Gestão de vendas e business intelligence: qual a relação entre eles?

O business intelligence (BI) vem sendo um grande aliado de cada vez mais negócios rumo ao crescimento. Principalmente por meio do tratamento de dados — coleta, análise, organização e exposição de informações — de várias fontes.

Por conta disso, a gestão de vendas de um empreendimento pode se beneficiar dessa geração de resultados e oportunidades. Com a plataforma, os processos da área podem ser mais exatos, devido aos gráficos e dashboards que o BI proporciona — inclusive com previsões e monitoramento de dados em tempo real.

Neste post, acompanhe a relação entre o business intelligence e a gestão de vendas e saiba quais são as respostas que podem ser encontradas para o seu negócio.

Business intelligence e sua função

A utilização de diagnósticos e indicadores gerenciais precisos são boas práticas para somarem no planejamento estratégico.

Com a lapidação de toda a carga de informações que a plataforma extrai, pontos a serem aperfeiçoados, imperceptíveis sem a ferramenta, são revelados. Além disso, o BI — com dados também externos à empresa, como de consumidores e mercado de atuação — fornece análises preditivas, o que também é muito importante para o plano de ações.

BI na gestão de vendas

Além das possibilidades e dos resultados que já citamos, gestores de vendas podem melhorar processos de rotina e prever ações necessárias ao andamento sustentável e correto das atribuições do departamento. Dentre eles, podemos citar:

Controle do estoque

Além do trabalho com informações passadas, o business intelligence também monitora dados em tempo real. Com esse acompanhamento e com a posse do histórico de saídas, a solução pode prever quando será necessário repor estoque, agilizando a decisão, adiantando procedimentos e mantendo-o sempre controlado.

Análise da equipe de vendas

Para esse quesito, temos o encaixe perfeito dos dashboards, pois vendedores têm metas a serem alcançadas. E o BI permite que todos os números relativos ao trabalho da equipe sejam acompanhados em tempo real por painéis de controle. Essa funcionalidade junto aos gráficos podem revelar correções necessárias sobre equipe e à atuação dela.

Acompanhamento da experiência do cliente

Os dados de vendas e pós-venda colhidos e filtrados pela solução têm potencial para revelar porque a carteira de clientes ou o número de consumidores cresceu, estancou ou diminuiu.

Assim, o responsável pode avaliar melhorias e investimentos a serem feitos em atendimento, agilidade de conclusão de transações, reação a objeções de compra e demais formas de melhorar a experiência do comprador.

Previsão de tendências de mercado e consumo

Os responsáveis pela gestão de vendas devem direcionar a equipe de acordo com os quesitos que acabamos de abordar.

E fazer isso tendo um suporte, que o auxilia no acompanhamento de fatores externos, torna sua atuação mais precisa e eficiente — existe a agilidade do preparo embasado disponibilizado pelo BI.

Tendo em mente dificuldades geradas por fatores alheios em curto e longo prazos, que fazem necessário aperfeiçoamento na gestão de vendas, evita-se perda de fatia de mercado ou ineficiência em operações. E, por outro lado, em um cenário favorável ao negócio, o profissional pode mudar o planejamento também, porém visando maximizar o futuro impacto benéfico constatado.

Com a aplicação da ferramenta no setor, os benefícios estendem-se até mesmo ao setor de marketing. Já que com percepções vindas diretamente do departamento que lida com os clientes e seus perfis, mudanças podem ser feitas na estratégia para que ela atinja o público-alvo de maneira mais assertiva, de modo a gerar mais oportunidades de negócios.

Agora que você sabe como o business intelligence é potente na otimização da gestão de vendas, veja três dicas para vender mais analisando dados!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn

Realidade Aumentada no Varejo: entenda como a inovação irá alavancar as vendas!

Não é nenhuma surpresa que a tecnologia é uma importante aliada das marcas, pois possibilita um relacionamento de forma cada vez mais inovadora com os seus clientes. Mais recentemente, com a popularização e desenvolvimento dos smartphones, novos modos de interação entre o público e as ofertas foram criados. Uma dessas novidades que se consolidaram nos últimos anos foi o uso da realidade aumentada no varejo.

