção, o ganho pode ser insignificante, mesmo que o preço tenha sido alto.

Segurança

Como a transação não envolve dinheiro, existe uma segurança a mais para o usuário. Devido ao aumento dos índices de violência, muitos colaboradores tendem a valorizar essa possibilidade.

Importante mencionar que, embora o benefício direto seja para o trabalhador, a empresa também deve se preocupar com esse fator, principalmente nos casos em que tem responsabilidade legal sobre isso.

Melhoria da produtividade

Esse pode parecer um benefício direto e exclusivo para a empresa, mas é extremamente importante para o colaborador, ainda que não seja claro para a maioria de nós.

A produtividade é a maior garantia de estabilidade no setor privado. O colaborador que produz mais tem mais valor para a empresa e gera mais recursos para o seu caixa, que são essenciais para garantir a saúde financeira da organização e, consequentemente, os benefícios concedidos.

Melhoria do bem-estar e da qualidade de vida

Esses são dois benefícios especiais para a maioria das pessoas nos dias de hoje. Muitos mudam de cidade e de emprego em função deles.

Em alguma medida todos os benefícios contribuem para ambos, uma vez que permitem usufruir mais conforto, saúde ou outro ganho que o prêmio ofereça.

Mas no caso dos vale presente alguns dos benefícios acima ajudam a contribuir ainda mais, principalmente o da liberdade de escolha, pois ninguém pode decidir melhor pelas próprias necessidades do que a própria pessoa.

Da mesma forma, o aumento da segurança e a melhora da produtividade também contribuem para o bem-estar de qualquer ser humano.

Ganho social

Muitos brasileiros ainda não têm acesso a uma conta bancária. Os motivos para isso normalmente estão relacionados ao crédito, em função do patamar de renda ou dívidas. Além disso, muitos brasileiro estão fazendo a opção por não utilizar os bancos, ao menos os tradicionais, esse fenômeno é chamado de desbancarização.

Quais dicas o RH deve seguir na parceria?

Uma boa orientação é buscar empresas idôneas, com vários anos no mercado e que tenham unidades próximas das residências dos funcionários ou qualidade garantida nas compras online.

Analise bem o contrato, busque descontos e, principalmente, peça uma visita pessoal para os consultores da empresa de cartões para esclarecerem todas as dúvidas dos colaboradores.

Investigue na internet a rede que sua empresa pretende fechar negócio para observar se há alguma denúncia de irregularidades ou problemas com o serviço prestado — busque informações em fontes seguras.

Se possível, entre em contato com o Banco Central, responsável pela regulação, supervisão e autorização das empresas de cartões de presente para saber se está tudo dentro da legislação.

Veja ainda se há um serviço de atendimento ao consumidor para auxiliar os funcionários, caso ocorram possíveis queixas. No mais, é presentear os trabalhadores, contribuindo para melhorar as avaliações internas em relação à empresa.

Agora que você ficou por dentro do vale presente de incentivo, que tal assinar a nossa newsletter? Receba boas informações em seu e-mail e fique atualizado!

epay Brasil lança cartão marca própria da Ri Happy

A epay Brasil e a Ri Happy (líder no varejo de brinquedos do Brasil) fecharam uma parceria comercial para a produção, distribuição e processamento de cartões presente em todas as lojas da rede. O cartão presente da Ri Happy, carinhosamente conhecido como “Happy Vale”, já está disponível para venda nas lojas físicas juntamente com outros cartões pré-pagos de conteúdos diversos distribuídos pela epay no Brasil.

A epay Brasil, empresa do grupo Euronet, presente em mais de 30 países e líder na tecnologia de cartões pré-pagos, fechou mais um contrato que amplia a área de atuação da empresa, desta vez chegando ao mercado de brinquedos. Através desta parceria, a epay viabilizou a produção, distribuição e processamento dos cartões presente da rede de lojas Ri Happy.

O cartão presente leva o nome “Happy Vale” e está disponível para os clientes nos valores de R$50,00 e R$100,00, podendo ser utilizado como meio de pagamento na rede varejista de brinquedos (exceto site e franquias). Uma ótima oportunidade para clientes presentearem a criança sem chance de errar: os pequenos poderão ir à loja, juntamente com o responsável portando o cartão presente, e escolher o brinquedo que desejam.

Para a epay é uma ótima oportunidade de aumentar a sua capilaridade num canal tão importante como o de “Brinquedos”. Os cartões pré-pagos estão cada vez mais disseminados em vários tipos de varejo. Atualmente redes de Supermercados, Lojas de eletrodomésticos, Livrarias, Drogarias e Moda, entre outros setores, já aderiram à solução trazida pela epay.

Conteúdo de terceiros

Com a Ri Happy, o contrato vai além dos cartões pré-pagos “Happy Vale”. A epay vai disponibilizar também outros cartões pré-pagos de conteúdos diferentes como Google Play,  Xbox Live, League of Legends, LevelUp, entre outros. Por se tratar de um serviço adicional ao cliente com alto valor agregado, os cartões pré-pagos trarão maior fluxo de clientes e rentabilidade à Ri Happy.


