Conhecer o perfil do cliente pode ajudar a vender mais

Quem nunca se pegou questionando o que o cliente realmente deseja que atire a primeira pedra!

Por mais experiência que se tenha, a natureza humana é de transformação constante, por isso é praticamente impossível manter as mesmas estratégias por muito tempo.   

Conhecendo o perfil do cliente

Não existe fórmula mágica e nem verdade absoluta. Para tentar entender e atender as expectativas dos clientes é essencial ouvir o que eles tem a dizer. Além de monitorar o que acontece no seu negócio, é importante estar atendo aos diversos estudos de mercado que surgem anualmente e que sempre  contém informações relevantes.

Como usar estes estudos?

Coletando as informações relevantes para o seu negócio e cruzando os dados disponibilizados. Por exemplo, no início deste ano a Soiux, em parceria com a Blend New Research e a ESPM, apresentou um estudo completo sobre o perfil do gamer brasileiro. O mercado de games, no contra fluxo de outros segmentos, tem um público cativo e crescente a cada ano.

O Brasil é o principal mercado de jogos da América Latina e estima-se que este universo atinja 66,3 milhões de brasileiros. Só no ano passado o segmento movimentou  US$1,3 bilhões. 

A pesquisa aborda temas como hábitos de consumo e as principais plataformas de jogos utilizadas.

Um dado que mostra a mudança de comportamento causado por este universo e revelado na pesquisa é que, se antes os games eram vistos com desconfiança pelos familiares, hoje 65% dos pais acham que, se usados com controle, os jogos podem ajudar no desenvolvimento lógico dos seus filhos.  Interessante, não?

Já outro estudo, desta fez da FEBRABAN (Federação Brasileira de Bancos) – um universo completamente diferente dos de games – mostra que apesar da pulverização da internet e o crescimento dos bancos digitais e das fintechs, ainda temos cerca de 40% da população, ou seja em média 82 milhões de brasileiros, sem relacionamento com instituições financeiras mesmo sendo economicamente ativos. 

 

Estes estudos, aparentemente de universos completamente diferentes, se complementam e são essenciais para trazer insights úteis para delinear estratégias de venda e marketing para os varejos que atendem o público jovem, por exemplo. 

Estar atento as oportunidades de mercado é importante para manter e aumentar a rentabilidade e uma maneira eficiente de se diferenciar dos concorrentes, surpreender e gerar valor ao cliente.

Gostou deste post? Então, compartilhe estas dicas nas suas redes sociais!

 

 

 

Técnicas de como aumentar as vendas no varejo.

Como aumentar as vendas no varejo, certamente, é um assunto que interessa. E, mais do que em qualquer outro setor, no varejo é a quantidade de vendas que vai diferenciar uma empresa de sucesso de outra que terá a vida curta.

Por isso é tão importante entender como estão os seus processos de vendas, como fazer para aumentar o número clientes e o quanto cada um gasta em sua empresa individualmente.

Ficou interessado no assunto? Veja algumas dicas a seguir:

Foque no atendimento

Em um mercado extremamente competitivo, o atendimento de qualidade não é apenas um diferencial, é pré-requisito para sobrevivência! Mesmo assim, muitas empresas negligenciam este aspecto das vendas no varejo. Não permita que sua empresa seja assim, garanta ao consumidor a melhor experiência de compra possível, desde o momento em que ele entrar na sua loja física ou no seu website.

Um detalhe importante: um atendimento de qualidade tem mais a ver com saber ouvir os clientes atentamente do que utilizar técnicas de persuasão. Quando o consumidor sente que tem seus problemas resolvidos e uma boa experiência de compra na sua empresa, ele se torna um cliente fiel.

Invista na capacitação da equipe de vendas

O investimento em seus funcionários é um dos mais importantes que você pode fazer em sua empresa. Uma equipe bem treinada e motivada é garantia de converter um número muito maior de potenciais clientes em compradores.

O vendedor da sua empresa deve, ao mesmo tempo, ter o conhecimento técnico para responder às dúvidas dos seus potenciais clientes e fazer com que eles tenham uma boa experiência de compra.

Ofereça produtos pré-pagos

Uma outra opção comprovadamente eficiente para aumentar a venda é a oferta de produtos pré-pagos, como recarga de celular e cartões-presente, seja da sua própria marca ou de conteúdos de grandes players como Google, Level Up, Netflix, entre outros. Além de aumentar a retenção de clientes, eles ajudam no processo de fidelização. E tenha certeza: é muito mais barato manter um cliente do que atrair um novo.