Já que as formas tradicionais de marketing não atraem os consumidores como antes, a utilização de tecnologias diferenciadas pode ser um caminho interessante para os varejistas. Dessa maneira, vamos nos aprofundar um pouco mais no universo da realidade aumentada e ver como ela pode ser útil para alavancar as vendas nas lojas. Confira a seguir!

O que é realidade aumentada?

A realidade aumentada é uma tecnologia que coloca objetos virtuais para interagirem com objetos reais a partir do uso de um software ou aplicativo. Com ela, podemos mudar a forma como nos relacionamos com o mundo, inclusive as relações de consumo.

Um exemplo prático é o uso de smartphones que, quando ativam a câmera por meio de um determinado aplicativo, aparecem objetos virtuais sobre o cenário físico filmado e transmitido naquele momento. Nesse caso, poderiam ser as informações de um notebook assim que a câmera do usuário apontasse a câmera para o produto enquanto ele estivesse na loja e usando o app da marca.

É importante reforçar que o uso da realidade aumentada depende de um software, aplicativo ou sistema que possa interpretar o sinal vindo da câmera e do objeto real como referência. Essa tecnologia usa conteúdos, ações e respostas predefinidas a cada interação programada com os itens reais e virtuais.

Como ela pode ser inserida no varejo?

O principal objetivo da realidade aumentada no varejo é proporcionar uma experiência de compra e relação diferenciada aos clientes. Por exemplo: os consumidores, por meio dessa tecnologia, podem interagir com produtos, com a vitrine ou com o ambiente de uma loja mesmo sem estar fisicamente no estabelecimento.

Outro ponto a se destacar é que essa tecnologia visa simplificar o processo de compra por parte dos clientes. Basta pensar na facilidade que uma pessoa teria ao experimentar um sapato ou uma camiseta em casa, apenas usando um aplicativo da loja e a câmera do seu smartphone para se visualizar com as peças. Mais do que isso, o consumidor pode adquirir o produto pelo próprio app ou, pelo menos, ter uma decisão de compra tomada ao ir para a loja.

A realidade aumentada, dependendo da maneira como é implementada por sua empresa e entendida pelo público, tem tudo para gerar um impacto positivo em sua taxa de conversão.

Realidade aumentada além das vendas

O uso dessa tecnologia não está atrelado apenas ao viés puramente comercial. A realidade aumentada abre tantas possibilidades que é plausível a sua aplicação em outros segmentos, como segurança, educação, literatura, entretenimento e treinamento interno. Aliás, as duas últimas áreas podem, indiretamente, melhorar o relacionamento da sua empresa tanto com o público externo quanto interno, o que resulta em melhores oportunidades de negócio.

Vamos ver na prática essas duas possibilidades que destacamos de aproveitamento da AR em entretenimento e treinamento:

  • No primeiro caso, o uso mais comum é para a criação e desenvolvimento de jogos, como o popular Pokémon Go (falaremos mais sobre ele ao final do post);

  • No segundo, a realidade aumentada pode colocar um colaborador em contato com gráficos e dados de um processo ou produto apenas com a utilização do seu app/smartphone ou óculos RV (realidade virtual). Isso agiliza a assimilação de procedimentos e informações que, mais do que trazer produtividade, melhora o atendimento com os clientes.

Quais empresas já investiram em realidade aumentada?

A realidade aumentada ainda não é uma tecnologia empregada a exaustão pelas empresas, muitas vezes por desconhecimento ou falta de reconhecimento do seu valor. Mas as que resolveram apostar em AR (sigla em inglês para realidade aumentada) trouxeram experiências bem interessantes aos seus consumidores.

Na lista a seguir, traremos 3 exemplos de marcas que exploraram a realidade aumentada. Acompanhe!

C&A

A varejista criou uma ação de realidade mediada, na qual os consumidores eram convidados a realizar um tour virtual pela loja da marca localizada no Shopping Morumbi, na capital São Paulo. Esse passeio era feito por meio do acesso a um site onde o cliente poderia conhecer a loja física, além de adquirir as peças encontradas (e disponíveis) diretamente pelo e-commerce da C&A.

IBM

a IBM criou e ainda desenvolve um aplicativo mobile de realidade aumentada em que auxilia os visitantes de uma loja a identificarem maiores informações dos produtos. O consumidor tiraria uma foto da gôndola, o sistema reconheceria as ofertas e traria dados como descrição do produto, especificações técnicas e opiniões de outros compradores.