Sobre a epay

A epay é líder mundial em soluções pré-pagas. Empresa do grupo Euronet Worldwide, com ações na Nasdaq, está presente em mais de 30 países.

Especialista em produtos tais como: cartões presente, cartões para jogos online, assinaturas e créditos para conteúdos digitais, a epay Brasil tem como objetivo conectar marcas a consumidores por meio da tecnologia pré-paga, sem a necessidade de bancos e bandeiras de cartões de crédito. Google Play, League of Legends e Xbox Live são algumas das marcas que chegam ao consumidor final por meio das soluções pré-pagas disponibilizadas pela empresa. www.epaybrasil.com.br

Sobre o grupo Ri Happy

A Ri Happy, maior rede varejista de brinquedos do país, presente no mercado desde 1988, tem como preocupação ser mais do que uma rede de comércio e sim uma prestadora de serviços na área de lazer e entretenimento infantil. Em 2012, The Carlyle Group, gestor global de investimentos alternativos, adquiriu a Ri Happy Brinquedos e a PBKIDS e desde 2014 detém 100% de participação. O grupo Ri Happy / PBKIDS, líder no mercado de brinquedos, possui mais de 250 unidades espalhadas pelo Brasil empregando mais de 4.000 funcionários . Em  2013,  o grupo iniciou as atividades da marca Ri Happy Baby,unidade especializada da rede Ri Happy com produtos voltados para o público entre zero a três anos de idade, buscando ser a maior loja especializada em itens para bebês do Brasil . Os sites da empresa são: www.rihappy.com.br , www.pbkids.com.br e www.rihappybaby.com.br

 

Como diversificar o mix de produtos no varejo sem investir muito

Atualmente, ter um bom preço a oferecer não é o suficiente para o sucesso nas vendas. Do mesmo modo, no que diz respeito à satisfação e retenção dos clientes, tão importante quanto o atendimento é o mix de produtos que um varejo apresenta.

Empresas que possuem um mix muito limitado podem perder em volume de vendas e no retorno de alguns clientes, que buscam outros lugares com maior oferta de itens.

No post de hoje, vamos falar sobre a importância de diversificar o mix de produtos no varejo e como isso pode ser feito sem que, necessariamente, seja preciso investir muito. Confira:

Qual é a importância de diversificar o mix de produtos?

Principalmente no varejo, a variedade do mix de produtos é importante devido a vários fatores. Dentre os principais, podemos citar:

Aumento do ticket de vendas

Além de comprar o necessário, o cliente acaba tendo uma grande variedade de outros itens à disposição. Isso pode fazer com que ele se lembre de algo que precisava comprar ou então decide comprar mais alguma coisa só pelo fato de saber que ela está disponível naquele momento.

Dessa forma, uma das principais vantagens — e importância — da variedade do mix de produtos é elevar o ticket de vendas, que, por consequência, aumenta o faturamento da empresa.

Maior lucratividade

Aumentar o mix de produtos, principalmente com itens que possuem uma boa margem de lucro, contribui para que a lucratividade também seja aumentada.

Aumento da satisfação dos clientes

Oferecer uma grande variedade de produtos — que também possuem preços variados dentro de suas categorias — ajuda a fazer com que eles se sintam cada vez mais satisfeitos com a oferta.

Dessa forma, é bem provável que ele consiga satisfazer suas necessidades de compra no mesmo local, com faixas de preço variadas, contribuindo para a fidelização e retenção desse cliente.

Como diversificar o mix no varejo sem investir muito?

Algumas ações simples, de baixo custo, podem ser adotadas na hora de diversificar o mix de produtos ofertados no seu empreendimento. Veja, a seguir, algumas delas:

Oferta de recarga de celular

A recarga de celular é um serviço bastante procurado — principalmente em razão daquelas que utilizam smartphones e desejam manter o pacote de dados ativos.

Dessa forma, o cliente pode até entrar na sua loja procurando apenas pela recarga de celular a princípio, no entanto, ao ver a quantidade de produtos que você oferece, pode se interessar por algum outro item, aumentando o ticket médio de vendas.

Vale presente

Nesse caso, é possível oferecer o vale presente tanto da marca própria, quanto de conteúdos diversos — com a vantagem de necessitar de baixo investimento para deixar essa estratégia disponível no seu negócio.

Assim como no caso da recarga de celulares, o vale presente pode contribuir com o aumento do ticket de vendas, uma vez que o cliente que vai realizar a troca pode acabar se interessando por outros produtos disponíveis. Além disso, alcança novos clientes, que também podem se interessar e se tornar um cliente da sua loja.

Cupom promocional

A ideia é parecida com a do vale presente. Aumentar o portfólio de produtos e alcançar novos clientes, além de buscar aumentar o ticket médio de vendas da empresa.

Treinamento da equipe de vendedores

Esbanjar um mix de produtos diversificados e bem planejados não adianta de nada se a equipe de vendedores não estiver devidamente preparada para interagir com os clientes.

Contar com colaboradores que não conhecem o perfil da loja, ou que não sabem apresentar os produtos pode fadar o negócio ao fracasso.

