O poder do display de cartões pré-pagos: muito mais do que o impulso da compra

Todo fornecedor de varejo sabe que o display é a vitrine mais importante para expor o seu produto, e o varejo por sua vez sabe a importância de ter os produtos certos nestes espaços. 

Pensando nisto, quando se tem a oportunidade de usar uma das vitrines mais caras de um supermercado, que é o espaço diante do caixa, é preciso aproveitar ao máximo.

Por que o espaço do caixa é tão importante? 

Uma das vantagens do caixa é claro, é o tempo de permanência dos clientes parados no mesmo local.

Enquanto estão aguardando na fila, ou caso não haja fila, enquanto estão depositando os produtos na esteira e aguardando para pagar, eles ficam diante de uma série de opções de compras.

Mesmo não sendo itens que estavam em sua lista ou de sua principal necessidade, são itens que ocasionam a compra por impulso.

Os displays de cartões pré-pagos de conteúdo, como Netflix, Xbox, Ongame, Riot, League of Legends, entre outros que proporcionam ao consumidor a opção de adquirir créditos para esses serviços ou jogos, pagando os cartões no caixa, ficam justamente na entrada dos caixas. Ou seja, não é só a vitrine para a compra do cartão em si: é muito mais do que isso, é uma vitrine de exposição da marca.

Agora imagine o cartão presente marca própria da sua rede exposto junto com todas estas marcas… 

Mesmo que o consumidor resista à curiosidade de testar um desses cartões, ou resista ao impulso de comprar um que esteja precisando, ele está exposto às marcas, penduradas organizadamente em displays exatamente à altura dos seus olhos.

E isto gera gatilhos mentais que faz com que o cliente lembre da sua marca ou das marcas expostas em momentos propícios, como por exemplo na hora de presentear. 

O poder inconsciente da exposição à marca já foi provado e comprovado ao longo da história do marketing e da publicidade. Portanto, mesmo que o espaço do caixa seja condicional para a venda dos cartões, não se deve jamais menosprezar essa grande vantagem.

Mas lembre-se que é essencial manter os displays sempre limpos, organizados e recheados de cartões, cada um em seu respectivo gancho – e nunca misturados – são condições ideais para que toda essa exposição compense muito além da ativação do cartão.

 

Atendimento ao cliente: tornando o relacionamento mais próximo

É impossível imaginar que uma empresa sobreviva num mercado cada vez mais competitivo, caso não saiba se relacionar com os diversos segmentos do público-alvo. Ter bons serviços é muito importante, porém o atendimento ao cliente é um diferencial muito valorizado atualmente.

Conhecer o mercado, ter uma boa infraestrutura e profissionais capacitados tecnicamente são requisitos primordiais, mas não ajudam a melhorar a imagem de uma organização, quando os clientes não são tratados com o devido respeito e atenção.

Confira, neste post, dicas valiosas para a sua empresa ter uma boa qualidade no atendimento ao público.

Facilite a vida do consumidor

É preciso convencer os clientes de que os serviços e os produtos oferecidos vão ser úteis. Para isso, o bom vendedor deve explicar como funcionam — o ideal é procurar sempre facilitar a rotina do consumidor.

Além de mostrar os benefícios do que será vendido, é importante buscar alternativas para facilitar a compra. Pensando nisso, muitas empresas estão adotando o cartão pré-pago, que pode ser usado na aquisição de produtos e serviços.

Atenda sempre de forma cordial

No primeiro encontro, o vendedor, geralmente, trata o cliente como um verdadeiro rei. Isso acontece porque uma nova oportunidade de negócio é sempre uma maneira de deixar o funcionário mais motivado.

É natural esse tipo de comportamento. Contudo, é preciso utilizar alternativas para o colaborador ter mais empenho nas vendas. A atenção, o bom humor e a paciência são aspectos essenciais para cativar e manter os clientes identificados com a empresa.

Tenha agilidade para resolver problemas

O consumidor está com o tempo cada vez menor para resolver problemas. Por isso, precisa de opções práticas e rápidas para ter qualidade de vida e conforto. Se uma empresa deseja ser referência no mercado, precisa se colocar no lugar do cliente.

Uma maneira de fazer isso é compreender como ele se comporta e do que precisa. Assim, será mais ágil criar e disponibilizar serviços e produtos que vão facilitar o cotidiano dos clientes.

Parceria ajuda no atendimento ao cliente

Tenha certeza de que qualquer consumidor fica insatisfeito ao perceber que uma empresa o trata de maneira indiferente após a compra.

Ninguém gosta de se sentir um “objeto descartável depois de ser usado”. Qualquer organização deve evitar, ao máximo, que o consumidor tenha esse tipo de pensamento.

Para fugir dessa situação, é essencial ter uma pesquisa sobre a prestação dos serviços com espaços para sugestões e críticas. Isso pode ser feito pela Internet (site e questionários online) ou por telefone.

