Natal 2016: saiba como aumentar o ticket médio do varejo nesta data

O Natal, assim como em outras datas comemorativas, é um período de enorme expectativa para o varejo. O fato de os consumidores ficarem mais propensos a gastar é o que alimenta esperança das lojas de faturarem mais, principalmente nessa crise. Por isso, tão importante do que só aumentar as vendas e o número de compradores, é impulsionar o valor do ticket médio. Afinal, não adianta ter um bom giro de estoque e uma grande cartela de clientes se a receita não crescer quando você mais precisa, não é verdade?

Neste artigo, preparamos 6 dicas para você desenvolver ações com o objetivo de tornar as suas vendas maiores e mais lucrativas no Natal 2016, aumentando o seu ticket médio e tornando o seu varejo mais lucrativo. Confira a seguir!

Crie lembretes personalizados

Se a sua loja já tem uma base de contatos com atuais e potenciais clientes, é válido usar seus canais de relacionamento (e-mail, redes sociais, SMS, etc.) para fazer uma comunicação personalizada com esse público. Podem ser enviados lembretes, mensagens ou ofertas com a temática natalina, como, por exemplo, supermercados que promovam os itens para compor a ceia ou lojas de departamento que mandem dicas de presentes.

Venda kits de produtos

As cestas de presente costumam funcionar bem em datas comemorativas porque são mais agradáveis visualmente e para o consumidor é vantajoso, e não vai ser diferente no Natal 2016. O benefício percebido está em adquirir um conjunto de produtos que se fossem comprados separadamente, sairiam mais caros. Lembre-se de dar uma roupagem característica da data para os kits e atente-se para incluir somente produtos relacionados entre si.

Ofereça cartões de presente do seu varejo

A vantagem desses cartões é que eles são pré-pagos, logo, é uma receita antecipada que a sua loja assegura. Mais do que isso, você pode ganhar com o saldo que sobrar ou com gastos adicionais (caso o usuário do cartão se interesse por produtos que vão além do limite de crédito) — o que, consequentemente, contribui para aumentar o ticket médio do varejo.

Para os clientes também é uma alternativa vantajosa, especialmente para aqueles que têm mais dificuldades de presentear os outros. Eles podem dar o cartão e deixar com que o presenteado escolha o que achar melhor.

Integre sua loja física com a virtual

Essa ideia está muito ligada ao conceito de Omnichannel. A integração se tornou necessária porque muitos consumidores não veem mais diferenças entre a presença física e virtual de uma marca. Agora tudo deve ser uma coisa só e sua loja deve tirar proveito disso. Você pode oferecer a possibilidade de o cliente comprar no virtual e retirar no físico, usar o mesmo cupom de desconto ou cartão de presente nos dois ambientes, etc.

Faça o marketing de incentivo

Esse tipo de marketing se baseia na ideia de motivar e premiar os clientes que se interessarem em indicar sua marca para amigos e pessoas próximas. É um método relativamente mais barato que o investimento em mídias tradicionais (TV ou jornal) e é apropriado para melhorar o relacionamento e fidelização daqueles que já compram em suas lojas. A captação de novos compradores feita por uma comunicação pessoal (em vez de institucional/comercial) tende a ser melhor percebida pelo público.

Conceda frete gratuito

Mas não precisa ser necessariamente em todas as compras, ok? A concessão gratuita da entrega deve ser colocada como um privilégio, como uma conquista para os clientes que atingirem determinada meta.

Você pode criar um valor mínimo para o frete (50, 100, 200 reais) e que sirva como referência para o público. Afinal, ele vai preferir gastar mais de 50 reais e ter uma entrega isenta de cobrança do que comprar 40 reais e arcar com os custos de frete.

Perceba que você pode atuar em diversas frentes para ter vendas mais lucrativas. As dicas estão englobadas em áreas, como relacionamento com o cliente, omnichannel e ações promocionais. Portanto, é interessante combinar mais de uma dessas práticas para crescer o seu ticket médio no Natal.

Lembre-se de que, para ter sucesso com essas ações, sua equipe de vendas deverá estar devidamente treinada e motivada para executá-las com perfeição.

E aí, você já usou alguma dessas estratégias para aumentar o ticket médio em outros Natais? Compartilhe conosco suas experiências e aproveite para deixar sugestões e tirar todas as suas dúvidas!

5 ações para aumentar a rentabilidade do varejo

Os últimos anos tem sido difíceis para trazer otimismo em relação ao aumento da rentabilidade do varejo no Brasil. O mau momento econômico ainda gera insegurança, mas isso não quer dizer que as soluções não devam ser buscadas e implementadas para as empresas, ao menos, reduzirem os impactos da crise.