Por isso, a empresa deve oferecer treinamentos e capacitações, não somente na fase inicial de admissão do vendedor, mas sempre que houver uma mudança de coleção ou um aumento do mix de produtos.

Adequação às necessidades do cliente

É importante ter em mente que o aumento do mix de produtos no varejo deve levar em consideração as necessidades do cliente, e não a ocupação de espaços nas prateleiras.

Assim sendo, antes de determinar os produtos que serão comercializados, é preciso se assegurar que o preço está bom para os consumidores, e se existe, de fato, demanda para as novas opções de produtos lançadas no mercado.

Parcerias com fornecedores

Qualquer comércio deve ter fornecedores em que possa confiar, e isso é especialmente importante ao se diversificar a oferta de produtos.

Para garantir que o mix de produtos tenha qualidade e não deixe o consumidor a desejar, é preciso investir nas relações com os fornecedores, criando uma relação de genuína parceria.

Com isso, o fabricante ou produtor, em vez de se preocupar apenas com o seu sucesso, estará empenhado no êxito do lojista, tendo em vista a relação “ganha-ganha” que foi estabelecida.

Gestão de estoque

A gestão de estoque, talvez, seja a parte mais difícil quando se fala em diversificar o mix de produtos no varejo.

É importante substituir todos aqueles itens que apresentam pouca saída, que não oferecem muita procura, ou aqueles completamente parados no estoque.

Um bom levantamento é indispensável para identificar quais os produtos e marcas são mais aceitos pelos clientes e, principalmente, quais estão mais alinhados com a filosofia do estabelecimento

Esse último aspecto é muito importante, afinal, não se deve mover esforços a fim de atrair um público que não agregará valor ao negócio.

Ainda quando se trata da gestão de estoque é preciso estar atento aos custos, pois um grande volume de produtos tende a causar um aumento significativo nas despesas da empresa.

É por isso que o equilíbrio é uma palavra-chave, ou seja, a companhia deve evitar ao máximo manter um estoque muito grande por um longo período. O ideal é realizar a análise de quais são os produtos mais vendidos e aqueles cujo lucro não justifica custos envolvidos.

Enfim, como regra, a estratégia básica deve ser a de focar nos produtos de maior aceitação por parte dos consumidores.

Desse modo, além do aumento nas vendas, a tendência é que os clientes certos — atraídos pelos produtos certos — farão mais compras, seduzidos pela gama de produtos já consomem ou que podem passar a consumir.

Como podemos ver, é possível diversificar o mix de produtos do varejo sem que para isso seja necessário investir uma grande quantidade de dinheiro. Além disso, essa ação possui um impacto considerável em termos de faturamento e contribui para que os resultados sejam alavancados.

O que achou desse post? Ficou com alguma dúvida? Entre em contato conosco e fique por dentro das soluções que temos a oferecer!

Fidelização de clientes: saiba se sua estratégia funciona

Você já deve imaginar que as estratégias de fidelização de clientes são tão importantes quanto as de atração. Afinal de contas, a retenção dos seus atuais compradores pode abrir caminho para a entrada de novos consumidores e para a diminuição no custo por vendas.

Como o contexto para as recompras é diferente, é natural que as estratégias e, principalmente, as formas de avaliação dos resultados sejam distintas das táticas de captação de clientes.

Por essa razão, vamos nos aprofundar um pouco mais nas ações de fidelização e como elas podem ser monitoradas. Veremos, também, a importância da mensuração dessas estratégias e como isso ajuda a melhorar as relações e as vendas com os atuais clientes. Acompanhe!

Conheça as principais estratégias de fidelização de clientes

Para incentivar os consumidores a voltarem a comprar em uma loja, normalmente são colocados em práticas os programas de fidelidade. Entretanto, existem diferentes maneiras de executar essas estratégias, que não se limitam apenas a incentivarem o consumidor a trocar novas aquisições por pontos, descontos, recompensas ou participações em clubes de benefícios, por exemplo.

A seguir, você verá 4 boas práticas para fidelizar seus clientes. Confira:

Cartões de marca própria

Essa é uma estratégia muito utilizada por grandes supermercados e lojas departamento, como o Carrefour, Extra, Riachuelo e Leader. Entretanto, apenas oferecer crédito pode não ser interessante para os clientes, que precisam enxergar mais vantagens na aquisição de um cartão de marca própria loja.

Entre esses benefícios, estão os descontos, redução ou eliminação dos juros em parcelas maiores e a possibilidade de adquirir um cartão pré-pago. Essa última tática, aliás, é uma alternativa interessante durante períodos de crise econômica, já que os consumidores planejam e seguram mais os seus gastos. Logo, eles terão mais controle sobre suas compras, podendo recarregar quando acharem melhor.

Para sua loja, algumas das vantagens de oferecer cartões pré-pagos estão no fluxo adiantado de caixa e na possibilidade ganhar com o saldo residual (o que não for gasto pelos clientes).

Cartões Vale Presente de Terceiros

O modelo é parecido com os cartões pré-pagos, só que a diferença está no direcionamento dos gastos. Um cartão vale presente pode ser para uma marca, produto ou serviço de parceiros que são comercializados em sua rede de lojas. Por exemplo, cartões personalizados do Google para o cliente gastar no Google Play Store ou da Xbox Live para gastar com jogos e filmes.