O consumidor está cada vez mais exigente e se a empresa não perceber essa tendência, estará correndo o sério risco de perder espaço para os concorrentes.

Fidelizar vale a pena

Quem não gosta de ter um cliente fiel? Esse tipo de pessoa mostra que a organização está no caminho certo. Porém, a qualidade dos serviços e o relacionamento precisam sempre ser aperfeiçoados.

Uma forma de melhorar o atendimento ao cliente é oferecer o cartão fidelidade. Esse recurso possibilita ao comprador um desconto, quando adquire produtos ou serviços de uma empresa de maneira frequente.

A epay Brasil sabe da importância de ter uma boa relação com o público-alvo. Por isso, procura interagir com os consumidores nas redes sociais: Facebook e LinkedIn. Não deixe de nos seguir e acompanhe as nossas ações para atendê-lo melhor!

Sazonalidade de vendas: como aproveitar ainda mais?

Sombrinha, fantasia, ovo de chocolate, cobertor, panetone, churrasqueira e aparelho de ar-condicionado, o que existe em comum entre estes produtos? Tente adivinhar! Não faz a menor ideia? O que eles têm em comum é a sazonalidade de vendas! Todos eles têm picos de vendas em determinada época do ano e, no resto do ano, vendem pouco ou nada.

Por que isso acontece? Porque o mercado é cíclico, ou seja, existem hábitos de consumo relacionados aos ciclos do ano, como estações e datas comemorativas. Fique atento para as dicas que daremos para que a sua empresa aproveite as sazonalidades para faturar mais. Confira:

Blinde o seu mix de produtos

Estude os hábitos de consumo do seu cliente ao longo do ano e escolha um mix de produtos que contenha itens adequados para cada ciclo, além de tornar possível ter uma média de vendas estável o ano todo. Por exemplo:

Em um restaurante é possível servir alimentos específicos para cada época do ano. No verão, saladas e sucos refrescantes, na quaresma, bacalhau, no inverno, fondue e caldos quentes.

Já uma empresa que vende ar-condicionado deve oferecer serviços de manutenção para todos os clientes, já que os filtros do aparelho precisam ser trocados periodicamente. Trabalhar também com aparelho climatizador de ar, que pode ser vendido o ano todo. E, ainda, credenciar a empresa como instaladora dos aparelhos.

Renove o seu mix de produtos

Acompanhe os lançamentos de produtos em feiras, eventos setoriais, centros comerciais e grandes atacadistas para diversificar e renovar o seu mix de produtos. Dessa forma, você consegue quebrar a monotonia para os seus clientes fiéis e atrair novos.

Crie promoções

Aproveite as datas comemorativas para realizar promoções específicas, como, por exemplo:

  • Em um restaurante: promover jantares especiais nos dias das mães, dos namorados, dos pais, natal e ano novo, aproveitando o ciclo de acontecimentos.

  • Em uma loja de cosméticos: fazer ofertas especiais nas datas comemorativas e criar kits de produtos para presente, que permitem vender mais do que se deixar os produtos dispersos para escolha do cliente.

Ambiente a sua loja adequadamente

Faça a decoração da sua loja com motivos relacionados aos eventos sazonais: equilibre as cores, os enfeites e as luzes para destacar os produtos no ambiente interno e nas vitrines.

Faça reservas

Nos momentos de pico de vendas, reserve uma parcela dos lucros, pelo menos 30%, para garantir as despesas operacionais dos períodos de baixa.

Amplie os meios de pagamento

Aceite cartões pré-pagos, vale presente e todas as bandeiras de cartão de crédito, assim, você destrava as vendas que podem estar sendo represadas por causa da limitação dos meios de pagamento.

A sazonalidade de vendas não precisa ser um problema. Ela pode ser convertida em oportunidades desde que sua empresa saiba adequar e diversificar o mix de produtos, agregar novos serviços, realizar promoções, tornar a loja atrativa em todas as épocas do ano e fazer reservas financeiras para superar baixas das vendas.

Agora que você já aprendeu sobre a sazonalidade de vendas, leia também: Como aproveitar a crise econômica para vender mais?

Varejo: 6 dicas para motivar o colaborador a ter mais empenho nas vendas!

O varejo costuma ser afetado variações da economia e sazonalidades, que podem enfraquecer as vendas até mesmo dos melhores vendedores. Por isso, motivar o colaborador de lojas de varejo é fundamental, pois um volume de vendas baixo pode representar mais do que um prejuízo pessoal para ele, mas também um fator de desmotivação.

A motivação é um combustível para que os funcionários estejam diariamente focados em suas vendas e influencia o clima da loja, envolvendo outros membros da equipe e clientes, que ficam mais propensos a comprar.

Se sua empresa está precisando de novas ideias para elevar a motivação da equipe de vendas, acompanhe algumas dicas poderosas para envolver a equipe e manter a motivação nas alturas!