Apresente soluções inovadoras

Para se destacar da concorrência e vender mais no varejo é preciso buscar um diferencial. É ele que fará com que um cliente decida comprar na sua empresa e não em outro competidor. Invista em processos inovadores, que podem ser desde a forma em que o produto é apresentado até a escolha dos canais de distribuição.

A importância do marketing para as vendas no varejo

Para vender mais é importante ter dois fatores em mente: a conversão de potenciais clientes em compradores e a atração de mais potenciais clientes. Para o segundo fator, uma das principais armas que sua empresa terá é o marketing. É através dos canais de divulgação que pessoas que não conheciam a sua empresa poderão passar a conhecer e, talvez, tornarem-se clientes.

O investimento, porém, deve ser realizado de maneira inteligente. Entenda qual é o seu público, qual é o tipo de pessoa que se interessa pelos seus produtos, e busque prioritariamente os canais que o atinja.

Outra ótima solução de marketing são as redes sociais, como o Facebook, Twitter e Instagram. Por meio delas, você será capaz de falar diretamente com os seus clientes e potenciais clientes, muitas vezes por um investimento mais baixo do que nas mídias tradicionais.

O sucesso de um negócio e suas vendas estão diretamente ligados a capacidade da empresa em vender. Invista constantemente neste quesito, treinando sua equipe, focando no atendimento, oferecendo produtos pré-pagos, criando processos inovadores e investindo no marketing de maneira inteligente.

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn. 

Gostou do post de hoje? Não quer perder as próximas dicas? Assine nossa newsletter!

5 tendências do varejo que continuam em alta

A toda hora vemos novas tendências do varejo surgir. Aliás, não apenas no varejo, mas em todos os segmentos de negócios. Infelizmente, seja pelo volume de informações recebidas diariamente ou por falta de tempo, as tendências passar em branco e acabamos ficando para desatualizados. 

Como o mercado é dinâmico e se adapta a todo instante devido às novas tecnologias e a necessidade de inovação, preparamos uma lista com 5 estratégias que se você ainda não implantou nos seus negócios, deve começar o mais breve possível.

1 – Redes sociais como plataformas de compra

Não é novidade que as redes sociais já são aliadas do comércio. Nos sites de relacionamento é possível interagir com os clientes, divulgar os seus produtos, promover a sua marca, atrair pessoas para os seus websites, dentre outras possibilidades. A tendência é que as redes sociais ganhem mais importância e passem a ocupar uma parte ainda maior na rotina de empresários.

Um novo botão deve passar a fazer parte dos principais sites de relacionamento, como o Facebook, Twitter e Instagram, e ser integrado nas Fan Pages corporativas: comprar. Essa iniciativa levará a relação dos comerciantes com as redes sociais para outro nível.

2 – Responsabilidade social em alta

A era da informação tem levado a mudança na consciência social do grande público. A interação globalizada tem colaborado para o desenvolvimento de uma cultura mais social e um ambientalmente responsável. E isso reflete no comportamento de consumo das pessoas, que passam a procurar por marcas que se mostrem sustentáveis e socialmente preocupadas.

De acordo com uma pesquisa feita pela Cone Communications/Echo, 87% dos consumidores globais consideram a responsabilidade social das empresas na hora de efetuar uma compra. Ou seja, marcas que adotam políticas sociais e ambientais questionáveis tendem a perder clientes.

3 – Monitoramento efetivo do consumidor e da concorrência

As decisões empresariais dependem de um profundo conhecimento sobre o mercado em que atua e o perfil de seus consumidores. A produção de dados para construir esse conhecimento já é prática comum das grandes corporações, mas ainda pouco usada pelas médias e pequenas empresas. Mas isso já começa a mudar e, em 2016, elas tendem a produzir mais dados relevantes para os seus negócios.

Essa mudança de comportamento se dá pela necessidade de conhecer melhor os consumidores, analisar as suas necessidades e oferecer uma experiência de compra única que permita superar a concorrência. E tudo isso é facilitado pelo aumento de ferramentas que tornam a análise e compilação de dados mais acessíveis.

4 – Personalização das estratégias

A concorrência no mercado tem aumentado e obrigado comerciantes a se adaptarem à realidade do novo consumidor, que pode realizar compras de qualquer lugar do mundo e receber a encomenda na porta da sua casa.

Com os dados necessários é fácil personalizar a sua loja e oferecer um mix de produtos que se adeque às necessidades dos seus clientes. Quando se conhece a fundo quem é a sua persona e público-alvo, é possível desenvolver estratégias eficientes e que surtirão o efeito esperado.