Os atuais clientes da sua empresa podem ser presenteados ou receber esses cartões como brindes em determinadas compras.

Upselling e Cross-selling

Essas duas estratégias são mais comuns no pós-venda varejista. As duas procuram fazer o cliente gastar mais do que planeja, só que de duas formas diferentes.

A primeira, o upselling, consiste em aumentar o valor gasto por um cliente para ele ampliar sua experiência com o mesmo produto ou serviço. No varejo, essa prática pode ser combinada com os cartões pré-pagos, quando, por exemplo, o cliente é incentivado a recarregar um valor maior de créditos antecipados.

A segunda, o cross-selling, trata-se da oferta de produtos ou serviços diretamente relacionados às compras anteriores dos clientes. Por exemplo, se um cliente compra uma Smart TV, é interessante oferecer promoções de home theaters, suportes para colocar a televisão na parede e o que mais contribuir com a experiência de consumo da TV.

Marketing de conteúdo

A fidelização de clientes pode até buscar a recompra, mas ela não acontece apenas promovendo ofertas o tempo todo. Conteúdos interessantes e personalizados para quem já é cliente é uma ótima forma de agregar mais valor à sua relação com o público. Os compradores se sentirão mais valorizados e, dependendo da relevância das dicas, poderão até usar melhor seus produtos.

Além disso, o bom conteúdo, podendo ser enviado por e-mail, ajuda a reforçar a autoridade da sua marca. Assim, seus clientes criam ainda mais confiança na sua loja e passam a ter mais motivos para comprar novamente nela, bem como indicá-la para outras pessoas.

Saiba como monitorar seus resultados

Para você ter uma visão mais completa em relação à produtividade dos seus programas de fidelidade, selecionamos 4 maneiras de mensurar os resultados. Veja:

Mensure o NPS

O NPS é a sigla para Net Promoter Score. Ela é uma métrica que mede a lealdade e a satisfação dos clientes com sua loja por meio de uma pergunta simples: “Em uma escala que varia entre 0 e 10, o quanto você indicaria nossa empresa/loja para seus amigos e familiares?”.

Os resultados dessa pesquisa costumam ser bem aproveitados porque dificilmente uma pessoa indicaria algo que não a agradou para alguém de que ela goste.

As escalas de pontuação do NPS são divididas em três categorias de clientes:

  • Promotores: pessoas que deram nota 9 ou 10, adoraram a experiência em sua loja e estão dispostas a promovê-las para amigos e conhecidos;

  • Neutros: clientes que pontuaram entre 7 e 8, compraram em sua loja, mas ainda não estão convencidas a comprarem novamente. Eles ainda estão bem suscetíveis a mudarem para os concorrentes caso eles ofereçam mais vantagens;

  • Detratores: esses compradores deram notas de 0 a 6 e estão insatisfeitos com a experiência na sua loja. São os mais perigosos, pois tendem a falar mal da sua empresa para os outros.

Meça sua taxa de recompra

Esse cálculo aqui é o mais simples e também o mais importante, afinal, é o objetivo principal das estratégias de fidelização. Existem duas fórmulas que podem ser aplicadas. A primeira é a seguinte:

Total de clientes / Número de clientes compraram novamente em um período x 100

Essa conta considera todo o seu universo de clientes, independentemente de quantos eles se tornaram parte de sua cartela.

A segunda fórmula é um pouco mais específica e considera os clientes que compraram e que recompraram em tempos específicos. Veja:

Clientes que compraram em um período / Número de clientes compraram novamente em um período seguinte x 100

Por exemplo, se 1.000 clientes compraram no primeiro semestre e, desse grupo, 300 fizeram novas aquisições em sua loja no segundo semestre, então sua taxa de recompra com os clientes de um semestre é de 30%.

Calcule o seu custo de aquisição de clientes

Como uma das metas de uma estratégia de fidelização é fazer os atuais clientes indicarem sua loja espontaneamente, nada mais apropriado do que medir o seu custo de aquisição.

A princípio, espera-se que, com o tempo, os gastos para atrair novos compradores reduzam. Isso se torna possível porque os seus clientes, indiretamente, passam a fazer parte de sua força de promoção e vendas.

Para fazer esse cálculo, basta dividir o dinheiro investido em campanhas de fidelização e em captação de clientes pelo número de novos compradores em um determinado período. O ideal é fazer essa conta mensal ou, no máximo, trimestralmente.

Analise a taxa de cadastro em seus programas de fidelidade

Se você optar por programas que envolvem troca de pontos ou a aquisição de cartões pré-pagos, por exemplo, é importante analisar a participação do público. Afinal, essas estratégias exigem o cadastro dos seus clientes, ou seja, fazem eles saírem do lugar e serem mais ativos.

Para fazer esse cálculo, você deve dividir o total de clientes em sua base, ou os que converteram recentemente, pelo número de compradores que confirmaram suas participações nos programas.

Torne o seu pós-venda mais assertivo e otimizado

A análise do funcionamento das estratégias de fidelização trará um diagnóstico mais realista sobre o comportamento dos clientes após comprarem em suas lojas.