Shiseido

A Shiseido é uma empresa japonesa de cosméticos que trouxe a realidade aumentada para dentro das suas lojas. A ação contou com uma espécie de espelho interativo, que mais parecia um celular reproduzindo a imagem da sua câmera frontal. Esse provador digital possibilitou que as clientes pudessem ver como as maquiagens ficariam em seus rostos, podendo, inclusive, trocar as tonalidades dos produtos.

Como o Pokémon Go pode ser um aliado nas vendas?

Resolvemos destacar esse app porque foi o game mobile de maior destaque no ano de 2016. Ao todo, estima-se que 75 milhões de downloads foram efetuados em todo o mundo até os meados de julho. Contudo, não é só pelo sucesso que falaremos de Pokémon Go, mas sim sobre as suas possibilidades de utilização como ferramenta de marketing e vendas no varejo.

Como os jogadores precisam sair pelas ruas para capturar os Pokémons usando seus smartphones, o game pode ser um meio interessante para atrair esses usuários/consumidores até suas lojas. Algumas formas de fazer isso são:

Usar as “lures”

As lures são itens no jogo que servem para atrair Pokémons para o entorno do smartphone que ativou esse recurso. Os Pokémons aparecem por 30 minutos e podem ser vistos e capturados por todos os jogadores que estiverem próximos. Desse jeito, sua loja poderia lançar mão desses itens para atrair e “capturar” clientes para a sua loja. Lembre-se de divulgar essas ações em redes sociais e demais mídias;

Oferecer cartões de recarga de celular

Para os jogadores mais assíduos, o game pode consumir muitos dados de navegação quando jogado em áreas sem Wi-Fi. Logo, uma maneira de aumentar a receita da sua loja e atender à necessidade dos usuários por mais tempo de navegação são os cartões de recarga. Esses cartões poderão servir como ponte entre os consumidores e outras ofertas expostas no estabelecimento.

Disponibilizar redes Wi-Fi e tomadas

Outras demandas dos jogadores de Pokémon Go são: acesso à internet sem consumir o pacote de dados e locais em que ele possa recarregar a bateria do smartphone. Para tornar suas lojas em ambientes mais convidativos a esse público, é aconselhável facilitar o acesso à sua rede Wi-Fi e providenciar tomadas e carregadores para os aparelhos dos clientes enquanto eles jogam e tem contato com os produtos.

A realidade aumentada é uma novidade que já vem se consolidando e ainda ganhará muito terreno no varejo brasileiro. O fato de usar uma tecnologia capaz de misturar a nossa realidade com os dinâmicos e lúdicos objetos virtuais faz com que as empresas consigam entregar uma experiência de compra cada vez mais impactante, inteligente e completa ao público. Isso leva a um maior interesse dos consumidores por essa relação inovadora e, consequentemente, a maiores vendas.

O que você pensa do uso da realidade aumentada no varejo? Acredita que as lojas poderão se relacionar melhor com os clientes por meio dessa tecnologia? Compartilhe sua opinião nos comentários!

Overdelivering: entenda como encantar clientes no seu varejo

A sua empresa aposta em overdelivering? Se você ainda não conhece ou pratica este conceito, saiba que ele pode ser um poderoso aliado para suas perguntas sobre como encantar clientes no seu varejo.

Overdelivering pode ser traduzido simplesmente como entregar além do esperado pelo público consumidor, surpreendendo-o e criando assim um vínculo com a marca.

Para deixar mais claro, você já se perguntou o que possuem em comum algumas das empresas que mais têm conquistado espaço no mercado por meio de promotores de sua marca? Um ótimo exemplo é o Uber, aplicativo que facilita o acesso ao serviço de transporte privado. A razão do sucesso desta empresa é justamente o overdelivering: ao solicitar um transporte, ninguém espera ter água, balinhas e seu estilo musical preferido tocando no rádio. Esses fatores não são fundamentais para que o transporte aconteça, mas certamente tornam a jornada muito mais agradável. Quem não quereria repetir essa experiência?

Por que overdelivering ajuda a encantar clientes?

Sem dúvidas, encantar clientes é uma das prioridades do seu varejo neste momento, não é mesmo? Com a economia em desaceleração, conquistar, fidelizar e criar promotores para sua marca o ajudam a ter um diferencial competitivo no mercado e não sofrer com baixas em vendas.