1 – Permita que o colaborador ajude a definir metas

Um dos grandes fatores de motivação é também o que mais cria estresse para os funcionários de vendas, o plano de metas. Ele precisa ser definido por meio das necessidades da loja, mas também considerar as habilidades de cada funcionário.

Apresente ao funcionário a quantidade de vendas por produto que precisa ser realizada no período e permita que ele ajude a definir sua meta de vendas de acordo com um mínimo necessário. Isso o deixará mais motivado por ter sua opinião considerada e esperançoso de que pode produzir bons resultados.

2 – Crie processos de vendas simples de compreender

Quando o funcionário domina suas tarefas, trabalha mais confiante e motivado. Criar processos de abordagem, venda e pós-venda simples e objetivos pode ser um bom caminho para a motivação do time de vendas.

Isso dará mais tempo para o funcionário se dedicar às vendas, à conquista de novos clientes e ao aprendizado de suas funções.

3 – Fuja do básico e ofereça cartões pré-pagos como premiação

Os cartões pré-pagos recarregáveis são excelentes opções para premiação de funcionários. Conquistando suas metas, ele recebe um cartão com valor preestabelecido, em que pode usufruir em uma rede de estabelecimentos específica.

Como ele não pode ser sacado, o funcionário acaba utilizando sua premiação para adquirir bens e produtos que realmente trarão satisfação pessoal, o que é um dos fatores motivacionais mais eficazes das premiações.

4 – Atue como coach para motivar o colaborador

Ao atuar como um coach para os colaboradores, o gestor da equipe demonstra que a empresa quer dar oportunidades de crescimento e desenvolvimento profissional.

Além de feedbacks sobre a correta execução do trabalho, ele também pode receber orientações sobre a postura profissional, conhecimentos que deve adquirir e como se desenvolver para conquistar seus objetivos.

Com este acompanhamento, o colaborador entenderá que sua atuação no trabalho é muito mais importante e significativa.

5 – Alivie o clima de tensão do varejo

A pressão e o clima de tensão para o cumprimento de metas é ainda mais desmotivador.

Portanto, ao invés fazer cobranças frequentes e deixar o clima ainda mais tenso, procure aliviar o ambiente músicas envolventes, ofereça lanches inesperados e comentários positivos que contribuam para a equipe consiga bater as metas estipuladas.

6 – Comemore as vitórias

Comemorar as metas batidas, o desempenho da equipe ou o progresso de cada um dos colaboradores é a forma de afirmar o esforço dos funcionários e também de demonstrar que a empresa valoriza o trabalho deles.

Faça comemorações mensais, mande e-mails parabenizando as conquistas e valorize as premiações.

Motivar o colaborador do varejo pode ser muito mais vantajoso do que investir em campanhas publicitárias para atrair novos clientes.

Quando um colaborador está motivado, consegue vender muito mais e melhor para os clientes fiéis, que além de manterem-se conectados com a sua loja, ainda divulgarão sua qualidade gratuitamente para outros potenciais compradores.

Você já fez um comparativo dos valores investidos em premiações para colaboradores e em anúncios promocionais? Qual deles teve melhor resultado nas vendas? Comente com a gente a sua opinião!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn

Gestão de vendas e business intelligence: qual a relação entre eles?

O business intelligence (BI) vem sendo um grande aliado de cada vez mais negócios rumo ao crescimento. Principalmente por meio do tratamento de dados — coleta, análise, organização e exposição de informações — de várias fontes.

Por conta disso, a gestão de vendas de um empreendimento pode se beneficiar dessa geração de resultados e oportunidades. Com a plataforma, os processos da área podem ser mais exatos, devido aos gráficos e dashboards que o BI proporciona — inclusive com previsões e monitoramento de dados em tempo real.

Neste post, acompanhe a relação entre o business intelligence e a gestão de vendas e saiba quais são as respostas que podem ser encontradas para o seu negócio.

Business intelligence e sua função

A utilização de diagnósticos e indicadores gerenciais precisos são boas práticas para somarem no planejamento estratégico.

Com a lapidação de toda a carga de informações que a plataforma extrai, pontos a serem aperfeiçoados, imperceptíveis sem a ferramenta, são revelados. Além disso, o BI — com dados também externos à empresa, como de consumidores e mercado de atuação — fornece análises preditivas, o que também é muito importante para o plano de ações.

BI na gestão de vendas

Além das possibilidades e dos resultados que já citamos, gestores de vendas podem melhorar processos de rotina e prever ações necessárias ao andamento sustentável e correto das atribuições do departamento. Dentre eles, podemos citar:

Controle do estoque

Além do trabalho com informações passadas, o business intelligence também monitora dados em tempo real. Com esse acompanhamento e com a posse do histórico de saídas, a solução pode prever quando será necessário repor estoque, agilizando a decisão, adiantando procedimentos e mantendo-o sempre controlado.