5 – Estratégias para mobile se mantém em crescimento

O site ou blog da sua empresa é responsivo? Não sabe o que é isso? Ter um design responsivo significa que o seu site se adapta para qualquer que seja o dispositivo que o seu cliente o está acessando. Ou seja, se ele visita o seu site pelo smartphone, todas as informações contidas nele devem aparecer para o seu visitante da maneira adequada.

As empresas têm que se adaptar para oferecer recursos dentro desses aparelhos, que também incluem os tablets, que vão desde soluções simples, como um site responsivo, como falamos, até alternativas mais complexas, como a criação de aplicativos. A tendência é explorar recursos, como aplicativos de fidelidade, que permitem resgatar suas recompensas por meio do mobile.

Quais tendências do varejo você acredita que vai ganhar força em 2016? E em qual pretende investir? Compartilhe com a gente a sua opinião!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn. 

O que é o cartão vale presente e como ele pode ajudar a vender mais?

Apesar da popularidade no varejo dos Estados Unidos, o cartão vale presente ainda está conquistando o seu espaço no Brasil. Pra quem não o conhece, ele se mostrar uma excelente forma de presentear alguém sem que, com isso, seja preciso se preocupar se a pessoa vai gostar ou não do item escolhido.

Em nosso post de hoje, vamos explicar o que é o vale presente e por que ele pode ser uma alternativa bastante interessante e lucrativa para o seu negócio. Confira:

O que é o cartão vale presente?

O vale presente é um cartão (digital ou físico) que funciona, basicamente, de forma pré-paga, ou seja, o cliente estipula um valor para carregá-lo – muitas vezes as lojas já estabelecem as faixas de preço disponíveis – e quem o recebe pode utilizá-lo em uma próxima compra.

Tipos de vale presente

O lojista pode disponibilizar em seu empreendimento diferentes tipos de vale presente. Entre as possibilidades, estão:

  • Compra de uma só marca (serviços ou produtos);

  • Compra em apenas uma loja (física ou virtual);

  • Compra na rede de lojas de uma mesma marca;

  • Compra em várias lojas de um grupo preestabelecido;

  • Compra online e/ou em lojas físicas;

  • Parceria com instituições de crédito ou débito (Visa, Master, American Express) para uso em qualquer loja que aceite a bandeira.

É importante notar que o vale presente também pode ser do tipo recarregável. Essa é uma facilidade que permite que novos valores sejam adicionados nele no futuro, sem que, com isso, seja preciso gerar um novo cartão.

Como utilizar o cartão vale presente em sua loja?

Após escolher o tipo de vale presente ideal para adotar em seu estabelecimento, coloque em prática algumas estratégias de marketing — de nada adianta ter este item em sua loja se o consumidor não o conhece ou nem imagina que você o vende.

Faça propaganda do vale presente

Para que as pessoas possam adquirir este produto em seu estabelecimento, é preciso que elas saibam da existência dele — elas devem ser apresentadas às facilidades e possibilidades dele. Crie ações promocionais em seus canais digitais (redes sociais, e-mail marketing, blog) e físicos (flyers, banners, folders) — treine também a sua equipe para que possam incluí-lo nos discursos de venda.

Além disso, quando uma pessoa adquire este tipo de item para presentear alguém, consequentemente mais pessoas conhecerão o seu negócio, pois o presentado terá que ir até a sua loja física ou virtual para trocar o valor recebido no cartão — podendo, até mesmo, se interessar por mais coisas que você oferece.

Prepare ações exclusivas

Que tal criar pacotes de produtos e serviços que só podem ser adquiridos com o vale presente? Esta é uma excelente estratégia para influenciar o uso dele e de levar em consideração a necessidade de giro do estoque da sua loja.

O vale presente pode, sim, ser uma ótima alternativa para quem está buscando uma nova forma de atrair uma base diversificada de clientes. E, ao mesmo tempo, oferecer a eles uma experiência de compra diferente e prática — caso essa experiência se mostre bem-sucedida, você contribuirá para a fidelização deles.

Portanto, que tal aproveitar o seu calendário de ações para investir nessa possibilidade? E se tiver alguma dúvida ou comentário sobre o tema, compartilhe com a gente. Queremos saber a sua opinião!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn. 

Como usar a Inteligência Competitiva para melhorar as vendas no varejo?

Há algumas décadas, as fontes de informação competitiva eram limitadas e de difícil acesso. Com a internet e a globalização, elas se multiplicaram infinitamente e não tiveram mais fronteiras físicas para barrar o seu fluxo.