Mas como o overdelivering ajuda a encantar clientes? A resposta é bastante simples: uma pessoa em sua rotina diária realiza uma série de transações, das mais simples às mais complexas. Em um mesmo dia ela pode tomar café na padaria, chamar um táxi para chegar até o trabalho, almoçar em seu restaurante favorito, comprar pela internet ingressos para o cinema ou contatar um corretor de imóveis para procurar um novo apartamento.

Normalmente, todos esses micro-momentos acontecem de forma bastante semelhante ao esperado pelo consumidor. Mas qual o impacto quando um desses negócios resolve surpreendê-lo, oferecendo mais do que ele espera? Com certeza, esta empresa criará um vínculo mais forte com seu cliente por meio de encantamento e geração de valor percebido.

Overdelivering: por onde começar

Agora que você já entende porque o overdelivering ajuda a encantar os clientes no seu varejo, está na hora de começar a pensar em quais são as ações podem ser colocadas em prática agora mesmo. Listamos aqui algumas sugestões, mas é importante lembrar que cada empresa possui seu perfil de cliente e conhecê-lo é fundamental para acertar na estratégia!

Cupons de desconto

Oferecer desconto é um grande facilitador para uma futura transação, além de um benefício bastante real para o cliente. Dessa forma, a chance de um consumidor retornar até o seu empreendimento para realizar mais alguma compra aumenta consideravelmente.

Brindes

Um brinde pode aumentar seu custo, mas certamente gera valor percebido para seus clientes. Invista em brindes úteis e associados à sua marca. Além disso, de acordo com o seu nicho de atuação, as possibilidades para presentear os seus clientes são muitas!

Personalize seu atendimento

Você não precisa ter custos altos para encantar seu cliente, basta começar entendendo qual o perfil de compra e conhecendo o histórico dele em seu varejo. Assim, você consegue investir em personalização e entregar uma experiência bastante diferenciada a ele.

Começar a praticar overdelivering e encantar clientes no seu varejo é simples, basta escolher a forma que mais tem a ver com a sua marca. Apenas lembre-se: para não fazer feio, um segredo é não prometer o que você não pode cumprir!

E então, sua empresa está oferecendo overdelivering para os clientes? Como isso tem ajudado seu varejo em fidelização? Compartilhe com a gente a sua experiência com essa estratégia!

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn

Experiência do cliente: saiba como atrair a geração Millennials

Eles cresceram acessando a internet, acompanharam várias evoluções tecnológicas e estão sempre conectados, buscando informações que ofereçam boas experiências e bem-estar.

Essas são algumas características da geração Millennials (ou geração Y), representada pelas pessoas nascidas entre 1980 e 2000. Entender as relações de consumo desse grupo pode ajudar a sua empresa a melhorar a experiência do cliente e a aumentar as vendas.

Não sabe por onde começar? Fique tranquilo(a)! Neste artigo, você vai conferir as principais características de consumo da geração Millennials e como atraí-los. Boa leitura!

Como os Millennials se relacionam com as marcas?

A boa notícia é que essa geração consome ativamente! Para conhecer as marcas, eles abusam da tecnologia e das mídias sociais. Gostam de interagir com as empresas por meio desses canais e acabam influenciando o consumo de outras pessoas ao compartilhar conteúdos que vão ao encontro de seus interesses.

Você deve estar se perguntando: e quais são esses interesses? Os Millennials valorizam muito as experiências que uma marca pode trazer, seja por meio da personalização do atendimento, do engajamento nas redes sociais ou da identificação com os valores da empresa.

Design, praticidade e funcionalidade são algumas das principais características que eles buscam em um produto. O tamanho da marca já não é tão decisivo no momento da compra.

Um exemplo: ao comprar uma roupa, a geração Millennials se preocupa mais com o tipo de experiência que aquela peça pode proporcionar (conforto em uma viagem, boa aparência na selfie) do que com a marca propriamente dita. Eles adoram exclusividade, então sempre buscam opções de produtos que os façam se sentir únicos e diferentes.

Como conquistar a geração Millennials?