Diante desse cenário, resolvemos trazer 5 ações que poderão fazer sua empresa gerar mais vendas e receitas durante essa fase de instabilidade econômica. Acompanhe!

1. Diversificar o seu mix de produtos

Apostar em aumentar a variedade do seu mix de produtos pode ser um caminho interessante para atrair novas demandas em seus estabelecimentos e aumentar a rentabilização do varejo. Você pode investir na inclusão de novas categorias de ofertas, linhas premium e/ou de marcas mais baratas. A ideia é gerar ganhos com o crescimento do ticket médio ou do volume de saídas.

Para isso, é importante estudar os hábitos de compra e o que mudou no comportamento do seu consumidor durante a crise. Assim, será possível entender se os clientes estão buscando mais qualidade, comodidade, variedade, novidade ou preço baixo, por exemplo.

2. Eliminar os excessos de estoque

Os dois principais passos para evitar os excessos de estoque são planejar e organizar melhor seus processos de logística. A ideia é trabalhar com a previsibilidade de demanda, tendo como base os dados de venda das suas ofertas, os históricos de compra do seu público e considerando as sazonalidades. Dessa maneira, sua empresa poderá reduzir custos e eliminar os gargalos na entrada e saída de produtos.

Antecipar a demanda é relevante, por exemplo, para diminuir os riscos de adquirir um volume muito alto de mercadorias com baixa ou nenhuma saída

3. Resolver falhas no abastecimento

Esse tópico basicamente se trata do inverso ao problema anterior: a falta de produtos no estoque. Isso também é causado por falta de planejamento e previsão de demanda, pois não são calculadas as chances de um determinado produto vender mais durante um certo período. A falta de mercadorias armazenadas tem um impacto direto no consumidor, que pode não encontrar o que procura ou o que é anunciado em suas lojas.

Além da questão dos estudos sobre a demanda, é válido estreitar as relações com os seus fornecedores. Em tempos de crise, é até comum que a indústria aumente os valores de suas matérias-primas. Para que isso não prejudique sua margem de lucro ou recaia sobre o que é cobrado ao consumidor final, deve-se buscar negociações nas quais os preços com os fornecedores sejam reduzidos. É um dos únicos modos de preservar sua margem e manter preços competitivos.

4. Investir em promoções

As promoções são estratégias que quase sempre funcionaram bem no varejo. O uso de descontos, brindes e sorteios costumam atrair bastante a atenção e os gastos do público. Contudo, esses são recursos que não devem ser usados o tempo todo, pois os consumidores podem se acostumar mal.

Muitos clientes podem acabar criando vínculos com sua marca em função das promoções e dos preços baixos. A propósito, eles podem acreditar que o preço menor é o padrão. São situações que põem em risco a atratividade da sua empresa, especialmente quando não estiver fazendo alguma promoção. Portanto, procure manter um espaçamento entre as ações promocionais, principalmente aproveitando datas comemorativas.

5. Faça programas de fidelização

As estratégias para manter seus clientes comprando são eficientes porque reduzem os gastos para trazer novos compradores e garantem a entrada de receitas em médio e longo prazo. Por isso, é importantíssimo investir em ações que assegurem uma relação próxima com esses consumidores após suas primeiras compras. Entre as táticas, pode-se aplicar:

  • Envio de ofertas e promoções exclusivas via e-mail;

  • Criação de programas de pontos;

  • Compartilhamento de conteúdo com dicas para os clientes aproveitarem melhor as compras;

  • Ofertas de cartões presente nos aniversários ou em datas comemorativas.

Para aumentar a rentabilização do varejo nessa crise econômica, deve-se apostar em medidas que atraiam mais consumidores às suas lojas, tornem sua logística mais inteligente, reduzam os custos e fidelizem os atuais clientes.

Uma solução inovadora e que cumpre bem esses objetivos é o cartão presente, logo, aconselhamos que você confira nosso artigo com 4 razões para oferecer cartão presente no varejo!

Para quem o cartão recarregável é uma ótima solução?

Desde o ano de 2013, o uso de cartão recarregável no Brasil tem só aumentado. E as transações com a ferramenta já estão consolidadas entre consumidores e empresas do comércio.

Além de esse tipo de cartão fornecer mais uma opção para compras, vendas e transações que envolvam dinheiro em geral, abriu espaço para uma massa de milhões que não são bancarizados e/ou possuem restrição ao crédito.