Neste novo cenário, surgiu a inteligência competitiva – também conhecida como inteligência de mercado – uma técnica de análise de informações, que permite perceber as dinâmicas do mercado (tendências e movimentos), e estudar o comportamento de clientes e concorrentes, que visa minimizar os riscos empresariais e dar suporte à tomada de decisão.

A inteligência competitiva pode contribuir de forma bastante efetiva para melhorar as vendas no varejo, captando, filtrando e tratando informações relevantes que nortearão melhorias de gestão empresarial. Ficou interessado? Veja como neste post:

Benchmarking eletrônico

Quando a empresa dispõe de um bom software integrado de gestão – que engloba informações sobre estoque, fluxo de caixa, emissão de notas fiscais, etc. – é possível usar a inteligência competitiva para fazer análises de séries históricas de informações sobre o desempenho organizacional de vendas e gestão financeira (controle de inadimplência).

Um exemplo de como isso é possível é traçando um comparativo com os dados e indicadores do seu segmento de negócios – disponíveis em entidades como CDL, Serasa e outras – para entender se o seu movimento está seguindo, superando ou ficando aquém do desempenho da concorrência. Com esta informação em mãos, é possível aperfeiçoar os processos internos de controle e vendas.

Agregação de inovações tecnológicas

Com a inteligência competitiva, fica fácil acompanhar as inovações tecnológicas que afetam o varejo, seja para tornar mais segura a concessão de crédito (cartão de crédito pré-pago); agilizar os pagamentos (pagamento via smartphone) e reduzir o volume de trocas de produtos (vale presente), por exemplo.

Estas inovações podem e devem ser agregadas aos processos comerciais da sua empresa, para aumentar as vendas, a retenção e a fidelização dos clientes.

Definição das estratégias de vendas e marketing

Aplique a inteligência competitiva no mapeamento das ações da concorrência em relação a campanhas de marketing e promoções de vendas, ampliando o fluxo de pessoas no ponto de venda (PDV).

Invista em ações segmentadas, ampliando a oferta de ações promocionais customizadas por loja, período, perfil de cliente, e região geográfica. Há no mercado aplicações via mobile integradas com plataformas transacionais capazes de operacionalizar estas ações promocionais, permitindo a análise mais assertiva de quais campanhas são mais relevantes para seus clientes e capazes de gerar melhores resultados gerando melhor retorno sobre o investimento de marketing (ROM).

Essas análises ajudam o varejista a aprimorar a negociação com fornecedores para reduzir custos de aquisição e renovar o mix de produtos ofertados.

Inteligência competitiva e sustentabilidade

Observar o mercado para conhecer a concorrência e os clientes sempre foi primordial no varejo, porém, em muitos casos, esse assunto ainda é tratado como uma tarefa casual e informal — mas lembre-se de que os seus competidores cada vez mais estão aderindo a ferramentas profissionais de inteligência competitiva para garantir a sustentabilidade dos seus negócios.

As informações geradas por intermédio da inteligência competitiva interferem diretamente na gestão estratégica do varejo, ampliando a visão mercadológica e do negócio, identificando oportunidades e ameaças e tornando sua postura proativa. Isso acontece por meio da antevisão de tendências e comportamentos, fazendo com que a empresa esteja sempre à frente da sua concorrência.

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn. 


Rogério Lima é Diretor de Marketing e Vendas da epay Brasil e escreve sobre tendências para o varejo.

4 razões para oferecer cartão presente no varejo

Algo que recentemente começou a fazer parte da realidade do varejo são os diferentes tipos de vale presente e de cupom promocional ofertados. Considerados como uma forma prática de presentear, esse tipo de vale traz vantagens que vão além daquelas experimentadas pelos clientes. O próprio varejo em geral pode se beneficiar – e muito – ao oferecer esse tipo de vale, com resultados que vão aparecer diretamente na gestão financeira do negócio.

Quer saber como isso é possível? Confira a seguir 4 razões para oferecer vale presente em seu empreendimento!

1 – Expande o ticket médio

Um dos motivos para disponibilizar esse tipo de vale é que ele é capaz de aumentar o ticket médio no varejo. Isso se deve pelo fato de que dificilmente o vale presente tem o valor idêntico ao da maioria dos produtos na loja. Com isso, se o cliente gostar de algo mais barato, é bem provável que ele escolha outro item e ultrapasse um pouco o valor do vale para inteirar o que tem disponível para compra.

Do mesmo modo, oferecer o vale presente é uma forma de criar um ambiente propício para que o cliente conheça outros itens que são vendidos em sua loja e que podem ter um valor superior ao do vale presente — se o vale presente era de R$ 50 e o cliente gostou de um item de R$ 70, ele só paga R$ 20, e o varejo experimenta um aumento do ticket médio.