Análise da equipe de vendas

Para esse quesito, temos o encaixe perfeito dos dashboards, pois vendedores têm metas a serem alcançadas. E o BI permite que todos os números relativos ao trabalho da equipe sejam acompanhados em tempo real por painéis de controle. Essa funcionalidade junto aos gráficos podem revelar correções necessárias sobre equipe e à atuação dela.

Acompanhamento da experiência do cliente

Os dados de vendas e pós-venda colhidos e filtrados pela solução têm potencial para revelar porque a carteira de clientes ou o número de consumidores cresceu, estancou ou diminuiu.

Assim, o responsável pode avaliar melhorias e investimentos a serem feitos em atendimento, agilidade de conclusão de transações, reação a objeções de compra e demais formas de melhorar a experiência do comprador.

Previsão de tendências de mercado e consumo

Os responsáveis pela gestão de vendas devem direcionar a equipe de acordo com os quesitos que acabamos de abordar.

E fazer isso tendo um suporte, que o auxilia no acompanhamento de fatores externos, torna sua atuação mais precisa e eficiente — existe a agilidade do preparo embasado disponibilizado pelo BI.

Tendo em mente dificuldades geradas por fatores alheios em curto e longo prazos, que fazem necessário aperfeiçoamento na gestão de vendas, evita-se perda de fatia de mercado ou ineficiência em operações. E, por outro lado, em um cenário favorável ao negócio, o profissional pode mudar o planejamento também, porém visando maximizar o futuro impacto benéfico constatado.

Com a aplicação da ferramenta no setor, os benefícios estendem-se até mesmo ao setor de marketing. Já que com percepções vindas diretamente do departamento que lida com os clientes e seus perfis, mudanças podem ser feitas na estratégia para que ela atinja o público-alvo de maneira mais assertiva, de modo a gerar mais oportunidades de negócios.

Agora que você sabe como o business intelligence é potente na otimização da gestão de vendas, veja três dicas para vender mais analisando dados!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn

Realidade Aumentada no Varejo: entenda como a inovação irá alavancar as vendas!

Não é nenhuma surpresa que a tecnologia é uma importante aliada das marcas, pois possibilita um relacionamento de forma cada vez mais inovadora com os seus clientes. Mais recentemente, com a popularização e desenvolvimento dos smartphones, novos modos de interação entre o público e as ofertas foram criados. Uma dessas novidades que se consolidaram nos últimos anos foi o uso da realidade aumentada no varejo.

Já que as formas tradicionais de marketing não atraem os consumidores como antes, a utilização de tecnologias diferenciadas pode ser um caminho interessante para os varejistas. Dessa maneira, vamos nos aprofundar um pouco mais no universo da realidade aumentada e ver como ela pode ser útil para alavancar as vendas nas lojas. Confira a seguir!

O que é realidade aumentada?

A realidade aumentada é uma tecnologia que coloca objetos virtuais para interagirem com objetos reais a partir do uso de um software ou aplicativo. Com ela, podemos mudar a forma como nos relacionamos com o mundo, inclusive as relações de consumo.

Um exemplo prático é o uso de smartphones que, quando ativam a câmera por meio de um determinado aplicativo, aparecem objetos virtuais sobre o cenário físico filmado e transmitido naquele momento. Nesse caso, poderiam ser as informações de um notebook assim que a câmera do usuário apontasse a câmera para o produto enquanto ele estivesse na loja e usando o app da marca.

É importante reforçar que o uso da realidade aumentada depende de um software, aplicativo ou sistema que possa interpretar o sinal vindo da câmera e do objeto real como referência. Essa tecnologia usa conteúdos, ações e respostas predefinidas a cada interação programada com os itens reais e virtuais.

Como ela pode ser inserida no varejo?

O principal objetivo da realidade aumentada no varejo é proporcionar uma experiência de compra e relação diferenciada aos clientes. Por exemplo: os consumidores, por meio dessa tecnologia, podem interagir com produtos, com a vitrine ou com o ambiente de uma loja mesmo sem estar fisicamente no estabelecimento.

Outro ponto a se destacar é que essa tecnologia visa simplificar o processo de compra por parte dos clientes. Basta pensar na facilidade que uma pessoa teria ao experimentar um sapato ou uma camiseta em casa, apenas usando um aplicativo da loja e a câmera do seu smartphone para se visualizar com as peças. Mais do que isso, o consumidor pode adquirir o produto pelo próprio app ou, pelo menos, ter uma decisão de compra tomada ao ir para a loja.

A realidade aumentada, dependendo da maneira como é implementada por sua empresa e entendida pelo público, tem tudo para gerar um impacto positivo em sua taxa de conversão.

Realidade aumentada além das vendas

O uso dessa tecnologia não está atrelado apenas ao viés puramente comercial. A realidade aumentada abre tantas possibilidades que é plausível a sua aplicação em outros segmentos, como segurança, educação, literatura, entretenimento e treinamento interno. Aliás, as duas últimas áreas podem, indiretamente, melhorar o relacionamento da sua empresa tanto com o público externo quanto interno, o que resulta em melhores oportunidades de negócio.