Ao detectar, por exemplo, que o seu custo de aquisição de clientes se estagnou com o tempo, é porque suas ações não estimularam seus atuais compradores para recomendar seus produtos e serviços.

Esse cenário permitirá um melhor direcionamento dos seus esforços. Sua equipe passará a se dedicar no uso do seu banco de dados para a criação de estratégias mais engajadoras e assertivas, que incentivem as indicações por parte de seus clientes.

Em suma, para saber se suas ações de fidelização de clientes funcionam ou não, você deve se apegar às suas métricas de desempenho. Esses indicadores fornecem informações estratégicas sobre como e os porquês de os consumidores continuarem se relacionando com sua empresa, assim como o percentual daqueles transformaram essa lealdade em novos negócios.

Para ficar mais por dentro sobre as dicas para fidelização de clientes e outras boas práticas para o varejo, assine a nossa newsletter e receba nossos conteúdos diretamente em seu e-mail!

O cartão vale presente é uma boa opção em datas comemorativas?

As datas comemorativas são períodos em que, geralmente, o varejo costuma elevar as suas vendas. No entanto, essa mágica não funciona sozinha e não adianta esperar a boa vontade do público em comprar, ainda mais em um momento econômico tão complicado para a população como o atual.

Logo, se soluções criativas e que estimulem as pessoas a consumirem não forem implementadas, as datas festivas serão como outras quaisquer. Por isso, propomos a utilização do cartão vale-presente.?

Só para recapitular, os cartões vale-presente são pré-pagos e com seus valores carregados pelo cliente ou estipulados pela loja. Eles podem ser digitais ou físicos e os presenteados ficam à vontade para gastar posteriormente.

Neste artigo, mostraremos como essa solução é interessante tanto para o lojista quanto para os clientes. Continue acompanhando:

Vantagens do cartão vale-presente?

Para você ter uma ideia de que o investimento nessa modalidade durante as datas comemorativas vale a pena, separamos uma pequena lista com os seus três principais benefícios. Confira:

Ideal para quem não sabe como presentear?

Muita gente tem dificuldade de encontrar os presentes certos para dar nos momentos especiais. Visando compensar esse pequeno problema, uma saída interessante para esse público é vender cartões vale-presente personalizados da loja. Com isso, as pessoas dão aos presenteados a liberdade de escolherem o que bem entenderem, e que estejam dentro do valor adquirido.

Esse modelo é interessante também porque se adapta a qualquer comemoração, como aniversários, dia dos namorados, dia das mães, Natal, etc. Para cada momento, o cartão vale-presente pode ser usado de uma forma diferente. Uma solução flexível tanto para quem presenteia quanto para quem é agraciado.

Atrai mais clientes para a loja?

Quando usados em datas comemorativas, os vale-presentes garantem a presença de um cliente a mais na loja. Pois a partir do momento que uma pessoa adquire um cartão pré-pago no intuito de presentear alguém, a pessoa que o recebe tende a se tornar um cliente — ou ao menos ela já passa a ter contato com sua marca. Isso ajuda a aumentar o fluxo de pessoas dentro das lojas, gerando mais oportunidades de vendas.

Ganho extra de receitas?

Se há mais gente visitando a loja e trocando os vales por produtos, há também maiores chances de comprarem mais e, assim, aumentar as receitas do seu negócio.

É o que acontece nas compras extras, ou seja, quando o cliente presenteado resolve adquirir mais produtos além do limite do cartão, gastando somente o excedente. Por exemplo: ele tem um cartão vale-presente de R$ 100,00 e troca por R$ 120,00 em compras. Nesse caso, ele só gastará 20 reais.

Você também pode sair no lucro ao ganhar com o saldo residual (a sobra que não é gasta). Os cartões geralmente possuem valores diferentes dos produtos. Ex.: Cartão de R$ 50,00 e produto mais próximo desse valor a R$ 47,90 — essa ainda é uma diferença pequena, pois há situações nas quais sua loja pode faturar ainda mais.

Tipos de loja que usam esses modelos de cartão?

A utilização de cartões vale-presente já é difundida em muitos players conhecidos do mercado. A forma como é disponibilizado pode variar entre modelos digitais e físicos, entre os valores do cartão (25, 50, 100 até 2.000 reais, por exemplo) ou pela validade (30, 60, 90 dias, etc.).

São algumas das categorias e marcas que aderem ou já aderiram a essa solução:?

  • Varejistas: Pão de Açúcar, Extra, Casa&Vídeo;

  • Livrarias: FNAC, Saraiva;

  • Moda e acessórios: Dafiti, C&A, Marisa;

  • Eletrônicos: Amazon, Fast;

  • Bandeiras de cartão de crédito: MasterCard, Visa, dentre outros.

Benefícios para quem compra o vale-presente

Claro que se o cartão de presente beneficiasse apenas a loja, nenhum cliente compraria. A utilização dos vales também oferece grandes vantagens para quem compra o cartão e para quem recebe. Veja aqui 3 destes benefícios:

Mais tempo para decidir o que comprar

Um problema comum na hora de entregar um presente é o tempo curto. Ninguém quer perder a data da comemoração e entregar o presente atrasado, mas também pode ser que aquilo que o presenteado realmente quer esteja fora de estoque.