2 – Aumenta o fluxo de pessoas

Oferecer vale presente também ajuda a aumentar o fluxo de pessoas dentro das lojas. Pode acontecer de alguém receber um vale de uma loja que não conhecia ou na qual não entraria em condições normais, mas ao visitá-la para usar o seu vale pode acabar se surpreendendo de maneira positiva.

Como resultado, há um aumento no número de pessoas que visitam o negócio, já que elas precisam ir até lá para trocar o vale. No geral, isso aumenta também a exposição da marca em si e gera mais oportunidades de negócio.

3 – Eleva as vendas

Juntos, o aumento do fluxo de pessoas e do ticket médio possuem como resultado um aumento geral das vendas, tanto em quantidade quanto em valor. Isso porque, como já falamos, as pessoas que vão no estabelecimento para trocar o vale podem acabar se interessando por outro item.

Com a sensação de que o produto vai sair muito mais barato graças ao vale, as pessoas tendem também a realizar compras por impulso — aquelas em que normalmente são mais caras ou então mais benéficas para o varejo, exigindo menos esforço para o convencimento do cliente.

4 – Contribui para a fidelização dos clientes

Se o atendimento estiver bem preparado para receber o fluxo de pessoas com vales, é bem possível que a fidelização seja extremamente favorecida. Com uma boa experiência de compra nesse primeiro momento, grandes são as chances de que o cliente retorne para outras compras. Como consequência, é mais fácil melhorar o ticket médio e o life time value (o quanto você gasta tentando atrair um cliente para o seu negócio), proporcionando resultados melhores.

Diante de tantos benefícios, você ainda tem alguma dúvida sobre o quão benéfico pode ser oferecer vale presente no varejo?

Visite o site da epay Brasil e conheça as diferentes para rentabilizar o seu negócio e para gerar novas oportunidades de vendas.

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn. 

Como fazer um treinamento motivacional para equipe de vendas?

No post de hoje, vamos saber mais sobre os benefícios do treinamento motivacional para equipe de vendas e como aplicá-lo na prática!

Qualquer ser humano, desde que esteja capacitado, pode cumprir um objetivo, fazendo o mínimo e trabalhando no famoso “piloto automático”. Mas somente alguém genuinamente motivado consegue entregar resultados bem acima da média, e não é difícil entender por quê. Confira:

A importância do treinamento motivacional para equipe de vendas

Indivíduos motivados encaram as metas da empresa como algo pessoal e colocam as próprias expectativas no trabalho, desafiando a si mesmos. Eles querem ser melhores não por que o gerente pediu, e sim para superarem seus próprios limites. Essa é a filosofia do treinamento motivacional: fazer com que um colaborador assimile a ideia de que progredir e aprimorar habilidades não deve ser uma obrigação, e sim algo natural, que todos precisam buscar – na profissão e na vida particular.

Motivação e crescimento andam juntos

Trazendo a conversa para o universo das vendas, é possível dizer que uma equipe motivada disputa maratonas, enquanto vendedores comuns dão voltas na praça. A motivação é o combustível que produz eficiência, fazendo com que um funcionário se sinta estimulado a ir além do óbvio, com impactos positivos na produtividade da empresa.

Também é importante que o ambiente de trabalho seja propício ao crescimento profissional. De nada adianta promover treinamentos, trazer palestrantes famosos, estimular a participação dos funcionários em cursos e workshops, se eles entendem que não há futuro no local onde estão agora. A maior motivação, em qualquer circunstância, é a possibilidade de avançar na carreira.

Como proceder para montar um treinamento eficaz

Saiba quem é quem

Antes de montar seu programa, responda à pergunta: você conhece de verdade sua equipe e compreende a fundo quais são seus interesses ou o que esperam da carreira? É preciso que o gestor saiba com quem está lidando, para então propor atividades direcionadas. Um treinamento criativo e dinâmico, mas com o foco nas questões erradas, não trará os resultados que a empresa espera.

Proporcione práticas estimulantes

Para além da excelência de conteúdo, o segredo de um treinamento motivacional bem-feito é a duração. Seja qual for a abordagem escolhida, faça com que o treinamento termine no pico da motivação, e não em queda.

Não subestime o papel do feedback

A equipe acertou? Então conte a ela! Discuta os resultados, fale sobre as estratégias que funcionaram e as que devem ser abandonadas, planejando os próximos passos. Gestores evasivos ou inacessíveis, incapazes de uma boa conversa, jamais serão líderes motivadores. O feedback pode ser adotado na hora certa para corrigir rumos e celebrar acertos, fazendo com que a equipe saiba para onde ela e a empresa devem seguir.