Quer saber por que a solução tem tantos adeptos e beneficia a pessoas físicas e jurídicas? Confira:

Inclusão da classe C e de negativados

Pessoas com menos recursos e salários baixos apresentam dificuldade em ter cartão de crédito junto ao sistema bancário. Além disso, esse perfil torna-se inadimplente mais facilmente, o que esgota definitivamente as possibilidades de acesso ao crédito.

Com o surgimento e a disseminação dos pré-pagos, passaram a utilizá-los como forma de poderem ter acesso a serviços de assinatura de conteúdo, compra de aplicativos e jogos mobile e até a aquisições no e-commerce. Anteriormente, tudo isso era dificultado.

Expansão às demais classes

A facilitação ao consumo não ficou de exclusividade da classe C. Os mais abastados também viram no cartão de crédito recarregável uma forma segura, prática e ágil de usar o dinheiro.

Basta acessar a página da empresa emissora do cartão e facilmente gerenciar valores e fazer transações online. Tudo é simples como a própria adoção à ferramenta, feita sem sair de casa ou ter de fazer cópias de documentos.

Possibilidade para compradores de mercadorias importadas e nacionais

Uma das grandes vantagens do pré-pago é não pagar juros e ter um limite intransponível. Desse modo, fica mais fácil controlar gastos e economizar. Para pessoas que desejam comprar produtos não disponíveis no Brasil ou mais baratos no exterior, pode ser a única solução. Pois nem sempre se consegue obter um cartão (principalmente internacional), ainda mais com crédito, no banco do qual se é cliente. E o recarregável torna possível fazer essas aquisições.

Algumas vezes, comprar online do território nacional também só é possível na modalidade crédito, tornando esse cartão indispensável.

Viagens com cartão de crédito recarregável

Mesmo que viajantes em geral tenham boas condições financeiras, grande parte deles passou a utilizar o pré-pago nas idas ao exterior.

Isso ocorreu pela segurança financeira percebida por eles na ferramenta. Os cartões podem ser carregados em moeda nacional ou já na estrangeira e usados nas opções crédito à vista ou débito. Na volta ao Brasil, não há fatura com juros, taxas e uma possível conta maior pela possibilidade constante de valorização das moedas estrangeiras.

Aumento de vendas no varejo

Segundo pesquisa encomendada pela administradora Mastercard ao Boston Consulting Group, cerca de R$ 100 bilhões foram movimentados no Brasil em 2014 em transações com pré-pagos. E mais, o número teve aumento de 30% em 2015. Muitas vendas, especialmente na classe C, não teriam ocorrido sem essa possibilidade de pagamento. Aliás, tudo isso ocorreu em meio a uma grave crise econômica. Essa movimentação se deu pela facilitação, citada anteriormente, da aquisição de produtos para todas as classes e também pela segurança monetária obtida nos gastos em viagens.

Ainda há muitos negócios abrindo mão de fatia de negócio por não darem essa possibilidade de pagamento ou não contarem com uma solução personalizada para sua própria empresa — como cartão presente ou pré-pago da organização. E não percebem que tais formas de aquisição ajudam a fidelizar clientes.

Ainda tem dúvida sobre o impacto do cartão de crédito recarregável no varejo brasileiro? Seu comércio proporciona esse tipo de facilitação aos consumidores? Compartilhe a sua opinião com a gente!

5 excelentes dicas para superar a crise econômica no varejo!

Já é comum ouvirmos o noticiário anunciar altas na inflação e na taxa de juros do Banco Central, aumento de inadimplentes e do desemprego e a crescente restrição de crédito. Não há como negar que uma grave crise econômica assola o país, dificultando a vida dos empreendedores.

Mas apesar de o cenário não estar propício para as empresas, não é impossível reverter a situação. A primeira dica é não se desesperar diante da recessão e manter o foco, porque o varejo conta com fatores que o ajudam a ter sobrevida e superar a crise. Quer aprender como? Então, acompanhe o nosso post de hoje!

1 – Manter o foco

Para passar pelo período de adversidade econômica, é importante não desviar a sua empresa de seus objetivos e ideais. Foque a força do seu empreendimento naquilo que ele oferece de melhor, mantendo a qualidade dos seus produtos e serviços e o preço competitivo. Não deixe que a crise afaste o seu negócio dos seus objetivos — este é o primeiro passo para vencê-la.

2 – Oferecer qualidade e inovação

Os momentos de crise são também momentos em que o consumidor faz escolhas certeiras. Por isso, o seu varejo precisa oferecer qualidade e, melhor ainda, inovação. Afinal, o que desperta mais o interesse de compra dos clientes do que um serviço inovador?