Vamos ver na prática essas duas possibilidades que destacamos de aproveitamento da AR em entretenimento e treinamento:

  • No primeiro caso, o uso mais comum é para a criação e desenvolvimento de jogos, como o popular Pokémon Go (falaremos mais sobre ele ao final do post);

  • No segundo, a realidade aumentada pode colocar um colaborador em contato com gráficos e dados de um processo ou produto apenas com a utilização do seu app/smartphone ou óculos RV (realidade virtual). Isso agiliza a assimilação de procedimentos e informações que, mais do que trazer produtividade, melhora o atendimento com os clientes.

Quais empresas já investiram em realidade aumentada?

A realidade aumentada ainda não é uma tecnologia empregada a exaustão pelas empresas, muitas vezes por desconhecimento ou falta de reconhecimento do seu valor. Mas as que resolveram apostar em AR (sigla em inglês para realidade aumentada) trouxeram experiências bem interessantes aos seus consumidores.

Na lista a seguir, traremos 3 exemplos de marcas que exploraram a realidade aumentada. Acompanhe!

C&A

A varejista criou uma ação de realidade mediada, na qual os consumidores eram convidados a realizar um tour virtual pela loja da marca localizada no Shopping Morumbi, na capital São Paulo. Esse passeio era feito por meio do acesso a um site onde o cliente poderia conhecer a loja física, além de adquirir as peças encontradas (e disponíveis) diretamente pelo e-commerce da C&A.

IBM

a IBM criou e ainda desenvolve um aplicativo mobile de realidade aumentada em que auxilia os visitantes de uma loja a identificarem maiores informações dos produtos. O consumidor tiraria uma foto da gôndola, o sistema reconheceria as ofertas e traria dados como descrição do produto, especificações técnicas e opiniões de outros compradores.

Shiseido

A Shiseido é uma empresa japonesa de cosméticos que trouxe a realidade aumentada para dentro das suas lojas. A ação contou com uma espécie de espelho interativo, que mais parecia um celular reproduzindo a imagem da sua câmera frontal. Esse provador digital possibilitou que as clientes pudessem ver como as maquiagens ficariam em seus rostos, podendo, inclusive, trocar as tonalidades dos produtos.

Como o Pokémon Go pode ser um aliado nas vendas?

Resolvemos destacar esse app porque foi o game mobile de maior destaque no ano de 2016. Ao todo, estima-se que 75 milhões de downloads foram efetuados em todo o mundo até os meados de julho. Contudo, não é só pelo sucesso que falaremos de Pokémon Go, mas sim sobre as suas possibilidades de utilização como ferramenta de marketing e vendas no varejo.

Como os jogadores precisam sair pelas ruas para capturar os Pokémons usando seus smartphones, o game pode ser um meio interessante para atrair esses usuários/consumidores até suas lojas. Algumas formas de fazer isso são:

Usar as “lures”

As lures são itens no jogo que servem para atrair Pokémons para o entorno do smartphone que ativou esse recurso. Os Pokémons aparecem por 30 minutos e podem ser vistos e capturados por todos os jogadores que estiverem próximos. Desse jeito, sua loja poderia lançar mão desses itens para atrair e “capturar” clientes para a sua loja. Lembre-se de divulgar essas ações em redes sociais e demais mídias;

Oferecer cartões de recarga de celular

Para os jogadores mais assíduos, o game pode consumir muitos dados de navegação quando jogado em áreas sem Wi-Fi. Logo, uma maneira de aumentar a receita da sua loja e atender à necessidade dos usuários por mais tempo de navegação são os cartões de recarga. Esses cartões poderão servir como ponte entre os consumidores e outras ofertas expostas no estabelecimento.

Disponibilizar redes Wi-Fi e tomadas

Outras demandas dos jogadores de Pokémon Go são: acesso à internet sem consumir o pacote de dados e locais em que ele possa recarregar a bateria do smartphone. Para tornar suas lojas em ambientes mais convidativos a esse público, é aconselhável facilitar o acesso à sua rede Wi-Fi e providenciar tomadas e carregadores para os aparelhos dos clientes enquanto eles jogam e tem contato com os produtos.

A realidade aumentada é uma novidade que já vem se consolidando e ainda ganhará muito terreno no varejo brasileiro. O fato de usar uma tecnologia capaz de misturar a nossa realidade com os dinâmicos e lúdicos objetos virtuais faz com que as empresas consigam entregar uma experiência de compra cada vez mais impactante, inteligente e completa ao público. Isso leva a um maior interesse dos consumidores por essa relação inovadora e, consequentemente, a maiores vendas.

O que você pensa do uso da realidade aumentada no varejo? Acredita que as lojas poderão se relacionar melhor com os clientes por meio dessa tecnologia? Compartilhe sua opinião nos comentários!

Por que você precisa investir em tecnologia na gestão de vendas?