Com um vale-presente, por outro lado, é possível dar mais tempo ao presenteado para conseguir aquilo que realmente deseja, sem perder a chance de entregar algo no dia da comemoração.

Economia em pacotes maiores

Uma vantagem oferecida na maioria dos cartões de presentes é um bônus de crédito sobre grandes compras. Quando alguém compra um vale-presente em um valor bem alto, pode ser que o crédito oferecido no cartão seja maior do que o valor pago.

Por exemplo, um cartão de R$200,00 pode chegar com R$250,00 em crédito, como incentivo. Essa economia torna o vale ainda mais atrativo na hora de entregar um presente mais caro.

Variedade de opções

Apesar de algumas lojas oferecerem cartões de presente próprios, muitas trabalham com uma grande rede que atende outras lojas. Isso significa que não há aquela restrição sobre o tipo de produto ao qual o presenteado terá acesso. Ele não será obrigado a escolher uma roupa, um objeto de decoração, um livro ou um carro necessariamente.

Possibilidade de fazer múltiplas compras

Algo importante a se lembrar é que um vale-presente não equivale a apenas um produto. Ele é um valor de crédito que pode ser trocado por vários itens, desde que o total esteja dentro do valor estipulado. E mesmo que a compra fique acima desse valor, ainda é possível completar com outras formas de pagamento, como cartão e em dinheiro.

O cartão vale-presente é um recurso interessante porque traz vantagens para todos os envolvidos nesse processo de compra. O primeiro é o cliente, que tem dificuldades para escolher um presente e opta por uma solução flexível.

O presenteado, que fica livre para escolher quantos presentes caberem dentro do orçamento do cartão. Por fim, a loja, que recebe novos clientes, fatura com um saldo antecipado e ainda pode aumentar as vendas em aquisições extras.

Percebeu como o cartão vale-presente pode trazer bons resultados para as suas lojas nas datas comemorativas? Para saber mais sobre essas e outras vantagens para o seu negócio, assine nossa newsletter!

Cartão Vale Presente para o varejo: vale a pena investir? Veja as vantagens

Presentear pode ser uma tarefa difícil. Muitas vezes, a pessoa está cheia de boas intenções — e tem dinheiro para gastar — mas a dúvida do que adquirir pode acabar representando, para sua empresa, uma venda perdida. O vale presente para o varejo pode ser uma ótima alternativa para esses casos, tanto para o cliente como para o seu negócio.

Ainda não conhece as vantagens dessa solução? Tire suas dúvidas no nosso artigo de hoje!

Cartão vale presente e datas comemorativas

Seu negócio provavelmente já enfrentou (ou vai enfrentar) as grandes datas comemorativas no calendário. Seja Natal, Dia dos Namorados, Mães, Pais, Crianças ou até a Páscoa, o fato é que nesses períodos você vai ter muita procura de gente querendo comprar um presente para outra pessoa.

Só que existe uma certa pressão para encontrar a melhor solução. O cartão vale presente da sua loja pode entrar em cena aí como uma solução perfeita para tirar esse peso dos ombros do cliente.

Seja físico ou digital (código para usar no site), ele permite que o comprador estipule o valor para presentear ou escolha entre as opções/faixas de valor que sua loja oferece.

E quando falamos em presentear pessoas que estão longe, ele pode ser a melhor solução para poupar dores de cabeça do cliente, que não precisa se preocupar com o transporte e a entrega do item para o presenteado.

Buscando as melhores ocasiões para oferecer o cartão vale presente

Seu estabelecimento não precisa estar apenas focado nas grandes datas para oferecer o cartão vale presente. Ele também pode ser uma alternativa tentadora para muitas outras ocasiões.

Dependendo da sua área de atuação, você pode oferecer essa solução para grupos. Quer um exemplo? Uma colega grávida no trabalho e um grupo resolve se reunir para presenteá-la. O cartão vale presente da sua loja pode ser a solução perfeita, deixando que a futura mamãe escolha os itens, em vez de preocupá-la tendo que trocar um presente repetido ou que não tenha gostado.

Aumentando o fluxo de clientes

Outra vantagem é que o cartão vale presente acaba atraindo novos clientes para a sua loja, ou fazendo antigos compradores retornarem. Isso sem ter um custo de aquisição para ele. O interessante aqui é procurar ações para conquistá-lo e fidelizá-lo no ato do uso desse cartão.

Além disso, com um bom atendimento, uma boa seleção de produtos e serviços de qualidade, é possível fazer, inclusive, que ele gaste mais do que o valor do cartão.

Se uma pessoa ganhou um cartão vale presente de cem reais para comprar uma mochila, por exemplo, ele pode acabar escolhendo um modelo mais caro e complementar o valor.

Benefícios de adotar essa modalidade de pagamento

A utilização do cartão vale presente já está sendo cada vez mais difundida no mundo. Isso é bom tanto para o consumidor, que tem sua experiência de compra facilitada, quanto para os varejistas, que podem atender seus clientes mais rapidamente e com maior eficiência.