Durante a recessão econômica, o poder de compra fica diminuído, fazendo com que os consumidores comprem apenas o essencial ou aquilo que desperte muito o interesse. Manter o foco volta a ser importante nessa etapa, para que a sua empresa consiga agregar valor aos seus produtos.

O valor que um cliente enxerga em seus produtos é subjetivo e variável, porque depende do que cada consumidor busca encontrar na sua loja. Mas é inegável que qualidade, durabilidade, exclusividade e preço justo são fatores que agregam valor e aumentam as vendas.

3 – Fazer boa gestão

Em tempo de crise, ter uma gestão eficiente pode ser um propulsor do sucesso para os empreendedores. Procure fazer cortes de gastos: reduza as despesas possíveis, renegocie dívidas, aluguéis e contratos com fornecedores, e valorize as suas boas parcerias comerciais.

Busque eliminar os desperdícios, além de evitar e diminuir despesas. Pequenos cortes, como materiais de escritório, papéis e tintas já podem gerar economias significativas. Ser proativo e criativo nesse ponto é fundamental.

Inevitavelmente, alguns fatores fugirão ao seu controle enquanto gestor — como a concorrência e o volume de vendas —, mas ter conhecimento pode ser o fator determinante para contornar a situação.

4 – Investir em atendimento e marketing

Para vender mais, é interessante transformar o atendimento do seu negócio em um diferencial competitivo. No varejo, o atendimento prestado é completamente decisivo para o futuro dos negócios, especialmente em tempos de crise econômica.

O cliente tem de passar pela sua loja, se interessar, entrar, comprar e acabar voltando. Para isso, pode ser interessante apostar produtos diferenciados que aumentem o seu mix. Além disso, investir em um marketing bem direcionado e atrativo pode fazer toda a diferença e trazer mais clientes para o seu empreendimento.

No entanto, é importante ter cuidado para não exceder as despesas investindo em atendimento e marketing. Busque soluções eficientes, como fazer uma orientação da sua equipe de vendedores e dê preferência a produtos alternativos e com baixo investimento como recarga de celular e cartão presente.

5 – Liderar e planejar

Tempos de incerteza e recessão pedem, mais do que nunca, líderes focados e envolvidos com sua própria equipe e com seu negócio. Decisões difíceis podem surgir, então é importante estar em constante aperfeiçoamento.

Sua equipe pode precisar de motivação a mais nesse período. Para deixá-la mais empenhada, o líder deve assumir o papel de energizar o seu time de vendas e mostrar a importância de se dedicar ao trabalho para conseguir superar a crise por meio da produtividade. Para tanto, é importante ter planejamento e estabelecer metas claras às quais o seu empreendimento deverá ser dirigido.

Agora você conhece as melhores dicas para superar a crise econômica no varejo e lidar melhor com as adversidades da recessão, permitindo que seu negócio continue a crescer. Para ficar sempre por dentro das nossas dicas, assine agora mesmo a nossa newsletter!

5 tendências do mercado no exterior para ficar de olho!

É indispensável dispor de uma visão ampla e pensar estrategicamente para acompanhar as inovações que o mercado — cada vez mais instável e dinâmico — exige. Executivos tomadores de decisão devem ficar antenados em busca de reflexões e insights para multiplicar ideias dentro da organização e assegurar que sua empresa não fique para trás em meio a um cenário tão competitivo.

Que tal saber mais sobre as tendências do mercado no exterior? Confira, neste post, como elas podem influenciar o varejo brasileiro em 2016!

1 – Integração de canais de venda

O fato de os consumidores estarem conectados e expostos a informações 24 horas por dia, faz com que empresas e líderes tenham a necessidade de abandonar ações que separam o online e o offline, para dar lugar ao novo conceito de venda All line, que visa integrar os canais de vendas e evidenciar que marca deve ser única, independentemente do meio.

Trata-se de um processo complexo — por exigir muita capacitação, um forte propósito da marca e um senso de pertencimento entre os envolvidos — e revela a necessidade das empresa buscarem ações e ferramentas capazes de obter informações e, assim, gerar conhecimento assertivo sobre os clientes, produtos, necessidades e desejos.

Um exemplo disso é o Big Data que, cada vez mais difundido, é utilizado para proporcionar um atendimento personalizado e de acordo com o perfil de cada consumidor.

2 – Ampliação da Tecnologia de Smartphones

Em tempos de alta conectividade e velocidade, a tecnologia móvel já é uma realidade, com o aumento do números de aparelhos smartphones. A grande sacada é desenvolver estratégias de marketing, pensando nesse tipo de dispositivo e focando na experiência do usuário ao criar uma aproximação e ampliar a interação do consumidor com a marca.