A tecnologia na gestão de vendas tem sido grande aliada do varejo ao proporcionar o aumento da produtividade. Com as ferramentas trazidas por ela, alguns processos têm sido bem mais simples, como o acompanhamento de métricas e de metas, a gestão de equipes externas e o contato periódico com o cliente.

Por isso, se você quiser sair na frente de seus concorrentes, certamente, você deverá apostar na inovação tecnológica. Mesmo o varejo sendo um mercado tradicional e bem consolidado, não há dúvida de que a tecnologia traz um diferencial realmente considerável.

Em nosso post de hoje, confira os motivos de investir em tecnologia:

Possibilita melhorias nos processos internos

O impacto da tecnologia nos processos internos é incrível. Primeiramente, você poderá controlar todas as métricas relacionadas à eficiência de seus funcionários. Com o ponto eletrônico, você faz relatórios de entrada, saída, e de intervalos com rapidez.

Você ainda poderá criar sistemas de autogestão para os funcionários, em que cada um controlará as suas próprias metas e avisará quando as tiver cumprido. Eles também poderão pedir ajuda quando estiverem com dificuldades em chats e fóruns, contribuindo para o espírito colaborativo.

Além disso, a comunicação entre as diferentes equipes fica bem mais simplificada. Por exemplo, as equipes de logística e vendas poderão manter um fórum sempre atualizado a respeito da chegada de produtos, para que os vendedores possam dar informações precisas aos clientes.

A gestão de vendas proporciona o aumento da produtividade

Muitos aplicativos oferecem um sistema que “gamefica” as vendas, ou seja, transforma o processo de bater metas de vendas em algo mais parecido com um jogo interessante do que com uma competição desgastante.

Assim, cada vez que seus vendedores baterem alguma meta, eles acumularão pontos. Cada um poderá ter um placar, que cresce à medida que ele bate metas. No final, você poderá dar uma recompensa aos vencedores do “jogo”.

Outra dica interessante é criar uma interface de apresentação de produtos inovadora. Quando o vendedor apresentar o produto para o cliente, ele terá uma experiência única. Haverá a possibilidade, por exemplo, de mostrar os produtos em ângulos de 360º, mudar as cores, de combiná-los com outros produtos, etc.

Contribui para a redução de filas

As empresas ainda não têm investido em soluções inovadoras para a gestão de filas. No entanto, esse é um fator crítico no varejo físico, pois o principal fator de desistência, depois do preço alto, é o tempo de espera em uma fila.

Quantas vezes você já desistiu de comprar algo por causa de uma fila enorme? Saiba que um sistema de vendas é a solução! Conte com equipamentos que não necessitam da leitura de código de barras, basta que o produto passe por um detector que o preço será registrado.

Outras razões que contribui para a demora e, consequentemente, para o aumento da fila, são os frequentes travamentos da máquina de cartão: o sistema cai, o pagamento não é autorizado, o cliente erra a senha ou o cartão está com defeito. O sistema pré-pago de cartões resolve rapidamente esse problema.

Com eles, o cliente pode adquirir um cartão que já vem recarregado com determinado valor e, então, basta validá-lo no caixa para que a compra seja efetivada. Evita-se, desse modo, o fator surpresa na hora de passar o cartão.

Melhora a gestão de métricas

Com uma aplicação voltada para a gestão de vendas, você poderá acompanhar facilmente as suas métricas. Elas serão atualizadas em tempo real, eliminando, assim, o erro humano. Os relatórios serão gerados automaticamente e poderão conjugar imagens, gráficos e textos para tornar a informação mais compreensível para a elaboração de novas estratégias de venda.

Por esses motivos, a tecnologia é um investimento crítico para aumentar rapidamente a produtividade e a eficiência da gestão de vendas. Os resultados citados neste post, inclusive, são imediatos e o retorno ocorre em curtíssimo prazo. Portanto, se você precisa aumentar suas vendas rapidamente, invista em tecnologia, pois o retorno é garantido!

Já aplicou a tecnologia de forma inovadora em sua empresa? Compartilhe com a gente a sua experiência no assunto!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn

Consumidores do futuro: como vender para a geração Z?

Eles só procuram lojas físicas quando precisam resolver um problema. São tão consumistas quanto seus antecessores (a geração Y) e têm acesso a uma infinidade de conteúdos gratuitos, entendendo que essa prática é normal e que nem sempre “comprar” significa “pagar” por algo. Bem-vindo à era da geração Z, os consumidores do futuro!

Você certamente já ouviu falar dos perfis geracionais, utilizados há bastante tempo na área de recursos humanos e que correspondem aos “baby boomers”, ao lado das gerações X, Y e Z.

Gerações X, Y e Z

Numa visão geral, os “baby boomers” são aqueles que nasceram entre 1946 e 1964. Apesar de terem criado o movimento hippie e outras formas de contestação, essas pessoas sentem dificuldade em adaptar-se a um mundo em constante mutação.