Se você deseja se destacar e conquistar a atenção desse grupo tão conectado e informado, fique atento(a) às nossas dicas:

Invista nas mídias sociais

Ter um site e postar notícias da empresa nas redes sociais uma vez ou outra não é o suficiente para criar o engajamento com a sua marca. Para atrair, encantar, cativar e fidelizar uma geração que é altamente conectada, você precisa investir nas plataformas certas, certificando-se de ser ativo e relevante.

Desta forma, abuse dos mecanismos online, que possibilitam a aproximação da sua marca com os Millennials de plantão. Isso pode ser feito, por exemplo, por meio de um blog corporativo constantemente atualizado, pela produção de vídeos interativos, pela formulação de enquetes que estimulem a interação e pela divulgação de promoções que interessem ao público-alvo, por exemplo.

Ofereça conteúdo personalizado

Apenas conhecer as ferramentas mais familiares aos Millennials, mantendo uma rotina de atualização para valer-se das possibilidades de interação, não torna a sua marca automaticamente relevante. Para conquistar espaço na vida e na rotina dessa geração, é preciso ir além: é necessário oferecer conteúdo personalizado.

Uma das características mais marcantes dos Millennials é justamente a valorização do que é único e especial — como se aquilo fosse especificamente desenhado para ele. Desta forma, no intuito de produzir um conteúdo atrativo, certifique-se de priorizar um texto personalizado e aderente às necessidades e aos anseios dos Millennials.

Aposte na comunicação multicanal

Para se relacionar com uma geração superconectada, que tem pleno domínio (e até certa dependência) das novas ferramentas tecnológicas de comunicação, é preciso estar atento à forma com que os Millennials manejam os recursos de que dispõem.

Neste aspecto, a comunicação multicanal vem mostrando sua força. Hoje, a integração das plataformas está modificando a forma com que os indivíduos acessam conteúdos, interagem com marcas e efetivam compras online. Fique atento às possibilidades e aproveite as oportunidades!

Valorize a instantaneidade

Para os Millennials, o “aqui e agora” é uma realidade valiosa. Os indivíduos dessa geração estimam e buscam a instantaneidade na satisfação de seus desejos, no reconhecimento por seus feitos e no acesso a produtos e serviços que almejam.

As marcas, portanto, precisam estar preparadas para atender às demandas dos Millennials com consistência e agilidade, indo ao encontro da satisfação imediata que eles não se cansam de perseguir. Para tanto, é preciso desenvolver uma estrutura organizacional fluida e interativa, capaz de oferecer produtos e serviços de qualidade de forma rápida e eficaz.

Destaque o trabalho da sua equipe

Uma das principais características da geração Millennials é a busca por empregos que tragam satisfação pessoal. Neste aspecto, o trabalho deixou de ser voltado apenas ao objetivo de acumular riqueza, despontando como uma forma de perseguir um propósito de vida relevante.

É justamente por isso que os Millennials admiram as empresas que valorizam seus colaboradores e que mostram constantemente que se importam com a realização pessoal e profissional dos funcionários.

Assim, é importante que a sua marca exponha — por meio de vídeos ou fotos, por exemplo — a filosofia de valorização e incentivo. Uma boa oportunidade é a de motivar seus colaboradores a dar dicas sobre seus produtos; afinal, essa interação com o seu time traz a sensação de proximidade com a organização.

Mostre os valores da empresa

Para conquistar a geração Millennials, é importante lembrar que eles buscam mais do que produtos, mas, também, um relacionamento transparente e valioso com a empresa em que trabalham. Para que uma relação dê certo, portanto, é imprescindível que haja uma identificação mútua de valores.

Vivemos uma época de diversidade, em que as pessoas expõem cada vez mais as suas ideias e buscam o respaldo da sociedade. Neste âmbito, mostrar-se atento(a) às realidades dos consumidores e incentivar a inclusão das minorias é uma maneira de criar uma boa imagem para a sua marca.

Crie e nutra uma relação emocional

Os Millennials são uma geração movida a emoções. Para conquistá-los, a evidenciação do que é genuinamente humano figura como um ótimo caminho para criar laços perenes com as pessoas.

O apoio a causas sociais e ambientais, por sua vez, também são atributos valorizados pelos indivíduos dessa geração, motivando-os a construir a sinergia com a marca e a fortalecer a identificação com produtos e serviços mais conscientes e sustentáveis.