Entre os recursos tecnológicos, estão as ações que integram o cartão de crédito ou da conta do telefone para efetuar pagamento por meio do aparelho móvel.

3 – Geração do Streaming

A geração do streaming cresce velozmente e é composta, em sua maioria, por adolescentes, segundo pesquisa do ConsumerLab. São consumidores vorazes e que estão dentro de plataformas, como o YouTube, Netflix e de jogos online.

Desse modo, fica clara a importância de oferecer a alternativa do uso de cartão pré-pago para facilitar o acesso a tais conteúdos para um público que talvez não poderia comprar sem o uso de cartão de crédito ou débito.

4 – Experiência de Consumo

Como os clientes estão mais exigentes — com acesso facilitado ao leque extenso de opções para consumo — é um ponto vital a forma como estes interagem com a empresa. Alguns fatores como a qualidade de performance dentro do site, pagamentos eletrônicos com segurança ou a qualidade no atendimento são capazes de influenciá-los de positiva ou negativamente.

Nesse sentido, a Experiência de Consumo é uma preocupação que a empresa deve ter para direcionar suas estratégias de maneira efetiva e com foco no consumidor. Desse modo, resoluções, inovações e autenticidade contribuirão para o engajamento dele com a marca, produtos e serviços.

5 – Economia de Compartilhamento

Na Economia de Compartilhamento e colaborativa, investir em parcerias estratégicas — entre indústria e varejo, empresas de meios de pagamentos e prestadoras de serviços, por exemplo — é um fator fundamental para as empresas alcançarem níveis superiores de performance e garantir sua sobrevivência no mercado.

Essa atitude leva à redução de prazos de desenvolvimento de produtos e soluções, ou seja, reduz o tempo entre análise de um produto e a sua disponibilização para a venda.

Em meio ao cenário econômico atual brasileiro, reciclar os processos e aplicação da tecnologia, capacitação de equipe e eficiência de todo sistema de valores alinhando às mudanças e evoluções da sociedade e do comércio, certamente garantirá a construção de bases consistentes e sustentáveis para superar metas e desafios próximos — só assim será possível posicionar sua empresa à frente no mercado.

Já conhecia essas tendências do mercado no exterior? Deseja receber mais notícias sobre o mercado varejista? Assine nossa Newsletter e não deixe escapar nenhuma novidade!

Acompanhe também a epay Brasil no Linkedin e no Facebook!

Conheça os 6 erros mais comuns na gestão do varejo que você não pode cometer!

O momento econômico atual pede que cada vez mais empreendedores estejam atentos para o mercado e para os seus concorrentes. No entanto, durante uma crise, você não deve olhar apenas para fora: é imprescindível conhecer os pontos de ineficiência na gestão do varejo que você administra. Eles, com certeza, estão impedindo que seus negócios tenham melhores resultados!

Para ajudá-lo a identificar onde pode estar errando nas suas lojas, vamos apresentar neste post as falhas mais comuns que costumam ocorrer na gestão do varejo. E, não se preocupe, é muito provável que seus concorrentes estejam errando também. Confira!

Os 6 erros mais comuns na gestão do varejo

Quando olhamos para os erros mais comuns no varejo, percebemos que muitos deles estão em operações de suporte às vendas, ou seja, gestão de pessoas, financeiro e marketing, entre outras. Sabemos que vender é sua principal preocupação neste momento, mas vale a pena olhar para as questões sobre as quais vamos falar a seguir:

1 – Não pensar no seu consumidor

Uma falha comum e bastante grave na gestão do varejo é não olhar com atenção para seu público-alvo. Se você não faz análises e pesquisas constantes sobre o que seu cliente busca e o que o torna satisfeito, pode estar perdendo bons negócios — tanto para a busca de novos consumidores quanto para a fidelização dos atuais.

2 – Não personalizar as estratégias de venda

Uma vez que conhece seu público consumidor, você precisa entender que ele não é formado por um perfil único. Existem diferenças etárias, regionais e de gênero que devem ser consideradas tanto na divulgação quanto no atendimento. Este fator é particularmente importante se você possui mais de uma loja, localizadas em diferentes bairros ou cidades. É possível que seja necessária adaptação até mesmo no portfólio de produtos oferecidos em cada ponto de venda.

3 – Não balancear estoque e capital de giro

Muitos empreendedores, assustados com a inflação, estão abarrotando seus estoques com produtos, para conseguir manter o preço final para o consumidor por mais tempo. Tome cuidado! Apesar de conseguir se diferenciar da concorrência por conta do preço, você pode estar perdendo importante capital de giro para novos investimentos. Outro ponto que deve ser considerado é que os produtos podem acabar se deteriorando se ficarem parados muito tempo.