A geração X, surgida em meados dos anos 60, presenciou o nascimento da computação e a chegada dos aparelhos eletrônicos às casas e escritórios. E, finalmente, a geração Y, que cresceu em meio à revolução proporcionada pela internet, é aquela que vê a inovação como algo natural e inevitável.

Ainda que haja algumas divergências, classificações como essas estão se tornando importantes aliadas do mercado, no momento em que varejistas de todos os tamanhos buscam identificar quem são e o que querem seus clientes. Vamos conhecer agora o mais novo integrante dos perfis de consumo, a chamada geração Z.

Os consumidores do futuro vão às compras

Basicamente, a geração Z é formada por crianças e adolescentes para os quais não faz sentido falar em “conectar-se”, uma vez que eles estão sempre conectados e não conhecem outro tipo de relação com o mundo. O smartphone é uma extensão de suas mãos e, na interpretação deles, as interações online são tão “reais” quanto qualquer outra.

Um de seus passatempos favoritos é fazer downloads gratuitos de livros, filmes, músicas, HQs e todo tipo de conteúdo relacionado ao entretenimento. Gastar dinheiro com itens em formato físico não é tão comum, a não ser que o objeto de desejo seja um gadget ou outro produto de tecnologia.

Dinâmicos e autossuficientes, os integrantes da geração Z não veem problema em mudar de opinião o tempo todo, o que pode ser tornar o pesadelo dos estrategistas de marketing. Além disso, são críticos ao extremo, com baixa tolerância à frustração e ao descumprimento das promessas feitas por marcas e fabricantes.

Como as lojas devem se preparar para atender à geração Z

Quer vender para a geração Z? Então não abra mão do conceito de sustentabilidade, que é um dos mais apreciados por esses jovens consumidores. Atentos ao discurso sobre o impacto da ação humana no ambiente, eles entendem que as empresas devem assumir a responsabilidade e agir eticamente em qualquer circunstância.

A geração Z também quer que as marcas se relacionem com ela de forma transparente, sem subterfúgios ou táticas enganosas. A comunicação precisa ser simples e honesta, mantendo portas abertas para o diálogo e as sugestões.

Os nativos digitais também preferem atendimento via mensagens de texto, chats e redes sociais, ao invés do telefone. Gostam de resolver dúvidas e problemas rapidamente e, se possível, por conta própria (via tutorial em vídeo, por exemplo).

Consumidores do futuro? Nem tanto, afinal eles já estão aí e também já influenciam bastante nas decisões de compra de seus pais. Portanto, o melhor é tratar de adaptar-se a eles o quanto antes!

E então, o que achou do texto? Deixe um comentário e compartilhe sua opinião sobre os consumidores do futuro!


Rogério Lima é Diretor de Marketing e Vendas da epay Brasil e escreve sobre tendências para o varejo.

O que é o cartão vale presente e como ele pode ajudar a vender mais?

Apesar da popularidade no varejo dos Estados Unidos, o cartão vale presente ainda está conquistando o seu espaço no Brasil. Pra quem não o conhece, ele se mostrar uma excelente forma de presentear alguém sem que, com isso, seja preciso se preocupar se a pessoa vai gostar ou não do item escolhido.

Em nosso post de hoje, vamos explicar o que é o vale presente e por que ele pode ser uma alternativa bastante interessante e lucrativa para o seu negócio. Confira:

O que é o cartão vale presente?

O vale presente é um cartão (digital ou físico) que funciona, basicamente, de forma pré-paga, ou seja, o cliente estipula um valor para carregá-lo – muitas vezes as lojas já estabelecem as faixas de preço disponíveis – e quem o recebe pode utilizá-lo em uma próxima compra.

Tipos de vale presente

O lojista pode disponibilizar em seu empreendimento diferentes tipos de vale presente. Entre as possibilidades, estão:

  • Compra de uma só marca (serviços ou produtos);

  • Compra em apenas uma loja (física ou virtual);

  • Compra na rede de lojas de uma mesma marca;

  • Compra em várias lojas de um grupo preestabelecido;

  • Compra online e/ou em lojas físicas;

  • Parceria com instituições de crédito ou débito (Visa, Master, American Express) para uso em qualquer loja que aceite a bandeira.

É importante notar que o vale presente também pode ser do tipo recarregável. Essa é uma facilidade que permite que novos valores sejam adicionados nele no futuro, sem que, com isso, seja preciso gerar um novo cartão.

Como utilizar o cartão vale presente em sua loja?

Após escolher o tipo de vale presente ideal para adotar em seu estabelecimento, coloque em prática algumas estratégias de marketing — de nada adianta ter este item em sua loja se o consumidor não o conhece ou nem imagina que você o vende.

Faça propaganda do vale presente

Para que as pessoas possam adquirir este produto em seu estabelecimento, é preciso que elas saibam da existência dele — elas devem ser apresentadas às facilidades e possibilidades dele. Crie ações promocionais em seus canais digitais (redes sociais, e-mail marketing, blog) e físicos (flyers, banners, folders) — treine também a sua equipe para que possam incluí-lo nos discursos de venda.