Em viagens internacionais, por exemplo, os cartões de presente são bem mais econômicos que utilizar o cartão de crédito ou o cheque viagem, já que as taxas sobre compras internacionais têm crescido nos últimos tempos.

A importância da experiência do consumidor

Oferecer uma experiência de compra de melhor qualidade para os clientes é vital para que eles retornem à compra. Coisas que, para um pequeno lojista, possam parecer sem importância, são pontos-chave para melhorar a relação entre o consumidor e a empresa.

Atendimento, canais de comunicação, variedade, acessibilidade, tudo é levado em conta quando o cliente decide se retorna ou não para sua rede. E qualquer ferramenta que contribua a seu favor é válida.

Como o cartão presente pode contribuir com essa experiência

Existem vários motivos para as empresas de varejo adotarem os cartões vale presente. De forma geral, eles beneficiam tanto a parte do consumidor quanto da loja, facilitando várias etapas do processo e melhorando a experiência de compra de forma geral. Veja alguns exemplos de benefícios do cartão presente:

Liberdade de escolha

Um dos propósitos de comprar um cartão em vez de um presente é que nem sempre se sabe o que o presenteado quer. No lugar de correr o risco de comprar algo que não seja do agrado de alguém, ou ter que fazer uma troca, o melhor é deixar o cartão com a pessoa e permitir que ela mesma escolha seu presente.

Prazo maior para compra

Outra vantagem do cartão para a experiência do consumidor é que ele possui um prazo de validade estendido, ou seja, ao contrário do prazo estipulado para troca de produto (geralmente 30 dias), geralmente o consumidor pode trocar seu crédito no prazo médio de 180 dias. 

Caso não haja nada do interesse do presenteado no momento em que ganhou o cartão, ele pode guardá-lo e esperar até encontrar alguma coisa que chame sua atenção. Aí, sim, ele usará o presente que ganhou.

Possibilidade de ganhos maiores

Vale lembrar que o cartão vale presente é um produto que pode render um ganho extra, já que 80% dos clientes trocam por valores acima do que o recebido como presente e 3 a 8% deixam valor residual. 

E, então, ficou interessado em saber como o cartão vale presente pode ajudar você a vender mais? Entre em contato com a nossa equipe e tire todas as suas dúvidas!

Conheça os 6 erros mais comuns na gestão do varejo que você não pode cometer!

O momento econômico atual pede que cada vez mais empreendedores estejam atentos para o mercado e para os seus concorrentes. No entanto, durante uma crise, você não deve olhar apenas para fora: é imprescindível conhecer os pontos de ineficiência na gestão do varejo que você administra. Eles, com certeza, estão impedindo que seus negócios tenham melhores resultados!

Para ajudá-lo a identificar onde pode estar errando nas suas lojas, vamos apresentar neste post as falhas mais comuns que costumam ocorrer na gestão do varejo. E, não se preocupe, é muito provável que seus concorrentes estejam errando também. Confira!

Os 6 erros mais comuns na gestão do varejo

Quando olhamos para os erros mais comuns no varejo, percebemos que muitos deles estão em operações de suporte às vendas, ou seja, gestão de pessoas, financeiro e marketing, entre outras. Sabemos que vender é sua principal preocupação neste momento, mas vale a pena olhar para as questões sobre as quais vamos falar a seguir:

1 – Não pensar no seu consumidor

Uma falha comum e bastante grave na gestão do varejo é não olhar com atenção para seu público-alvo. Se você não faz análises e pesquisas constantes sobre o que seu cliente busca e o que o torna satisfeito, pode estar perdendo bons negócios — tanto para a busca de novos consumidores quanto para a fidelização dos atuais.

2 – Não personalizar as estratégias de venda

Uma vez que conhece seu público consumidor, você precisa entender que ele não é formado por um perfil único. Existem diferenças etárias, regionais e de gênero que devem ser consideradas tanto na divulgação quanto no atendimento. Este fator é particularmente importante se você possui mais de uma loja, localizadas em diferentes bairros ou cidades. É possível que seja necessária adaptação até mesmo no portfólio de produtos oferecidos em cada ponto de venda.

3 – Não balancear estoque e capital de giro

Muitos empreendedores, assustados com a inflação, estão abarrotando seus estoques com produtos, para conseguir manter o preço final para o consumidor por mais tempo. Tome cuidado! Apesar de conseguir se diferenciar da concorrência por conta do preço, você pode estar perdendo importante capital de giro para novos investimentos. Outro ponto que deve ser considerado é que os produtos podem acabar se deteriorando se ficarem parados muito tempo.

4 – Apostar sempre nos mesmos produtos

Por mais que a sua empresa tenha um portfólio de produtos que garante bom volume de vendas, é preciso estar atento a oportunidades — o ideal é que você inclua novos itens antes que seus clientes busquem por eles. Além disso, sempre existe a possibilidade de apostar em serviços que contribuam para aumentar o ticket médio, como um vale presente, por exemplo.