4 – Apostar sempre nos mesmos produtos

Por mais que a sua empresa tenha um portfólio de produtos que garante bom volume de vendas, é preciso estar atento a oportunidades — o ideal é que você inclua novos itens antes que seus clientes busquem por eles. Além disso, sempre existe a possibilidade de apostar em serviços que contribuam para aumentar o ticket médio, como um vale presente, por exemplo.

5 – Não envolver seus colaboradores

De nada adianta ter uma excelente estratégia se os colaboradores do seu negócio não estão engajados com ela. Seu papel como empreendedor e como líder é manter este envolvimento, seja de forma direta ou por meio dos gerentes da loja. Tenha sempre em mente que os seus funcionários são, normalmente, o principal ponto de contato de seus clientes com a sua marca.

6 – Não manter um histórico de suas operações

É normal que, em momentos de maior prosperidade, não haja necessidade (ou tempo) de olhar para as informações que seu negócio fornece. Dados como ticket médio, recorrência de compra, custo por novo cliente e rentabilidade de produtos são muito valiosos para sua estratégia e é um grande erro você não analisá-los agora. Use as informações que suas lojas fornecem para tomar decisões mais assertivas e para conseguir estar à frente de seus concorrentes.

Como você pode identificar seus erros?

Mesmo conhecendo quais são os principais erros que os gestores de varejo costumam cometer, é provável que você não consiga identificar perfeitamente todos os que acontecem em sua empresa. Não se preocupe, isso é normal. Afinal de contas, o olhar de quem está totalmente envolvido na operação pode muitas vezes se tornar “viciado”.

Mas se você quer mesmo encontrar as ineficiências do seu negócio, não deixe de buscar recursos externos. Você pode procurar um Coach para melhorar suas habilidades e competências como gestor, contar com o auxílio de consultorias especializadas para as áreas que mais demandam melhorias ou, até mesmo, contratar sistemas de gestão para garantir agilidade e eficiência para suas lojas. Apenas não fique alheio ao que pode ser melhorado, pois investir em mudança trará ótimos resultados!

Gostou deste conteúdo? Assine nossa newsletter e receba mais dicas sobre gestão do varejo!

 

5 alternativas de inovação no varejo

Um dos assuntos que, desde 2015, mais preenchem os noticiários na mídia é a crise econômica no Brasil. Os números realmente são desanimadores, como a taxa de desemprego batendo 9%, retração do PIB de 3,8%, inflação passando dos 10% e uma queda acumulada de 7,6% no consumo das famílias, segundos dados levantados pelo portal Exame e pelo Serasa Experian. O comércio é um dos setores que mais sentem e a inovação no varejo pode ser uma das saídas para gerar bons resultados em meio a esse difícil momento.

No artigo de hoje, você conhecerá 5 alternativas estratégicas para o seu negócio se destacar mesmo em tempos de crise. Acompanhe!

1 – Investimento em mobile

Não é nenhuma novidade que as pessoas estão tendo mais acesso às tecnologias móveis e as consumindo com maior frequência em seus dispositivos móveis. Só para ter uma ideia, o consumo em lojas virtuais por smartphones e tablets chegou a 15% do total de toda a participação financeira, segundo o relatório Webshoppers.

Diante desse cenário, é preciso olhar para os dispositivos móveis como uma alternativa interessante para atrair mais consumidores. Ações como ter um site responsivo ou desenvolver aplicativos para interagir com esses usuários são opções para extrair mais resultados no mobile.

2 – Melhorar a experiência de consumo

Você já parou para pensar se o seu cliente está satisfeito com tudo que ele vivenciou e experimentou até comprar algum produto em sua loja? E quais fatores poderiam aprimorar ainda mais a experiência de consumo do seu público?

Pensar nessas questões é importante para entregar uma experiência que encante os seus clientes. Eles precisam superar suas expectativas, encontrar motivos que os façam voltar a comprar e indicar suas lojas para amigos e pessoas próximas. O momento é de reter compradores e nada melhor do que fazê-los felizes a cada vez que forem em seu estabelecimento.

3 – Estratégias de SAC 2.0

Com o crescimento do número de usuários das redes sociais, o telefone hoje não é mais o único meio onde as empresas podem oferecer suporte e atender seus clientes. Facebook, Twitter, Instagram, WhatsApp, Viber, e-mail, todos são alternativas para se comunicar diretamente com seu público e resolver problemas pontuais. Para muitos consumidores, esses novos canais podem ser até mais cômodos e práticos para entrar em contato com as lojas.