Além disso, quando uma pessoa adquire este tipo de item para presentear alguém, consequentemente mais pessoas conhecerão o seu negócio, pois o presentado terá que ir até a sua loja física ou virtual para trocar o valor recebido no cartão — podendo, até mesmo, se interessar por mais coisas que você oferece.

Prepare ações exclusivas

Que tal criar pacotes de produtos e serviços que só podem ser adquiridos com o vale presente? Esta é uma excelente estratégia para influenciar o uso dele e de levar em consideração a necessidade de giro do estoque da sua loja.

O vale presente pode, sim, ser uma ótima alternativa para quem está buscando uma nova forma de atrair uma base diversificada de clientes. E, ao mesmo tempo, oferecer a eles uma experiência de compra diferente e prática — caso essa experiência se mostre bem-sucedida, você contribuirá para a fidelização deles.

Portanto, que tal aproveitar o seu calendário de ações para investir nessa possibilidade? E se tiver alguma dúvida ou comentário sobre o tema, compartilhe com a gente. Queremos saber a sua opinião!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn. 

Como usar a Inteligência Competitiva para melhorar as vendas no varejo?

Há algumas décadas, as fontes de informação competitiva eram limitadas e de difícil acesso. Com a internet e a globalização, elas se multiplicaram infinitamente e não tiveram mais fronteiras físicas para barrar o seu fluxo.

Neste novo cenário, surgiu a inteligência competitiva – também conhecida como inteligência de mercado – uma técnica de análise de informações, que permite perceber as dinâmicas do mercado (tendências e movimentos), e estudar o comportamento de clientes e concorrentes, que visa minimizar os riscos empresariais e dar suporte à tomada de decisão.

A inteligência competitiva pode contribuir de forma bastante efetiva para melhorar as vendas no varejo, captando, filtrando e tratando informações relevantes que nortearão melhorias de gestão empresarial. Ficou interessado? Veja como neste post:

Benchmarking eletrônico

Quando a empresa dispõe de um bom software integrado de gestão – que engloba informações sobre estoque, fluxo de caixa, emissão de notas fiscais, etc. – é possível usar a inteligência competitiva para fazer análises de séries históricas de informações sobre o desempenho organizacional de vendas e gestão financeira (controle de inadimplência).

Um exemplo de como isso é possível é traçando um comparativo com os dados e indicadores do seu segmento de negócios – disponíveis em entidades como CDL, Serasa e outras – para entender se o seu movimento está seguindo, superando ou ficando aquém do desempenho da concorrência. Com esta informação em mãos, é possível aperfeiçoar os processos internos de controle e vendas.

Agregação de inovações tecnológicas

Com a inteligência competitiva, fica fácil acompanhar as inovações tecnológicas que afetam o varejo, seja para tornar mais segura a concessão de crédito (cartão de crédito pré-pago); agilizar os pagamentos (pagamento via smartphone) e reduzir o volume de trocas de produtos (vale presente), por exemplo.

Estas inovações podem e devem ser agregadas aos processos comerciais da sua empresa, para aumentar as vendas, a retenção e a fidelização dos clientes.

Definição das estratégias de vendas e marketing

Aplique a inteligência competitiva no mapeamento das ações da concorrência em relação a campanhas de marketing e promoções de vendas, ampliando o fluxo de pessoas no ponto de venda (PDV).

Invista em ações segmentadas, ampliando a oferta de ações promocionais customizadas por loja, período, perfil de cliente, e região geográfica. Há no mercado aplicações via mobile integradas com plataformas transacionais capazes de operacionalizar estas ações promocionais, permitindo a análise mais assertiva de quais campanhas são mais relevantes para seus clientes e capazes de gerar melhores resultados gerando melhor retorno sobre o investimento de marketing (ROM).

Essas análises ajudam o varejista a aprimorar a negociação com fornecedores para reduzir custos de aquisição e renovar o mix de produtos ofertados.

Inteligência competitiva e sustentabilidade

Observar o mercado para conhecer a concorrência e os clientes sempre foi primordial no varejo, porém, em muitos casos, esse assunto ainda é tratado como uma tarefa casual e informal — mas lembre-se de que os seus competidores cada vez mais estão aderindo a ferramentas profissionais de inteligência competitiva para garantir a sustentabilidade dos seus negócios.

As informações geradas por intermédio da inteligência competitiva interferem diretamente na gestão estratégica do varejo, ampliando a visão mercadológica e do negócio, identificando oportunidades e ameaças e tornando sua postura proativa. Isso acontece por meio da antevisão de tendências e comportamentos, fazendo com que a empresa esteja sempre à frente da sua concorrência.

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn. 


Rogério Lima é Diretor de Marketing e Vendas da epay Brasil e escreve sobre tendências para o varejo.