5 – Não envolver seus colaboradores

De nada adianta ter uma excelente estratégia se os colaboradores do seu negócio não estão engajados com ela. Seu papel como empreendedor e como líder é manter este envolvimento, seja de forma direta ou por meio dos gerentes da loja. Tenha sempre em mente que os seus funcionários são, normalmente, o principal ponto de contato de seus clientes com a sua marca.

6 – Não manter um histórico de suas operações

É normal que, em momentos de maior prosperidade, não haja necessidade (ou tempo) de olhar para as informações que seu negócio fornece. Dados como ticket médio, recorrência de compra, custo por novo cliente e rentabilidade de produtos são muito valiosos para sua estratégia e é um grande erro você não analisá-los agora. Use as informações que suas lojas fornecem para tomar decisões mais assertivas e para conseguir estar à frente de seus concorrentes.

Como você pode identificar seus erros?

Mesmo conhecendo quais são os principais erros que os gestores de varejo costumam cometer, é provável que você não consiga identificar perfeitamente todos os que acontecem em sua empresa. Não se preocupe, isso é normal. Afinal de contas, o olhar de quem está totalmente envolvido na operação pode muitas vezes se tornar “viciado”.

Mas se você quer mesmo encontrar as ineficiências do seu negócio, não deixe de buscar recursos externos. Você pode procurar um Coach para melhorar suas habilidades e competências como gestor, contar com o auxílio de consultorias especializadas para as áreas que mais demandam melhorias ou, até mesmo, contratar sistemas de gestão para garantir agilidade e eficiência para suas lojas. Apenas não fique alheio ao que pode ser melhorado, pois investir em mudança trará ótimos resultados!

Gostou deste conteúdo? Assine nossa newsletter e receba mais dicas sobre gestão do varejo!

 

5 presentes criativos para vender mais no varejo

Em tempos de incertezas e em que a economia não anda bem, é preciso buscar diferentes estratégias que proporcionem vantagem competitiva perante a concorrência. Por isso, invista em presentes criativos que contribuam para o aumento das vendas do seu estabelecimento.

Fizemos uma lista com diversas opções criativas que vão ajudar o seu negócio a aumentar as conversões. Vamos a elas?

A importância dos presentes criativos para o varejo

Já se foi o tempo dos presentes clichês e sem personalidade. É preciso aprender a investir em novos formatos, presentes criativos que ajudem a sua loja a ser lembrada pela clientela, não apenas hoje, mas também no futuro. Dentre as possibilidades que você pode oferecer, podemos citar:

1 – Vale presente da loja

Às vezes as pessoas ficam com um enorme dúvida do que deveriam comprar para presentear um ente querido ou um amigo. Portanto, que tal oferecer a elas uma opção que os libertem da necessidade de escolher? Um vale presente pode ser a solução para a sua clientela e, além disso, a oportunidade para trazer novas pessoas para o seu estabelecimento.

2 – Vale presente de empresas parceiras

Dependendo da sua área de atuação, você pode trabalhar com empresas e marcas parceiras (ou pode estabelecer parcerias). Que tal aproveitar para aumentar as vendas oferecendo vale presentes dessas marcas? Garantimos que muitas pessoas vão achar maravilhoso ganhar créditos para o Netflix ou Google Play!

3 – Kits de presentes

Já reparou como alguns clientes não se decidem sobre o que levar por achar “uma caneca muito pouco e um puff demais”? Ajude o seu cliente a escolher a melhor compra a partir de kits de presentes criativos, já embrulhados e combinados. Não só ele vai gostar da sua iniciativa, como vai indicar sua loja como a solução na hora de comprar presentes.

4 – Presentes temáticos

Você não só pode como deve aproveitar as datas comemorativas para vender e lucrar ainda mais! Descubra quais os tipos de presentes criativos sua loja pode adquirir para vender no Natal, Páscoa, dia das crianças, dia dos professores, dia das mães, dos pais — as datas são muitas! Não vai faltar oportunidade! Pode ser algo pequeno, comprado por impulso no caixa ou uma linha que faça sua loja se tornar o verdadeiro espírito da data. O importante é ser atraente e ser condizente com a época do ano.

5 – Venda de experiências

Já pensou em não vender produtos, mas sim experiências? Seja para aquelas pessoas mais difíceis de agradar ou para surpreender, as experiências costumam ser mais valiosas que qualquer produto ou serviço.

Pode ser uma viagem de balão, voo de parapente ou um final de semana em um hotel fazenda. O fato é que a partir do momento em que o cliente percebe que embarcará em uma aventura, a tendência é que ele se apaixone pela ideia.

Adote a estratégia de venda casada

Sabe quando você está em um site comprando determinado produto e ele te sugere itens que também poderia gostar? Traga esta metodologia para o seu empreendimento! Sugira serviços ou produtos que podem ser adicionados às compras do seu cliente. Essa é uma ótima forma de oferecer outros presentes criativos e crescer as vendas! Treine sua equipe para ter sempre na ponta da língua aquele toque especial para fazer daquele presente algo ainda melhor.

Essas são algumas ideias de presentes criativos voltados para o varejo em que você pode investir para poder se destacar. E para vender mais e melhor, que tal conhecer algumas soluções para rentabilizar o seu negócio e gerar mais oportunidades de vendas?