Uma boa estratégia de SAC 2.0 envolve um atendimento rápido (o Facebook sinaliza com um selo as páginas que respondem rapidamente as mensagens enviadas pelos usuários), abertura para solucionar problemas por fotos e vídeos, ouvir o seu público e investir no relacionamento para gerar engajamento e fidelização dos clientes.

4 – Marketing de defensores

Também conhecido como Advocate Marketing, esse tipo de marketing usa os clientes mais satisfeitos e engajados com a marca para servirem como referências aos potenciais compradores e que precisam de um estímulo mais concreto para comprar em uma das suas lojas.

Marketing boca a boca, recomendações e indicações costumam funcionar bem mesmo durante as crises, pois tão importante quanto preço baixo (que é o que a maioria das lojas fazem) é conquistar o consumidor pela confiança, ou seja, pela opinião de alguém satisfeito com seus produtos — usando de provas sociais para estimular o consumo.

5 – Uso de cartões pré-pagos

Os cartões pré-pagos são ótimas alternativas do ponto de vista do controle financeiro, tanto para o cliente quanto para o varejista. O consumidor sabe quanto tem para gastar e evita surpresas indesejáveis na chegada da fatura. Além do mais, passa a ter uma experiência de compra mais personalizada e pode usufruir de descontos.

O varejista passa a ter controle sobre o saldo a ser utilizado e pode ganhar com o valor que não for gasto. Ele ainda pode aproveitar esse cartão como ferramenta em uma estratégia de fidelização e em ações promocionais.

A busca pela inovação no varejo deveria ser constante, independentemente do momento econômico de um país. Contudo, alternativas inovadoras costumam se sobressair durante a crise.

E você, conhece outras ideias que poderiam entrar nessa lista? Compartilhe suas dicas com a gente!

4 dicas para tornar o PDV irresistível!

Para o seu cliente, será que é a primeira impressão é a que fica ou, para ele, o “livro” não é julgado pela capa? Pode ter certeza de que ele se comporta de acordo com a primeira opção. Isso porque, hoje, o consumidor está cada vez mais exigente e espera que as empresas ofereçam a melhor experiência de compra para ele. Além da satisfação promovida pelo serviço ou produto, portanto, ele deve se sentir bem no seu ponto de venda.

O PDV é o primeiro contato que o cliente vai ter com a sua empresa. Na verdade, essa pode ser considerada a sua primeira abordagem de venda, afinal, caso ele não ache o ambiente aconchegante ou atrativo, certamente irá diretamente para a concorrência. Por isso, você deve investir em estratégias para torná-lo realmente atrativo.

Nesse post, vamos passar uma lista com 4 dicas para que você consiga sucesso neste aspecto! Confira!

1 – Padronize o design

Em primeiro lugar, na hora de arquitetar o design do seu PDV, você tem que pensar nos aspectos materiais do seu negócio. Quais são os produtos vendidos no seu PDV? Como é o logotipo do seu negócio? É preciso que tudo isso se comunique com um visual atrativo e coerente, afinal, o ideal é quando os clientes conseguem associar rapidamente as cores, a tipografia, entre outros fatores, à sua marca. Essa é uma etapa fundamental para o branding da sua empresa, ou seja, a consolidação da marca no mercado.

2 – Observe os aspectos subjetivos

Existem, também, os aspectos mais subjetivos. Por exemplo, analise e pense qual é o perfil do consumidor na hora de elaborar a arquitetura da sua loja e qual é a experiência que você quer transmitir. Esse ponto deve ser avaliado tanto do ponto de vista da arquitetura do local – um estabelecimento com um público idoso deve evitar escadas, por exemplo –, quanto do ponto de vista da decoração – a loja será mais discreta ou extravagante?

3 – Cuidado com a composição de vitrines

Se o design e a arquitetura são importantes por conta de aspectos de branding, a composição de vitrines, por outro lado, é o cartão de visitas da sua loja. A exposição correta de produtos e promoções podem ser juntas um grande chamariz. Se você não tem talento para esse tipo de exposição, não deixe de contratar algum vitrinista, ou procure entre os profissionais que já atuam na sua loja alguém com sensibilidade para a tarefa.

4 – Atenção aos Hot Points

Existem pontos na sua loja que podem induzir o cliente à compra e, portanto, é preciso que você fique muito atento a eles. Basicamente, os principais pontos são a entrada e o caixa. Exponha os produtos mais requisitados bem na entrada, para que os clientes sejam surpreendidos já no início. No caixa, por outro lado, é importante deixar alguns dos produtos mais baratos, afinal, o cliente certamente já escolheu o que pretendia, mas pode ter interesse em algum acessório, lembrancinha, entre outros itens.