Incentive a experiência do cliente de maneira positiva

Incentivar a experiência positiva do cliente com a sua empresa é sempre um desafio, uma vez que cada perfil possui características e necessidades específicas.

Na tarefa de encantar os Millennials, a preocupação com a melhor experiência de interação, uso e consumo são essenciais, possibilitando que a marca seja reconhecida e lembrada no momento da compra.

Por isso, a empresa deve nutrir forte preocupação com a forma com que se relaciona com seu público-alvo, esforçando-se para fornecer sempre a experiência mais positiva aos consumidores atuais e potenciais.

Gostou das dicas? Compartilhe este post nas redes sociais e divida com outras pessoas essas informações!

informações!

Afinal, o que é o varejo express?

As pessoas passam constantemente por um processo de mudanças e, por conta disso, o mercado precisa acompanhar. E uma das características mais marcantes do consumo é o dinamismo: ainda que sutis, as mudanças são constantes e estão acontecendo mesmo que não percebamos com total clareza.

Neste âmbito, o varejo express desponta como um ótimo exemplo de adequação e, também, como uma boa oportunidade para reaquecer as vendas.

Neste post, você conhecerá um pouco sobre o modelo e terá dicas de como implementá-lo no seu empreendimento, aproveitando-se das vantagens deste novo método. Preparado? Vamos lá!

Varejo express: o que é e como funciona?

Para conquistar e fidelizar clientes, as empresas precisam estar constantemente atentas às necessidades de consumo. Apenas ao conhecer as preferências e ao entregar exatamente aquilo que seu público-alvo demanda é possível manter uma base de consumidores leais.

Embora pareça uma constatação simples, a aplicação prática desta premissa envolve aspectos mais complicados. Uma vez que as predisposições de consumo estão em constante evolução, o desafio das empresas é o de se manter relevante frente aos novos anseios de seus clientes.

Foi diante de uma nova demanda social, portanto, que surgiu o conceito de varejo express. Buscando oferecer uma solução mais eficiente e conveniente a um público cada vez mais apressado e exigente, grandes redes supermercadistas foram pioneiras ao apostar em uma versão reduzida de ponto de venda.

Em espaços menores, organizados de forma a favorecer a circulação e a efetivação da compra, as unidades express priorizam uma experiência de consumo pautada na praticidade, sem que haja redução da qualidade oferecida em atendimento e em variedade de produtos.

Mas lembre-se: para implementar o modelo com assertividade, evitando decisões precipitadas que possam incorrer em prejuízos, a viabilidade da operação certamente requer uma avaliação criteriosa. Não negligencie uma boa etapa de acompanhamento de mercado e planejamento de negócios!

Varejo express: as vantagens da implementação

O fato de ir ao encontro de uma nova demanda social, oferecendo ao cliente algo que tem perfeita aderência ao seu cotidiano e aos seus desejos, já desponta como um forte argumento em favor do modelo de lojas express.

Mas, para além das implicações primárias, ainda há outras vantagens bastante relevantes para os dois lados envolvidas neste novo modelo de relação comercial.

Ao consumidor

Ao se deparar com uma loja que foi pensada para proporcionar uma experiência ágil e facilitada, o consumidor tem suas necessidades atendidas: encontra os produtos que lhe são convenientes e efetiva a tarefa de compra sem perder muito tempo.

Variedade, eficiência e proximidade devem ser os guias fundamentais de uma proposta verdadeiramente express — e, caso deixem a desejar, a visão de valor sobre a marca e o serviço será fatalmente comprometida.

À empresa

Ao optar por espaços menores, a manutenção é barateada — mas os processos logísticos precisam estar afinados de modo a garantir que as prateleiras jamais fiquem vazias.

Uma unidade de varejo express também precisa simplificar suas operações e estar plenamente preparada para proporcionar uma experiência prática, rápida e simples. Nestes casos, o contato com o cliente é bem mais próximo e deve ser valorizado em toda e qualquer ocasião de compra, sob o risco de criar uma perigosa (e fatal) massa de insatisfeitos.

Agora que você já conhece melhor o varejo express e suas vantagens, compartilhe este post com seus contatos em suas redes sociais e divida com eles essas informações!