O treinamento motivacional deve atender a um propósito

Histórias sobre monges e executivos podem ser inspiradoras, mas só servirão se forem adequadas ao contexto da empresa. Não planeje treinamentos repletos de lições simbólicas, metáforas confusas e nada mais. Valorize o tempo das pessoas e faça com que valha à pena estar ali, que eles tirem proveito, principalmente pela qualidade da aprendizagem proporcionada.

Procure respostas para perguntas específicas

Um treinamento eficaz deve ser capaz de sanar dúvidas reais e palpáveis, e uma boa forma de fazê-lo é estabelecer questões claras que devem ser respondidas ao final: que comportamentos nocivos devem mudar na equipe? Que valores poderiam contribuir para a melhora da performance na abordagem do cliente? Qual é a meta de venda realista para o próximo trimestre? Qual é o aumento desejado para as vendas feitas a clientes novos este mês? Dentre tantos outros questionamentos.

O treinamento motivacional é uma ferramenta poderosa. Defina seus objetivos, reflita sobre a equipe que você tem nas mãos e pense na melhor estratégia para fazer com que todos queiram se dedicar mais ao negócio. Acima de tudo, deixe claro que essa não é uma política individualista: ao contrário, é um jeito de fazer com que todos saiam ganhando.

Sua empresa adotou o treinamento motivacional para a equipe de vendas? Tem ainda alguma dúvida? Compartilhe com a gente!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn

Como mensurar a fidelização de clientes no varejo?

É inegável que estratégias que buscam a fidelização de clientes sejam essenciais para o sucesso de um negócio. Consumidores fiéis compram mais, fazem propaganda gratuita e diminuem o custo de aquisição de clientes. E estas são apenas algumas das vantagens que se pode identificar nesta estratégia.

Então, como mensurar a fidelização de clientes em negócios em que a maior parte das etapas dr compra é feita por cada um deles? Esta é a realidade de lojas com autoatendimento e de varejo que atuam em larga escala.

Continue lendo para descobrir esta resposta e também dissecar o conceito de fidelização de clientes que revolucionará sua visão sobre a experiência de compra dos seus consumidores.

Razões que tornam um cliente fiel à loja

Para mensurar a fidelização de um cliente, é preciso primeiro saber o motivo da preferência dele por determinada loja ou produto.

Clientes podem ser fiéis a uma loja por sua localização, especialidade em determinado produto ou porque ela proporciona uma experiência de compra prazerosa e completa.

Para as razões estruturais ligadas fundamentalmente aos 4 Ps do marketing, pesquisas de satisfação podem ajudar a mapear as características que fidelizam o cliente.

Mas para as outras razões de ordem emocional, a análise precisa ser feita com outro viés. Uma boa solução seria a pergunta decisiva, proposta por Frederick Reichheld no livro “The Ultimate Question”, pois com ela seria possível quantificar o sentimento de satisfação do cliente.

A pergunta decisiva e o Net Promoter Score

“Em uma escala de 0 a 10, quão disposto você se sente em recomendar nossa loja para seus amigos?”.

Aplicar um questionário eletrônico com esta simples pergunta ao final de uma venda permite que a empresa classifique o nível de fidelização dos clientes em uma escala, o Net Promoter Score.

Os clientes que dão nota entre 0 e 6 são considerados desertores, aqueles que informam nota 7 ou 8 são classificados como passivamente satisfeitos e, por último, aqueles que dão notas 9 ou 10 são considerados promotores.

Um alto volume de clientes passivamente satisfeitos pode sugerir que a fidelização deles esteja relacionada às razões estruturais, seja o preço ou localidade privilegiada. Já os promotores podem ser relacionados às duas principais razões e, por isso, quanto maior o volume deles, melhor será o índice de retenção de clientes.

Estratégias comerciais para fidelização de clientes

Diversas estratégias de vendas estão ligadas à fidelização de clientes e sempre remetem às razões pelas quais eles estão comprometidos com a loja.

Por isso, a importância de conhecer o perfil dos consumidores e criar estratégias que atendam às suas necessidades.

Upselling e Cross selling

Oferecer versões melhoradas ou outros produtos que complementem a experiência do cliente com o produto é uma forma de gerar novas vendas, ao mesmo tempo em que conquista a simpatia do cliente.

Quando corretamente realizadas, as vendas de Upselling e cross selling demonstram o caráter consultivo da venda, onde a loja deseja que o cliente seja plenamente atendido pelo seu produto.