Gostou das nossas dicas? Que outros aspectos você considera importante na composição do ponto de venda? Deixe o seu comentário!

Como manter o varejo aquecido em tempos de crise?

Quando a economia de um país não vai bem, o consumidor tem menor poder de compra e, com isso, quem sofre é o comércio. O varejo, que fechou 2015 com queda real de 3,9 nas vendas, precisa encontrar formas de repensar suas estratégias de negócios, comunicação e vendas para minimizar os impactos negativos. Entre receitas antigas e inovadoras, existem soluções interessantes para as empresas se destacarem em tempos de crise.

Fizemos a nossa parte e separamos 6 ideias. Confira!

Fortaleça a relação com seus atuais clientes

Um dos maiores erros durante uma recessão é perder os clientes mais fiéis. O ideal é investir naqueles que estão com a empresa mesmo nos momentos mais difíceis, pois são esses consumidores que enxergam mais valor no empreendimento. Portanto, é válida a criação de programas de fidelidade, promoções exclusivas, personalizar o atendimento, interagir mais com eles nas redes sociais e mandar felicitações ou presentes em datas comemorativas.

São ações que variam seus custos relativamente baixos e reforçam o vínculo com os consumidores, mantendo-os próximos e com mais chances de continuar comprando.

Aumente sua prospecção

Além de cuidar de quem é fiel à sua marca, os gestores devem estudar o mercado para identificar os consumidores mais voláteis. Nesse grupo, excluem-se, também, os clientes leais aos concorrentes, mais difíceis de mudarem. O foco deve ser a parcela do público que enxerga poucas diferenças entre as marcas.

Qual a solução para isso? Fazer pesquisa de mercado, conhecer as reais necessidades desse grupo de consumidores e investir no mix de marketing para propor mais valor.

Use cupons promocionais

Os cupons funcionam bem para atingir o público que coloca o preço como fator principal em uma compra, além de ser uma alternativa na fidelização de clientes. Eles podem ser distribuídos em ações promocionais na loja, no site, nas redes sociais ou, no caso de leads e atuais clientes, por e-mail e SMS.

Qualquer tipo de redução de preço é bem-visto pelo consumidor, principalmente com a inflação alta, e faz a marca sempre ser lembrada pelo público que busca por soluções mais viáveis financeiramente.

Otimize os investimentos em comunicação

Comunicação e marketing são duas áreas que costumam ser afetadas com reduções no orçamento global de uma empresa em tempos de crise. Nesse caso, o melhor é alocar os recursos em opções mais baratas, mas que geram um grande retorno. É o caso, por exemplo, do marketing digital e suas ferramentas: como o Inbound marketing, e-mail marketing, social media e compra de tráfego.

Além de serem mais baratos para anunciar e se comunicar que os meios tradicionais, são excelentes fontes de receita e possuem uma capacidade de mensuração que dá ao gestor total controle sobre suas campanhas digitais.

Foque em nichos pouco explorados

Isso pode ser feito de duas formas: acrescentando produtos e serviços para atingir um público-alvo mais específico ou aumentando o número de pontos de venda para conquistar território.

Em relação a primeira opção, analise quais podem ser essas novas ofertas e o quanto elas se alinham com as atuais, bem como as possibilidades do seu target presente não se sentir desprestigiado pela empresa.

A segunda situação é tão arriscada quanto a primeira, mas pode ser uma experiência compensadora se os mercados dos novos pontos de venda forem promissores e não terem a presença de um concorrente forte na região.

Adote novas formas de comercialização

Um gestor pode inovar nas formas de venda dos seus produtos e serviços. Um modelo cada vez mais adotado é o uso de soluções pré-pagas, como cartões presente e cartões digitais (virtuais) da própria marca. São alternativas eficientes para facilitar o processo de compra, fidelizar os clientes (o cartão só pode ser usado nas próprias lojas da rede) e gerar receitas com o saldo não gasto pelos consumidores.

Em tempos de crise, o melhor que o varejo pode fazer é não deixar de investir em soluções que mantenham os atuais e tragam novos clientes. Relacionamento, prospecção, promoções, comunicação e estratégias inovadoras fazem parte desse pacote para não deixar que a recessão afete ainda mais o comércio.

E você, o que tem feito para que as vendas em sua rede de lojas continuem aquecidas? Participe nos comentários e compartilhe suas ideias!