7 realidades do varejo mundial para você implantar agora

O mercado varejista atual é bastante competitivo e desafiador. Então, para ser bem-sucedido, é preciso acompanhar as tendências do varejo e as mudanças nos hábitos dos consumidores.

Hoje em dia, ser capaz de atender aos padrões dos consumidores não significa apenas saber o que eles querem, mas colocá-los no centro do negócio e buscar formas de melhorar sua experiência de compra.

Para ajudá-lo, preparamos as principais tendências do varejo que prometem revolucionar a forma que a indústria e o cliente se relacionam. Confira!

1. O consumidor no centro do negócio

São muitas as opções de compra à disposição do cliente. Ele tem a informação ao seu lado e conhece os produtos e os serviços que lhe são oferecidos. O consumidor está muito mais exigente e empoderado.

Por isso, atender aos padrões do cliente significa mais do que entender o que ele quer, mas colocá-lo no centro do negócio.

Os varejistas devem repensar sua estrutura física e sua inteligência de dados para oferecer experiências de compra facilitadas, fator que torna a decisão do consumidor mais responsiva e intuitiva.

2. O uso da informação e o Big Data

O termo faz referência à informação que temos à disposição, que é enorme. No entanto, elas não valem de nada se não forem bem utilizadas. A boa notícia é que há várias soluções que tornam a coleta e análise de dados uma ferramenta acessível.

Os varejistas precisam reconhecer a importância de se confiar em dados. Ao fazerem isso, serão capazes de unificar a coleta de informações (online e offline) e proporcionar a seus clientes experiências de compra personalizadas e únicas.

Veja algumas vantagens do Big Data:

  • Conhecer melhor o cliente e seus hábitos de compra;

  • Adaptar os serviços às preferências dos consumidores;

  • Ofertas personalizadas aos clientes.

3. Ser omnichannel: integração dos canais de venda

O investimento em ampliação dos canais de venda é imprescindível. O consumidor de hoje é dinâmico e gosta de ter opções. Eles compram pela internet, por aplicativos, em lojas físicas e onde mais for possível. Sendo assim, as empresas precisam se estruturar para dar ao consumidor o que ele quer e onde ele precisa. Trata-se de unificar as esferas online e offline para proporcionar a ele a experiência de compra ideal.

4. Investimento em Responsabilidade Social Corporativa

Os consumidores atuais estão cada vez mais atraídos por marcas que investem em iniciativas de responsabilidade social. As empresas que têm esse tipo de ação transformam a experiência de compra do cliente, pois são ações que produzem impactos positivos para a comunidade, e os consumidores se sentem bem por estarem contribuindo, mesmo que indiretamente.

5. Utilização de novas tecnologias

Uma das mais importantes tendências do varejo é investir na utilização de novas tecnologias e compreender como elas podem aumentar as vendas e aprimorar a experiência do cliente. Em um mundo marcado pela conectividade, é preciso pensar como comunicar de forma eficiente com o público.

As novas tecnologias podem ser utilizadas de diversas formas, por exemplo:

  • Uso do smartphone como via para pagamento (Apple Pay, por exemplo);

  • Redes sociais como plataforma para vendas;

  • Utilização de informações de conexões de smartphone para mapear hábitos e preferências;

  • Utilizar as informações para melhorar processos de compra.

6. Ênfase na experiência de consumo

Cada vez mais, a satisfação do cliente é determinada por sua experiência de compra. E trata-se de uma percepção relativa a todos os canais de venda — os virtuais e os físicos. É preciso tornar o processo de compra uma experiência personalizada, agradável, rápida e intuitiva.

7. Investimento em canais digitais

As ferramentas digitais são ótimos recurso para aproximar o varejista do consumidor. Por meio das mídias sociais (Facebook, Twitter, Instagram, Pinterest), é possível interagir com os clientes de forma mais próxima. Além disso, é uma ótima maneira de entender as preferências dos clientes e qual é a resposta deles aos serviços e produtos oferecidos.

Acompanhar as tendências do varejo é muito importante para fidelização dos clientes em um mercado cada vez mais competitivo. É preciso entender que os consumidores estão mudando em uma velocidade muito mais rápida do que a do setor varejista e adequar os serviços a essa realidade.

Gostou do nosso post? Então, curta nossa página no Facebook e fique por dentro de todas as nossas novidades!