Atendimento ao cliente com excelência

Outra estratégia para fidelização de clientes é o investimento em treinamentos, processos e informações que possam melhorar o atendimento ao cliente.

Usando softwares de gestão de clientes e outras ferramentas inovadoras é possível personalizar o atendimento e encantar o cliente com a antecipação de suas necessidades.

Marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo tem grandes retornos de fidelização dos consumidores, pois foca seus esforços em educar o cliente sobre determinado produto ou serviço.

Seu funil de vendas conduz o cliente da atração, consideração e entendimento da necessidade para a derradeira concretização da venda. Ele, dessa forma, confiará muito mais na empresa por sua autoridade no assunto e também respeito ao tempo de decisão.

Eficiência dos clubes de benefícios

Também considerados como estratégias comerciais que fidelizam a clientela de um varejo, os clubes de benefícios e vantagens merecem um capítulo à parte.

Sua estratégia é ainda mais completa, pois além de incentivar a preferência pelo consumo na loja, também permite diversificar e ofertar outros produtos que o cliente não consumia antes.

Para criar um modelo de benefícios com foco na fidelização de clientes, cupons promocionais e cartões presentes são excelentes ferramentas. Quer saber mais sobre eles e suas funcionalidades inovadoras? Então, curta a página da epay no Facebook!

Overdelivering: entenda como encantar clientes no seu varejo

A sua empresa aposta em overdelivering? Se você ainda não conhece ou pratica este conceito, saiba que ele pode ser um poderoso aliado para suas perguntas sobre como encantar clientes no seu varejo.

Overdelivering pode ser traduzido simplesmente como entregar além do esperado pelo público consumidor, surpreendendo-o e criando assim um vínculo com a marca.

Para deixar mais claro, você já se perguntou o que possuem em comum algumas das empresas que mais têm conquistado espaço no mercado por meio de promotores de sua marca? Um ótimo exemplo é o Uber, aplicativo que facilita o acesso ao serviço de transporte privado. A razão do sucesso desta empresa é justamente o overdelivering: ao solicitar um transporte, ninguém espera ter água, balinhas e seu estilo musical preferido tocando no rádio. Esses fatores não são fundamentais para que o transporte aconteça, mas certamente tornam a jornada muito mais agradável. Quem não quereria repetir essa experiência?

Por que overdelivering ajuda a encantar clientes?

Sem dúvidas, encantar clientes é uma das prioridades do seu varejo neste momento, não é mesmo? Com a economia em desaceleração, conquistar, fidelizar e criar promotores para sua marca o ajudam a ter um diferencial competitivo no mercado e não sofrer com baixas em vendas.

Mas como o overdelivering ajuda a encantar clientes? A resposta é bastante simples: uma pessoa em sua rotina diária realiza uma série de transações, das mais simples às mais complexas. Em um mesmo dia ela pode tomar café na padaria, chamar um táxi para chegar até o trabalho, almoçar em seu restaurante favorito, comprar pela internet ingressos para o cinema ou contatar um corretor de imóveis para procurar um novo apartamento.

Normalmente, todos esses micro-momentos acontecem de forma bastante semelhante ao esperado pelo consumidor. Mas qual o impacto quando um desses negócios resolve surpreendê-lo, oferecendo mais do que ele espera? Com certeza, esta empresa criará um vínculo mais forte com seu cliente por meio de encantamento e geração de valor percebido.

Overdelivering: por onde começar

Agora que você já entende porque o overdelivering ajuda a encantar os clientes no seu varejo, está na hora de começar a pensar em quais são as ações podem ser colocadas em prática agora mesmo. Listamos aqui algumas sugestões, mas é importante lembrar que cada empresa possui seu perfil de cliente e conhecê-lo é fundamental para acertar na estratégia!

Cupons de desconto

Oferecer desconto é um grande facilitador para uma futura transação, além de um benefício bastante real para o cliente. Dessa forma, a chance de um consumidor retornar até o seu empreendimento para realizar mais alguma compra aumenta consideravelmente.

Brindes

Um brinde pode aumentar seu custo, mas certamente gera valor percebido para seus clientes. Invista em brindes úteis e associados à sua marca. Além disso, de acordo com o seu nicho de atuação, as possibilidades para presentear os seus clientes são muitas!

Personalize seu atendimento

Você não precisa ter custos altos para encantar seu cliente, basta começar entendendo qual o perfil de compra e conhecendo o histórico dele em seu varejo. Assim, você consegue investir em personalização e entregar uma experiência bastante diferenciada a ele.

Começar a praticar overdelivering e encantar clientes no seu varejo é simples, basta escolher a forma que mais tem a ver com a sua marca. Apenas lembre-se: para não fazer feio, um segredo é não prometer o que você não pode cumprir!

E então, sua empresa está oferecendo overdelivering para os clientes? Como isso tem ajudado seu varejo em fidelização? Compartilhe com a gente a sua experiência com essa estratégia!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn

O marketing sensorial vai melhorar suas vendas!

Para quem busca soluções inovadoras para atrair clientes e gerar mais vendas, o marketing sensorial pode cair muito bem. Essa estratégia consiste em explorar os cinco sentidos: visão, audição, tato, olfato e paladar para oferecer uma experiência memorável e diferenciada aos consumidores. É um conceito que abrange técnicas que vão além do marketing tradicional — normalmente focado em conquistar o público pelos olhos e ouvidos.

O foco do marketing sensorial são os pontos de venda, onde o contato entre marca e cliente é mais próximo, além da possibilidade de se trabalhar com todos os sentidos. Aliás, vale destacar que em média 70% das decisões de compra são tomadas no PDV, segundo pesquisa da Nielsen. Logo, oferecer uma experiência marcante para impulsionar as chances de venda é um caminho para os gestores que querem conquistar o consumidor por fatores além de preço, promoção, conveniência, etc.

Continue acompanhando e veja como o marketing sensorial pode ser o ponto de partida para a construção de uma marca forte, que atraia, encante e fidelize mais clientes.

A importância do marketing sensorial

Esse tipo de marketing, quando bem aplicado, é muito eficaz para gerar diferenciação e reforçar o posicionamento da marca no mercado. Isso acontece porque para o consumidor é mais fácil lembrar de uma empresa ou loja que o marcou pelo cheiro, pelo gosto de uma comida, pela música e iluminação ambiente — são sentidos que não costumam ser aguçados de maneira diferente, pois os clientes estão acostumados a um padrão visual e comportamental de compra.

Outro detalhe é o entendimento da influência do espaço físico sobre a decisão de compra dos consumidores. Por exemplo, quando uma mulher entra em uma loja de roupas para adquirir uma blusa, ela sente tudo que o ambiente proporciona. Logo, uma das ideias do marketing sensorial é aproveitar este espaço criar mais valor à compra dessa cliente. Mas como isso ocorre? Entenda no próximo tópico.

A aplicação do marketing sensorial

Como um dos princípios básicos dessa estratégia é diferenciar a marca, o passo inicial é viabilizar a transmissão de valores da empresa para os clientes e otimizar o ponto de venda. Nesse ponto, vale explorar a criatividade e a estrutura para criar uma iluminação personalizada, uma ambientação que varie de acordo com a proposta da marca, inserir móveis para acomodar os clientes, colocar perfumes em lojas, corredores ou produtos ordenados de maneira estratégica, e muitas outras possibilidades para mexer com as percepções do público.

A segunda etapa é analisar os concorrentes e verificar se eles usam alguma estratégia de marketing sensorial. No caso de pizzarias, por exemplo, pouco adiantaria expor no salão o cheiro das pizzas saindo do forno se a maioria dos outros estabelecimentos já utilizam essa fórmula. Você até atingiria o objetivo de aumentar as chances de venda por aguçar um sentido, mas dificilmente sua marca estaria gravada na mente dos consumidores, a não ser que o aroma fosse muito diferente dos demais.

O exemplo da Dunkin’ Donuts

Esse case bem-sucedido foi aplicado na Coreia do Sul. O objetivo da empresa era aumentar o consumo de café nas lojas da empresa na capital Seoul, mercado altamente concorrido, com nomes de peso, como Starbucks. A ação visou estimular a audição e o olfato, e consistiu na aplicação de aromatizadores em ônibus que tinham sistema de rádio. Nos transportes públicos, toda vez que o anúncio da Dunkin’ Donuts tocava, o dispensador disparava um leve aroma de café que conectava o público à marca.

Esse experimento sensorial impactou 350.000 pessoas, aumentou as visitas nas lojas em frente de pontos de ônibus em 16% e as vendas cresceram 29% — veja o vídeo do case.

Para ter sucesso com o marketing sensorial é imprescindível estudar as motivações e as necessidades reais de compra do seu público, além de monitorar as ações da concorrência. A partir dessa análise será possível criar ambientes ou situações que estimulem a lembrança da marca, quando fora do PDV, ou que levem até a conversão e encantamento, quando dentro do ponto de venda.

Percebe como o marketing sensorial valoriza o consumidor como ser humano e reforça os laços de envolvimento dele com as marcas que praticam esse marketing? Vamos continuar esse debate nos comentários. Participe e deixe suas impressões!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn